Abrir menu principal

O municipalismo consiste em uma ideologia política que objetiva oferecer maior autonomia aos municípios, atendendo especialmente à organização e prerrogativas das cidades, por meio de uma descentralização da administração pública.[1][2]

Os partidários dessa linha de pensamento costumam salientar a importância da cidade, uma vez que é nesse espaço onde se vive e se trabalha.[3] Enxergam a cidade como sendo o mundo real, enquanto que a Federação seria uma instituição abstrata e alienada à prestação de serviços governamentais.[4]

No Brasil foi defendido pela AIB, de Plínio Salgado[5] e pelo Patrianovismo de Veiga dos Santos. Mas extraordinariamente repelido na Era Vargas conforme a formação castilhista tecnocrata de Getúlio Vargas- ao que seu regime enaltecia um culto à autoridade central do Estado. Na Nova República é defendido por figuras como José Serra, um dos criadores do plano Cruzado, e Alckmin, ex-governador de São Paulo.

Municipalismo LibertárioEditar

Em meados de 1990 Murray Bookchin fundou o municipalismo libertário (Libertarian Municipalism).

Referências

  1. Daury Cesar Fabriz (2010). «Federalismo, municipalismo e direitos humanos» (PDF). Revista do TCE-MG. Consultado em 26 de setembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 26 de setembro de 2018 
  2. Francisco Ribeiro da Silva (1993). «Revolução liberal e municipalismo» (PDF). Casa de Sarmento / Centro de Estudos do Patrimônio da Universidade do Minho + Repositório Aberto da Universidade do Porto. Consultado em 26 de setembro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 18 de agosto de 2017 
  3. B. C. de Melo, Marcus André. «Municipalismo, Nation Building e a modernização do Estado no Brasil». www.anpocs.org.br. Portal das Ciências Sociais Brasileiras. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  4. Weissheimer, Marco (8 de julho de 2010). «Municipalismo: chavões e meias verdades». rsurgente. Consultado em 17 de março de 2018. Cópia arquivada em 15 de julho de 2010 
  5. Salgado, Plínio (1946). Como Nasceram as Cidades no Brasil. Cáceres, MT: Lisboa Ática. 166 páginas 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.