Abrir menu principal

NPa Macaé (P-70)

Marinha do Brasil
Estaleiro Indústria Naval do Ceará (INACE)[1]
Lançamento
Incorporação 9 de dezembro de 2009
Situação em atividade
Deslocamento 500 ton
Comprimento 55,6 m
Calado 2,5 m
Boca 8,0 m
Sistema de propulsão 2 MCP MTU 16V 4000 M90
Geração de energia 3 grupos diesel-geradores MTU
Velocidade 21 nós (máxima)
Raio de ação 2.500 milhas, a 15 nós
Armamento 1 Canhão 40 mm L70 (AOS)
2 Metralhadoras 20 mm GAM-B01
Número de aeronaves capacidade de operar com aeronaves
Tripulação 35 (5 oficiais e 30 praças)
Classe Macaé

O NPa Macaé (P-70) é um navio-patrulha da Marinha do Brasil da Classe Macaé, construído pelo estaleiro INACE.

IncorporaçãoEditar

Batizado e incorporado à Marinha do Brasil em 9 de dezembro de 2009, foi integrado ao Grupamento Naval do Sudeste. A Ordem do Dia nº 7/2009, do Estado-Maior da Armada, em cumprimento ao disposto na Portaria nº 415, de 1 de dezembro de 2009, do Comando da Marinha, realizou-se a Mostra de Armamento, conforme preconizado na Ordenaça Geral para o Serviço da Armada.[2] A solenidade ocorreu na cidade de Fortaleza, estado do Ceará e contou com a presença, entre outras autoridades, do Comandante da Marinha de Gana, C Alte Matthew Quashie e do ex-Comandante da Marinha, Alte Esq Roberto de Guimarães Carvalho.[3]

Origem do nomeEditar

Seu nome é uma homenagem à cidade Macaé localizada no litoral do estado do Rio de Janeiro, importante pólo de apoio à exploração marítima de petróleo no Brasil.

Macaé é uma palavra de origem indígena, cujo significado é coco doce, fruto produzido pela palmeira macabaíba.

MissãoEditar

 
NPa Macaé (P-70) durante a sua construção na rampa de lançamento do estaleiro INACE.

O NPa Macaé (P70), construído pela Indústria Naval do Ceará S.A (INACE) é o primeiro de uma nova classe de navios-patrulha, seu projeto foi baseado no navio-patrulha Classe Vigilante, de origem francesa, aperfeiçoado no Brasil, agregando modernos sistemas nacionais em sua estrutura, como o Sistema de Controle e Monitoramento de Máquinas (SCM) e o Terminal Tático Inteligente (TTI).

Tem por tarefas atuar na fiscalização das Águas Jurisdicionais Brasileiras (AJB), desenvolvendo atividades de patrulha naval, inspeção naval, salvaguarda da vida humana no mar, fiscalização de poluição marítima e proteção dos campos de petróleo no mar, além de contribuir para a segurança do tráfego marítimo nacional.

Referências

  1. Marinha em Revista (Ano1, nº1, pag 20), Marinha do Brasil (março de 2010). «Navio-Patrulha de 500 toneladas, Nova classe de navios para a proteção da "Amazônia Azul"» (PDF). Consultado em 24 de maio de 2010 
  2. Poder Naval. «Mostra de Armamento do Navio-Patrulha "MACAÉ"». Consultado em 24 de maio de 2010 
  3. O Estadao de S.Paulo (9 de dezembro de 2009). «Marinha incorpora navio-patrulha Macaé». Consultado em 26 de maio de 2010 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar