Núria de Gispert

Núria de Gispert
Núria de Gispert, em 2014.
Presidenta do Parlamento da Catalunha
Período 16 de dezembro de 2010
a 26 de outubro de 2015
Antecessor Ernest Benach
Sucessor Carme Forcadell
Conselheira de Justiça e Interior
da Generalitat da Catalunha
Período 4 de novembro de 2002
a 17 de dezembro de 2003
Antecessor Josep Delfí Guàrdia (Justiça)
Xavier Pomés (Interior)
Sucessor Josep Maria Vallès (Justiça)
Montserrat Tura (Interior)
Conselheira de Governança
da Generalitat da Catalunha
Período 5 de fevereiro de 2001
a 4 de novembro de 2002
Antecessor Josep Antoni Duran i Lleida
Sucessor Josep Maria Pelegrí
Conselheira de Justiça
da Generalitat da Catalunha
Período 1 de dezembro de 1995
a 5 de fevereiro de 2001
Antecessor Antoni Isac
Sucessor Josep Delfí Guàrdia
Dados pessoais
Nome completo Núria de Gispert i Català
Nascimento 6 de abril de 1949 (71 anos)
Barcelona
Nacionalidade espanhola
Alma mater Universidade de Barcelona
Partido Democratas da Catalunha (2015 — atualidade)
União Democrática da Catalunha (1986 — 2015)

Núria de Gispert i Català (Barcelona, 6 de abril de 1949) é uma advogada e política espanhola. Foi presidenta do Parlamento da Catalunha entre 2010 e 2015.

BiografiaEditar

Casada e com quatro filhos, Núria de Gispert é também filha do político e advogado Ignasi de Gispert, e descendente de Dorotea de Chopitea, protetora e benfeitora de várias ordens católicas[1]. De Gispert é formada em Direito pela Universidade de Barcelona, e possui título de tradução juramentada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da Espanha[2]. Exerceu a advocacia entre 1971 e 1973, até entrar para o corpo de funcionários da Diputação de Barcelona, em 1974, e logo após da Generalitat, em 1980.

Integra, embora não pratique, a Ordem dos Advogados de Barcelona e, por seu trabalho como advogada, recebeu a Cruz de Honra de Sant Ramon de Penyafort (1998), a Cruz ao Mérito ao serviço de Advocacia espanhola (2002) e a Medalha da Ordem dos Advogados de Barcelona (2004). Ela também é membro da Acadêmia de Jurisprudência da Legislação da Catalunha, desde 2006 e foi defensora da mutualidade na Mutua dos Advogados, desde 2005.

Trajetória políticaEditar

Foi membro da União Democrática da Catalunha (UDC) desde 1986 e membro da Federação da Convergência e União. Na sua formação política, foi presidente do executivo da cidade de Barcelona, secretário geral da UDC, presidente da Mesa de Administração do Conselho Nacional e membro permanente do Conselho de Governo. Ela também foi vice-presidente de Relações Institucionais do Comitê Governante da UDC e membro do Conselho Nacional.

Seu primeiro envolvimento com a administração catalã foi como secretária-geral da Justiça e do Interior (1984-1993) e como vice-presidente do Comitê Diretor da Organização da Administração da Generalitat da Catalunha (1993-1994).

O então Presidente da Generalitat, Jordi Pujol, a incluiu no Governo da Catalunha como Conselheira da Justiça substituindo Antoni Isac em uma remodelação do Governo, tomada a cabo em 1 de janeiro de 1995. Vai exercer essa função até 5 de fevereiro de 2001, quando substituiu Josep Antoni Duran i Lleida como Conselheira do Interior. Um ano depois, uma nova remodelação do governo a trouxe de volta à Justiça, desta vez à frente do Departamento de Justiça e Interior, quando as duas pastas foram unidas. Durante sua participação no Governo, presidiu a parte catalã da Comissão Conjunta de Transferências Estado-Generalitat[3].

Em 2003, deixa de ser um conselheira da Generalitat, mas sua atividade política continua, como membro do Parlamento da Catalunha, onde presidiu a Comissão de Justiça e foi relatora da redação do Estatuto de Autonomia da Catalunha de 2006.

Nas eleições para o Parlamento da Catalunha em 2006, ela foi novamente eleita deputado pelo partido Convergência e União, e foi proposta como candidata a presidir a câmara, mas Ernest Benach obteve voto da maioria dos deputados para ser reeleito[4]. Nas eleições de 2010, voltou a ser candidata da CiU por Barcelona, e foi novamente eleita como parlamentar. Na sessão constitutiva do Parlamento naquela legislatura, em 16 de dezembro de 2010, foi eleita presidenta da câmara, sendo a primeira mulher a ocupar esse posto[5].

Presidência do Parlamento da CatalunhaEditar

Começou seu mandato como presidenta do Parlamento da Catalunha, propondo Artur Mas como o candidato a presidir a Generalitat[6]. Na IX legislatura, a mais curta da história, promoveu junto à Mesa da Câmara a entrega de 6 milhões de euros ao Governo da Generalitat que a Câmara havia economizado[7], e a redução do orçamento do Parlamento de 12,34% ao ano, em 2011, em sintonia com a situação econômica negativa do país[8].

Protagonizou algumas anedotas que fizeram recair críticas por parte de algumas forças políticas ou setores, por exemplo, quando se fantasiou de fada para uma entrevista a um jornal[9], ou quando insinuou que os salários dos deputados do Parlamento eram insuficientes[10].

Em 2012, o Parlamento foi dissolvido após o anúncio de eleições antecipadas, onde De Gispert foi eleita novamente como deputada na câmara, em uma candidatura da CiU. No início daquela legislatura, em 17 de dezembro de 2012, foi reeleita ao cargo de Presidenta[11].

Devido a não poder participar das eleições parlamentárias catalãs em 2015, ela não pode ser reeleita. No começo da nova legislatura, em outubro de 2015, Carme Forcadell, da coligação Juntos pelo Sim, foi eleita como nova presidenta do Parlamento da Catalunha[12].

Participação no Democratas da Catalunha e atualidadeEditar

Atualmente, é uma das principais impulsoras do partido Democratas da Catalunha, que foi formalmente constituído em 7 de novembro de 2015, coincidindo com o aniversário de fundação da União Democrática da Catalunha, partido do qual os fundadores dos Democratas se consideram herdeiros[13][14].

Se posicionou, juntamente com o Democratas, a favor da futura Declaração de independência da Catalunha e da proclamação de uma República Catalã independente por parte do Parlamento da Catalunha, o que acabou por acontecer em 27 de Outubro de 2017 [15][16][17].

Referências

  1. Piquer, Jordi (4 de abril de 1984). «Homenaje a Dorotea de Chopitea, fundadora de treinta obras sociales». La Vanguardia. Consultado em 7 de abril de 2017 
  2. Universitat de Barcelona. «Distinguished alumni- Núria de Gispert». Universitat de Barcelona. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  3. «Fitxa al lloc web del Parlament de Catalunya: "H. Sra. Núria de Gispert i Català"». Parlament de Catalunya. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  4. «Ernest Benach i Pascual, elegit president del Parlament de la VIII legislatura». Parlament de Catalunya. 17 de novembro de 2006. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  5. «El Parlament elige a Núria de Gispert presidente de la cámara catalana». La Vanguardia. 16 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  6. «Artur Mas será elegido president de Catalunya el 23 de diciembre». 20 Minutos. 17 de dezembro de 2012. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  7. «El Parlament lliura al govern un xec amb els 6 milions d'euros que havia estalviat per construir el nou edifici». Parlament de Catalunya. 9 de fevereiro de 2011. Consultado em 7 de novembro de 2011 
  8. «El Parlament retalla un 12,34% el pressupost per al 2012 reduint sous i inversions». Diari Ara. 28 de outubro de 2011. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  9. «Núria de Gispert es vesteix de fada per 'El País'». Diari Ara. 24 de abril de 2011. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  10. «Núria de Gispert: 'Si els diputats cobren menys de 3.000 euros, ja no sé com anirem'». Racó Català. 5 de setembro de 2012. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  11. «Núria de Gispert, reelegida presidente del Parlament». Europa Press. 17 de dezembro de 2012. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  12. «Carme Forcadell ja és presidenta del Parlament gràcies als vots de JxSí i la CUP». El Periodico Catalunya. 26 de outubro de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  13. «Los independentistas de Unió crean el partido Demòcrates de Catalunya». El País. 12 de julho de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  14. «Neix Demòcrates de Catalunya, la refundació independentista d'Unió». VilaWeb. 17 de julho de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  15. «Puigdemont se debate entre la independencia o convocar unas elecciones que impidan el 155». La Sexta. 25 de outubro de 2017. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  16. «La expresidenta Núria de Gispert espera que Puigdemont responda a Rajoy "Adelante república"». Europa Press. 15 de outubro de 2017. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  17. «Demòcrates dice que si hay independencia el artículo 155 no les afectará». El Diario. 9 de outubro de 2017. Consultado em 7 de novembro de 2017