Abrir menu principal

Código aberto

filosofia de livre acesso e redistribuição de produtos
(Redirecionado de Open Source)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Código aberto é um modelo de desenvolvimento criado em 1998, que promove o licenciamento livre para o design ou esquematização de um produto, e a redistribuição universal desses, com a possibilidade de livre consulta, examinação ou modificação do produto,[1] sem a necessidade de pagar uma licença comercial, promovendo um modelo colaborativo de produção intelectual.

O termo "código aberto" foi popularizado pela Open Source Initiative (OSI),[carece de fontes?] que se difere de um software livre por não seguir as quatro liberdades definidas pela Fundação de Programas Livres (do inglês: Free Software Foundation - FSF),[2] que são também compartilhadas pelo projeto Debian. Qualquer licença de software livre é também uma licença de código aberto (open source), mas o contrário não é necessariamente verdade.[3]

Enquanto a FSF usa o termo "Software Livre" envolta de um discurso baseado em questões éticas, direitos e liberdade, a OSI usa o termo "Código Aberto" sob um ponto de vista puramente técnico, evitando (propositadamente) questões éticas. Esta nomenclatura e este discurso foram cunhados por Eric Raymond e outros fundadores da OSI com o objetivo de apresentar o software livre a empresas de uma forma mais comercial evitando o discurso ético.

HistóriaEditar

A história do movimento open source confunde-se com as origens do sistema UNIX, da Internet e da cultura hacker.

EtimologiaEditar

Em fevereiro de 1998, o rótulo "Open Source" surgiu em uma reunião, de futuras referências no tema, como Todd Anderson, Chris Peterson (Foresight Institute), Jon "Maddog" Hall e Larry Augustin (Linux International), Sam Ockman (Silicon Valley Linux User's Group) e Eric Raymond.[4]

Como a diferença entre os movimentos "Software Livre" e "Código Aberto" está apenas na argumentação em prol dos mesmos softwares, é comum que esses grupos se unam em diversas situações ou que sejam citados de uma forma agregadora através da sigla "FLOSS" (Free/Libre and Open Source Software).

Os defensores do movimento Open Source sustentam que não se trata de algo anticapitalista ou anarquista, mas de uma alternativa ao modelo de negócio para a indústria de software. O modelo colaborativo de produção intelectual oferece um novo paradigma para o direito autoral. Algumas grandes empresas como IBM, HP, Intel e Dell também têm investido no software de código aberto, juntando esforços para a criação do Open Source Development Lab (OSDL), instituição destinada à criação de tecnologias de código aberto.

CaracterísticasEditar

A definição do Open Source foi criada pela Open Source Iniciative (OSI) a partir do texto original da Debian Free Software Guidelines[5] e determina que um programa de código aberto deve garantir:

Livre distribuiçãoEditar

A licença não deve restringir de nenhuma maneira a venda ou distribuição do programa gratuitamente, como componente de outro programa ou não.

Código fonteEditar

O programa deve incluir seu código fonte e deve permitir a sua distribuição também na forma compilada. Se o programa não for distribuído com seu código fonte, deve haver algum meio de se obter o mesmo seja via rede ou com custo apenas de reprodução. O código deve ser legível e inteligível por qualquer programador.

Trabalhos DerivadosEditar

A licença deve permitir modificações e trabalhos derivados, e deve permitir que eles sejam distribuídos sobre os mesmos termos da licença original.

Integridade do autor do códigoEditar

A licença não pode restringir o código fonte de ser distribuído em uma forma modificada mesmo se a licença permitir a distribuição de arquivos patch (de atualização) com o código fonte para o propósito de modificar o programa no momento de sua construção pois a restrição ao código–fonte significa transformar o software livre em software proprietário. A licença deve explicitamente permitir a distribuição do programa construído a partir do código fonte modificado. Contudo, a licença pode ainda requerer que programas derivados tenham um nome ou número de versão diferentes do programa original.

Não discriminação contra pessoas ou gruposEditar

A licença não pode ser discriminatória contra qualquer pessoa ou grupo de pessoas.

Não discriminação contra áreas de atuaçãoEditar

A licença não deve restringir qualquer pessoa de usar o programa em um ramo específico de atuação. Por exemplo, ela não deve proibir que o programa seja usado em um empresa, ou de ser usado para pesquisa genética.

Distribuição da LicençaEditar

Os direitos associados ao programa devem ser aplicáveis para todos aqueles cujo programa é redistribuído, sem a necessidade da execução de uma licença adicional para estas partes.

Licença não específica a um produtoEditar

Os direitos associados ao programa não devem depender que o programa seja parte de uma distribuição específica de programas. Se o programa é extraído desta distribuição e usado ou distribuído dentro dos termos da licença do programa, todas as partes para quem o programa é redistribuído devem ter os mesmos direitos que aqueles que são garantidos em conjunção com a distribuição de programas original.

Licença não restrinja outros programasEditar

A licença não pode colocar restrições em outros programas que são distribuídos juntos com o programa licenciado. Isto é, a licença não pode especificar que todos os programas distribuídos na mesma mídia de armazenamento sejam programas de código aberto.

Licença neutra em relação a tecnologiaEditar

Nenhuma cláusula da licença pode estabelecer uma tecnologia individual, estilo ou interface a ser aplicada no programa.

Governos, Movimentos Cívicos e a Transformação DigitalEditar

No contexto da Transformação Digital de Governos pelo mundo[6] [7], o código aberto é considerado essencial para promoção da colaboração, padronização e otimização das tecnologias desenvolvidas pela e para a gestão pública.

Nesse cenário, diversos movimentos cívicos como Rede Livre, Ciudadania Inteligente, Code For America, My Society e G0v, atuam na promoção da cultura de governos, dados e códigos abertos, mobilizando profissionais, cidadãos e agentes governamentais em eventos e redes comunitárias, que geram ou maximizam o impacto na sociedade através da adoção e prática de códigos abertos e governança colaborativa nos governos e na sociedade.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Luiz Antonio da Silva Junior (23 de Outubro de 2003). «O movimento do código aberto». Consultado em 26 de dezembro de 2015 
  2. «Por que o Código Aberto não compartilha dos objetivos do Software Livre». FSF. 25 de Abril de 2014. Consultado em 2 de Junho de 2014 
  3. «Por que o Código Aberto não compartilha dos objetivos do Software Livre». FSF. 25 de Abril de 2014. Consultado em 2 de Junho de 2014 
  4. Evangelista, Rafael (2 de dezembro de 2008). «linguagem nos debates sobre software livre». Palestra fisl7.0. Consultado em 25 de setembro de 2012 [ligação inativa]
  5. «The Debian Free Software Guidelines (DFSG)». Consultado em 26 de Dezembro de 2015 
  6. «Seja aberto e use código aberto». Consultado em 18 de maio de 2019  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  7. «Portal de Compartilhamento de Códigos do Governo Estadunidense». Consultado em 18 de maio de 2019  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Código aberto