Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Nicetas.
Nicetas
Morte século X
Nacionalidade Império Bizantino
Etnia árabe
Ocupação Oficial
Religião Cristianismo
Soldo de Miguel III, o Ébrio (r. 842–867)

Nicetas (em grego: Νικήτας; transl.: Nikétas), o filho de Iube, foi um oficial bizantino de origem árabe do século IX e X que serviu como governador (estratego) do Tema Cibirreota em c. 912, durante o reinado do imperador Alexandre (r. 912–913). O ilustre João Iubes que aparece posteriormente no século X provavelmente era um descendente ou parente de Nicetas.[1]

BiografiaEditar

Nicetas é mencionado apenas no Sobre a Administração do Império, um obra compilada em meados do século X pelo imperador Constantino VII Porfirogênito (r. 913–959), segundo a qual era filho de Iube (em grego: Ἰούβη, uma forma helenizada de Aiube).[1] Junto com seu irmão mais velho Chase (Haçane), foi escravo do patrício Damião, o paracemomeno do imperador Miguel III, o Ébrio (r. 842–867), implicando que foram capturados como prisioneiros de guerra durante um conflito com os árabes em torno de meados do século IX ou logo depois.[2][3]

É incerto se os irmãos vieram sozinhos ou com seu pai, sendo possível que chegaram no Império Bizantino como crianças, e até mesmo que Nicetas nasceu lá. Chase permaneceu muçulmano, enquanto Nicetas, cujo nome original não é registrado, foi aparentemente batizado como cristão.[3] Em 912, Nicetas foi nomeado pelo imperador Alexandre (r. 912–913) como governador militar (estratego) do naval Tema Cibirreota, em sucessão de Eustácio.[4] Ele requisitou do imperador que seu filho Abércio fosse nomeado para o posto de catepano dos mardaítas dentro do Tema Cibirreota, o que Alexandre consentiria.[2]

Referências

  1. a b Lilie 2013, Iube (#23571).
  2. a b Lilie 2013, Niketas (#25741).
  3. a b Lilie 2013, Chase (#21238).
  4. Lilie 2013, Eustathios (#21843).

BibliografiaEditar

  • Lilie, Ralph-Johannes; Ludwig, Claudia; Zielke, Beate et al. (2013). Prosopographie der mittelbyzantinischen Zeit Online. Berlim-Brandenburgische Akademie der Wissenschaften: Nach Vorarbeiten F. Winkelmanns erstellt