Partido da Justiça (Coreia do Sul)

O Partido da Justiça (em coreano: 정의당; hanja: 正義黨; RR: Jeonguidang; McCune-Reischauer: Chŏngŭidang) é um partido político social-democrata[4] da Coreia do Sul. Foi fundado em 21 de outubro de 2012, quando se separou do Partido Progressista Unificado. É descrito como estando entre a centro-esquerda[5][6][7] e a esquerda[8][9][10][11] no espectro político convencional.

Partido da Justiça
Partido da Justiça (Coreia do Sul)
Líder Yeo Yeong-gug
Secretário-geral Shin Eon-jik
Fundação 12 de outubro de 2012 (11 anos)
Sede Seul, Coreia do Sul Coreia do Sul
Ideologia Social-democracia
Progressismo[1]
Liberalismo[2]
Espetro político Centro-esquerda a esquerda
Membros 53,080 (2020)[3]
Afiliação internacional Aliança Progressista
Cores      Amarelo
Página oficial
justice21.org

História editar

O Partido da Justiça Progressiva mudou seu nome para Partido da Justiça no segundo congresso do partido em 16 de julho de 2013.[12] Em 22 de novembro de 2015, no seu quarto congresso, se fundiu oficialmente com o Comitê Preparatório do Partido Popular, a Coalizão de Políticas Trabalhistas e recebeu filiação de membros do Partido Trabalhista, após moções para fundir o partido com o Partido da Justiça falharem.

Após a fusão, Na Gyung-che, ex-líder do Partido Trabalhista, e Kim Se-kyun, líder do Comitê Preparatório do Partido Popular, foram elevados a cargos de co-liderança, enquanto Sim Sang-jung permaneceu como líder permanente.[13] Kim Se-kyun deixou o cargo de co-diretor em setembro de 2016.

Nas eleições legislativas de abril de 2016, o partido aumentou seu total de assentos, com Roh Hoe-chan sendo eleito para o distrito eleitoral de Seongsan na cidade de Changwon. O partido conquistou 7,2% da lista de eleitores do partido, obtendo seis legisladores na Assembleia Nacional.

Nas eleições presidenciais de 2017, Sim Sang-jung concorreu como candidata do partido depois de vencer as primárias. Sim foi endossado pela Confederação Coreana de Sindicatos e fez campanha sobre questões trabalhistas e sociais,[14] inclusive sendo o única candidata a apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Coreia do Sul.[15] Sim obteve 6,2% dos votos, tornando-se a presidenciável de esquerda mais bem-sucedida desde a democratização do país em 1987.

Em julho de 2017, com o mandato de liderança de dois anos de Sim chegando ao fim, o partido elegeu o membro da Assembleia Nacional, Lee Jeong-mi, como o novo líder.[16]

Em 31 de março de 2018, o partido confirmou sua decisão de formar um grupo parlamentar com o Partido por Democracia e Paz, sob o nome de Grupo de Deputados da Paz e Justiça. O grupo parlamentar foi registrado oficialmente em 2 de abril.[17] O vice-líder do partido, Roh Hoe-chan, foi eleito para liderar o grupo parlamentar na Assembleia Nacional. Porém, a morte abrupta de Roh Hoe-chan em 23 de julho de 2018 resultou na dissolução automática do grupo parlamentar.[18]

Em julho de 2019, Sim Sang-jung foi eleita para um segundo mandato não consecutivo como líder do partido.[19]

Posição política editar

O Partido da Justiça advoga abertamente pela social-democracia.[20] Contrário ao conservadorismo social, o partido tem uma postura progressista em relação ao feminismo e aos direitos dos LGBT+.[21][22][23] Seus principais políticos são críticos do Partido Democrático da Coreia,[24] mas têm uma visão bastante favorável do liberalismo moderno dos EUA e de Joe Biden.[25]

O partido propõe políticas econômicas mais moderadas do que os populistas do Partido Democrático da Coreia e é mais favorável ao trabalhismo.[26] Valoriza a responsabilidade fiscal e tributação progressiva como forma de financiar a expansão do bem-estar social.[27][26] Além disso, se opõe à renda básica universal.[28]

O partido pede o fim do desenvolvimento irrestrito, buscando o desenvolvimento sustentável e a justiça climática.[21] Também é a favor do bem-estar animal. Apoia desenvolvimento de energia renovável, tendo em vista acabar com a dependência do petróleo e carvão. É contra a energia nuclear como alternativa e defende o fechamento de antigas usinas nucleares e a interrupção da construção de novas usinas.[26]

Com relação a Coreia do Norte, o partido acredita que a paz na Península Coreana é uma questão primordial, rejeita a hegemonia de um dos lados e insiste em uma abordagem com base nos valores dos direitos humanos universais, em vez de uma abordagem de apaziguamento incondicional.

Em 28 de setembro de 2020, Sim Sang-jung, expressou uma visão crítica da política conciliatória do Partido Democrático da Coreia em relação à Coreia do Norte com base no nacionalismo coreano, dizendo: "Alguns do partido no poder priorizam as relações inter-coreanas sobre a vida de nosso povo, e isso deve ser corrigido".[29][30]

Resultados eleitorais editar

Eleições presidenciais editar

Ano Candidato(a) Cl. Votos % Resultado
2017 Sim Sang-jung 5.º 2,017,458
6,17 / 100
Não eleita  
2022 3.° 803,358
2,38 / 100
Não eleita  

Eleições legislativas editar

Ano M. Uninominal M. Proporcional Deputados
Cl. Votos % Cl. Votos %
2016 4.º 395,357
1,6 / 100
4.º 1,719,891
7,2 / 100
6 / 300
2020 3.° 492,100
1,7 / 100
3.° 2,697,956
9,7 / 100
6 / 300

Ligações externas editar

Referências

  1. «2019년도 정당의 활동개황 및 회계보고» (em coreano). 중앙선거관리위원회 [Comissão Eleitoral Nacional]. 18 de novembro de 2020. Consultado em 2 de abril de 2022 
  2. Miller, Owen (18 de maio de 2017). «South Korea After Park». Jacobin (em inglês). Consultado em 2 de abril de 2022 
  3. Lansford, Tom (25 de abril de 2017). Political Handbook of the World 2016-2017. [S.l.]: CQ Press. ISBN 9781506327150 
  4. «The 'frightened dog' and the 'rocket man': Trump-Kim war of words causes rising tensions». CBC News (em inglês). 24 de novembro de 2017. Consultado em 2 de abril de 2022 
  5. «Minor opposition party picks Rep. Shim Sang-jung as new chief». Yonhap (em inglês). 18 de julho de 2015. Consultado em 2 de abril de 2022 
  6. Ko, Jun-tae (10 de março de 2022). «Justice Party candidate accepts outcome, vows to work for change». The Korea Herald (em inglês). Consultado em 2 de abril de 2022 
  7. «'Sexism exists': S.Korea feminist presidential candidate's lonely crusade». France 24 (em inglês). 8 de março de 2022. Consultado em 2 de abril de 2022 
  8. «Political community shocked by Seoul mayor's death». The Korea Times (em inglês). 10 de julho de 2020. Consultado em 2 de abril de 2022 
  9. Chung, Jane (12 de abril de 2017). «South Korea coal, nuclear power targeted for cuts by presidential candidates». Reuters (em inglês). Consultado em 2 de abril de 2022 
  10. «제2차 당대회(혁신당대회) 회의자료 및 결과». justice21.org (em coreano). 18 de março de 2013. Consultado em 4 de abril de 2022 
  11. 심혜리 (22 de novembro de 2015). «진보 4개 정당·단체 통합 '정의당' 출범» (em coreano). 경향신문 [Kyunghyang Shinmun]. Consultado em 4 de abril de 2022 
  12. 구민정 (17 de abril de 2017). «심상정, '개혁ㆍ노동 대통령' 강조». news.naver.com (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022 
  13. 곽희양 (8 de maio de 1987). «심상정이 꼽은 기억에 남는 순간 'TV토론 성소수자 1분 찬스 발언'». news.naver.com (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022 
  14. 백승호 (12 de julho de 2017). «이정미 정의당 당대표 당선... '포스트 노-심 시대' 시작». news.naver.com (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022 
  15. 정상훈 (31 de março de 2018). «정의당, 오늘 사상 첫 국회교섭단체 된다…전국위 최종 승인». news.naver.com (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022 
  16. 김성욱 (27 de julho de 2018). «"회찬이형! 잘 가시오!" 노회찬 가는 길 끝까지 함께한 2천여 시민들». OhmyNews (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022 
  17. 김종훈 (13 de julho de 2019). «돌아온 심상정 대표 "한국당 퇴출시킨다"». OhmyNews (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022 
  18. 윤효원 (21 de dezembro de 2020). «'더불어민주당 2중대'로서 정의당». labortoday.co.kr (em coreano). 매일노동뉴스. Consultado em 2 de abril de 2022 
  19. a b «'Sexism exists': S.Korea feminist presidential candidate's lonely crusade». France 24 (em inglês). 8 de março de 2022. Consultado em 4 de abril de 2022 
  20. «Moon to send orchids of congratulations to main opposition presidential candidate». The Korea Herald (em inglês). 11 de novembro de 2021. Consultado em 2 de abril de 2022 
  21. Lee, David D. (2 de agosto de 2020). «This South Korean Pastor 'Blessed' a Queer Festival. He's Now Being Investigated.». Vice (em inglês). Consultado em 2 de abril de 2022 
  22. «장혜영 "민주당, 진보로 평가하지 않아"». Dong-A Ilbo (em coreano). 11 de janeiro de 2021. Consultado em 2 de abril de 2022 
  23. 안준호 (2 de março de 2021). «"미국이 돌아왔다!" 장혜영의 이 발언 매우 아쉽다». OhmyNews (em coreano). Consultado em 2 de abril de 2022 
  24. a b c «강령/당헌/당규». justice21.org (em coreano). 23 de junho de 2013. Consultado em 4 de abril de 2022 
  25. 이지혜 (6 de julho de 2021). «"부가세 누진적 인상, 사회복지세 신설" 정의당의 보편증세 주장» (em coreano). 한겨레모바일 [The Hankyoreh]. Consultado em 2 de abril de 2022 
  26. «[인터뷰]정의당 이정미 "기본소득으론 국민 삶 문제 해결 안돼"» (em coreano). 뉴시스 [Newsis]. 2 de outubro de 2021. Consultado em 2 de abril de 2022 
  27. 정환봉 (28 de setembro de 2020). «"국민 생명이 먼저" 정의당, 북에도 할 말 하겠다는 '신노선'» (em coreano). 한겨레 [The Hankyoreh]. Consultado em 4 de abril de 2022 
  28. 최연진 (28 de setembro de 2020). «정의당도 요구한 對北 규탄결의안, 민주당 "北 이미 사과했다" 버티기». OhmyNews (em coreano). Consultado em 4 de abril de 2022