Abrir menu principal

Município Neutro

era uma unidade administrativa que existia no Brasil de 1834 a 1889
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)



Município Neutro

Município neutro do Império do Brasil

1834 – 1889 Bandeira do Distrito Federal (Brasil) (1891–1960).gif
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Município Neutro
Mapa do Município Neutro
Continente América do Sul
País Império do Brasil
Capital Não especificada
Governo Monarquia Constitucional parlamentarista
Período histórico Século XIX
 • 12 de agosto de 1834 Proclamação do Ato Adicional à Constituição de 1824
 • 15 de novembro de 1889 Proclamação da República
 • 1891 promulgação da Constituição de 1891

O Município Neutro foi uma unidade administrativa criada no Império do Brasil, que existiu no território correspondente à atual localização do município do Rio de Janeiro entre 12 de agosto de 1834 (quando foi proclamado o Ato Adicional à Constituição de 1824) e 15 de novembro de 1889, quando foi proclamada a república no Brasil. Mas só deixou de existir oficialmente com a promulgação da Constituição de 1891. Pela constituição republicana, esta unidade administrativa tornou-se o Distrito Federal, em 1891, cuja situação política mudou novamente quando tornou-se o estado da Guanabara, em 1960 e, posteriormente, com a fusão deste com o estado do Rio de Janeiro, em 1975.[1]

HistóriaEditar

 
Cidade do Rio de Janeiro em 1895.

Após a transferência da Corte portuguesa para a cidade do Rio de Janeiro, a capitania manteve-se diretamente administrada pelo governo real, num status diferenciado em relação às demais, cujas administrações eram ligeiramente mais autônomas em relação ao poder central, haja vista sua principal cidade ter se transformado na capital de todo o reino português.

Com a independência do Brasil, não se pôde alcançar a maior autonomia administrativa que sua elite aspirava como nas demais capitanias, agora transformadas em províncias, já que ao ministro do Reino, cargo que foi praticamente um substituto para o de Vice-Rei, confiava-se a administração fluminense.

Aliado a isto, estava o fato de que a cidade do Rio de Janeiro permaneceu como a capital do império do Brasil, o que fazia com que o ministro administrasse a província inteira por meio de "avisos", os quais dirigia às Câmaras Municipais de cidades que, naquela época, cresciam a passos largos devido à ampliação e fortalecimento da lavoura cafeeira no Vale do Paraíba, que já sobrepujava a força da lavoura canavieira na região Norte Fluminense.

Essas diferenças com relação às demais unidades administrativas do Brasil fez com que, em 1834, a cidade do Rio de Janeiro fosse compreendida no Município Neutro, permanecendo como capital do país e diretamente administrado pelo governo imperial, enquanto a província do Rio de Janeiro passou a ter a mesma organização político-administrativa das demais, tendo sua capital na Vila Real da Praia Grande, que no ano seguinte passou a chamar-se Niterói.

A cidade do Rio de Janeiro passava, também, a ter uma Câmara Municipal eleita pela população local e que cuidaria da vida daquela cidade sem interferência do presidente de província ou do gabinete dos ministros, com exceção do serviços que ficavam subordinados ao governo nacional. Em 1889, após a implantação da República no Brasil, a cidade continuou como capital do país, e o Município Neutro torna-se o Distrito Federal após a proclamação da Constituição de 1891.

Com a mudança da capital do país para Brasília, o antigo Distrito Federal tornou-se o estado da Guanabara. Com a fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, em 1975, a cidade do Rio de Janeiro deixou de ser compreendida no estado da Guanabara, fundido com o estado do Rio de Janeiro, retornando à condição de capital fluminense.

Referências