Abrir menu principal

Onda de calor na Europa em julho de 2019

onda de calor
Disambig grey.svg Nota: Para a onda de calor que ocorreu na Europa em junho, veja Onda de calor na Europa em junho de 2019.
Onda de calor na Europa em julho de 2019
Temperaturas máximas em 24 de julho
Data 21 de julho de 2019 - 28 de julho de 2019
Localização Europa, Groenlândia
Tipo Onda de calor
Causa Bloqueio ômega
Mortes 6[1]
Lesões não fatais 20 (incêndio em Portugal)[2]

A onda de calor na Europa em julho de 2019 foi um evento de uma onda de calor sem precedentes, que ocorreu entre 21 de julho e 28 de julho de 2019, resultando em recordes de temperaturas regionais e nacionais registradas na Europa.[1] Em 25 de julho, foram relatadas pelo menos seis mortes, sendo 5 pessoas na França e 1 pessoa na Bélgica.[1] Esta onda de calor aconteceu depois de um junho excepcionalmente quente na Europa e foi causada por um forte bloqueio ômega, especificamente, pelo ar quente e seco do norte de África, preso entre sistemas de tempestade fria.[3]

A onda de calor estabeleceu novos recordes nacionais de temperatura em cinco países. Os registos antigos foram ultrapassados em 2,1°C nos Países Baixos, 3°C na Bélgica, 2,9°C em Luxemburgo, 2,1°C na Alemanha e 0,2°C no Reino Unido. Há também de se destacar o novo recorde de temperatura em Paris, França, onde os registros antigos de temperatura foram ultrapassados em 2,2°C.

Índice

Por paísEditar

AlemanhaEditar

Em 25 de julho, uma temperatura de 42,6°C foi registrada em Lingen, Baixa Saxônia,[4] batendo, assim, o recorde de maior temperatura registrada na Alemanha de 41,5°C em 24 de julho, e seguido pelo antigo recorde de 40,5°C registrado em 23 de julho.[5] Vinte e cinco estações meteorológicas no país registraram temperaturas de 40°C ou mais em 25 de julho.[4]

BélgicaEditar

Em 24 de julho, a maior temperatura já registrada na Bélgica foi registrada na cidade de Angleur, atingindo 40,2°C.[6] No mesmo dia, os passageiros foram evacuados de um trem da Eurostar que havia quebrado em Lille, quando muitos começaram a adoecer devido às temperaturas extremas.[7] Em 25 de julho, o recorde foi novamente quebrado, atingindo 41,8°C em Begijnendijk (Brabante Flamengo).[8]

FrançaEditar

 
Alertas de calor em vigor para 24-25 de julho na França
  Sem alerta
  Alerta amarelo
  Alerta laranja
  Alerta vermelho

Em julho de 2019, a França teve sua segunda onda de calor em menos de um mês, superando vários recordes de temperatura regionais e nacionais. No mês anterior, uma temperatura recorde nacional de 46,1°C foi registrada no sul da comuna de Gallargues-le-Montueux.[9]

Em 23 de julho, 80 departamentos da França foram incluídos em um alerta de ondas de calor laranja da Météo-France, e 20 departamentos foram incluídos em um alerta vermelho no dia seguinte.[10][11] Em 24 de julho, a temperatura de 41,2°C foi registrada pela Météo-France em Bordéus, quebrando o recorde de 40,7°C em 2003.[12] Da mesma forma, em 25 de julho, uma temperatura de 42,6°C foi registrada em Paris, também quebrando o recorde da cidade de 40,4°C em julho de 1947.[13][14]

Dois reatores nucleares no sudoeste da França foram desativados após ultrapassarem o limite de calor.[3]

ItáliaEditar

Na Itália, o Ministério da Saúde emitiu um alerta de calor máximo de nível três vermelho para 13 cidades em 25 de julho. O ministério da saúde aconselhou as pessoas a não chamarem os serviços de emergência, a menos que fossem essenciais, para evitar que as respostas a um aumento esperado no número de casos de emergência fossem prejudicadas devido ao calor. A Cruz Vermelha Italiana também montou uma linha direta de 24 horas para oferecer conselhos e assistência às pessoas afetadas pelo calor.[15]

LuxemburgoEditar

Em 25 de julho, um alerta vermelho de calor extremo foi posto em prática por todo o país pela Meteolux.[16] No mesmo dia, a temperatura de 40,8°C foi registrada em Steinsel, a mais alta já registrada na história do país.[17]

O elevado calor e as condições secas causaram vários incêndios durante a onda de calor. Em 24 de julho, um incêndio ocorreu perto de Schumannseck, e prados de feno pegaram fogo em um campo. Em 25 de julho, um incêndio florestal ocorreu em Hamm, e um caminhão de bombeiros explodiu enquanto assistia à cena.[18][19]

Países BaixosEditar

Nos Países Baixos, um alerta laranja foi colocado para todo o país devido à extrema onda de calor.[1] O recorde nacional de temperatura, datado desde a Segunda Guerra Mundial, foi quebrado em 24 de julho, quando a temperatura chegou a 39,3°C.[20] O recorde era de 38,6°C, e tinha sido estabelecido em Warnsveld, em 1944.[21][22]

Entretanto, em 25 de julho, a maior temperatura registrada nos Países Baixos foi registrada, chegando a 40,7°C, em Gilze en Rijen.[14] No mesmo dia, a cidade de Deelen registrou a maior temperatura da história do país de 41,7°C, sendo que ultrapassou os 40°C desde às 13h55.[20] Porém, o Instituto Real Meteorológico dos Países Baixos anunciou mais tarde que essa medida não era válida.[23]

Impacto no transporteEditar

Em 22 de julho, o ProRail anunciou o código vermelho para os controladores de tráfego, o que significa que eles precisam estar mais alerta para perturbações nos trilhos e outros problemas devido ao calor.[24][25] Em 25 de julho, a Nederlandse Spoorwegen cancelou viagens de trem na ferrovia de alta velocidade Schiphol-Antuérpia entre Amesterdão - Schiphol - Roterdão e a conexão entre Amsterdã-Eindhoven e Eindhoven-Heerlen. Como os trens estavam expostos a altas temperaturas, precisavam de mais manutenção e não podiam ser usados. Trens sem ar-condicionado ou janelas que podem ser abertas foram retirados dos trilhos também.[26][27] A mesma coisa aconteceu no dia seguinte, em 26 de julho, mas desta vez quatro outras rotas foram retiradas: Amsterdã-Alkmaar, Amsterdã-Haia, Duivendrecht-Lelystad e Schiphol-Nijmegen.[28]

Impacto na criação de animaisEditar

Muitas galinhas e porcos foram mortos por sistemas de ventilação defeituosos ou porque os sistemas simplesmente não podiam lidar com isso. 4 mil galinhas foram mortas em um galinheiro em Neer por causa de uma falha de energia.[29] Centenas de galinhas também foram mortas em transporte para a Polônia em 24 de julho por causa do aumento das temperaturas.[30] No dia 24 de julho, centenas de porcos morreram em Middelharnis devido à falta de energia nos sistemas de ventilação.[31] A mesma coisa aconteceu em Maarheeze, onde 2,1 mil porcos morreram com os celeiros atingindo temperaturas de 40°C.[32]

PortugalEditar

Em 21 de julho, vinte pessoas ficaram feridas devido a três grandes incêndios florestais na região de Castelo Branco, em Portugal. O maior incêndio foi localizado em Vila de Rei, envolvendo oitocentos bombeiros, 245 veículos e treze aeronaves.[2][1]

Reino UnidoEditar

Em 23 de julho, a Public Health England lançou um alerta de calor para todo o Reino Unido, instando as pessoas a "se manterem hidratadas, ficarem na sombra e se protegerem contra o sol".[33] No mesmo dia, tempestades generalizadas afetaram o país, com a BBC Weather reportando cerca de 48.000 relâmpagos durante a noite.[34] Durante essa semana, o Met Office também previu uma chance de 60% de temperaturas ultrapassarem o recorde de julho de todos os tempos no país.[35] Em 24 de julho, um aviso de nível três de onda de calor âmbar foi emitido pelo Met Office.

Em 25 de julho, o Met Office anunciou que o Reino Unido tinha seu recorde de dia mais quente de julho, com uma temperatura de 38,1°C registrada no Jardim Botânico da Universidade de Cambridge em Cambridge, batendo, assim, o recorde de julho de 36,7°C em 2015, e marcou a segunda vez na história que o país registrou uma temperatura superior a 38°C.[36] Entretanto, em 26 de julho, o Met Office anunciou ainda que sensores do Jardim Botânico da Universidade de Cambridge registraram uma temperatura de 38,7°C, quebrando provisoriamente o recorde de 38,5°C estabelecido em Faversham, Kent em agosto de 2003.[37] As temperaturas locais também foram quebradas ao redor do país em 25 de julho. A temperatura recorde de 31,2°C foi registrada em Edimburgo, batendo o recorde de temperatura de todos os tempos dessa cidade.[38]

Impacto no transporteEditar

A Network Rail também começou a impor restrições de velocidade em toda a sua rede para reduzir os trilhos de flambagem, já que as temperaturas da pista ultrapassaram 50°C.[39] As medidas também incluíram a pintura de trilhos brancos para reduzir a temperatura do aço e o cancelamento de serviços. As empresas de transporte East Midlands Trains, Southeastern e Greater Anglia aconselharam os passageiros contra todas as viagens, apenas as essenciais.[40]

Muitos incidentes na rede ferroviária do país relacionados com o calor causaram perturbações generalizadas, afetando especialmente os serviços interurbanos de Londres. Danos ao equipamento de linha aérea ocorreram em Peterborough, Handsworth e Camden, bem como um incêndio na grama, causado por cabos encaixantes, perto de West Hampstead.[41][42]

Em 26 de julho, todas as viagens essenciais foram desaconselhadas, depois que o extremo calor e as tempestades causaram graves perturbações na rede ferroviária e nos aeroportos. A Thameslink irá executar serviços reduzidos, com metade de suas linhas indisponíveis. Os serviços de trens da East Midlands entre Sheffield, Nottingham, Derby e London St Pancras estão interrompidos devido a danos no cabo devido ao calor do dia anterior, e um cronograma de emergência foi colocado em prática.[43] Todos os serviços da Eurostar de e para Paris também foram suspensos por um "período de tempo indeterminado" devido a um cabo explodido, bem como atrasos de até uma hora nos serviços em Bruxelas.[44]

Vários voos foram cancelados e atrasados no aeroporto de Heathrow, no aeroporto de Gatwick e no aeroporto da Cidade de Londres devido às "condições meteorológicas extremas em toda a Europa". Um porta-voz do Heathrow disse que os voos foram afetados por tempestades durante a noite como resultado do calor.[45]

Cobertura de gelo da GroenlândiaEditar

Em 26 de julho, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que a onda de calor que está afetando a Europa está a caminho da Groenlândia, e pode colocar a segunda maior cobertura de gelo do mundo perto ou abaixo do recorde negativo registrado em 2012.[46] Clare Nullis, porta-voz da Organização Meteorológica Mundial (OMM), disse que o ar quente que sobe do norte de África não somente superou recordes de temperatura europeus em 25 de julho, mas os ultrapassaram em 2, 3 ou 4 graus Celsius, o que descreveu como "absolutamente inacreditável".[46] Esse calor que está a caminho da Groenlândia resultará em temperaturas altas e, consequentemente, no aumento do derretimento da cobertura de gelo da Groenlândia. Ainda não se sabe se superará o nível de 2012, mas chegará perto.[46]

A cobertura de gelo da Groenlândia é parte crucial do sistema climático global, e seu derretimento provocaria a elevação do nível dos mares e um clima instável.[46] Apenas em julho, a Groenlândia perdeu 160 milhões de toneladas de gelo por causa do derretimento de superfície. Isso é aproximadamente o equivalente a 64 milhões de piscinas olímpicas, acrescentou a porta-voz.[46] O ar mais quente também tem implicações para a extensão do gelo do Ártico, que foi quase o mais baixo já registrado até 15 de julho.[46]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e Baker, Sinéad (25 de julho de 2019). «Europe is battling an unprecedented heat wave, which has set records in 3 countries and is linked to at least 4 deaths» (em inglês). Insider Inc. Consultado em 25 de julho de 2019 
  2. a b «Portugal wildfires: Huge operation tackles central Portugal blazes». BBC News (em inglês). 21 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  3. a b «UK weather heats up as Europe smashes records» (em inglês). CNN. Consultado em 25 de julho de 2019 
  4. a b «Rekordtemperaturen: So heiß wie nie». Tagesschau (Germany) (em alemão). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  5. «Heatwave sets new German temperature record for second day running». Reuters (em inglês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  6. «Vague de chaleur: 40,2 degrés enregistrés mercredi à Angleur, un nouveau record pour la Belgique». Le Soir (em francês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  7. «Hundreds of Eurostar passengers stuck for hours in 40C after power failure». Sky News (em inglês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  8. «New national record for Belgium: 41,8 degrees Celsius in Begijnendijk.». Twitter. Consultado em 26 de julho de 2019 
  9. Henley, Jon; Madrid, Angelique Chrisafis Sam Jones in (28 de junho de 2019). «France records all-time highest temperature of 45.9C» (em inglês). The Guardian. ISSN 0261-3077. Consultado em 25 de julho de 2019 
  10. «Canicule: 80 départements placés en vigilance orange, un record» (em francês). France Bleu. 23 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  11. «Canicule: 20 départements, dont Paris et toute l'Île-de-France, placés en vigilance rouge» (em francês). BFM TV. 24 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  12. «Europe heatwave: French city of Bordeaux hits record temperature». BBC News (em inglês). 24 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  13. Cuthbertson, Anthony (25 de julho de 2019). «Europe heatwave: Paris records its hottest temperature in history». The Independent (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2019 
  14. a b «Europe heatwave breaks more temperature records». BBC News (em inglês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  15. «Heatwave: 13 Italian cities on red alert as temperatures soar» (em inglês). The Local Italy. 25 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  16. Toussaint, Thomas (25 de julho de 2019). «Red alert for 'extreme' heat on Thursday as temperatures could reach 42°C». RTL Télé Lëtzebuerg (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2019 
  17. Schnuer, Cordula (26 de julho de 2019). «Luxembourg scorches on hottest day ever». Luxembourg Times (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2019 
  18. «Firefighters worked throughout the night to extinguish forest fire». RTL Télé Lëtzebuerg (em inglês). 26 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  19. «Crews fighting bush fire in Hamm» (em inglês). Delano. 25 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  20. a b Krever, Mick; Dean, Sarah; Said-Moorhouse, Lauren (25 de julho de 2019). «What makes Europe's heat wave so insufferable? No AC» (em inglês). CNN. Consultado em 26 de julho de 2019 
  21. Pieters, Janene (17 de julho de 2018). «Small chance of temps hitting 42°C next week» (em inglês). NL Times. Consultado em 26 de julho de 2019 
  22. Newmark, Zack (24 de julho de 2019). «74-year-old Dutch heat record shattered: mercury rises to 39.3» (em inglês). NL Times. Consultado em 26 de julho de 2019 
  23. «KNMI» (em holandês). Twitter. 25 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  24. «ProRail - ProRail neemt hittemaatregelen in hete week» (em holandês). ProRail. Consultado em 26 de julho de 2019 
  25. «ProRail: Donderdag 'code rood' voor hitte, 'neem water mee in trein'» (em holandês). NU. 22 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  26. «NS dunt dienstregeling uit: Door lange blootstelling aan hitte meer onderhoud nodig» (em holandês). Ad. Consultado em 26 de julho de 2019 
  27. «Hitte dwingt NS tot schrappen ritten» (em holandês). OVPro. Consultado em 26 de julho de 2019 
  28. «NS: door hitte vandaag wéér minder intercity's» (em holandês). Ad. Consultado em 26 de julho de 2019 
  29. «4000 kippen dood door hitte | Binnenland» (em holandês). Telegraaf. Consultado em 26 de julho de 2019 
  30. «Honderden kippen dood in hete vrachtwagen» (em holandês). Metronieuws. 16 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  31. «Dode varkens en kippen door hitte en uitval ventilatie» (em holandês). Pigbusiness. Consultado em 26 de julho de 2019 
  32. «Varkens stikken in stal maarheeze door stroomuitval en warmte» (em holandês). Ad. Consultado em 26 de julho de 2019 
  33. Shaw, Neil (23 de julho de 2019). «Public Health England issues heat warning for whole of UK» (em inglês). The Cornishman. Consultado em 25 de julho de 2019 
  34. «Lightning strikes the UK during the night». BBC News (em inglês). 24 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  35. Hartley-Parkinson, Richard (23 de julho de 2019). «Met Office UK weather forecast as heatwave hits Britain ahead of hottest day» (em inglês). Metro. Consultado em 25 de julho de 2019 
  36. «UK heatwave: Country sees hottest July day on record». BBC News (em inglês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  37. «Cambridge stakes claim to hottest UK day on record» (em inglês). ITV News. Consultado em 26 de julho de 2019 
  38. Meikle, Blair (25 de julho de 2019). «Edinburgh smashes record for hottest day EVER as capital sizzles in 31.6C heatwave». The Scottish Sun (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2019 
  39. Knapton, Sarah (24 de junho de 2019). «Britain facing hottest day since records began as 39C forecast for Thursday». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 25 de julho de 2019 
  40. Davies, Rob; Topham, Gwyn (25 de julho de 2019). «UK railways in chaos as searing heat sparks fear of derailed trains». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 25 de julho de 2019 
  41. «UK heatwave: Rail delays on UK's hottest July day». BBC News (em inglês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  42. «Overhead train cables snap and cause fire in north London». ITV News (em inglês). 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de julho de 2019 
  43. «UK heatwave: Commuters face fresh chaos on railways and cancelled flights due to 'extreme weather'». The Telegraph (em inglês). 26 de julho de 2019. ISSN 0307-1235. Consultado em 26 de julho de 2019 
  44. «UK heatwave: More delays for travellers despite temperatures easing». BBC News (em inglês). 26 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  45. «Thousands of passengers disrupted as flights and trains cancelled due to extreme heat» (em inglês). The Independent. 26 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  46. a b c d e f Miles, Tom (26 de julho de 2019). «Onda de calor recorde na Europa ameaça cobertura de gelo da Groenlândia». Swiss Info. Consultado em 26 de julho de 2019