Abrir menu principal

Joe Biden

advogado e político estadunidense, Ex-vice-presidente dos EUA
Joe Biden
47º Vice-presidente dos Estados Unidos
Período 20 de janeiro de 2009
até 20 de janeiro de 2017
Presidente Barack Obama
Antecessor Dick Cheney
Sucessor Mike Pence
Senador dos Estados Unidos por Delaware
Período 3 de janeiro de 1973
até 15 de janeiro de 2009
Antecessor J. Caleb Boggs
Sucessor Ted Kaufman
Presidente do Comitê de
Relações Exteriores do Senado
Período 3 de janeiro de 2007
até 3 de janeiro de 2009
Antecessor Richard Lugar
Sucessor John Kerry
Período 6 de junho de 2001
até 3 de janeiro de 2003
Antecessor Jesse Helms
Sucessor Richard Lugar
Presidente do
Comitê do Judiciário do Senado
Período 3 de janeiro de 1987
até 3 de janeiro de 1995
Antecessor Strom Thurmond
Sucessor Orrin Hatch
Membro do Conselho
do Condado de New Castle
Período 1970 a 1972
Dados pessoais
Nome completo Joseph Robinette Biden Jr.
Nascimento 20 de novembro de 1942 (76 anos)
Scranton, Pensilvânia, Estados Unidos
Progenitores Mãe: Catherine Biden
Pai: Joseph Biden, Sr.
Alma mater Universidade de Delaware (BA)
Universidade de Syracuse (JD)
Prêmio(s) Medalha Presidencial da Liberdade
Esposa Jill Jacobs (desde 1977)
Neilia Hunter (1966–1972)
Filhos
  • Beau
  • Hunter
  • Naomi
  • Ashley
Partido Democrata (desde 1969)
Independente (1968-1969)
Religião Catolicismo Romano
Profissão Político e advogado
Assinatura Assinatura de Joe Biden
Website joebiden.com/

Joseph Robinette "Joe" Biden Jr. (Scranton, 20 de novembro de 1942) é um advogado e político norte-americano. Filiado ao Partido Democrata, foi o 47º vice-presidente dos Estados Unidos de 2009 a 2017. Entre 1973 e 2009, exerceu seis mandatos consecutivos como senador pelo Delaware, período em que presidiu importantes comitês do Senado dos Estados Unidos.

Biden e sua família se mudaram para o Delaware em 1953. Tornou-se advogado em 1969 e foi eleito para o Conselho do Condado de New Castle em 1970. Em 1972, sua eleição para o Senado o converteu no sexto senador mais jovem da história norte-americana. No Senado, integrou por muitos anos e presidiu o Comitê de Relações Exteriores. Em 1991, se opôs à Guerra do Golfo, mas defendeu a intervenção dos EUA e da OTAN na Guerra da Bósnia em 1994 e 1995. Votou a favor da resolução que autorizou a Guerra do Iraque em 2002, mas se opôs ao aumento de tropas norte-americanas em 2007. Também atuou como presidente do Comitê Judiciário do Senado, lidando com questões relacionadas a políticas de drogas, prevenção ao crime, liberdades civis e as nomeações de Robert Bork e Clarence Thomas para a Suprema Corte. Biden liderou os esforços para aprovar legislações contra o crime violento e a violência contras as mulheres.

Biden concorreu, sem sucesso, à nomeação democrata para as eleições presidenciais de 1988 e 2008. Em 2008, foi escolhido como o candidato a vice-presidente pelo senador Barack Obama. Com a vitória, Biden supervisionou os gastos em infraestrutura destinados a conter a Grande Recessão e ajudou a formular a política norte-americana em relação ao Iraque até a retirada das tropas naquele país em 2011. Sua capacidade de negociar com os republicanos do Congresso ajudou o governo Obama a aprovar importantes legislações, desde a que encerrou a crise do limite da dívida em 2011 e uma que cortou impostos. Obama-Biden foram reeleitos em 2012, derrotando Mitt Romney e Paul Ryan.

Em 2015, após meses de especulação, Biden anunciou que não concorreria à presidência na eleição de 2016, posteriormente substituído por Hillary Clinton. Em janeiro de 2017, recebeu de Obama a Medalha Presidencial da Liberdade com Distinção. Depois de encerrar seu segundo mandato como vice-presidente, Biden se juntou ao corpo docente da Universidade da Pensilvânia, onde foi nomeado o professor de Prática Presidencial Benjamin Franklin. Em abril de 2019, anunciou sua candidatura à nomeação democrata para a eleição de 2020.

Início de vidaEditar

Biden nasceu em 20 de novembro de 1942 no Hospital St. Mary, em Scranton, Pensilvânia,[1] sendo filho de Catherine Eugenia Biden (née Finnegan; 1917-2010)[2][3] e Joseph Robinette Biden Sr (1915-2002).[4] Primogênito de quatro irmãos de uma família católica, possui uma irmã e dois irmãos.[5] Sua mãe era descendente de irlandeses, com raízes atribuídas variadamente ao Condado de Louth[6] ou ao Condado de Derry.[7][8] Seus avós paternos, Mary Elizabeth (Robinette) e Joseph H. Biden, um empresário do ramo petrolífero de Baltimore, Maryland, eram descendentes de ingleses, franceses e irlandeses.[8][9] Seu tataravô paterno, William Biden, nasceu em Sussex, na Inglaterra, e imigrou para os Estados Unidos. Seu bisavô materno, Edward Francis Blewitt, integrou o Senado do Estado da Pensilvânia.[10][11]

O pai de Biden tinha boa situação financeira no início da sua vida, mas sofreu várias dificuldades em seus negócios na época que seu primeiro filho nasceu, e por vários anos a família teve que viver com os avós maternos de Biden, os Finnegan.[12] Quando a região de Scranton entrou em declínio econômico durante a década de 1950, o pai de Biden não encontrou trabalho suficiente.[13] Em 1953, a família Biden mudou-se para um apartamento em Claymont, Delaware, onde viveram por alguns anos antes de se mudarem para uma casa em Wilmington, Delaware.[12] Biden, Sr. conseguiu um bom emprego como vendedor de carros usados, mantendo a família na classe média.[12][13][14]

 
Biden enquanto estudava na Archmere Academy.

Biden estudou na Archmere Academy em Claymont, onde era um halfback / wide receiver de destaque no time de futebol americano do ensino médio,[15] ajudando a liderar um time perdedor para uma temporada invicta em seu último ano.[12][16] Também jogou no time de beisebol.[12] Durante esses anos, participou de um protesto sentado anti-segregação em um teatro de Wilmington.[17] Academicamente, era um estudante acima da média, considerado um líder natural entre os alunos e foi eleito representante de classe em seus anos júnior e sênior.[18][19] Graduou-se em 1961.[18]

Em 1965, Biden concluiu seu bacharelado pela Universidade de Delaware, com um double major em história e ciência política,[20] ficando na posição 506 entre os 688 graduandos.[21] Seus colegas de classe ficaram impressionados com suas habilidades de aprendizado rápido.[17] Em 1964, durante as férias de primavera nas Bahamas,[22] conheceu e começou a namorar com Neilia Hunter, que era de Skaneateles, Nova York, e estudava na Universidade de Syracuse.[12][23] Biden disse a ela que pretendia se tornar senador aos 30 anos de idade e, em seguida, presidente.[24] Desistiu do plano de jogar para o time de futebol da faculdade, permitindo-lhe passar mais tempo fora do estado visitando Neilia.[25]

Biden ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Syracuse, recebendo metade de uma bolsa de estudos com base em suas necessidades financeiras, com assistência adicional por conta de seus estudos acadêmicos.[26] De acordo com sua própria descrição, achava que a faculdade de direito era "o buraco mais chato do mundo" e deixou de dormir por várias noites para cumprir com suas obrigações acadêmicas.[17][27] Durante seu primeiro ano, foi acusado de plagiar cinco das 15 páginas de um artigo jurídico de revisão. Afirmou que foi um equívoco inadvertido ocorrido por não conhecer as regras adequadas de citação, e foi autorizado a retomar o curso depois de receber uma nota "F", que foi posteriormente retirada do seu registro; mais tarde, este incidente chamou atenção quando novas acusações de plágio surgiram em 1987.[27][28] Concluiu seu Juris Doctor em 1968,[29] graduando-se na posição 76 de 85 formandos de sua classe.[26] Foi admitido na ordem dos advogados de Delaware em 1969.[29]

O auge da Guerra do Vietnã ocorreu enquanto Biden estudava, e como estudante foi dispensado de servir no Exército, sendo reclassificado em 1968 pelo Sistema de Serviços Seletivos como não disponível para servir por ter tido asma na adolescência, podendo ser convocado em caso de "emergência nacional."[30][31] Não participou de nenhuma manifestação anti-guerra, dizendo mais tarde que nesta época estava preocupado com o casamento e a faculdade de direito, e "usava casacos esportivos... não tingidos."[32]

Impressões negativas do consumo de álcool nas famílias Biden e Finnegan e na vizinhança levaram-no a se tornar um abstêmio.[12][33] Sofreu gagueira em grande parte de sua infância e aos seus vinte anos,[34] afirmando tê-la superado gastando muitas horas recitando poesia na frente de um espelho.[19]

Início da carreira política e famíliaEditar

Em 27 de agosto de 1966, enquanto Biden ainda era estudante de direito, se casou com Neilia Hunter.[20] Eles superaram a relutância inicial de seus pais por ela se casar com um católico romano, e a cerimônia foi realizada em uma igreja católica em Skaneateles.[35] Eles tiveram três filhos: Joseph R. "Beau" Biden III em 1969, Robert Hunter em 1970 e Naomi Christina em 1971.[20] No âmbito profissional, Biden trabalhou seis meses durante o ano de 1968 em um escritório de advocacia em Wilmington, liderado pelo proeminente republicano local William Prickett e, como disse mais tarde, "pensava ser um republicano."[24][36] Biden não gostava da política racial conservadora do governador democrata de Delaware, Charles L. Terry, e apoiou um republicano mais liberal, Russell W. Peterson, que derrotou Terry em 1968.[24] Os republicanos locais tentaram recrutá-lo, mas resistiu devido ao seu desgosto pelo candidato presidencial republicano Richard Nixon, e se registrou como independente.[24]

Em 1969, Biden retomou o exercício da advocacia em Wilmington, primeiro como defensor público e depois em uma empresa dirigida por Sid Balick, um democrata ativo localmente.[17][24] Balick nomeou-o para o Fórum Democrata, um grupo que tentava reformar e revitalizar o Partido Democrata,[37] e Biden filiou-se ao partido.[24] Também começou sua própria empresa, Biden e Walsh.[17] O direito societário, no entanto, não lhe atraía e o direito criminal não pagava bem,[12] complementando sua renda gerenciando propriedades.[38]

Mais tarde, em 1969, Biden candidatou-se como democrata ao Conselho do Condado de New Castle, em uma plataforma liberal que incluía apoio a moradias públicas na área suburbana.[17] Venceu a eleição por uma sólida margem de dois mil votos em um distrito geralmente republicano e em um ano ruim para os democratas no estado.[17][39] Mesmo antes de ser empossado, já estava falando sobre concorrer ao Senado dos EUA em alguns anos.[39] Serviu no Conselho do Condado de 1970 a 1972[29] enquanto continuava trabalhando no direito privado.[40] Entre as questões que abordou no conselho estava sua oposição a grandes projetos rodoviários que poderiam perturbar os bairros de Wilmington, incluindo aqueles relacionados com a Interstate 95.[41]

Candidatura ao Senado em 1972Editar

A entrada de Biden na eleição para o Senado dos EUA em 1972 pelo Delaware apresentou uma circunstância única. O senador republicano J. Caleb Boggs, um político antigo, estava considerando se aposentar, o que provavelmente teria deixado o representante Pete du Pont e o prefeito de Wilmington, Harry G. Haskell Jr., em uma divisiva disputa primária. Para evitar isso, o presidente Richard Nixon ajudou a convencer Boggs a concorrer novamente com o apoio total do partido. Entre os democratas, ninguém queria concorrer contra Boggs.[17] A campanha de Biden praticamente não tinha dinheiro e consideraram-a sem chance de vencer.[12] Sua irmã Valerie Biden Owens gerenciou a campanha, o que repetiria futuramente, sendo também composta por outros membros da família, e confiava em uma estratégia que incluía entregar jornais com suas ideias e encontrar-se com eleitores cara a cara;[42] o pequeno tamanho do estado e a falta de um grande mercado de mídia tornaram a abordagem viável.[38]

Biden recebeu alguma assistência do sindicato AFL-CIO e do pesquisador democrata Patrick Caddell.[17] Sua campanha concentrou-se em questões como a retirada do Vietnã, no meio ambiente, nos direitos civis, no transporte coletivo, na taxação mais equitativa, na assistência médica, na insatisfação do público com a política usual e na "mudança."[17][42] Durante o verão, pesquisas indicavam que possuía uma desvantagem de 30%,[17] mas seu nível de energia, sua jovem família atraente e sua capacidade de se conectar com as emoções dos eleitores deram a Biden uma vantagem sobre Boggs, que estava prestes a se aposentar.[43] Em 7 de novembro de 1972, elegeu-se senador com 116.006 votos (50,48%); Boggs recebeu 112.844 votos (49,10%).[42] Na mesma noite, Nixon venceu a eleição presidencial em Delaware com 59,60% dos votos e du Pont reelegeu-se representante com 62,53% dos votos. Por outro lado, os democratas também obtiveram vitórias apertadas nas eleições para governador e auditor estadual.[44]

Tragédia familiarEditar

Em 18 de dezembro de 1972, algumas semanas após a eleição, a esposa de Biden e sua filha de um ano, Naomi, foram mortas em um acidente automobilístico durante as compras de Natal em Hockessin, Delaware.[20] A caminhonete de Neilia foi atingida por um trator-reboque quando ela saiu de um cruzamento; o motorista do caminhão foi inocentado de qualquer irregularidade.[45][nota 1] Os filhos de Biden, Beau e Hunter, sobreviveram ao acidente e foram levados para o hospital em boas condições, Beau com uma perna quebrada e outras feridas, e Hunter com uma pequena fratura no crânio e outros ferimentos na cabeça.[47] Os médicos logo disseram que ambos se recuperariam totalmente.[48] Biden considerou renunciar para cuidar deles,[49] mas foi persuadido a não pelo líder da maioria no Senado, Mike Mansfield.[50] Após o acidente, Biden comentou que o motorista do caminhão tinha bebido álcool antes da colisão, mas essas alegações foram negadas pela família do motorista e nunca foram comprovadas pela polícia.[51][52]

Senador dos Estados UnidosEditar

Recuperação e nova famíliaEditar

 
Joe e Jill Biden.

Biden foi empossado em 5 de janeiro de 1973, por Francis R. Valeo, o secretário do Senado, em uma pequena capela na Divisão de Delaware do Centro Médico de Wilmington.[47][53] Beau permaneceu deitado enquanto sua perna estava estendida e Hunter, que já havia recebido alta, também estava lá, assim como outros membros da família.[47][53] Testemunhas e câmeras de televisão também estiveram presentes e o evento recebeu atenção nacional.[47][53] Aos 30 anos, a idade mínima exigida para ocupar o cargo, tornou-se o sexto senador mais jovem na história dos EUA, e um dos apenas 18 senadores que assumiram o cargo antes de atingir os 31 anos de idade.[54][55]

O acidente deixou Biden cheio de raiva e dúvidas religiosas: "Eu gostava de andar à noite quando pensava que havia uma chance melhor de encontrar uma briga... Eu não sabia que era capaz de ter tal raiva... Eu senti que Deus havia jogado um truque horrível comigo."[56] Para estar em casa todos os dias com seus filhos pequenos,[57] começou a pegar um trem da Amtrak, viajando 90 minutos, na ida e na volta, de sua casa dos subúrbios de Wlimington até Washington, D.C., o que continuou fazendo ao longo do mandato.[58] No rescaldo do acidente, tinha dificuldade em se concentrar no trabalho. Em suas memórias, Biden observou que os funcionários estavam apostando em quanto tempo ele duraria no cargo.[23][59] Pai solteiro por cinco anos, ordenou aos seus funcionários para que fosse interrompido a qualquer momento se seus filhos ligassem.[60] Em lembrança de sua esposa e filha, não trabalha em 18 de dezembro, o aniversário do acidente.[61]

O filho mais velho de Biden, Beau, foi procurador-geral de Delaware e juiz advogado do Exército, servindo no Iraque;[62] seu filho mais novo, Hunter, tornou-se um advogado e lobista de Washington.[63] Em 30 de maio de 2015, Beau morreu aos 46 anos de idade após um tratamento de dois anos contra um câncer no cérebro.[64][65] No momento de sua morte, Beau era amplamente visto como o favorito para ganhar a indicação democrata a governador de Delaware em 2016.[66][67]

Em 1975, Biden conheceu Jill Tracy Jacobs, que cresceu em Willow Grove, Pensilvânia, e se tornou professora em Delaware.[68] Eles se conheceram em um encontro às cegas organizado pelo irmão de Biden, embora Biden tenha notado uma foto dela em um anúncio de um parque local em Wilmington, Delaware.[68] Biden creditou a ela a renovação de seu interesse pela política e pela vida.[69] Em 17 de junho de 1977, Biden e Jacobs casaram-se em uma cerimônia conduzida por um padre católico na Capela das Nações Unidas em Nova York.[70][71] Jill Biden é bacharel pela Universidade de Delaware, também tendo concluído dois mestrados, um pela Universidade de West Chester e outro pela Universidade Villanova, e um doutorado em educação pela Universidade de Delaware.[68] Eles tiveram uma filha juntos, Ashley Blazer (nascida em 1981),[20] que se tornou assistente social e funcionária do Departamento de Serviços para Crianças, Jovens e Suas Famílias de Delaware.[72]

Primeiras atividades no SenadoEditar

 
Foto oficial como senador.

Durante seus primeiros anos no Senado, Biden concentrou-se em leis sobre a proteção ao consumidor e questões ambientais e pediu uma maior responsabilidade por parte do governo.[73] Em meados de 1974, o novato senador foi nomeado uma das 200 Faces para o futuro pela revista Time, cujo perfil mencionou o que aconteceu com sua família e o caracterizou como "autoconfiante" e "compulsivamente ambicioso".[73]

Biden tornou-se o membro mais antigo da minoria no Comitê do Senado dos Estados Unidos sobre o Judiciário em 1981. Em 1984, supervisionou a bancada democrata para garantir a aprovação da Lei Abrangente de Controle do Crime. Com o tempo, as duras disposições desta legislação tornaram-se polêmicas na esquerda e entre os proponentes da reforma da justiça criminal, e em 2019 Biden caracterizou seu papel em aprovar a legislação como um "grande erro."[74][75] Biden e seus partidários o elogiaram por modificar algumas das piores disposições da legislação, e foi o seu feito como senador mais importante naquele momento.[76] Naquele ano, considerou pela primeira vez concorrer à presidência depois de ganhar notoriedade por fazer discursos para plateias que simultaneamente repreendiam e encorajavam os democratas.[77]

Em 1974, Biden foi um dos principais opositores no Senado da dessegregação dos ônibus, uma prática na época frequentemente ordenada pela justiça para as escolas segregadas. Biden justificou sua posição afirmando que apoiava o objetivo de dessegregar as escolas, mas não os ônibus, uma ideia que seus eleitores se opuseram ferozmente.[78][76] Três anos depois, o plano ordenado pelo judiciário federal para desagregar os ônibus de Wilmington gerou muita agitação e, ao tentar legislar uma solução de compromisso, Biden se viu alienando eleitores brancos e negros por um tempo.[79]

Em relação à política externa, durante sua primeira década no Senado concentrou-se em questões ligadas ao controle de armas.[80][81] Em resposta à recusa do Congresso norte-americano em ratificar o Tratado SALT II, assinado em 1979 pelo líder soviético Leonid Brezhnev e pelo presidente Jimmy Carter, tomou a iniciativa de se encontrar com o ministro das Relações Exteriores da União Soviética, Andrei Gromiko, informando-o sobre preocupações e interesses dos norte-americanos e garantiu várias mudanças para tratar das objeções de senadores integrantes do Comitê de Relações Exteriores.[82] Quando o governo Reagan quis interpretar vagamente o Tratado de SALT I de 1972, a fim de permitir que a Iniciativa Estratégica de Defesa prosseguisse, Biden defendeu a adesão estrita aos termos do tratado.[80] Entrou em choque novamente com o governo Reagan em 1986 devido a política de sanções contra a África do Sul;[80] Biden recebeu atenção considerável quando se insurgiu contra o secretário de Estado, George P. Shultz, em uma audiência do Senado por conta do apoio do governo àquele país, que continuou a praticar o sistema do apartheid.[24]

Campanha presidencial de 1988Editar

 
Logo da campanha de Biden à presidência em 1988.

Biden concorreu à nomeação democrata para a eleição presidencial de 1988, declarando formalmente sua candidatura na estação de trem de Wilmington em 9 de junho de 1987.[83] Se eleito, seria o presidente mais jovem desde John F. Kennedy.[24] Quando a campanha começou, foi considerado um candidato potencialmente forte por conta de sua imagem moderada, seu apelo aos Baby Boomers, sua posição de destaque como presidente do Comitê Judiciário nas audiências de confirmação de Bork, e sua capacidade para arrecadar fundos.[84][85] No primeiro trimestre de 1987, arrecadou US$ 1,7 milhão, mais do que qualquer outro candidato.[84][85]

Em agosto de 1987, a campanha de Biden, cuja mensagem foi confusa devido à rivalidades na equipe,[86] tinha começado a ficar para trás das campanhas de Michael Dukakis e Dick Gephardt,[84] embora ainda tivesse levantado mais fundos do que todos os candidatos com exceção de Dukakis e estava vendo uma recuperação nas pesquisas de Iowa.[85][87] Em setembro de 1987, a campanha passou por problemas quando Biden foi acusado de plagiar um discurso que havia sido feito no início daquele ano por Neil Kinnock, o líder do Partido Trabalhista Britânico.[88] De fato, citou Kinnock como a fonte para para a formulação de discursos em ocasiões anteriores,[89][90] mas não fez nenhuma referência à fonte original nos discursos questionados.[91][90] Além disso, enquanto os discursos políticos muitas vezes se apropriam de ideias e linguagem uns dos outros, o discurso de Biden ficou sob mais escrutínio pois ele inventou aspectos do passado de sua própria família para combinar com os de Kinnock.[92][93] Logo foi descoberto que no passado recente também havia tirado passagens de discursos de Robert F. Kennedy e Hubert Humphrey.[94]

 
Biden em novembro de 1987.

Alguns dias depois, o incidente de plágio na faculdade de direito veio à tona,[27] e um vídeo em que falava afirmações falsas ou exageradas sobre seu passado acadêmico foi divulgado.[26][95] As revelações sobre os plágios foram ampliadas pela quantidade limitada de outras notícias sobre a campanha na época,[96] quando a maioria do público ainda não estava prestando atenção em nenhuma das campanhas; assim, caiu no que o escritor do The Washington Post Paul Taylor descreveu como a tendência daquele ano, um "julgamento por provação da mídia."[97] Biden não tinha um forte grupo demográfico ou político de apoio para ajudá-lo a sobreviver à crise.[87][98] Em 23 de setembro de 1987, desistiu da campanha, dizendo que sua candidatura havia sido superada pela "sombra exagerada" de seus erros passados.[99]

Depois que Biden desistiu da campanha, foi revelado que a campanha de Dukakis, o eventual escolhido para representar o partido na eleição geral, havia feito um vídeo secreto destacando a comparação entre Biden e Kinnock e distribui-o para as agências de notícias.[100] Mais tarde, em 1987, o Conselho de Responsabilidade Profissional da Suprema Corte de Delaware isentou Biden das acusações de plágio na faculdade de direito em relação a sua posição como advogado, dizendo que ele "não violou nenhuma regra."[101]

Em fevereiro de 1988, após sofrer vários episódios de dor cervical cada vez mais grave, Biden foi levado por uma ambulância de longa distância ao Centro Médico do Exército Walter Reed e recebeu uma cirurgia salva-vidas para corrigir um aneurisma cerebral intracraniano que havia começado a vazar;[102][103] a situação era grave o suficiente para que um padre administrasse os últimos ritos no hospital.[104] Enquanto se recuperava, sofreu uma embolia pulmonar, o que representou uma grande complicação.[103] Outra operação para reparar um segundo aneurisma, que não causou sintomas, mas também estava em risco de romper-se, foi realizada em maio de 1988.[103][105] A hospitalização e recuperação mantiveram Biden longe de suas funções no Senado dos EUA por sete meses.[61] Biden não teve recorrências ou efeitos dos aneurismas desde então.[103] Em retrospecto, a família de Biden chegou a acreditar que o fim precoce de sua campanha presidencial havia sido uma bênção disfarçada, pois se ele ainda estivesse em campanha no meio das primárias no início de 1988, poderia muito bem não ter parado para procurar atendimento médico e a condição poderia se tornar insustentável.[106]

Comitê Judiciário do SenadoEditar

 
Biden em foto oficial como senador.

Biden foi um membro de longa data do Comitê do Senado sobre o Judiciário. De 1987 a 1995, presidiu o comitê e atuou como o membro sênior da minoria de 1981 a 1987 e de 1995 a 1997.[29] Biden presidiu duas das mais controversas audiências de confirmação da história da Suprema Corte: as de Robert Bork em 1987 e Clarence Thomas em 1991.[107] Nas audiências de Bork, declarou sua oposição a Bork logo após a nomeação, mudando de ideia em relação a uma entrevista concedida no ano anterior e irritando os conservadores que achavam que não poderia conduzir as audiências desapaixonadamente.[108] No final, recebeu elogios por conduzir o processo de maneira justa e com bom humor e coragem, pois sua campanha presidencial de 1988 entrou em colapso no meio das audiências.[108][109] Rejeitando alguns dos argumentos menos intelectualmente honestos que outros oponentes de Bork estavam fazendo,[110] moldou seus argumentos em torno da crença de que a Constituição fornecia direitos à liberdade e privacidade que se estendiam além daqueles explicitamente enumerados no texto, e que as visões fortemente originalistas de Bork eram ideologicamente incompatíveis com essa visão.[109] A nomeação de Bork foi rejeitada no comitê[109] e pelo pleno do Senado.[111]

Nas audiências de Thomas, as perguntas de Biden sobre questões constitucionais eram muitas vezes longas e complicadas, algumas vezes de tal forma que Thomas se esqueceu da pergunta que estava sendo feita.[112] Os espectadores das audiências ficaram frequentemente incomodados pelo estilo de Biden.[113] Thomas escreveu mais tarde que, apesar das garantias pessoais anteriores do senador, suas perguntas eram semelhantes a um beanball.[114][nota 2] A nomeação saiu do comitê sem uma recomendação, com Biden votando contra.[116] Em parte devido a suas próprias experiências ruins em 1987 com sua campanha presidencial, relutou em deixar assuntos pessoais entrarem nas audiências.[117] Biden inicialmente compartilhou com o comitê, mas não o público, as acusações de assédio sexual de Anita Hill, alegando que ela ainda não estava disposta a testemunhar.[118] Depois disso, não permitiu que outras testemunhas prestassem depoimento em seu nome, incluindo outra mulher que fez uma acusação semelhante e especialistas em assédio.[119] Biden afirmou que estava se esforçando para preservar o direito de Thomas à privacidade e à decência das audiências.[120][119] A nomeação foi aprovada pelo pleno do Senado, com Biden novamente votando contra.[121] Durante e depois, foi fortemente criticado por grupos jurídicos liberais e grupos de mulheres por sua atuação nas audiências e não ter feito o suficiente para apoiar Hill.[119] Posteriormente, procurou mulheres para atuarem no comitê, enfatizou as questões das mulheres na agenda legislativa do comitê[122] e, em abril de 2019, ligou para Hill para expressar arrependimento pelo tratamento dado a ela; depois da conversa, Hill disse que o pedido de desculpas era profundamente insatisfatório.[123]

 
Biden discursando ao lado do presidente Bill Clinton e agentes das forças de segurança, em 1994.

Biden envolveu-se na elaboração de muitas leis federais sobre a criminalidade. Ele liderou a Lei de Controle ao Crime Violento e Aplicação da Lei de 1994, também conhecida como Lei Criminal Biden, que incluiu a Proibição Federal de Armas de Assalto, que expirou em 2004 após o período de prorrogação de dez anos e não foi renovada.[124][125] Também incluiu a pioneira Lei de Violência Contra as Mulheres (VAWA), que continha uma ampla gama de medidas para combater a violência doméstica.[126] Em 2000, a Suprema Corte decidiu no caso Estados Unidos vs. Morrison que a seção da VAWA que permitia às mulheres o direito de processar seus agressores em um tribunal federal excedia a autoridade do Congresso e, portanto, era inconstitucional.[127] O Congresso autorizou novamente a VAWA em 2000 e 2005,[128] e Biden afirmou que considerava-a a legislação mais significativa que criou durante seu mandato.[129] Em 2004 e 2005, recrutou grandes empresas de tecnologia norte-americanas para diagnosticar os problemas da Linha Direta Nacional de Violência Doméstica e doar equipamentos e conhecimentos em um esforço bem-sucedido para melhorar seus serviços.[130][131]

Biden criticou as ações do conselheiro independente Kenneth Starr durante a controvérsia de Whitewater na década de 1990 e as investigações do escândalo Lewinsky, dizendo que "vai ser um dia frio no inferno" antes que outro conselheiro independente receba os mesmos poderes.[132] Em 1999, votou para absolver o presidente Bill Clinton de ambas as acusações durante o seu processo de impeachment.[133]

Como presidente do Comitê Internacional de Controle de Narcóticos, Biden formulou as leis que criaram o "Czar das Drogas" dos EUA, responsável por supervisionar e coordenar a política nacional de controle de drogas. Em abril de 2003, introduziu a controversa Lei de Redução da Vulnerabilidade dos Americanos ao Ecstasy, também conhecida como a Lei RAVE. Também continuou trabalhando para impedir a disseminação de drogas do tipo "Boa noite, Cinderela", como o flunitrazepam, e drogas como o ecstasy e a cetamina. Em 2004, atuou para aprovar um projeto de lei que proibia esteroides como a androstenediona, uma droga usada por muitos jogadores de beisebol.[134]

Comitê de Relações Exteriores do SenadoEditar

 
Biden viajando com o presidente Clinton e outros políticos para a Bósnia em 1997.

Biden foi por muitos anos integrante Comitê de Relações Exteriores. Em 1997, se tornou o membro minoritário sênior e presidiu o comitê em janeiro de 2001 e de junho de 2001 a 2003. Quando os democratas retomaram o controle do Senado após as eleições de 2006, novamente assumiu a chefia em 2007.[135] Biden era geralmente um internacionalista liberal na política externa.[80][136] Colaborou efetivamente com senadores republicanos importantes, como Richard Lugar e Jesse Helms, e às vezes ia contra elementos de seu próprio partido.[137][136] Ainda, co-presidiu o Grupo de Observadores da OTAN no Senado.[138] Uma lista parcial cobrindo este período mostrou que se reuniu com cerca de 150 líderes de quase 60 países e organizações internacionais.[139] Biden realizou audiências frequentes como presidente do comitê, bem como muitas audiências do subcomitê durante as três vezes em que presidiu a Subcomissão de Assuntos Europeus.[80]

Biden se interessou pelas Guerras Iuguslavas depois de ouvir sobre os abusos sérvios durante a Guerra de Independência da Croácia em 1991.[80] Quando a Guerra da Bósnia irrompeu, foi um dos primeiros a defender o treinamento de muçulmanos bósnios, apoiá-los com ataques aéreos da OTAN e investigar crimes de guerra.[80][140] Os governos de George H. W. Bush e de Clinton estavam relutantes em implementar a política, temendo o entrelaçamento dos Bálcãs.[80][136] Em 1993, passou uma semana nos Bálcãs e realizou uma tensa reunião de três horas com o líder sérvio Slobodan Milošević,[141] relatando ter dito a Milošević que ele era um "maldito criminoso de guerra que deveria ser julgado como um."[141] Em 1992, redigiu uma emenda para obrigar o governo Bush a armar os bósnios, mas prolatou tal proposta em 1994 e adotou uma postura um pouco mais suave, preferência do governo Clinton, antes de assinar em 1995 uma medida mais forte patrocinada por Bob Dole e Joe Lieberman.[141] O engajamento levou a um bem-sucedido esforço da OTAN para a manutenção da paz.[80] Biden classificou seu papel em alterar a política dos Bálcãs em meados da década de 1990 como seu "momento de maior orgulho na vida pública" relacionado à política externa.[136] Em 1999, durante a Guerra do Kosovo, apoiou a campanha de bombardeio da OTAN contra a Sérvia e Montenegro,[80] e co-patrocinou com seu amigo John McCain a Resolução McCain-Biden do Kosovo, que pedia ao presidente Clinton o uso de toda a força necessária, incluindo tropas terrestres, para confrontar Milošević sobre as ações sérvias no Kosovo.[136][136][142] Em 1998, o jornal Congressional Quarterly nomeou Biden como um dos "Doze que Fizeram a Diferença" por ter desempenhado um papel principal em várias questões de política externa, incluindo a ampliação da OTAN e a aprovação de projetos de lei para simplificar as agências de relações exteriores e punir a perseguição religiosa no exterior.[143]

 
Biden falando na abertura de uma audiência do Comitê de Relações Exteriores do Senado sobre o Iraque, em 2007.

Biden votou contra a autorização para a Guerra do Golfo em 1991,[136] assim como 45 dos 55 senadores democratas, afirmando que os EUA estavam arcando com quase todo o fardo da coalizão anti-Iraque.[144] Em 2001, apoiou fortemente a Guerra do Afeganistão, dizendo: "Seja o que for preciso, devemos fazê-lo."[145] Em relação ao Iraque, declarou em 2002 que Saddam Hussein era uma ameaça à segurança nacional, e que não havia outra opção a não ser eliminar essa ameaça.[146] Em outubro de 2002, votou a favor da Autorização para o Uso da Força Militar Contra o Iraque, o que justificou a Guerra do Iraque.[136] Enquanto logo se tornou um crítico da guerra e viu seu voto como um "erro", não insistiu em exigir uma retirada dos EUA.[136][141] Biden apoiou a destinação de verbas para arcar com a ocupação, mas argumentou repetidamente que a guerra deveria ser internacionalizada, que mais soldados eram necessários, e que o governo Bush deveria "nivelar com o povo americano" sobre o custo e a duração do conflito.[147][142]

No final de 2006, a posição de Biden sobre o Iraque havia mudado, e se opôs ao aumento das tropas em 2007,[136][141] dizendo que o general David Petraeus estava errado em acreditar que o aumento das tropas poderia funcionar.[148] Biden foi um dos principais defensores da divisão do Iraque em uma federação livre de três estados étnicos.[149] Em 2006, Biden e Leslie H. Gelb, presidente emérito do Conselho de Relações Exteriores, divulgaram uma estratégia abrangente para acabar com a violência sectária.[150] Ao invés de manter a abordagem atual ou retirar-se, o plano exigia "uma terceira via": federalizar o país e dar aos curdos, xiitas e sunitas "espaço para respirar" em suas próprias regiões. [151] Em 2007, uma resolução não vinculante do Senado endossou tal ideia.[150] No entanto, ela não era familiar, não tinha eleitorado político e não conseguiu ganhar força.[148] A liderança política iraquiana uniu-se em denunciar a resolução como uma divisão de fato do país, e a embaixada dos EUA em Bagdá divulgou uma declaração se distanciando do plano.[150]

Em 2004, depois de se encontrar com o líder Muammar Gaddafi em Trípoli, Biden garantiu a breve libertação do ativista pró-democracia da Líbia e prisioneiro político Fathi Eljahmi.[152][153] Em 2008, criticou duramente o presidente George W. Bush por seu discurso no Knesset de Israel, no qual sugeriu que alguns democratas estavam agindo da mesma forma que alguns líderes ocidentais agiram quando se conformaram com Hitler pouco antes da Segunda Guerra Mundial, afirmando: "Isso é besteira. Isso é nonsense. Isso é ultrajante. Ultrajante para o presidente dos Estados Unidos ir a um país estrangeiro, sentar no Knesset ... e fazer essa declaração ridícula." Biden mais tarde pediu desculpas por usar um palavrão.[154]

Assuntos de DelawareEditar

 
Biden visitando a Base da Força Aérea de Dover, em 1997.

Biden era uma figura familiar para seu eleitorado de Delaware,[155] por conta de suas viagens de trem diárias, e geralmente procurava atender às necessidades do estado.[156] Defendeu fortemente o aumento do financiamento da Amtrak e da segurança ferroviária;[157] também organizou churrascos e um jantar anual de Natal para as tripulações da Amtrak, e eles às vezes seguravam o último trem da noite por alguns minutos para que Biden pudesse pegá-lo.[38][158] Acabou ganhando o apelido de "Amtrak Joe" e em 2011 a Estação Wilmington da Amtrak foi nomeada Estação Ferroviária Joseph R. Biden Jr., em homenagem às mais de 7.000 viagens que ele fez de lá.[159][160] Advogou, ainda, pelas instalações militares de Delaware, incluindo as bases aéreas de Dover e New Castle.[161]

A partir de 1991, Biden atuou como professor adjunto na Faculdade de Direito da Universidade Widener, a única faculdade de direito de Delaware, lecionando um seminário sobre direito constitucional.[162][163] O seminário foi um dos mais populares de Widener, muitas vezes com uma lista de espera para inscrição.[163] Biden normalmente co-ministrava o curso com outro professor, assumindo pelo menos metade dos minutos da aula e às vezes voltando do exterior para dar uma das aulas.[164][165]

Biden patrocinou uma legislação relativa à falência durante a década de 2000, solicitada pela MBNA, uma das maiores empresas de Delaware, e por outras emissoras de cartões de crédito.[166] Biden permitiu uma emenda ao projeto de lei para aumentar a isenção de propriedade para os proprietários que declaravam falência e lutou por uma emenda que proibisse os criminosos anti-aborto de usar a falência para pagar multas; o projeto de lei geral foi vetado por Bill Clinton em 2000, mas finalmente foi aprovado como a Lei de Prevenção ao Abuso de Falência e Proteção ao Consumidor em 2005, com apoio de Biden.[167]

ReputaçãoEditar

 
Biden durante um desfile no Condado de Sussex.

Após sua primeira eleição em 1972, Biden foi reeleito para seis mandatos consecutivos nas eleições de 1978, 1984, 1990, 1996, 2002 e 2008, geralmente recebendo cerca de 60% dos votos.[168] Em nenhuma das eleições enfrentou forte oposição; o governador Pete du Pont optou por não concorrer contra ele em 1984.[76] Biden passou 28 anos como senador júnior devido à antiguidade de dois anos de seu colega republicano William V. Roth Jr. Depois que Roth foi derrotado em sua candidatura à reeleição por Tom Carper em 2000, se tornou o senador sênior de Delaware. Até 2019, Biden era o 18º senador com mandato mais longevo dos Estados Unidos e o com mandato de maior duração de Delaware.[169] Em maio de 1999, se tornou o senador mais jovem a dar 10 mil votos.[170]

Com um patrimônio líquido entre US$ 59.000 e US$ 366.000, e quase nenhuma renda externa ou de investimento, Biden foi consistentemente classificado como um dos membros menos ricos do Senado.[171][172] Biden afirmou que foi listado como o segundo membro mais pobre do Congresso e não estava orgulhoso da distinção, mas atribuiu ao fato de ter sido eleito no início de sua carreira.[173] Biden percebeu no início de sua carreira no Senado o quanto os funcionários públicos mais desfavorecidos são vulneráveis a ofertas de contribuições financeiras em troca de apoio político, e defendeu as medidas de reforma do financiamento de campanhas durante seu primeiro mandato.[76]

Durante seus anos como senador, Biden ganhou uma reputação como loquaz,[174][175] com suas perguntas e comentários durante as audiências do Senado sendo conhecidas como prolixas.[176][177] Um debatedor e orador marcante, era frequentemente convidado a participar de programas de TV matutinos dominicais.[177] Em aparições públicas, ficou conhecido por se desviar dos textos prontos.[178] De acordo com o analista político Mark Halperin, Biden mostrou "uma persistente tendência a dizer coisas bobas, ofensivas e desanimadoras";[177] o The New York Times escreveu que "os fracos filtros de Biden o tornam capaz de deixar escapar praticamente qualquer coisa."[175] O jornalista James Traub escreveu que "a vaidade de Biden e sua consideração por seus próprios dons parecem consideráveis até mesmo pelos padrões rarefeitos do Senado dos EUA."[148]

O escritor de política Howard Fineman afirmou: "Biden não é um acadêmico, ele não é um pensador teórico, ele é um grande político de rua. Ele vem de uma longa linha de trabalhadores em Scranton – vendedores de automóveis, revendedores de carros, pessoas que sabem como fazer uma venda. Ele tem aquele grande presente irlandês."[38] O colunista político David S. Broder viu Biden como tendo crescido desde que chegou a Washington e desde sua malfadada campanha presidencial de 1988: "Ele responde a pessoas reais – isso tem sido consistente em todos os aspectos. E sua capacidade de entender a si mesmo e lidar com outros políticos ficou muito melhor." Traub conclui que "Biden é o tipo de pessoa fundamentalmente feliz que pode ser tão generoso com os outros quanto ele é para si mesmo."[148]

Campanha presidencial de 2008Editar

À presidênciaEditar

 
Logo da campanha de Biden à presidência em 2008.

Biden tinha pensado em concorrer à presidência novamente desde a sua fracassada candidatura em 1988.[nota 3] Em 31 de janeiro de 2007, anunciou sua candidatura à presidência para a eleição de 2008 depois de ter considerado durante meses entrar na disputa.[182] Anunciou formalmente sua candidatura para Tim Russert no programa Meet the Press, afirmando que seria "o melhor Biden que eu posso ser."[183] Durante sua campanha, concentrou-se na guerra do Iraque e seu apoio à implementação do plano Biden-Gelb para alcançar um sucesso político. Elogiou seu histórico no Senado como chefe de grandes comitês do Congresso e sua experiência em política externa. Apesar da especulação em contrário,[184] rejeitou a ideia de aceitar o cargo de secretário de Estado, concentrando-se apenas na presidência.[185] Em meados de 2007, enfatizou sua experiência em política externa comparada à do senador Barack Obama, dizendo que, embora Obama pudesse estar preparado para a presidência, não estava naquele momento;[186] Biden também afirmou que Obama copiou algumas de suas ideias para a política externa.[148] Nos debates em que participou, suas performances foram uma mistura eficaz de humor, com comentários afiados e surpreendentemente disciplinados.[187]

 
Biden em evento de campanha, em 2007.

No decorrer da campanha, Biden proferiu comentários que se tornaram controversos. No dia do anúncio de sua candidatura em janeiro de 2007, falou sobre o colega candidato Obama: "Quero dizer, você conseguiu o primeiro afro-americano que é articulado, brilhante e limpo e um cara bonito. Quero dizer, esse é um livro de histórias, cara."[188][nota 4] Tal comentário enfraqueceu sua candidatura logo no início e prejudicou significativamente sua capacidade de arrecadar fundos;[190] mais tarde, ficou em segundo lugar no "Top 10 Gafes de Campanha" da revista Time em 2007.[191] Biden já havia sido criticado em julho de 2006 por uma observação que fez sobre seu apoio entre os indianos-americanos: "Eu tive um ótimo relacionamento. Em Delaware, o maior crescimento populacional é o dos indianos-americanos que se deslocam da Índia. Você não pode ir a um 7-Eleven ou a um Dunkin' Donuts, a menos que tenha um leve sotaque indiano. Eu não estou brincando."[192] Mais tarde, alegou que a observação não pretendia ser depreciativa.[192]

No geral, Biden não conseguiu ganhar força contra as candidaturas de Obama e da senadora Hillary Clinton, não ficando acima de um dígito nas pesquisas nacionais para as primárias democratas.[193][194] Na primeira prévia, a de Iowa em 3 de janeiro de 2008, ficou em quinto lugar, ganhando pouco menos de um por cento dos delegados estaduais.[195] Biden desistiu da disputa naquela noite, dizendo: "Não há nada triste nesta noite... Eu não sinto arrependimento."[196] Apesar da falta de sucesso, a estatura de Biden no mundo político subiu como resultado de sua campanha de 2008.[197] Em particular, mudou a relação entre Biden e Obama. Embora os dois tivessem trabalhado juntos no Comitê de Relações Exteriores do Senado, eles não tinham sido próximos, com Biden tendo se ressentido da rápida ascensão de Obama ao estrelato político,[148][198] e Obama tendo visto Biden como tagarela e paternalista.[199] Agora, Obama passou a apreciar o estilo de campanha de Biden e seu apelo aos eleitores da classe trabalhadora, e Biden estava convencido de que Obama era "o verdadeiro negócio."[198][200]

À vice-presidênciaEditar

 
Os Obama e os Biden no anúncio da escolha de Joe como vice de Barack, em agosto de 2008.

Logo depois de Biden desistir da nomeação democrata, Obama vinha dizendo que estava interessado em encontrar um lugar importante para ele em um possível governo.[201] Inicialmente, Biden temia que a vice-presidência representasse uma perda de status e representação em relação ao Senado, mas acabou mudando de ideia.[148][202][203] No início de agosto, ambos se reuniram em segredo para discutir uma possível relação vice-presidencial,[201] e se deram bem pessoalmente.[198] Em 22 de agosto, Obama anunciou que Biden seria seu companheiro de chapa.[204][205] O The New York Times noticiou que a estratégia por trás da escolha refletia o desejo de completar a chapa com alguém que tivesse experiência em política externa e segurança nacional.[206] Outros observadores apontaram o apelo de Biden à classe média e aos eleitores da classe trabalhadora, bem como sua disposição de desafiar agressivamente o candidato republicano John McCain de uma forma que Obama, às vezes, parecia desconfortável.[207][208] Em 27 de agosto, foi oficialmente designado como o candidato a vice-presidente pelo Partido Democrata na Convenção Nacional Democrata, em Denver, Colorado.[209]

Após sua seleção como candidato a vice-presidente, Biden foi criticado pelo bispo Michael Saltarelli, de sua própria Diocese de Wilmington, por não se opor ao aborto.[210] A diocese confirmou que, mesmo que fosse eleito vice-presidente, Biden não teria permissão para discursar nas escolas católicas.[211] Biden foi logo impedido de receber a Santa Comunhão pelo bispo de sua cidade natal, Scranton, na Pensilvânia, por causa de seu apoio ao direito ao aborto;[212] entretanto, continuou a receber a Comunhão em sua paróquia local de Delaware.[211] Scranton tornou-se um ponto crítico na disputa pelos eleitores católicos entre a campanha democrata e grupos católicos liberais, que enfatizaram que outras questões sociais deveriam ser consideradas como tanto ou mais importantes do que o aborto, e muitos bispos e católicos conservadores, que defendiam a questão do aborto como primordial.[213] Biden disse acreditar que a vida começava na concepção, mas que não imporia suas visões religiosas pessoais aos outros.[214]

 
Biden discursando na Universidade Wake Forest, em outubro de 2008.

A campanha à vice-presidência de Biden ganhou pouca visibilidade na mídia, já que a atenção da imprensa foi muito maior em relação à vice-presidenciável republicana Sarah Palin.[175][215] Por exemplo, o Centro de Pesquisas Pew descobriu que, durante uma semana em setembro de 2008, Biden foi incluído em apenas cinco por cento da cobertura da mídia, muito menos do que Obama, McCain e Palin.[216] Ainda assim, Biden se concentrou em fazer campanha em áreas economicamente desafiadoras de estados decisivos e tentou conquistar os democratas de colarinho azul, especialmente aqueles que apoiaram Hillary,[148][175] além de atacar McCain pesadamente, apesar de serem amigos pessoais de longa data.[nota 5] Em outubro de 2008, participou do debate vice-presidencial com Palin; as pesquisas pós-debate revelaram que Palin superou as expectativas, mas que Biden ganhou o debate em geral.[219] Durante os últimos dias da campanha, concentrou-se em áreas menos populosas, com pessoas mais velhas e menos prósperas, especialmente na Flórida, Ohio e Pensilvânia, estados em que era popular e Obama não fez campanha ou teve um bom desempenho nas primárias.[220][221][222] Também fez campanha em alguns estados normalmente republicanos, bem como em áreas com grandes populações católicas.[222]

Sob as instruções da campanha de Obama, Biden manteve seus discursos sucintos e tentou evitar comentários negativos, como um sobre Obama sendo testado por uma potência estrangeira logo após a posse, que atraiu atenção negativa.[220][221] Em privado, Obama ficou frustrado com os comentários de Biden, questionando quantas vezes ele iria dizer "algo estúpido",[223] e seus colaboradores mantiveram o vice desinformado sobre as discussões de estratégia, irritando Biden.[224] Posteriormente, se desculpou em uma ligação para Obama e os dois construíram uma parceria mais forte.[225] Publicamente, o estrategista David Axelrod disse que quaisquer comentários inesperados foram superados pelos altos índices de popularidade de Biden.[226][nota 6] Em 4 de novembro de 2008, a chapa Obama-Biden venceu a eleição,[227] ganhando 365 votos no Colégio Eleitoral[228] e tendo uma vantagem de 53-46% no voto popular em todo o país.[229] Biden continuou concorrendo à reeleição como senador em simultâneo com sua campanha à vice-presidência,[230] conforme permitido pelas leis de Delaware.[231] Acabou sendo também reeleito senador ao derrotar a republicana Christine O'Donnell.[232] Tendo vencido as duas eleições, fez questão de adiar sua renúncia ao Senado para que pudesse ser empossado para seu sétimo mandato em 6 de janeiro de 2009.[233] Biden deu seu último voto no Senado em 15 de janeiro, renunciando no mesmo dia.[234][nota 7]

Vice-presidente dos Estados UnidosEditar

Primeiro mandatoEditar

 
Biden sendo empossado vice-presidente por John Paul Stevens, associado de Justiça, em 20 de janeiro de 2009.

Durante o período de transição, Biden pretendia eliminar alguns dos papéis explícitos assumidos pelo antecessor Dick Cheney,[236] que se estabeleceu como um centro de poder autônomo.[148] Biden afirmou que seria um vice-presidente "diferente" e que procuraria aconselhar Obama sobre todas as decisões críticas que tomaria.[237] Em 20 de janeiro de 2009, foi empossado o 47º vice-presidente norte-americano, se tornando o primeiro vice-presidente com base eleitoral no Delaware[238] e o primeiro católico romano.[239] Biden e sua esposa moraram na residência oficial em Washington, D.C., Number One Observatory Circle, onde mantiveram um ambiente descontraído, muitas vezes entretendo alguns de seus netos, e regularmente voltavam para a casa que mantinham em Delaware.[240]

Nos primeiros meses do governo, Biden assumiu o papel de importante conselheiro nos bastidores.[241] Um dos papéis era julgar as disputas entre a "equipe de rivais" do presidente.[148][nota 8] Desempenhou um papel fundamental na conquista do apoio do Senado para várias partes da agenda legislativa de Obama, e foi um fator importante para convencer o senador republicano Arlen Specter a se filiar ao Partido Democrata.[242] Biden perdeu um debate interno para a secretária de Estado, Hillary Clinton, sobre sua oposição ao envio de mais 21 mil tropas para a guerra no Afeganistão.[243][244] Sua voz cética era considerada valiosa dentro do governo,[245] mas ainda em 2009 a visão de Biden alcançou mais destaque dentro da Casa Branca, quando Obama reconsiderou sua estratégia no Afeganistão.[246]

 
Biden em Bagdá, Iraque, em 2010.

Biden visitou o Iraque uma vez a cada dois meses,[148] incluindo viagens a Bagdá em agosto e setembro de 2009 para ouvir o primeiro-ministro Nouri al-Maliki e reiterar as posições dos EUA sobre o futuro do Iraque;[247] a essa altura, Biden havia se tornado o principal mensageiro do governo à liderança iraquiana sobre o progresso esperado no país.[222] De maneira mais geral, a supervisão da política para o Iraque tornou-se responsabilidade de Biden.[248] De acordo com o Politico, Obama disse ao vice: "Joe, você faz o Iraque."[249] Biden afirmou que o Iraque poderia ser uma das "grandes conquistas deste governo."[250] Até 2012, fez oito viagens para o país, mas sua supervisão da política norte-americana para o Iraque retrocedeu com a saída em 2011 das tropas norte-americanas.[251][249]

Biden ficou encarregado do papel de supervisão dos gastos com infra-estrutura do pacote de estímulos de Obama, destinado a ajudar a combater a recessão em curso, e ressaltou que apenas projetos merecedores receberiam financiamento.[252] À época, Obama afirmou que o vice-presidente era o "xerife" do programa, encarregado de garantir que dinheiro público não fosse gasto indevidamente.[253] Nesta função, conversou com centenas de governadores, prefeitos e outras autoridades locais.[251] Biden ficou satisfeito por não ter ocorrido nenhum caso importante de desperdício ou corrupção,[222] e, ao deixar a supervisão, alegou que o número de incidentes relacionados à fraude com dinheiro destinado ao programa tinha sido inferior a um por cento.[254]

 
Ao lado da speaker Nancy Pelosi, Biden aplaude Obama durante o Discurso sobre o Estado da União, em janeiro de 2010.

O papel mais importante de Biden dentro do governo era questionar suposições, sendo o "do contra."[148][246][nota 9] Demorou algum tempo para que o cauteloso Obama e o franco e divagante Biden trabalhassem de maneira a lidar um com o outro.[255] No início do surto de gripe suína, desaconselhou o uso de aviões ou metrôs, levando a uma rápida retratação da Casa Branca[256] e revivendo sua reputação de cometer gafes.[257] Em julho de 2009, em meio ao crescente e persistente desemprego, reconheceu que o governo havia "interpretado mal o quão ruim a economia era", mas confiava que os estímulos econômicos gerariam muito mais empregos.[258] No mesmo mês, Hillary rapidamente negou suas declarações depreciando a Rússia como uma potência, mas, mesmo com qualquer erro, o vice ainda manteve a confiança de Obama e era cada vez mais influente dentro do governo.[259] Apesar de suas personalidades diferentes, ambos formaram uma amizade, em parte por conta da filha do presidente, Sasha, e a neta do vice, Maisy, estudarem na mesma escola.[255]

Nas eleições de meio de mandato de 2010, Biden fez campanha pesada para os democratas, mantendo uma postura de otimismo em face das previsões gerais de que o partido sofreria grandes perdas.[260] Após as numerosas vitórias republicanas nas eleições e a saída do chefe de gabinete da Casa Branca, Rahm Emanuel, o relacionamento anterior que Biden possuía com os republicanos no Congresso tornou-se mais importante.[261][262] Biden liderou o bem-sucedido esforço do governo para obter a aprovação do Senado para o Novo Tratado START.[261][262] Em dezembro de 2010, a defesa de Biden na Casa Branca por um meio-termo, seguido por suas negociações diretas com o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, foram fundamentais para o desenvolvimento de um pacote de corte de impostos que se baseava em uma extensão temporária dos cortes de impostos promovidos por Bush.[262][263] Biden então assumiu a liderança da tarefa de convencer a bancada democrata relutante no Congresso a ser favorável à legislação, que acabou sendo aprovada por amplas maiorias.[262][264][265]

 
Biden e Obama celebram o acordo sobre o orçamento, em 2011.

Em 2011, Biden apoiou a intervenção militar na Líbia liderada pela OTAN e outros países aliados,[266] mas posteriormente afirmou que a intervenção foi um erro, a qual teria argumentado "fortemente contra" dentro da Casa Branca por não ser dos "interesses dos Estados Unidos."[267][268] Também apoiou estreitar os laços econômicos com a Rússia, apoiando a entrada do país na Organização Mundial do Comércio.[269] Em maio de 2011, de acordo com relato do secretário de Defesa, Robert Gates, Biden se opôs à missão que resultou na morte de Osama bin Laden,[251][270] temendo que um fracasso pudesse afetar as chances de Obama ser reeleito.[271][272] Com o sucesso da operação, foi incumbido de notificar os líderes do Congresso sobre o desfecho.[273]

Em março de 2011, Obama deu a Biden a função de liderar as negociações entre a Casa Branca e o Congresso para chegarem a um acordo quanto aos níveis de gastos federais para o resto do ano, evitando assim a paralisação do governo.[274] Em maio, um "painel Biden" com seis membros do Congresso estava tentando chegar a um acordo bipartidário sobre o aumento do teto da dívida como parte de um plano de redução do déficit.[275] A crise do limite do teto da dívida se desenvolveu nos meses seguintes, mas foi novamente o relacionamento de Biden com McConnell que provou ser um fator-chave para romper o impasse e finalmente chegar a uma lei com apoio bipartidário, sancionada por Obama no início de agosto de 2011.[276][277][278] Biden passou mais tempo negociando com o Congresso do que qualquer outro membro do governo, e um assessor republicano afirmou que Biden havia sido decisivo para o acordo, bem como que McConnell confiava no que o vice-presidente falava.[276][277]

Campanha à reeleição em 2012Editar

 
Biden discursando em evento de campanha em Wisconsin, em setembro de 2012.

Em outubro de 2010, Biden afirmou que Obama pediu que permanecesse como seu companheiro de chapa na eleição presidencial de 2012.[260] No entanto, com a popularidade do presidente em declínio, no final de 2011 o chefe de gabinete da Casa Branca, William M. Daley, conduziu em segredo uma pesquisa para medir a viabilidade de escolher Hillary como candidata a vice-presidente ao invés de Biden.[279] A ideia foi abandonada quando os resultados não mostraram melhora considerável para Obama,[279] e mais tarde funcionários da Casa Branca disseram que Obama nunca se animou com a ideia.[280]

Em maio de 2012, a declaração de Biden de que estava "absolutamente confortável" com o casamento entre pessoas do mesmo sexo ganhou considerável atenção pública em comparação com a posição do presidente Obama, que foi descrita como "evolutiva."[281] Biden fez esta declaração sem o consentimento do governo, e Obama e seus assessores ficaram bastante irritados, já que o presidente havia planejado mudar de posição vários meses depois, e o vice anteriormente o aconselhou a evitar a questão para que os eleitores católicos não se sentissem ofendidos.[255][282][283][284] Dias depois, Obama anunciou que também apoiava o casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma ação em parte forçada pelos comentários inesperados de Biden,[285] que se desculpou com o presidente em privado.[282] O episódio mostrou que Biden ainda lutava para disciplinar suas declarações,[255] e conforme a revista Time afirmou: "todos sabem que a maior força de Biden é também sua maior fraqueza."[251] As relações entre as campanhas também foram tensas pois Biden parecia usar sua campanha para reforçar contatos que poderiam ajudá-lo a captar recursos para uma possível candidatura à presidência em 2016; como consequência, o vice acabou sendo excluído das reuniões de estratégia da campanha presidencial.[279]

 
Os Obama e os Biden celebram a vitória da chapa na eleição, em novembro de 2012.

A campanha de Obama ainda valorizava Biden como um político capaz de se conectar com eleitores descontentes, operários e habitantes de zonas rurais, e o vice manteve uma agenda lotada de aparições em estados decisivos quando a campanha à reeleição de Obama começou na primavera de 2012.[113][251] Em agosto, discursando perante um público mestiço, disse que a proposta republicana de flexibilizar as regras de Wall Strett "colocaria vocês de volta às correntes", o que gerou análises sobre suas habilidades de campanha versus sua tendência de se desviar dos textos prontos.[113][286][287] O Los Angeles Times escreveu: "A maioria dos candidatos dá o mesmo discurso repetidamente, colocando os repórteres, se não o público, para dormir. Mas durante qualquer discurso de Biden pode haver uma dúzia de momentos que façam com que os assessores de imprensa se assustem, e incitem os repórteres a se voltarem um para o outro com diversão e confusão."[286] A revista Time escreveu que Biden muitas vezes vai longe demais e que "juntamente com a mistura familiar de Washington de carência e excesso de confiança, o cérebro de Biden está ligado a mais do que a quantidade usual de bobagem."[113]

Em 6 de setembro, Biden foi oficialmente designado pela Convenção Nacional Democrata de 2012 como candidato à vice-presidência.[288] Em meados de outubro, enfrentou o candidato a vice-presidente republicano, o representante Paul Ryan, no único debate vice-presidencial de 2012. Biden fez uma defesa emocional e agressiva do histórico do governo Obama e atacou energicamente a chapa republicana, em um esforço para recuperar o ímpeto de campanha perdido pelo desempenho desfocado de Obama no primeiro debate contra o candidato republicano Mitt Romney na semana anterior.[289][290] Em 6 de novembro, Obama e Biden foram reeleitos com 332 votos no Colégio Eleitoral, com vantagem de 51-47% sobre Romney-Ryan no voto popular.[291]

Segundo mandatoEditar

 
Biden sendo empossado para seu segundo mandato por Sonia Sotomayor, associada de Justiça, em 20 de janeiro de 2013.

Em dezembro de 2012, Biden foi nomeado por Obama para liderar a Força-Tarefa contra a Violência com Armas de Fogo, criada para tratar das causas da violência com armas de fogo nos Estados Unidos após o tiroteio na escola primária de Sandy Hook.[292] Mais tarde naquele mês, durante os últimos dias antes do país cair no "abismo fiscal", o relacionamento de Biden com McConnell mais uma vez se mostrou importante, pois os dois negociaram um acordo que levou à aprovação da Lei Americana de Socorro ao Contribuinte no início de 2013, que tornou permanente a maior parte dos cortes de impostos de Bush, mas aumentou as taxas para os níveis de renda mais altos.[293][294] Em 20 de janeiro, Biden foi empossado para seu segundo mandato como vice-presidente em uma pequena cerimônia realizada em sua residência oficial, com o juramento sendo administrado pela associada de Justiça Sonia Sotomayor (uma cerimônia pública ocorreu em 21 de janeiro).[295] Biden continuou liderando a força-tarefa contra a violência com armas de fogo, e Obama acabou assinando ordens executivas para controlar a venda de armas após suas propostas legislativas serem derrotadas pelos congressistas.[125][296]

Durante as discussões que levaram à aprovação, em outubro de 2013, da lei que interrompeu a paralisação do governo federal e a crise do teto da dívida dos Estados Unidos, Biden desempenhou um papel pouco significativo. À época, o líder da maioria no Senado, Harry Reid, e outros líderes democratas tiraram o vice-presidente de quaisquer negociações diretas com o Congresso pois achavam que Biden havia feito muitas concessões aos republicanos e esquecido das prioridades democratas nas negociações anteriores.[297][298]

 
Obama e Biden no Salão Oval, em 2015.

A Lei de Violência Contra as Mulheres de Biden foi novamente autorizada em 2013, levando a um maior desenvolvimento da criação do Conselho da Casa Branca sobre Mulheres e Meninas, iniciado no primeiro mandato, bem como a Força-Tarefa da Casa Branca para Proteger os Alunos da Agressão Sexual, iniciada em janeiro de 2014 com Biden e a conselheira Valerie Jarrett como co-presidentes.[299][300] Nesta função, Biden trabalhou para combater a violência sexual nas universidades[301] e proferiu discursos contra o abuso sexual, incluindo no Oscar 2016,[302][303] onde afirmou: "podemos e devemos mudar a cultura para que nenhuma mulher ou homem abusados sintam que precisam se perguntar "o que eu fiz"? Eles não fizeram nada de errado."[304]

Biden foi favorável ao armamento de combatentes rebeldes da Síria.[305] Quando Iraque se desintegrou durante o ano de 2014, o plano de Biden de federalizar o país novamente recebeu atenção, com alguns observadores sugerindo que ele estava certo o tempo todo.[306][307] À época, disse que os Estados Unidos seguiriam o Estado Islâmico do Iraque e do Levante "às portas do inferno."[308]

Em 2015, durante a cerimônia de posse dos senadores, conduzidas por Biden na qualidade de presidente do Senado, além de uma série de eventos, os quais o vice-presidente colocava as mãos em mulheres e meninas, ou conversava próxima a elas, atraiu a atenção da imprensa e das mídias sociais.[309][310][311][312] Em um caso, o senador Chris Coons (D-DE) declarou que sua filha "não acha que o vice-presidente é assustador."[313] Em outro, Stephanie Carter, esposa do secretário de Defesa, Ash, mais tarde disse que uma foto dela com Biden havia sido "enganosamente extraída", não tendo passado de um momento em que "amigos íntimos" contavam piadas.[314]

Por boa parte de seu segundo mandato, Biden disse estar preparado para disputar a indicação presidencial democrata em 2016.[315] Com sua família, muitos amigos e doadores encorajando-o em meados de 2015 a entrar na disputa, e com os índices de favorabilidade de Hillary em declínio, considerou seriamente a ideia.[316][317] Em 21 de outubro de 2015, discursando no Roseiral da Casa Branca ao lado de Obama e de sua esposa, anunciou que não concorreria à presidência, em parte por conta da morte de seu filho Beau, ocorrida poucos meses antes.[318][319] Após Hillary ganhar a indicação, Biden endossou-a[320] e fez campanha em seu favor, criticando o candidato republicano Donald Trump.[321]

Durante seus dois mandatos, Biden não desempatou nenhuma votação no Senado, fazendo dele o vice-presidente com mandato de maior duração a não fazê-lo.[322] Em boa parte do segundo mandato, as pesquisas de opinião indicavam que Biden possuía maior desaprovação do que aprovação. No entanto, ao final do mandato, sua aprovação subiu, chegando a alcançar 61% de aprovação em pesquisa da Gallup realizada em janeiro de 2017.[323]

Pós-vice-presidênciaEditar

 
Biden discursando em evento de campanha de Doug Jones, em 2017.

Em 2017, Biden foi nomeado o professor de Prática Presidencial Benjamin Franklin da Universidade da Pensilvânia, onde pretendia se concentrar em política externa, diplomacia e segurança nacional enquanto liderava o Centro Penn Biden de Diplomacia e Engajamento Global.[324] Também queria combater o câncer,[325] uma tarefa que chamou de "a única coisa bipartidária deixada na América."[326] Quando o senador McCain faleceu em agosto de 2018 vitimado pelo mesmo câncer de Beau, Biden proferiu um tributo em seu funeral.[327]

Biden manteve um discurso crítico em relação ao presidente Trump e suas políticas. Em maio de 2017, defendeu o Acordo de Paris e criticou a posição do governo republicano quanto o aquecimento global.[328][329] Naquele ano, também criticou a proposta republicana de revogar o Obamacare,[330] a separação de famílias imigrantes na fronteira[331] e defendeu os direitos LGBT, denunciando o tratamento que as autoridades da Chechênia estavam dando para os homossexuais.[332]

Em 2019, um total de sete mulheres alegaram que Biden manteve contatos físicos inadequados com elas.[333] A primeira, a ex-legisladora estadual Lucy Flores, de Nevada, acusou Biden de tê-la beijado na parte de trás de sua cabeça sem seu consentimento, o que em sua opinião o desqualificaria de disputar a presidência em 2020.[334][335] Nos dias seguintes, outras mulheres fizeram alegações semelhantes; uma delas disse que Biden colocou a mão em sua coxa.[336] Biden descreveu a si mesmo como um "político tátil" e admitiu que esse comportamento lhe causou problemas no passado.[337] No início de abril de 2019, divulgou um vídeo em que prometeu ser "consciente" em relação ao contato físico e a respeitar o "espaço" das mulheres, mas não se desculpou.[338]

Campanha à presidência em 2020Editar

 
Biden em evento de sua campanha à presidência em 2020 na Pensilvânia, em maio de 2019.

Em dezembro de 2016, durante uma visita ao Senado, Biden se recusou a descartar uma candidatura à presidência na eleição presidencial de 2020.[339] No mesmo mês, enquanto participava do programa The Late Show with Stephen Colbert, afirmou que "nunca diria nunca" quanto a uma candidatura em 2020, mas reconheceu que não via um cenário em que voltaria a se candidatar a um cargo eletivo.[340] Uma semana antes de deixar a vice-presidência, afirmou: "Eu não vou concorrer à presidência em 2020, mas estou trabalhando para curar o câncer."[341] Poucos dias depois, entretanto, recuou, dizendo que seria candidato "se pudesse andar."[342] Em janeiro de 2018, o comitê de ação política "Hora de Biden" foi formado para incentivá-lo a concorrer à presidência em 2020.[343]

Nas eleições de meio de mandato de 2018, Biden endossou e fez campanha para diversos candidatos democratas.[344] Em outubro, afirmou esperar que os democratas não buscassem o impeachment de Trump se retomassem o controle da Câmara dos Representantes, alegando que "não há uma base para fazer isso agora."[345] Biden temia que outra candidatura pudesse atingir sua família e reputação, bem como pelas dificuldades em arrecadar dinheiro e percepções sobre sua idade e o relativo centrismo. Por outro lado, o "senso de dever" que dizia sentir, ofensa à presidência de Trump, a falta de experiência em política externa dos demais candidatos democratas e o medo de que nenhum deles pudessem derrotar Trump eram fatores que lhe incentivavam a concorrer.[346] Em 25 de abril de 2019, anunciou sua candidatura à presidência,[347] e no mês seguinte definiu a Filadélfia como a cidade-sede de sua campanha.[348]

Posições políticasEditar

Avaliações de Biden por organizações ativistas[349]
Grupo Tema pelo qual advoga Classificação
Vitalícia Mais recente
Classificação Data
AFL-CIO sindicatos 86% 86% 2009
NAACP minorias e ações afirmativas 100% 2006
NEA educação pública A 2008
HRC direitos LGBT 95% 2008
NARAL direito ao aborto 75% 2007
CURE reabilitação criminal 80% 2006
ITI inovação e competitividade 73% 100% 2008
CAGW conservadorismo fiscal 22% 0% 2008
ACU conservadorismo 13% 2004
ACLU direitos civis e políticos 91% 2008
Cato livre comércio e libertarismo 40% 2004
US CoC interesses corporativos 36% 71% 2008
NRA posse de armas F 2007

Biden foi caracterizado como um democrata moderado.[350] Entre suas posições políticas, apoiou o déficit público como forma de estímulo fiscal no rescaldo da Grande Recessão de 2009,[351][352] o aumento dos gastos com infraestrutura proposto pelo governo Obama,[352] o transporte em massa (incluindo subsídios para a Amtrak, ônibus e metrô),[353] o casamento entre pessoas do mesmo sexo,[354] e a descriminalização da maconha.[355]

Um método que os cientistas políticos usam para avaliar a ideologia de um político é comparar as classificações anuais dadas pelas organizações Americanos por Ação Democrática (ADA) e a União Conservadora Americana (ACU).[356] Em 2008, Biden tinha uma pontuação geral dada pela ADA no espectro liberal de 72%, enquanto a ACU concedeu-lhe um índice de 13% no espectro conservador.[349] Usando outra métrica, possui uma média liberal de 77,5% segundo o National Journal em 2008.[357] O Almanaque da Política Americana, que classifica os votos dos congressistas como liberais ou conservadores no espectro político em três áreas, indicou que, entre 2005 e 2006, Biden era 80% liberal e 13% conservador na economia, 78% liberal e 18% conservador em assuntos sociais e 71% liberal e 25% conservador na política externa.[358] Tais posições não mudaram muito ao longo do tempo; suas classificações liberais na década de 1980 também estavam na faixa de 70 a 80%.[76]

Vários grupos de defesa de determinados temas deram pontuações ou notas a Biden sobre o quão bem seus votos se alinharam com as posições do grupo. Os grupos que lhe deram melhores notas foram a Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (100% em 2006), a Human Rights Campaign (95% em 2008), a União Americana pelas Liberdades Civis (91% em 2008) e a AFL-CIO (86% de índice geral). Por outro lado, recebeu classificações baixas da Associação Nacional de Rifles (nota F em 2007) e da Coalizão Cristã da América (12% como média geral).[349]

DistinçõesEditar

 
Obama concedendo a Biden a Medalha Presidencial da Liberdade com Distinção, em janeiro de 2017.

Biden recebeu títulos de honoris causa das seguintes universidades: Universidade de Scranton (1976),[359] Universidade Saint Joseph (LL.D, 1981),[360] Faculdade de Direito da Universidade Widener (2000),[163] Emerson College (2003),[361] Universidade de Delaware (2004),[362] Faculdade de Direito da Universidade Suffolk (2005),[363] Universidade de Syracuse (LL.D, 2009),[364] Universidade da Pensilvânia (LL.D, 2013),[365] Miami Dade College (2014),[366] Universidade da Carolina do Sul (2014),[367] Trinity College (Dublin) (LL.D, 2016),[368] Colby College (LL.D, 2017)[369] e Universidade Estadual Morgan (2017).[370]

Em 12 de janeiro de 2017, Obama surpreendeu Biden concedendo-lhe a Medalha Presidencial da Liberdade com Distinção durante uma coletiva de imprensa de despedida na Casa Branca, na qual homenageou o vice-presidente e sua esposa. Obama afirmou que estava condecorando Biden por sua "fé em seus compatriotas americanos, por seu amor pelo país e uma vida de serviço que perdurará através das gerações."[371][372][373] Foi a única vez que Obama concedeu tal medalha com distinção, algo que seus três antecessores reservaram apenas para Ronald Reagan, Colin Powell e o Papa João Paulo II, respectivamente.[374]

Em dezembro de 2018, a Universidade de Delaware renomeou sua Escola de Políticas Públicas e Administração para homenagear Biden, passando a se chamar Escola de Políticas Públicas e Administração Joseph R. Biden Jr., que também abriga o Instituto Biden.[375]

Notas

  1. Biden pelo menos duas vezes alegou que o motorista do caminhão estava sob a influência de álcool, mas tal informação não foi confirmada.[45][46]
  2. "Beanball" é um termo utilizado no beisebol para quando a bola é jogada contra um jogador oponente com a intenção de golpeá-lo de forma a causar danos, muitas vezes atingindo a cabeça do jogador.[115]
  3. Biden optou por não concorrer à presidência em 1992, em parte porque votou contra a resolução que autorizou a Guerra do Golfo.[179] Considerou entrar na disputa pela nomeação democrata para a eleição presidencial de 2004, mas em agosto de 2003 decidiu o contrário, dizendo que não tinha tempo suficiente e que qualquer tentativa seria infrutífera.[180] Por volta de 2004, também foi amplamente considerado como um possível Secretário de Estado em um governo democrata.[181]
  4. Vários linguistas e analistas políticos afirmaram que a transcrição correta inclui uma vírgula após a palavra "afro-americano", o que "mudaria significativamente o significado (e o grau de ofensividade) do comentário de Biden."[189]
  5. Biden admirava McCain política e pessoalmente; em maio de 2004, instou McCain a concorrer como vice-presidente do presumível candidato democrata à presidência, John Kerry, dizendo que uma chapa intrapartidária ajudaria a curar a "violenta disputa" na política dos EUA.[217][218] Biden alegou: "aquele cara que eu conhecia, ele se foi. Literalmente me entristece."[175]
  6. Uma pesquisa do Centro de Pesquisas Pew revelou que nacionalmente Biden possuía uma avaliação favorável de 60%, em comparação com 44% de Palin.[220]
  7. A governadora democrata Ruth Ann Minner nomeou Ted Kaufman, antigo conselheiro de Biden, para o cargo.[235]
  8. Obama comparou os esforços de Biden aos de um jogador de basquete "que faz um monte de coisas que não aparecem na ficha técnica."[241]
  9. Obama afirmou que "a melhor coisa sobre Joe é que quando colocamos todo mundo junto, ele realmente força as pessoas a pensar e defender suas posições, a olhar para as coisas de todos os ângulos, e isso é muito valioso para mim."[222]

De traduçãoEditar

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Joe Biden», especificamente desta versão, recebendo ajustes em relação à versão original.

Referências

  1. Witcover 2010, p. 5.
  2. «Vice President Biden's Mother, Jean, Dies at 92». Associated Press. WITN-TV. 9 de janeiro de 2010. Consultado em 27 de abril de 2019 
  3. Nia-Malika Henderson (8 de janeiro de 2010). «Biden's mother dies at 92». Politico. Consultado em 27 de abril de 2019 
  4. «Joseph Biden Sr., 86, father of the senator». The Philadelphia Inquirer. 3 de setembro de 2002. Consultado em 27 de abril de 2019 
  5. Witcover 2010, p. 9.
  6. Megan Smolenyak (2 de julho de 2012). «Joe Biden's Irish Roots». HuffPost. Consultado em 27 de abril de 2019 
  7. «Number two Biden has a history over Irish debate». Belfast Telegraph. 9 de novembro de 2008. Consultado em 27 de abril de 2019 
  8. a b Witcover 2010, p. 8.
  9. Megan Smolenyak (abril–maio de 2013). «Joey From Scranton – Vice President Biden's Irish Roots». Irish America. Consultado em 27 de abril de 2019 
  10. Geoff Gehman (3 de maio de 2012). «Vice President Joe Biden Discusses American Innovation». Lafayette College. Consultado em 27 de abril de 2019 
  11. Borys Krawczeniuk (24 de agosto de 2008). «Remembering his roots». The Times-Tribune. Consultado em 27 de abril de 2019 
  12. a b c d e f g h i John M. Broder (23 de outubro de 2008). «Father's Tough Life an Inspiration for Biden». The New York Times. Consultado em 27 de abril de 2019 
  13. a b Michel Rubinkam (27 de agosto de 2008). «Biden's Scranton childhood left lasting impression». Associated Press. Fox News. Consultado em 27 de abril de 2019 
  14. Barone & Cohen 2008, p. 364
  15. Witcover 2010, p. 27, 32.
  16. Megan Locke (17 de fevereiro de 2011). «Vice President Biden visits FCHS Falcons football team». The Fort Campbell Courier. Consultado em 27 de abril de 2019 
  17. a b c d e f g h i j k Moritz 1987, p. 43.
  18. a b Witcover 2010, p. 40-41.
  19. a b Taylor 1990, p. 99.
  20. a b c d e «A timeline of U.S. Sen. Joe Biden's life and career». Associated Press. San Francisco Chronicle. 23 de agosto de 2008. Consultado em 27 de abril de 2019 
  21. Taylor 1990, p. 98.
  22. Bob Dart (24 de outubro de 2008). «Bidens met, forged life together after tragedy». Orlando Sentinel. Consultado em 27 de abril de 2019 
  23. a b Elisabeth Bumiller (14 de dezembro de 2007). «Biden Campaigning With Ease After Hardships». The New York Times. Consultado em 27 de abril de 2019 
  24. a b c d e f g h Elisabeth Bumiller (6 de setembro de 1987). «Biden Keeps Sights Set On White House». The Dallas Morning News. Consultado em 27 de abril de 2019 
  25. Biden 2007, p. 27, 32-33.
  26. a b c E. J. Dionne (22 de setembro de 1987). «Biden Admits Errors and Criticizes Latest Report». The New York Times. Consultado em 27 de abril de 2019 
  27. a b c E. J. Dionne (18 de setembro de 1987). «Biden Admits Plagiarism in School But Says It Was Not 'Malevolent'». The New York Times. Consultado em 27 de abril de 2019 
  28. David Greenberg (25 de agosto de 2008). «The Write Stuff? Why Biden's plagiarism shouldn't be forgotten». Slate. Consultado em 27 de abril de 2019 
  29. a b c d «Biden, Joseph Robinette, Jr». Biographical Directory of the United States Congress. Consultado em 27 de abril de 2019 
  30. «Biden got 5 draft deferments during Nam, as did Cheney». The Associated Press. Newsday. 31 de agosto de 2008. Consultado em 27 de abril de 2019 
  31. Randall Chase (31 de agosto de 2008). «Biden deferred, disqualified from Vietnam duty». The Associated Press. SF Gate. Consultado em 27 de abril de 2019 
  32. Taylor 1990, p. 96.
  33. Mark Leibovich (16 de setembro de 2008). «Riding the Rails With Amtrak Joe». The New York Times. Consultado em 27 de abril de 2019 
  34. Joe Biden (9 de julho de 2009). «Letter to National Stuttering Association chairman» (PDF). National Stuttering Association. Consultado em 27 de abril de 2019 
  35. Biden 2007, p. 32, 36–37.
  36. Laurence I. Barrett (22 de junho de 1987). «Campaign Portrait, Joe Biden: Orator for the Next Generation». Time. Consultado em 28 de abril de 2019 
  37. Witcover 2010, p. 86.
  38. a b c d Nancy Doyle Palmer (1º de fevereiro de 2009). «Joe Biden: "Everyone Calls Me Joe"». Washingtonian. Consultado em 28 de abril de 2019 
  39. a b Witcover 2010, p. 59.
  40. «2008 Presidential Candidates: Joe Biden». The Washington Post. Outubro de 2008. Consultado em 28 de abril de 2019 
  41. Witcover 2010, p. 62.
  42. a b c Brian Naylor (8 de outubro de 2007). «Biden's Road to Senate Took Tragic Turn». NPR. Consultado em 28 de abril de 2019 
  43. Barone & Cohen 2008, p. 364
  44. «Official Results of General Election 1972» (PDF). Departamento de Eleições do Delaware. 1º de janeiro de 1973. Consultado em 28 de abril de 2019 
  45. a b Rachel Kipp (4 de setembro de 2008). «No DUI in crash that killed Biden's 1st wife, but he's implied otherwise». The News Journal. Consultado em 28 de abril de 2019 
  46. «A Senator's Past: The Biden Car Crash». Inside Edition. 27 de agosto de 2008. Consultado em 28 de abril de 2019 
  47. a b c d Witcover 2010, p. 93, 98.
  48. Witcover 2010, p. 96.
  49. Barone & Cohen 2008, p. 364
  50. «Biden's affirming contact». AP. 23 de abril de 2019. Consultado em 28 de abril de 2019 
  51. Bob Orr (24 de março de 2009). «Driver In Biden Crash Wanted Name Cleared». CBS. Consultado em 28 de abril de 2019 
  52. Carl Hamilton (30 de outubro de 2008). «Daughter of man in '72 Biden crash seeks apology from widowed Senator». Newark Post. Consultado em 28 de abril de 2019 
  53. a b c «Oath Solemn». Associated Press. Spokane Daily Chronicle. 6 de janeiro de 1973. Consultado em 28 de abril de 2019 
  54. «Youngest Senator». Senado dos Estados Unidos. Consultado em 28 de abril de 2019 
  55. Robert Byrd e Wendy Wolff. «Senate, 1789-1989: Historical Statistics, 1789-1992». Government Printing Office 1993. Consultado em 28 de abril de 2019 
  56. Biden 2007, p. 81.
  57. «Casal Obama deixa Washington no helicóptero presidencial». Terra. 20 de janeiro de 2017. Consultado em 28 de abril de 2019 
  58. Barone & Cohen 2008, p. 364
  59. «On Becoming Joe Biden». NPR. 1º de agosto de 2007. Consultado em 28 de abril de 2019 
  60. Abby Norman (28 de julho de 2016). «Video Of Joe Biden's DNC Speech Will Make You Tear Up Again & Again». Romper. Consultado em 28 de abril de 2019 
  61. a b «Biden speaks – and speaks – his own mind». Associated Press. Las Vegas Sun. 22 de agosto de 2008. Consultado em 28 de abril de 2019 
  62. Christopher Cooper (20 de agosto de 2008). «Biden's Foreign Policy Background Carries Growing Cachet». The Wall Street Journal. Consultado em 28 de abril de 2019 
  63. Heidi Evans (28 de dezembro de 2008). «From a blind date to second lady, Jill Biden's coming into her own». Daily News. Consultado em 28 de abril de 2019 
  64. Phil Helsel (30 de maio de 2015). «Beau Biden, Son of Vice President Joe Biden, Dies After Battle With Brain Cancer». NBC News. Consultado em 28 de abril de 2019 
  65. «Morre Beau Biden, filho do vice-presidente dos Estados Unidos». EFE. G1. 31 de maio de 2015. Consultado em 28 de abril de 2019 
  66. Jonathan Starkey (9 de novembro de 2014). «Delaware's 2016 speculation all about Biden». The News Journal. Delaware Online. Consultado em 28 de abril de 2019 
  67. Jonathan Starkey (25 de janeiro de 2015). «Beau Biden for governor?». The News Journal. Delaware Online. Consultado em 28 de abril de 2019 
  68. a b c Katharine Q. Seelye (24 de agosto de 2008). «Jill Biden Heads Toward Life in the Spotlight». The New York Times. Consultado em 28 de abril de 2019 
  69. Biden 2007, p. 113.
  70. McKenzie Jean-Philippe (25 de abril de 2019). «How Joe Biden and His Wife, Jill, Built a Long-Lasting Marriage». The News Journal. The Oprah Magazine. Consultado em 28 de abril de 2019 
  71. Biden 2007, p. 117.
  72. «Ashley Biden and Howard Krein». The New York Times. 3 de junho de 2012. Consultado em 28 de abril de 2019 
  73. a b «Special Section: 200 Faces for the Future». Time. 15 de julho de 1974. Consultado em 1º de maio de 2019 
  74. Astead W. Herndon (21 de janeiro de 2019). «Biden Expresses Regret for Support of Crime Legislation in the 1990s». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  75. Jonathan Martin e Alexander Burns (6 de janeiro de 2019). «Biden in 2020? Allies Say He Sees Himself as Democrats' Best Hope». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  76. a b c d e Moritz 1987, p. 44.
  77. Germond & Witcover 1989, p. 216
  78. Jason Sokol (4 de agosto de 2015). «How a Young Joe Biden Turned Liberals Against Integration». Politico. Consultado em 1º de maio de 2019 
  79. John M. Broder (17 de setembro de 2008). «Biden's Record on Race Is Scuffed by 3 Episodes». The New York Times. Consultado em 12 de maio de 2019 
  80. a b c d e f g h i j Michael R. Gordon (24 de agosto de 2008). «In Biden, Obama chooses a foreign policy adherent of diplomacy before force». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  81. Barone & Cohen, p. 45
  82. Salacuse 2005, p. 144.
  83. E. J. Dionne Jr. (10 de junho de 1987). «Biden Joins Campaign for the Presidency». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  84. a b c Robin Toner (31 de agosto de 1987). «Biden, Once the Field's Hot Democrat, Is Being Overtaken by Cooler Rivals». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  85. a b c Taylor 1990, p. 83.
  86. Taylor 1990, p. 108-109.
  87. a b Cook 1989, p. 46.
  88. Maureen Dowd (12 de setembro de 1987). «Biden's Debate Finale: An Echo From Abroad». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  89. Eleanor Randolph (13 de setembro de 1987). «Plagiarism Suggestion Angers Biden's Aides». The Wasghinton Post. Consultado em 1º de maio de 2019 
  90. a b James Risen e Robert Shogan (16 de setembro de 1987). «Differing Versions Cited on Source of Passages : Biden Facing New Flap Over Speeches». Los Angeles Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  91. Germond & Witcover 1989, p. 230-232
  92. Barone & Cohen 2008, p. 364
  93. E. J. Dionne, Jr. (18 de setembro de 1987). «Biden Admits Plagiarism in School But Says It Was Not 'Malevolent'». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  94. Maureen Dowd (16 de setembro de 1987). «Biden Is Facing Growing Debate On His Speeches». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  95. «1988 Road to the White House with Sen. Biden». C-SPAN. 23 de agosto de 2008. Consultado em 1º de maio de 2019 
  96. Pomper 1989, p. 37.
  97. Taylor 1990, p. 86, 88.
  98. Taylor 1990, p. 88, 89.
  99. E. J. Dionne Jr. (24 de setembro de 1987). «Biden Withdraws Bid for President in Wake of Furor». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  100. «Joseph Biden's Plagiarism; Michael Dukakis's 'Attack Video'». The Washington Post. 12 de julho de 1988. Consultado em 1º de maio de 2019 
  101. «Professional Board Clears Biden In Two Allegations of Plagiarism». The New York Times. 29 de maio de 1989. Consultado em 1º de maio de 2019 
  102. Lawrence, M.D. Altman (23 de fevereiro de 1998). «The Doctor's World; Subtle Clues Are Often The Only Warnings Of Perilous Aneurysms». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  103. a b c d Lawrence, M.D. Altman (19 de outubro de 2008). «Many Holes in Disclosure of Nominees' Health». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  104. Libby Copeland (23 de outubro de 2008). «Campaign Curriculum». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  105. «Biden Resting After Surgery For Second Brain Aneurysm». The New York Times. 4 de maio de 1988. Consultado em 1º de maio de 2019 
  106. Biden 2007, p. 225.
  107. Barone & Cohen 2008, p. 364
  108. a b Bronner 1989, p. 138-139, 214, 305.
  109. a b c Linda Greenhouse (6 de outubro de 1987). «Washington Talk: The Bork Hearings; For Biden: Epoch of Belief, Epoch of Incredulity». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  110. Barone & Cohen 2008, p. 364
  111. «Senate's Roll-Call On the Bork Vote». The New York Times. 24 de outubro de 1987. Consultado em 1º de maio de 2019 
  112. Mayer & Abramson 1994, p. 213, 218, 336
  113. a b c d David Von Drehle (10 de setembro de 2012). «Let There Be Joe». Time. Consultado em 1º de maio de 2019 
  114. Philip Klein (4 de abril de 2019). «Clarence Thomas on Joe Biden's handling of his confirmation hearings». Washington Examiner. Consultado em 1º de maio de 2019 
  115. «Bean». Online Etymology Dictionary. Consultado em 1º de maio de 2019 
  116. Barone & Cohen 2008, p. 364
  117. Mayer & Abramson 1994, p. 213, 218, 336
  118. Barone & Cohen 2008, p. 364
  119. a b c Kate Phillips (23 de agosto de 2008). «Biden and Anita Hill, Revisited». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  120. Mayer & Abramson 1994, p. 213, 218, 336
  121. Barone & Cohen 2008, p. 364
  122. Barone & Cohen 2008, p. 364
  123. Sheryl Gay Stolberg e Jonathan Martin (25 de abril de 2019). «Joe Biden Expresses Regret to Anita Hill, but She Says 'I'm Sorry' Is Not Enough». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  124. Anna Fifield (4 de janeiro de 2013). «Biden faces key role in second term». Financial Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  125. a b Michael Scherer (28 de janeiro de 2013). «The Next Gun Fight». Time. Consultado em 1º de maio de 2019 
  126. Bruce Finley (19 de setembro de 2014). «Biden: Men who don't stop violence against women are "cowards"». The Denver Post. Consultado em 1º de maio de 2019 
  127. «United States v. Morrison, 529 U.S. 598 (2000)». Cornell University. 2000. Consultado em 1º de maio de 2019 
  128. «History of VAWA». Legal Momentum. Consultado em 1º de maio de 2019 
  129. «Domestic Violence». Site oficial de Joe Biden como senador dos Estados Unidos. Consultado em 1º de maio de 2019 
  130. Sheryl Cates (5 de maio de 2004). «Making connections to end Domestic Violence». Microsoft. Consultado em 1º de maio de 2019 
  131. «History». National Domestic Violence Hotline. Consultado em 1º de maio de 2019 
  132. Barone & Cohen 2008, p. 372
  133. «How the senators voted on impeachment». CNN. 12 de fevereiro de 1999. Consultado em 1º de maio de 2019 
  134. Barone & Cohen 2008, p. 364
  135. Barone & Cohen 2008, p. 365
  136. a b c d e f g h i j Paul Richter e Noam N. Levey (24 de agosto de 2008). «Joe Biden respected – if not always popular – for foreign policy record». Los Angeles Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  137. Barone & Cohen 2008, p. 365
  138. Stanley Sloan (Outubro de 1997). «Transatlantic relations: Stormy weather on the way to enlargement?». OTAN. Consultado em 1º de maio de 2019 
  139. Glenn Kessler (23 de setembro de 2008). «Meetings with Foreign Leaders? Biden's Been There, Done That». The Washington Post. Consultado em 1º de maio de 2019 
  140. Barone & Cohen 2008, p. 365
  141. a b c d e Glenn Kessler (7 de outubro de 2008). «Biden Played Less Than Key Role in Bosnia Legislation». The Washington Post. Consultado em 1º de maio de 2019 
  142. a b Elizabeth Holmes (25 de agosto de 2008). «Biden, McCain Have a Friendship – and More – in Common». The Wall Street Journal. Consultado em 1º de maio de 2019 
  143. «SENATOR JOSEPH BIDEN (Democrat, Delaware)». Departamento de Estado dos Estados Unidos. Março de 2001. Consultado em 1º de maio de 2019 
  144. Adam Clymer (13 de janeiro de 1991). «Congress Acts to Authorize War in Gulf». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  145. Michael Crowley (24 de setembro de 2009). «Hawk Down». The New Republic. Consultado em 1º de maio de 2019 
  146. Tim Russert (29 de abril de 2007). «MTP Transcript for April 29, 2007». MSNBC. Consultado em 1º de maio de 2019 
  147. Barone & Cohen 2008, p. 365
  148. a b c d e f g h i j k l James Traub (24 de novembro de 2009). «After Cheney». The New York Times Magazine. Consultado em 1º de maio de 2019 
  149. Thom Shanker (19 de agosto de 2007). «Divided They Stand, but on Graves». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  150. a b c Ned Parker e Raheem Salman (1º de outubro de 2007). «U.S. vote unites Iraqis in anger». Los Angeles Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  151. Witcover 2010, p. 572-573.
  152. Craig S. Smith (27 de dezembro de 2004). «For a Critic, Libya's Nascent Openness Doesn't Apply». The New York Times. Consultado em 1º de maio de 2019 
  153. Nora Boustany (16 de novembro de 2006). «Support Builds for Libyan Dissident». The Washington Post. Consultado em 1º de maio de 2019 
  154. Ed Henry (16 de maio de 2008). «Dems fire back at Bush on 'appeasement' statement». CNN. Consultado em 1º de maio de 2019 
  155. Barone & Cohen 2008, p. 364
  156. Barone & Cohen 2008, p. 366
  157. Barone & Cohen 2008, p. 366
  158. Barone & Cohen 2008, p. 366
  159. Karen Travers (16 de março de 2011). «'Amtrak Joe' Biden Gets His Own Train Station». ABC News. Consultado em 12 de maio de 2019 
  160. «Vice President Biden Gets Wilmington Amtrak Station Named For Him». The Huffington Post. 19 de março de 2011. Consultado em 12 de maio de 2019 
  161. «Senate Approves $24.4 Million for Guard, Dover Air Force Bases». Site de Tom Carper no Senado. 23 de setembro de 2005. Consultado em 12 de maio de 2019 
  162. «Faculty: Joseph R. Biden, Jr». Widener University School of Law. 2008. Consultado em 12 de maio de 2019 
  163. a b c «Senator Biden becomes Vice President-elect». Widener University School of Law. 6 de novembro de 2008. Consultado em 12 de maio de 2019 
  164. Matt Purchla (26 de agosto de 2008). «For Widener Law students, a teacher aims high». Metro. Consultado em 12 de maio de 2019 
  165. Kathleen E. Carey (27 de agosto de 2008). «Widener students proud of Biden». Delaware County Daily and Sunday Times. Consultado em 12 de maio de 2019 
  166. Barone & Cohen 2008, p. 364
  167. Barone & Cohen 2008, p. 364
  168. Barone & Cohen 2008, p. 366
  169. «Longest Serving Senators». Senado dos Estados Unidos. 14 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de maio de 2019 
  170. «SENATOR JOSEPH BIDEN (Democrat, Delaware)». Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Março de 2001. Consultado em 14 de maio de 2019 
  171. John M. Broder (13 de setembro de 2008). «Biden Releases Tax Returns, in Part to Pressure Rivals». The New York Times. Consultado em 14 de maio de 2019 
  172. «Demographics part of calculation». Los Angeles Times. 24 de agosto de 2008. Consultado em 14 de maio de 2019 
  173. Alexander Mooney (12 de setembro de 2008). «Biden tax returns revealed». CNN. Consultado em 14 de maio de 2019 
  174. «Transcripts». The Situation Room. 12 de janeiro de 2006. Consultado em 14 de maio de 2019 
  175. a b c d e Mark Leibovich (19 de setembro de 2008). «Meanwhile, the Other No. 2 Keeps On Punching». The New York Times. Consultado em 14 de maio de 2019 
  176. Katharine Q. Seelye (19 de março de 2008). «Senate Struggles to Pay Attention to the Remapping of NATO». The New York Times. Consultado em 14 de maio de 2019 
  177. a b c Mark Halperin (23 de agosto de 2008). «Halperin on Biden: Pros and Cons». Time. Consultado em 14 de maio de 2019 
  178. Ben Smith (12 de fevereiro de 2008). «Biden, enemy of the prepared remarks». Politico. Consultado em 14 de maio de 2019 
  179. Barone & Cohen 2008, p. 366
  180. «Sen. Biden not running for president». CNN. 12 de agosto de 2003. Consultado em 15 de maio de 2019 
  181. Gerard Baker (29 de outubro de 2004). «Kerry to opt for the senator who copied Kinnock». The Times. Consultado em 15 de maio de 2019 
  182. Dan Balz (1 de fevereiro de 2007). «Biden Stumbles at the Starting Gate». The Wasghinton Post. Consultado em 15 de maio de 2019 
  183. Alex Koppelman (8 de janeiro de 2007). «The "best Biden" for president?». Salon. Consultado em 15 de maio de 2019 
  184. Steve Kornacki (12 de junho de 2007). «A Candidate For Secretary Of State». The New York Observer. Consultado em 15 de maio de 2019 
  185. «Biden says he wouldn't be secretary of state». Associated Press. Milwaukee Journal Sentinel. 30 de novembro de 2007. Consultado em 15 de maio de 2019 
  186. Jonathan Cohn (22 de agosto de 2008). «Flashback: Biden On Obama, Experience». The New Republic. Consultado em 15 de maio de 2019 
  187. Heilemann & Halperin 2010, p. 336
  188. Jason Horowitz (5 de fevereiro de 2007). «Biden Unbound: Lays Into Clinton, Obama, Edwards». Observer. Consultado em 15 de maio de 2019 
  189. Mark Liberman (1 de fevereiro de 2007). «Language Log: Biden's Comma». Language Log. Consultado em 15 de maio de 2019 
  190. Heilemann & Halperin 2010, p. 336
  191. Christine Lim e M. J. Stephey (9 de dezembro de 2007). «Top 10 Campaign Gaffes». Time. Consultado em 15 de maio de 2019 
  192. a b Jennifer Hoar (7 de julho de 2006). «Biden's Comments Ruffle Feathers». CBS. Consultado em 15 de maio de 2019 
  193. Mark Bowden (Outubro de 2010). «The Salesman». The Atlantic. Consultado em 17 de maio de 2019 
  194. Alicia Victoria Lozano e Noreen O'Donnell (25 de abril de 2019). «Delaware's Own, Former Vice President Joe Biden Announces 2020 Run for President». NBC. Consultado em 17 de maio de 2019 
  195. «Iowa Caucus Results». The New York Times. 3 de janeiro de 2008. Consultado em 17 de maio de 2019 
  196. Shailagh Murray (4 de janeiro de 2008). «Biden, Dodd Withdraw From Race». The Washington Post. Consultado em 17 de maio de 2019 
  197. Heilemann & Halperin 2010, p. 336
  198. a b c Wolffe 2009, p. 218.
  199. Heilemann & Halperin 2010, p. 28, 337–338
  200. Heilemann & Halperin 2010, p. 28, 337–338
  201. a b Ryan Lizza (13 de outubro de 2008). «Biden's Brief». The New Yorker. Consultado em 17 de maio de 2019 
  202. Jeanne Cummings (16 de setembro de 2009). «'The skunk at the family picnic'». Politico. Consultado em 17 de maio de 2019 
  203. Alexander Mooney (23 de junho de 2008). «Biden: I'd say yes to being VP». Politico. Consultado em 17 de maio de 2019 
  204. Jose Antonio Vargas (24 de agosto de 2008). «Overload Slows Texts Announcing the No. 2». The Washington Post. Consultado em 17 de maio de 2019 
  205. The New York Times, The Washington Post, Reuters e O Estado de S. Paulo (24 de agosto de 2008). «Obama escolhe Joe Biden como vice». O Estado de S. Paulo. Consultado em 17 de maio de 2019 
  206. Adam Nagourney e Jeff Zeleny (23 de agosto de 2008). «Obama Chooses Biden as Running Mate». The New York Times. Consultado em 17 de maio de 2019 
  207. E.J. Dionne, Jr. (25 de agosto de 2008). «Tramps Like Us». The New Republic. Consultado em 17 de maio de 2019 
  208. Wolffe 2009, p. 217.
  209. Alan Gray (29 de agosto de 2008). «Democrats Formally Nominate Barack Obama for US Presidency». News Blaze. Consultado em 17 de maio de 2019 
  210. Matthew Cullinan Hoffman (2 de setembro de 2008). «Scranton Bishop Says He will Refuse Communion to Joseph Biden». Life Site. Consultado em 17 de maio de 2019 
  211. a b John-Henry Westen (28 de agosto de 2008). «Biden's Bishop Will not Permit Him, Even if Elected VP, to Speak at Catholic Schools». Catholic Exchange. Consultado em 17 de maio de 2019 
  212. David Kirkpatrick (16 de setembro de 2008). «Abortion Issue Again Dividing Catholic Votes». The New York Times. Consultado em 17 de maio de 2019 
  213. David D. Kirkpatrick (4 de outubro de 2008). «A Fight Among Catholics Over Which Party Best Reflects Church Teachings». The New York Times. Consultado em 17 de maio de 2019 
  214. Kate Phillips (7 de setembro de 2008). «As a Matter of Faith, Biden Says Life Begins at Conception». The New York Times. Consultado em 17 de maio de 2019 
  215. Jake Tapper (14 de setembro de 2008). «Joe Who?». The New York Times. Consultado em 17 de maio de 2019 
  216. Mark Jurkowitz (14 de setembro de 2008). «Northern Exposure Still Dominates the News». Pew Research Center. Consultado em 17 de maio de 2019 
  217. «McCain urged to join Kerry ticket». Reuters. MSNBC. 16 de maio de 2004. Consultado em 17 de maio de 2019 
  218. «No primeiro discurso de campanha, Biden ataca McCain». Folha de S. Paulo. 24 de agosto de 2004. Consultado em 17 de maio de 2019 
  219. Witcover 2010, p. 655–661.
  220. a b c John M. Broder (30 de outubro de 2008). «Hitting the Backroads, and Having Less to Say». The New York Times. Consultado em 23 de maio de 2019 
  221. a b Karen Tumulty (29 de outubro de 2008). «Hidin' Biden: Reining In a Voluble No. 2». Time. Consultado em 23 de maio de 2019 
  222. a b c d e Victoria McGrane (3 de novembro de 2008). «Where have you gone, Joe Biden?». Politico. Consultado em 23 de maio de 2019 
  223. Heilemann & Halperin 2010, p. 411–414, 419
  224. John M. Broder (30 de outubro de 2008). «Hitting the Backroads, and Having Less to Say». The New York Times. Consultado em 23 de maio de 2019 
  225. Heilemann & Halperin 2010, p. 411–414, 419
  226. «Biden reliable running mate despite gaffes». Asbury Park Press. 26 de outubro de 2008. Consultado em 23 de maio de 2019 
  227. «Obama: 'This is your victory'». CNN. 5 de novembro de 2008. Consultado em 23 de maio de 2019 
  228. «McCain Takes Missouri». The Wasghinton Post. 19 de novembro de 2008. Consultado em 23 de maio de 2019 
  229. «President – Election Center». CNN. Novembro de 2008. Consultado em 23 de maio de 2019 
  230. Randall Chase (24 de agosto de 2008). «Biden wages 2 campaigns at once». Fox. Consultado em 23 de maio de 2019 
  231. Barone & Cohen 2008, p. 366
  232. Ben Nuckols (4 de novembro de 2008). «Biden wins 7th Senate term but may not serve». USA Today. Consultado em 23 de maio de 2019 
  233. Nicole Gaudiano (7 de janeiro de 2009). «A bittersweet oath for Biden». The News Journal. Consultado em 23 de maio de 2019 
  234. Bernie Becker (15 de janeiro de 2009). «Biden and Clinton Say Goodbye to Senate». The New York Times. Consultado em 23 de maio de 2019 
  235. Thomas Ferraro (24 de novembro de 2008). «Aide named to replace Biden in Senate». Reuters. Consultado em 23 de maio de 2019 
  236. Mike Allen (12 de junho de 2008). «Biden to limit role of vice president». Politico. Consultado em 24 de maio de 2019 
  237. «Biden says he'll be different vice president». CNN. 22 de dezembro de 2008. Consultado em 24 de maio de 2019 
  238. «Think you know your election trivia?». CNN. 3 de novembro de 2008. Consultado em 24 de maio de 2019 
  239. Nicole Gaudiano (6 de novembro de 2008). «VP's home awaits if Biden chooses». The News Journal. Consultado em 24 de maio de 2019 
  240. Amie Parnes (28 de junho de 2011). «The Bidens' 'regular' lives». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  241. a b Mark Leibovich (28 de março de 2009). «Speaking Freely, Biden Finds Influential Role». The New York Times. Consultado em 24 de maio de 2019 
  242. Carol Lee (29 de abril de 2009). «Biden worked on Specter '100 days'». Politico. Consultado em 24 de maio de 2019 
  243. Ken Dilanian (11 de junho de 2009). «In a supporting role, Clinton takes a low-key approach at State Dept». USA Today. Consultado em 24 de maio de 2019 
  244. Ben Smith (23 de junho de 2009). «Hillary Clinton toils in the shadows». Politico. Consultado em 24 de maio de 2019 
  245. Jeanne Cummings (16 de setembro de 2009). «Joe Biden, 'the skunk at the family picnic'». Politico. Consultado em 24 de maio de 2019 
  246. a b Holly Bailey e Evan Thomas (10 de outubro de 2009). «An Inconvenient Truth Teller». Newsweek. Consultado em 24 de maio de 2019 
  247. Wilson Scott (17 de setembro de 2009). «Biden Pushes Iraqi Leaders On Vote Law, Oil-Bid Perks». The Washington Post. Consultado em 24 de maio de 2019 
  248. Evan Osnos (12 de agosto de 2014). «Breaking Up: Maliki and Biden». The New Yorker. Consultado em 24 de maio de 2019 
  249. a b Michael Crowley (11 de setembro de 2014). «At war over Obama's new war in Iraq». Politico. Consultado em 24 de maio de 2019 
  250. John McCormack (10 de fevereiro de 2010). «Biden: Iraq "Could Be One of the Great Achievements of This Administration"». The Weekly Standard. Consultado em 24 de maio de 2019 
  251. a b c d e Michael Scherer (11 de junho de 2012). «Mo Joe». Time. Consultado em 24 de maio de 2019 
  252. Michael Sherer (1 de julho de 2009). «What Happened to the Stimulus?». Time. Consultado em 25 de maio de 2019 
  253. Ian Swanson (22 de setembro de 2011). «Stimulus could haunt Sheriff Biden». The Hill. Consultado em 25 de maio de 2019 
  254. Karen Travers (17 de fevereiro de 2011). «"Sheriff Joe" Biden Touts Recovery Act Success -- and Hands Over His Badge». Time. Consultado em 25 de maio de 2019 
  255. a b c d Mark Leibovich (8 de maio de 2012). «For a Blunt Biden, an Uneasy Supporting Role». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  256. Xana O'Neill (14 de julho de 2014). «Biden: Stay Off Subways During Swine Flu Panic». NBC New York. Consultado em 25 de maio de 2019 
  257. «White House tempers Biden's swine flu advice». Boston Globe. 1 de maio de 2009. Consultado em 25 de maio de 2019 
  258. Henry Blodget (5 de julho de 2009). «Biden: We Blew It On The Economy». Business Insider. Consultado em 25 de maio de 2019 
  259. Peter Nicholas e Paul Richter (19 de agosto de 2009). «Despite fumbles, Biden's a player». Los Angeles Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  260. a b Sheryl Gay Stolberg (12 de outubro de 2010). «Vice President Tries to Energize Democrats». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  261. a b Carol E. Lee e John Brenahan (9 de dezembro de 2010). «Biden steps into Rahm's shoes». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  262. a b c d Helene Cooper (11 de dezembro de 2010). «As the Ground Shifts, Biden Plays a Bigger Role». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  263. Carl Hulse e Jackie Calmes (7 de dezembro de 2010). «Biden and G.O.P. Leader Helped Hammer Out Bipartisan Tax Accord». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  264. David M. Herszenhorn e Sheryl Gay (7 de dezembro de 2010). «Democrats Skeptical of Obama on New Tax Plan». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  265. «H.R.4853 - Tax Relief, Unemployment Insurance Reauthorization, and Job Creation Act of 2010». Congresso dos Estados Unidos. Dezembro de 2010. Consultado em 25 de maio de 2019 
  266. Michael A. Memoli (20 de outubro de 2011). «Kadafi death: Joe Biden says 'NATO got it right' in Libya». Los Angeles Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  267. Nick Gass (21 de junho de 2016). «Biden: I was right about Libya». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  268. James Traub (10 de outubro de 2012). «The Biden Doctrine». Foreign Policy. Consultado em 25 de maio de 2019 
  269. Steve Gutterman (9 de março de 2011). «Biden backs Russia WTO bid, praises Medvedev». Reuters. Consultado em 25 de maio de 2019 
  270. David Weigel (10 de janeiro de 2014). «"Hillary Told the President That Her Opposition to the Surge in Iraq Had Been Political"». Slate. Consultado em 25 de maio de 2019 
  271. Marc A. Thiessen (8 de outubro de 2012). «Biden's Bin Laden Hypocrisy». The Washington Post. Consultado em 25 de maio de 2019 
  272. Kate Andersen Brower (1 de junho de 2018). «Hillary Clinton's 'ass-covering' on bin Laden raid 'rattled' Biden». The Hill. Consultado em 25 de maio de 2019 
  273. «Osama Bin Laden dead; President Obama addresses nation». Record Online. 2 de maio de 2011. Consultado em 25 de maio de 2019 
  274. «Obama Welcomes Budget Deal; Biden to Lead Talks». Reuters. CNBC. 2 de maio de 2011. Consultado em 25 de maio de 2019 
  275. Tim Reid (16 de maio de 2011). «Q+A: Debt and deficit talks in early stages». Reuters. Consultado em 25 de maio de 2019 
  276. a b Glenn Thrush, Manu Raju, John Bresnahan e Carrie Budoff Brown (2 de agosto de 2011). «Biden, McConnell and the making of a deal». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  277. a b Calvin Woodward (3 de agosto de 2011). «The real drama was in private as debt deal hatched». Bangor Daily News. Consultado em 25 de maio de 2019 
  278. Caren Bohan, Andy Sullivan e Thomas Ferraro (3 de agosto de 2011). «Special report: How Washington took the U.S. to the brink». Reuters. Consultado em 25 de maio de 2019 
  279. a b c Jonathan Martin (31 de outubro de 2013). «Book Details Obama Aides' Talks About Replacing Biden on 2012 Ticket». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  280. Jonathan Allen (1 de novembro de 2013). «W.H.: Obama never considered dropping Joe Biden». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  281. Christi Parsons (6 de maio de 2012). «Biden 'comfortable' with equal rights for gays who wed». Los Angeles Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  282. a b «AP source: Biden apologizes to Obama over comments». Associated Press. Fox News. 10 de maio de 2012. Consultado em 25 de maio de 2019 
  283. Glenn Thrush (20 de agosto de 2012). «POLITICO e-book: Obama campaign roiled by conflict». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  284. Glenn Thrush (23 de agosto de 2012). «6 hidden Obama campaign fault lines». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  285. Jackie Calmes e Peter Baker (9 de maio de 2012). «Obama Says Same-Sex Marriage Should Be Legal». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  286. a b Michael A. Memoli (17 de agosto de 2012). «Biden's unscripted moments keep campaign on its toes». Los Angeles Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  287. Jonathan Martin (16 de agosto de 2012). «Mission Impossible: Managing Biden». Politico. Consultado em 25 de maio de 2019 
  288. Jonathan Martin (6 de setembro de 2012). «Beau Biden Speech Kicks Of Motion To Nominate Father Joe Biden For Vice President». HuffPost. Consultado em 25 de maio de 2019 
  289. Michael O'Brien (11 de outubro de 2012). «Biden plays aggressor in debate as Ryan argues GOP case». NBC News. Consultado em 25 de maio de 2019 
  290. «Sparks fly as Biden, Ryan face off in feisty vice presidential debate». Fox News. 12 de outubro de 2012. Consultado em 25 de maio de 2019 
  291. «Election Results for the U.S. President, the U.S. Senate and the U.S. House of Representatives» (PDF). Federal Election Commission. Julho de 2012. Consultado em 25 de maio de 2019 
  292. Leigh Ann Caldwell (19 de dezembro de 2012). «Obama sets up gun violence task force». CBS News. Consultado em 25 de maio de 2019 
  293. Karoun Demirjian (1 de janeiro de 2013). «It's over: House passes 'fiscal cliff' deal». Las Vegas Sun. Consultado em 25 de maio de 2019 
  294. Alan Fram (2 de janeiro de 2013). «Congress' OK of fiscal cliff deal gives Obama a win, prevents GOP blame for tax boosts». Associated Press. Star Tribune. Consultado em 25 de maio de 2019 
  295. Roberta Rampton (20 de janeiro de 2013). «Vice President Biden sworn in to office for second term». Reuters. Consultado em 25 de maio de 2019 
  296. Jonathan Weisman (17 de abril de 2013). «Senate Blocks Drive for Gun Control». The New York Times. Consultado em 25 de maio de 2019 
  297. Manu Raju, John Bresnahan, Jake Sherman e Carrie Budoff Brown (18 de outubro de 2013). «Anatomy of a shutdown». Politico. Consultado em 26 de maio de 2019 
  298. Nicole Gaudiano (13 de outubro de 2013). «Biden mostly out of sight as shutdown drags on». USA Today. Consultado em 26 de maio de 2019 
  299. «Rape and sexual assault: A renewed call to action» (PDF). Casa Branca. Janeiro de 2014. Consultado em 26 de maio de 2019 
  300. «Memorandum -- Establishing a White House Task Force to Protect Students from Sexual Assault». Casa Branca. 22 de janeiro de 2014. Consultado em 26 de maio de 2019 
  301. Sophia Tulp (5 de janeiro de 2017). «VP Biden makes final push to end campus sexual assault». USA Today. Consultado em 26 de maio de 2019 
  302. Ciara McCarthy (5 de abril de 2016). «Joe Biden gives charged speech on campus sexual assault: 'It is a crime, period'». The Guardian. Consultado em 26 de maio de 2019 
  303. Marcelo Perrone (29 de fevereiro de 2016). «Oscar foi palco de discursos que defenderam grandes causas». GaúchaZH. Consultado em 26 de maio de 2019 
  304. Jessica Ellis (29 de fevereiro de 2016). «Why VP Joe Biden gave one of the most important speeches at the Oscars». Hello Giggles. Consultado em 26 de maio de 2019 
  305. Conor Friedersdorf (18 de setembro de 2014). «Who to Blame If Arming the Syrian Rebels Goes Wrong». The Atlantic. Consultado em 26 de maio de 2019 
  306. John Grestein (13 de junho de 2014). «Was Biden right?». Politico. Consultado em 26 de maio de 2019 
  307. James Kitfield (30 de janeiro de 2014). «Turns Out, Joe Biden Was Right About Dividing Iraq». National Journal. Consultado em 26 de maio de 2019 
  308. Peter Grier (3 de setembro de 2014). «Joe Biden vows to chase Islamic State to 'gates of hell.' Does he mean it?». The Christian Science Monitor. Consultado em 26 de maio de 2019 
  309. Elizabeth Hagedorn (17 de fevereiro de 2015). «Biden Gets Too Close For Comfort ... Again». Newsy. Consultado em 26 de maio de 2019 
  310. Nia-Malika Henderson (17 de fevereiro de 2015). «Joe Biden takes 'being Biden' to new heights (or depths)». The Washington Post. Consultado em 26 de maio de 2019 
  311. Eyder Peralta (17 de fevereiro de 2015). «Joe Biden Gets A Bit Too Close To New Secretary Of Defense's Wife». NPR. Consultado em 26 de maio de 2019 
  312. Lisa Visentin (18 de fevereiro de 2015). «US Vice-President Joe Biden in new 'creepy' photo with wife of Defence Secretary Ashton Carter». The Sydney Morning Herald. Consultado em 26 de maio de 2019 
  313. Alexandra Jaffe (12 de janeiro de 2015). «Senator's daughter doesn't think Biden's 'creepy'». CNN. Consultado em 26 de maio de 2019 
  314. Quint Forgey (31 de março de 2019). «Ex-Defense secretary's wife says photo of her with Biden misleading». Politico. Consultado em 26 de maio de 2019 
  315. Colby Itkowitz (23 de março de 2015). «There is a 'Draft Joe Biden' Super PAC Now; It's Even Hiring a Fundraiser». The Washington Post. Consultado em 26 de maio de 2019 
  316. Jeff Zeleny e Kevin Liptak (1 de agosto de 2015). «Joe Biden keeps watchful eye on 2016 race». CNN. Consultado em 26 de maio de 2019 
  317. «Joe Biden still undecided on presidential run». BBC. 11 de setembro de 2015. Consultado em 26 de maio de 2019 
  318. Mollie Reilly (21 de outubro de 2015). «Joe Biden Is Not Running For President In 2016». HuffPost. Consultado em 26 de maio de 2019 
  319. Ella Nilsen (15 de novembro de 2017). «Joe Biden almost ran for president in 2016, and he's not ruling out 2020». Vox. Consultado em 26 de maio de 2019 
  320. Edward-Isaac Dovere (9 de junho de 2016). «Joe Biden endorses Hillary Clinton». Politico. Consultado em 26 de maio de 2019 
  321. Sabrina Siddiqui (15 de agosto de 2016). «'This guy's shame has no limits': Biden denounces Trump and rallies for Clinton». The Guardian. Consultado em 26 de maio de 2019 
  322. «OCCASIONS WHEN VICE PRESIDENTS HAVE VOTED TO BREAK TIE VOTES IN THE SENATE» (PDF). Senado dos Estados Unidos. 21 de dezembro de 2018. Consultado em 26 de maio de 2019 
  323. «Joe Biden Favorable Rating». HuffPost. Janeiro de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  324. Jeremy Berke (7 de fevereiro de 2017). «Here's what Joe Biden will do after 8 years as vice president». Business Insider. Consultado em 26 de maio de 2019 
  325. «Biden outlines steps to pursue post-Obama 'cancer moonshot'». Associated Press. CNBC. 9 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  326. Sara Ashley O'Brien (12 de março de 2017). «Joe Biden: The fight against cancer is bipartisan». CNN. Consultado em 26 de maio de 2019 
  327. Megan Friedman (30 de agosto de 2018). «Joe Biden Gave an Incredibly Powerful Speech at John McCain's Memorial». Town&Country. Consultado em 26 de maio de 2019 
  328. Max Greenwood (31 de maio de 2017). «Biden: Paris deal 'best way to protect' US leadership». The Hill. Consultado em 26 de maio de 2019 
  329. «Biden: Trump at odds with most Americans on climate change». Associated Press. ABC News. 7 de junho de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  330. Nicole Gaudiano (22 de março de 2017). «Joe Biden says Republican health care is a giveaway to the rich». USA Today. Consultado em 26 de maio de 2019 
  331. Rafael Bernal (5 de setembro de 2017). «Biden: Trump's DACA decision 'cruel'». The Hill. Consultado em 26 de maio de 2019 
  332. Dan Merica (14 de abril de 2017). «Biden calls on Trump to raise anti-LGBT violence in Chechnya with Russians». CNN. Consultado em 26 de maio de 2019 
  333. Amanda Arnold (5 de abril de 2019). «All the Women Who Have Spoken Out Against Joe Biden». New York. Consultado em 26 de maio de 2019 
  334. «Joe Biden: O que dizem as mulheres que acusam ex-vice dos EUA e estrela democrata de 'contato físico inapropriado'». BBC. 2 de abril de 2019. Consultado em 26 de maio de 2019 
  335. Lydia O'Connor (29 de março de 2019). «Ex-Nevada Assemblywoman Says Joe Biden Inappropriately Kissed Her». HuffPost. Consultado em 26 de maio de 2019 
  336. Michael Burke (2 de abril de 2019). «Two more women accuse Biden of inappropriate touching». The Hill. Consultado em 26 de maio de 2019 
  337. Michael Brice-Saddler (29 de março de 2019). «Nevada Democrat accuses Joe Biden of touching and kissing her without consent at 2014 event». Los Angeles Times. Consultado em 26 de maio de 2019 
  338. Inês Chaíça (4 de abril de 2019). «Joe Biden promete respeitar "espaço" das mulheres. Mas não pede desculpa». Público. Consultado em 26 de maio de 2019 
  339. Mark Abadi (6 de dezembro de 2016). «Joe Biden floats a potential 2020 presidential run». Business Insider. Consultado em 26 de maio de 2019 
  340. Cady Lang (7 de dezembro de 2016). «Joe Biden Discussed Running in 2020 With Stephen Colbert: 'Never Say Never'». Time. Consultado em 26 de maio de 2019 
  341. Rachael Revesz (13 de janeiro de 2017). «Joe Biden: I will not run for president in 2020 but I am working to cure cancer». The Independent. Consultado em 26 de maio de 2019 
  342. Jonathan Alter (17 de janeiro de 2017). «Joe Biden: 'I Wish to Hell I'd Just Kept Saying the Exact Same Thing'». The New York Times. Consultado em 26 de maio de 2019 
  343. Tori Charnetzki (10 de janeiro de 2018). «New Quad City Super PAC: "Time for Biden"». Wvik. Consultado em 26 de maio de 2019 
  344. Arlette Saenz (6 de novembro de 2018). «Joe Biden wraps midterm blitz. Next up: a 2020 decision.». CNN. Consultado em 26 de maio de 2019 
  345. Arlette Saenz (18 de outubro de 2018). «Biden hopes Democrats don't impeach Trump right away». CNN. Consultado em 26 de maio de 2019 
  346. Edward-Isaac Dovere (4 de fevereiro de 2019). «Biden's Anguished Search for a Path to Victory». The Atlantic. Consultado em 26 de maio de 2019 
  347. «Joe Biden, vice do ex-presidente Obama, anuncia pré-candidatura à presidência dos EUA». G1. 25 de abril de 2019. Consultado em 26 de maio de 2019 
  348. Jonathan Tamari (16 de maio de 2019). «Joe Biden chooses Philadelphia for 2020 presidential campaign headquarters». The Inquirer. Consultado em 26 de maio de 2019 
  349. a b c «Joe Biden, Jr.'s Ratings and Endorsements». Vote Smart. Consultado em 26 de maio de 2019 
  350. John Kruzel (6 de maio de 2019). «Joe Biden claims he was a staunch liberal in the Senate. He wasn't». PolitiFact. Consultado em 26 de maio de 2019 
  351. «OP-ED by Vice President Joe Biden in Today's USA Today». Casa Branca. 17 de fevereiro de 2010. Consultado em 26 de maio de 2019 
  352. a b «Exclusive / Biden: Mubarak Is Not a Dictator, But People Have a Right to Protest». PBS News Hour. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 26 de maio de 2019 
  353. «Vice President Joe Biden pushes mass transit spending». The Take Away. 23 de abril de 2009. Consultado em 26 de maio de 2019 
  354. «Vice-presidente dos EUA celebra casamento homossexual em casa». EFE. G1. 3 de agosto de 2016. Consultado em 26 de maio de 2019 
  355. Khorri Atkinson e Orion Rummler (11 de maio de 2019). «Joe Biden on the issues, in under 500 words». Axios. Consultado em 26 de maio de 2019 
  356. William G. Mayer (28 de março de 2004). «Kerry's Record Rings a Bell». The Washington Post. History News Network. Consultado em 26 de maio de 2019 
  357. Chris Cillizza (1 de março de 2007). «Mirror, Mirror on the Wall - Who's the Most Liberal of Them All?». The Washington Times. Consultado em 26 de maio de 2019 
  358. Barone & Cohen 2008, p. 363
  359. «HONORARY DEGREE RECIPIENTS». Universidade de Scranton. 2008. Consultado em 26 de maio de 2019 
  360. «Honorary Degree Recipient» (PDF). Universidade Saint Joseph. 2008. Consultado em 26 de maio de 2019 
  361. «Senator Biden to Address 123rd Commencement Rites On May 19». Emerson College. Maio de 2003. Consultado em 26 de maio de 2019 
  362. «Honorary Degree Citation for Joseph R. Biden Jr.». Universidade de Delaware. 29 de maio de 2004. Consultado em 26 de maio de 2019 
  363. «Commencements». The Boston Globe. 23 de maio de 2005. Consultado em 26 de maio de 2019 
  364. «Awards and Honors». Universidade de Syracuse. 2016. Consultado em 26 de maio de 2019 
  365. «Vice President Joe Biden, Seven Others to Receive Honorary Degrees at Penn's 257th Commencement May 13». Universidade da Pensilvânia. 9 de maio de 2013. Consultado em 26 de maio de 2019 
  366. Patrick Riley (3 de maio de 2014). «Vice President Joe Biden hails need for immigration reform at Miami Dade College graduation». Miami Herald. Consultado em 26 de maio de 2019 
  367. Megan Sexton (9 de abril de 2014). «Vice President Joe Biden to deliver UofSC commencement address». Universidade da Carolina do Sul. Consultado em 26 de maio de 2019 
  368. «US Vice President Joe Biden Receives Honorary Doctorate from Trinity College». Trinity College Dublin. 24 de junho de 2016. Consultado em 26 de maio de 2019 
  369. «Joe Biden to speak at Colby College commencement». Press Herald. 17 de abril de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  370. Tramon Lucas (14 de abril de 2017). «Former Vice President Joe Biden is MSU's Spring 2017 Commencement Speaker». The Spokesman. Consultado em 26 de maio de 2019 
  371. «Obama awards Biden Presidential Medal of Freedom». The Boston Globe. 12 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  372. Michael D. Shear (12 de janeiro de 2017). «Obama Surprises Joe Biden With Presidential Medal of Freedom». The New York Times. Consultado em 26 de maio de 2019 
  373. «Joe Biden foi surpreendido com distinção de Obama. E chorou». Observador. 13 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  374. «Biden surprised with Presidential Medal of Freedom». The Miami Herald. 12 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de maio de 2019 
  375. Peter Bothum (11 de dezembro de 2018). «UD establishes Joseph R. Biden, Jr. School of Public Policy and Administration». Universidade de Delaware. Consultado em 26 de maio de 2019 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joe Biden


Precedido por
Dick Cheney
Vice-presidente dos Estados Unidos
2009 — 2017
Sucedido por
Mike Pence
Precedido por
J. Caleb Boggs
Senador dos Estados Unidos
pelo Delaware

1973 — 2009
Sucedido por
Ted Kaufman