Novo Peru

Assunto Sobre o Peru

O Novo Peru (em castelhano: Nuevo Perú) é um partido político peruano de esquerda fundado em 10 de julho de 2017 como uma dissidência do partido Frente Ampla. Abraçou o socialismo e algumas das ideologias de José Carlos Mariátegui, um marxista peruano.[1]

Novo Peru
Nuevo Perú
Presidente Verónika Mendoza
Secretário-geral Álvaro Campana
Fundação 10 de julho de 2017 (6 anos)
Sede Plaza Bolognesi 590, Breña, Lima
Ideologia Progressismo
Feminismo
Socialismo democrático
Ecologismo
Antifujimorismo
Desenvolvimentismo
Espectro político Centro-esquerda a esquerda
Dividiu-se de Frente Ampla
País  Peru
Afiliação internacional Grupo de Puebla
Congresso da República
0 / 130
Parlamento Andino
0 / 5
Governadores regionais
0 / 25
Alcaides provinciais
0 / 196
Alcaides distritais
0 / 1 874
Cores      Vermelho
     Branco
Página oficial
www.nuevoperu.pe

História editar

O partido foi fundada informalmente em 9 de dezembro de 2017 na região metropolitana de Lima. A atual presidente é Verónika Mendoza e o atual secretário-geral é Álvaro Campana.[2]

O porta-voz do Novo Peru é Edgar Ochoa. O Novo Peru tinha 10 cadeiras no Congresso da República do Peru, que se separou da coalizão da Frente Ampla após sua formação. O grupo foi legalmente reconhecido em setembro de 2017. O movimento está em processo de registro como partido político para participar formalmente das eleições gerais de 2021.

Nas eleições legislativas realizadas em 26 de janeiro de 2020, o partido concorreu aliado à coalizão Juntos pelo Peru, pois seu registro ainda estava pendente. As urnas deram à aliança 4,8% do voto popular, mas nenhuma cadeira no Congresso da República, pois não conseguiram ultrapassar o limite eleitoral.[3]  Para as eleições gerais de 2021, Mendoza não conseguiu registrar o Novo Peru, o que a levou a chegar a um acordo com o Juntos pelo Peru para concorrer à presidência pela segunda vez.[4] Confirmada como a candidata presidencial da coalizão, Mendoza não conseguiu se classificar para o segundo turno, pois ficou em sexto lugar na eleição, com 7,9% do voto popular.[5] Sua perda de apoio ao longo da campanha é amplamente creditada ao voto de Pedro Castillo e Yonhy Lescano no sul do Peru, um reduto tradicional da esquerda peruana.[6]

Ideologia eleitoral editar

Nos documentos do partido Novo Peru, eles descrevem a organização como "socialista, feminista, ambientalista, diversa e intercultural".[7] Segundo a presidente do partido Verónika Mendoza, o Novo Peru é "parte de uma longa tradição socialista que começou com o marxista peruano José Carlos Mariátegui na década de 1920", e que o partido se distanciou do "ideologismo e autoritarismo que tem, onde apareceu, isolou a esquerda ". Novo Peru defende a igualdade de direitos, o respeito pela diversidade, a proteção da natureza e a sustentabilidade que é alcançada por meio de um sistema descentralizado que utiliza múltiplos pontos de vista.[8]

Dez eixos editar

O partido mantém dez diretrizes que, segundo ele, ajudarão a criar um novo Peru:

  1. Uma nova cultura para o bem viver - Defende a melhoria das relações entre todos os peruanos, o respeito à natureza e práticas sustentáveis.
  2. Uma nova democracia e um novo estado - A criação de uma nova constituição, a descentralização do governo para aumentar a participação do cidadão e remover grandes financiadores da política.
  3. Uma nova economia a serviço do povo e do país - Aumentar a diversidade econômica longe da dependência de matérias-primas, para retomar a soberania das propriedades econômicas do Peru da concorrência externa, para fortalecer a infraestrutura do país e um sistema tributário mais justo.
  4. Trabalho decente e seguridade social para todos - Estabelecer direitos trabalhistas abrangentes, criar empregos produtivos fora da economia informal e seguridade social para todos os peruanos, inclusive os autônomos.
  5. Igualdade na diversidade - Eliminar a discriminação, valorizar e adequar as leis de aceitação de mulheres, pessoas LGBTIQ, grupos indígenas, afro-peruanos e com diferentes capacidades e idades.
  6. Gestão sustentável de territórios, proteção da natureza e combate ao aquecimento global - Construir uma cultura sustentável através do reconhecimento das mudanças climáticas , protegendo todos os ecossistemas, utilizando energia limpa, praticando o uso responsável do solo e melhorando a interação entre as áreas urbanas e rurais.
  7. Povos indígenas com autonomia, território e participação política - A criação de leis para reconhecer a autonomia dos povos indígenas, para promover sua inclusão na sociedade peruana e o reconhecimento de suas identidades culturais.
  8. Serviços públicos para garantir direitos: justiça e segurança, educação, saúde - Serviços de segurança aprimorados que enfatizam o envolvimento dos cidadãos, um sistema de justiça reformado para recompensar a honestidade e condenar a corrupção e um sistema carcerário que funciona de maneira oportuna e proporcional. A educação deve ser gratuita, de alta qualidade, universal e inclusiva, com o ensino superior sendo reestruturado e regulamentado para evitar fraudes e melhorar os padrões. Com relação à saúde dos peruanos, o país deve utilizar a atenção universal à saúde que enfoque a prevenção de doenças, a educação e avaliação contínua dos profissionais de saúde e os direitos reprodutivos das mulheres, incluindo o acesso a anticoncepcionais e abortos voluntários.
  9. Políticas culturais para o bem viver - Promover uma relação de amizade entre os grupos culturais e a natureza, salvaguardando o trabalho e as práticas dos povos andinos e amazônicos.
  10. Integração regional e global com soberania e solidariedade dos povos - A prevenção de bases militares estrangeiras, a criação de acordos comerciais equitativos e a melhoria da integração latino-americana e indígena.

Resultados eleitorais editar

Eleições parlamentares de 2020 editar

Em novembro de 2019, foi anunciada a aliança de Novo Peru com Juntos pelo Peru para as eleições parlamentares.[9]

A aliança não teve um bom desempenho; Não passou de 5%.

Eleições gerais de 2021 editar

O movimento aderiu à coalizão Juntos pelo Peru com Verónika Mendoza como candidata presidencial. Essa organização ficou em 6.º lugar nas eleições, com 1.132.577 votos válidos.

Referências

  1. «Peru's Revolt Is About More Than Corruption». jacobinmag.com (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2021 
  2. PERÚ, NOTICIAS EL COMERCIO (11 de dezembro de 2017). «Verónika Mendoza es elegida presidenta del movimiento Nuevo Perú | POLITICA». El Comercio Perú (em espanhol). Consultado em 3 de junho de 2021 
  3. PERÚ, Empresa Peruana de Servicios Editoriales S. A. EDITORA. «Nuevo Perú y Juntos por el Perú postularán al Congreso en alianza electoral». andina.pe (em espanhol). Consultado em 3 de junho de 2021 
  4. PERU21, NOTICIAS (30 de outubro de 2020). «Verónika Mendoza será la única precandidata presidencial por acuerdo de dirigentes de Juntos por el Perú | Elecciones 2021 nndc | POLITICA». Peru21 (em espanhol). Consultado em 3 de junho de 2021 
  5. Acosta, Sebastián (12 de abril de 2021). «Verónika Mendoza: "El pueblo peruano ha hablado a través del voto, escuchamos y respetamos su voz"». RPP (em espanhol). Consultado em 3 de junho de 2021 
  6. «¿La división de la izquierda electoral? | EL MONTONERO». EL MONTONERO | Primer Portal de opinión del país (em espanhol). Consultado em 3 de junho de 2021 
  7. «Nuevo Perú». nuevoperu.pe. Consultado em 3 de junho de 2021 
  8. «Nuevo Perú». nuevoperu.pe. Consultado em 3 de junho de 2021 
  9. GESTIÓN, NOTICIAS (18 de novembro de 2019). «Elecciones 2020 | Alianza de Juntos por el Perú y Nuevo Perú inscribió su lista de candidatos al Congreso | PERU». Gestión (em espanhol). Consultado em 4 de junho de 2021 
  Este artigo sobre um partido político ou coligação partidária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.