Pat Riley

basquetebolista americano

Patrick "Pat" James Riley (20 de março de 1945) é um americano executivo de basquete profissional que é o atual presidente do Miami Heat.

Pat Riley
Pat Riley
Informações pessoais
Nome completo Patrick James Riley
Data de nasc. 20 de março de 1945 (77 anos)
Local de nasc. Roma, Nova Iorque, Estados Unidos
Informações profissionais
Período como jogador 1967–1976
Altura 6 ft 4 in (1.93 m)
Período como treinador 1979–2008
Clubes de juventude
1964–1967 Kentucky Wildcats
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (pontos)
1967–1970
1970–1975
1975–1976
San Diego Rockets
Los Angeles Lakers
Phoenix Suns
{{{jogos}}}
Times que treinou
Anos Clubes Jogos (V - D)
1979–1981
1981–1990
1991–1995
1995–2003, 2005–2008
Los Angeles Lakers (Assistente)
Los Angeles Lakers
New York Knicks
Miami Heat

727 (533-194)
328 (223-105)
849 (454-395)

Considerado um dos maiores treinadores da NBA de todos os tempos, Riley ganhou cinco título da NBA como treinador principal, quatro com o Los Angeles Lakers na década de 1980 e um com o Heat em 2006.

Ele é dez vezes campeão da NBA em seus mandatos como jogador (1972), assistente técnico (1980), treinador (1982, 1985, 1987, 1988, 2006) e executivo (2006, 2012, 2013). Ele é a primeira figura esportiva norte-americana a ganhar um título como jogador, assistente técnico, treinador principal e executivo.

Primeiros anosEditar

Riley nasceu em Roma, Nova Iorque e cresceu em Schenectady, Nova Iorque.[1][2] Ele é filho de Mary Rosalia e Leon Riley, que jogou 22 temporadas de beisebol da Liga menor de beisebol como um outfielder e primeira base e jogou em quatro jogos pelo Philadelphia Phillies em 1944.[3][4]

Carreira como jogadorEditar

Riley jogou basquete pela Linton High School em Schenectady, Nova York sob o comando do treinador Walt Przybylo. A vitória de Linton High School por 74-68 sobre Power Memorial em 29 de dezembro de 1961, é lembrada principalmente por suas duas estrelas: Lew Alcindor do Power Memorial (que mais tarde mudou seu nome para Kareem Abdul-Jabbar) e seu futuro treinador no Los Angeles Lakers, Pat Riley.[5] Em 1991, Riley o chamou de "Um dos maiores jogos da história do basquete de Schenectady."

Riley era um atleta versátil na universidade, participando tanto do basquete quanto do futebol americano. Em seu terceiro ano universitário, ele foi nomeado para a Primeira-Equipe da SEC, para a Equipe Ideal do Torneio da NCAA e foi eleito o Jogador do Ano Regional da NCAA e o Jogador do Ano da SEC.[6]

Ele foi selecionado pelo San Diego Rockets na 1ª rodada do Draft da NBA de 1967[7] e foi selecionado como wide receiver pelo Dallas Cowboys na 11ª rodada do Draft da NFL de 1967.[8] Ele se juntou aos Rockets e mais tarde foi selecionado pelo Portland Trail Blazers no Draft de expansão da NBA de 1970, mas foi imediatamente negociado com o Los Angeles Lakers, que ele ajudou a ganhar o título da NBA de 1972. Ele se aposentou após a temporada de 1975-76 como jogador do Phoenix Suns.

Carreira como treinador e executivoEditar

Los Angeles LakersEditar

Riley retornou à NBA em 1977 como comentarista dos Lakers. Durante a temporada de 1979-80, quando o treinador da equipe, Jack McKinney, se machucou durante um acidente de bicicleta quase fatal, o assistente técnico Paul Westhead assumiu as funções de treinador principal da equipe. Riley então mudou-se da cabine de transmissão para o banco como um dos treinadores assistentes de Westhead. Com o novato Magic Johnson e a estrela Kareem Abdul-Jabbar, os Lakers venceram as Finais da NBA de 1980, derrotando o Philadelphia 76ers em seis jogos. No entanto, a equipe perdeu nos playoffs no ano seguinte para o Houston Rockets liderado por Moses Malone.

Após seis jogos na temporada de 1981-82, Magic Johnson disse que queria ser negociado porque estava infeliz jogando com Westhead. Pouco depois, o dono dos Lakers, Jerry Buss, demitiu Westhead. Em uma conferência de imprensa, Buss nomeou Jerry West como o novo treinador da equipe. West, no entanto, recusou, e Buss desajeitadamente tentou nomear West como "capitão ofensivo" e, em seguida, nomeou West e Riley como co-treinadores. West deixou claro durante a conferência de imprensa que ele só iria ajudar Riley e que ele era o treinador principal.

Riley inaugurou a era "Showtime" dos Lakers, juntamente com Johnson e Abdul-Jabbar. Riley tornou-se uma celebridade por si só, um ícone da moda para seus ternos Armani e cabelos lisos para trás que complementavam a imagem da equipe em Hollywood.[9]

Embora o Showtime Lakers fossem conhecidos por seu ataque, eles ganharam títulos com sua defesa.[10] A percepção em toda a liga era que os Lakers jogavam com finesse e não eram físicos o suficiente para vencer nos playoffs. O mantra de Riley era "sem rebotes, sem anéis", reforçando a necessidade de lutar por rebotes para ganhar campeonatos.[11]

Riley levou os Lakers a quatro aparições consecutivas nas Finais da NBA. Seu primeiro título veio em sua primeira temporada, contra o Philadelphia 76ers. Ambas as equipes voltaram para as finais no ano seguinte e desta vez os Lakers de Riley foram varridos pelos 76ers. Os Lakers perderam nas Finais novamente em 1984, dessa vez para o Boston Celtics em sete jogos.[12] Riley ganhou seu segundo título da NBA em 1985 em uma revanche do ano anterior, quando os Lakers venceram o Celtics em seis jogos. A sequência de quatro anos dos Lakers como campeões da Conferência Oeste foi quebrada no ano seguinte pelo Houston Rockets.

Em 1987, Riley treinou um time dos Lakers que é considerado um dos melhores times de todos os tempos. Com os futuros Membros do Hall da Fama Magic Johnson, James Worthy e Kareem Abdul-Jabbar, além de Michael Cooper, Byron Scott, A.C. Green, Mychal Thompson e Kurt Rambis, os Lakers terminaram com um recorde de 65-17 na temporada regular, o terceiro melhor da história da equipe. Eles tiveram sucesso semelhante nos playoffs, despachando os Celtics em seis jogos para ganhar seu terceiro título da NBA sob o comando de Riley.

Um dos momentos mais famosos de Riley veio quando ele garantiu à multidão um bi-campeonato durante as comemorações no centro de Los Angeles. Embora os Lakers de 1988 não tenham produzido tantas vitórias na temporada regular quanto os Lakers de 1987, eles ainda ganharam o título da NBA, tornando-se o primeiro time em 19 anos a ser bi-campeão. Os títulos de Riley com os Lakers fazem dele um dos seis homens a jogar e treinar o mesmo time campeão da NBA; Os outros são George Senesky, Bill Russell, Tom Heinsohn, K.C. Jones e Billy Cunningham.

Embora Riley não oferecesse mais garantias, seus Lakers embarcaram em uma busca para obter um tri-campeonato em 1989. No entanto, em uma revanche da série final do ano anterior, os Lakers foram varridos pelos Pistons nas Finais da NBA de 1989.

Riley foi nomeado Treinador do Ano da NBA pela primeira vez em temporada de 1989-90, mas deixou o cargo de treinador dos Lakers depois que perdeu para o Phoenix Suns nos playoffs. Na época de sua partida, Riley era o treinador mais importante da NBA com um nível de fama não visto desde Red Auerbach.[9]

New York KnicksEditar

Após deixar o cargo, Riley aceitou um emprego como comentarista da NBC por um ano antes de ser nomeado treinador do New York Knicks na temporada de 1991-92.

Os comentaristas admiravam a capacidade de Riley de trabalhar com os Knicks físicos e deliberados, adaptando seu estilo "Showtime". O Chicago Bulls tinha facilmente varrido os Knicks em 1991 a caminho de seu primeiro título. No entanto, em 1992, com Riley, os Knicks levaram os Bulls para sete jogos nas semifinais da Conferência Leste. A defesa física dos Knicks contra os astros do Chicago Bulls, Michael Jordan e Scottie Pippen, durante os playoffs de 1992 levou a uma disputa entre Riley e o treinador dos Bulls, Phil Jackson, sobre o estilo de jogo áspero dos Knicks. Em 1993, Riley levou os Knicks ao seu melhor recorde na temporada regular na história da equipe e recebeu o seu segundo prêmio de Treinador do Ano. Os Knicks voltaram a enfrentar os Bulls nas finais da Conferência Leste, mas perderam em seis jogos.[13]

Riley retornou às finais da NBA em 1994, derrotando o tricampeão Bulls (sem Michael Jordan) em sete jogos durante as semifinais da Conferência Leste. No entanto, New York perdeu em sete jogos para o Houston Rockets. Durante as Finais de 1994, Riley tornou-se o primeiro treinador a participar de um jogo final da NBA com duas equipes, tendo estado com os Lakers em 1984 e 1988. No entanto, ele teve a infeliz distinção de se tornar o primeiro (e até agora, único) treinador a perder um Jogo 7 da final com duas equipes. Também lhe negou a distinção de se tornar o primeiro treinador a vencer um Jogo 7 nas Finais com duas equipes.

Miami HeatEditar

Em 1995, Riley renunciou aos Knicks por fax para se tornar presidente e treinador do Miami Heat, com total controle sobre as operações de basquete. A mudança causou alguma controvérsia, já que o Heat foi acusado pelos Knicks de adulteração, perseguindo Riley enquanto ele ainda tinha um ano restante em seu contrato.[14] O assunto foi resolvido depois que o Heat enviou sua escolha de primeira rodada de 1996 e US$ 1 milhão em dinheiro para os Knicks em 1 de setembro de 1995.

Na temporada de 1995-96, Riley liderou o Heat para uma reviravolta de 10 jogos para terminar com um recorde de 42-40. Miami foi varrido na primeira rodada dos playoffs pelo Chicago Bulls treinado por Phil Jackson, que havia completado a temporada regular com um recorde de 72 vitórias.

Em 1997, o Heat derrotou os Knicks, em uma série física de sete jogos. Avançando para as finais da Conferência Leste pela primeira vez na história da franquia, eles novamente não provaram ser páreo para Jordan e os Bulls. Riley foi selecionado como Treinador do Ano pela terceira vez, depois de levar Miami a um recorde de 61-21 na temporada regular.

Os playoffs de 1998, 1999 e 2000 foram decepções, pois eles perderam para os Knicks; os dois primeiros na rodada de abertura e o último no segundo round. Em 1999, os Knicks chegaram às finais.

Depois de terminar com um recorde de 50-32 na temporada de 2000-01, o Heat foi varrido pelo Charlotte Hornets na primeira rodada dos playoffs. Na temporada de 2001-02, o Heat terminou com um recorde de 36-46 - a primeira vez que uma equipe treinada por Riley não teve uma temporada vencedora ou não chegou aos playoffs. Riley estava tão enojado com a performance do Heat que ele declarou que estava prestes a "se demitir".

Depois de terminar a temporada de 2002-03 com um recorde de 25-57, Riley deixou o cargo de treinador principal e foi sucedido pelo assistente de longa data, Stan Van Gundy. Van Gundy e o novato Dwyane Wade levaram o Heat de volta aos playoffs com um recorde de 42-40. Riley se concentrou em melhorar ainda mais a equipe antes da temporada de 2004-05 e trouxe Shaquille O'Neal dos Lakers. Wade e O'Neal levaram o Heat às finais da Conferência Leste durante os playoffs de 2005, embora tenham perdido para o Detroit Pistons.

 
Riley em 2007 durante sua segunda passagem como treinador do Heat

Durante a pós-temporada de 2005, foi amplamente especulado que Riley estava tentando demitir Van Gundy e retomar o posto de treinador. Na verdade, Van Gundy renunciou ao cargo de treinador principal em 12 de dezembro de 2005, citando a necessidade de passar mais tempo com sua família, e Riley voltou a treinar a equipe.[15] A equipe do Heat derrotou o Detroit Pistons nas Finais da Conferência Leste de 2006 e foi pela primeira vez para as Finais da NBA. O Heat enfrentou o Dallas Mavericks nas Finais da NBA de 2006 e venceu por 4-2. Foi o quinto título de Riley como treinador principal e o primeiro dele com um time diferente dos Lakers. Riley se tornou um dos dois únicos treinadores da NBA a levar três equipes para as finais da NBA, sendo o outro Alex Hannum. Ele se juntou a Hannum e Phil Jackson como os únicos treinadores a levar duas equipes aos títulos da NBA. Ele também se tornou o único treinador a substituir duas vezes um treinador no meio da temporada e levar esse time a um título da NBA.[16]

Citando problemas no quadril e joelho, Riley tirou uma licença de 3 de janeiro de 2007 a 19 de fevereiro de 2007. O assistente técnico Ron Rothstein assumiu funções interinamente. O Heat terminou a temporada com um recorde de 44-38 e foi varrido na primeira rodada dos playoffs pelo Chicago Bulls; os primeiros campeões a serem varridos na primeira rodada desde 1957.

Na temporada seguinte, o Heat terminou com um recorde de 15-67. A equipe perdeu vários de seus jogadores por lesões prolongadas e um descontente Shaquille O'Neal foi negociado no meio da temporada. Dois anos depois de ganhar o título, eles terminaram com um dos piores recordes de todos os tempos.[17] Em 28 de abril de 2008, Riley anunciou que deixaria o cargo de treinador do Heat. O assistente da equipe, Erik Spoelstra, foi anunciado como seu substituto. Riley continua sendo presidente da equipe.[18] Embora o Heat tenha nominalmente tido um gerente geral durante a maior parte do mandato de Riley como presidente da equipe, ele teve a palavra final em questões de basquete desde sua chegada a Miami.

Como presidente, Riley adquiriu LeBron James e Chris Bosh para formar o "Big Three" do Heat com Dwyane Wade. Eles chegaram a quatro finais seguidas da NBA de 2011-14. Em 2012, o Heat venceu o Oklahoma City Thunder para dar a Riley seu primeiro título puramente como executivo. O Heat repetiu o feito em 2013, derrotando o San Antonio Spurs.

Na temporada de 2019-20, o Heat se tornou o quarto time na história da NBA a terminar abaixo do quarto lugar em sua conferência na temporada regular e chegar às finais da NBA. Enfrentando o ex-time de Riley, o Los Angeles Lakers, que era liderado pelo ex-astro do Heat, LeBron James, o Heat perdeu para os Lakers em seis jogos.[19]

Fora das quadrasEditar

 
Riley e o Miami Heat com o presidente George W. Bush em fevereiro de 2007

Fora do basquete, Riley se tornou uma figura da cultura pop. Isso nasce de seu visual característico: um penteado liso para trás, que é muitas vezes descrito como gangster, e seu bronzeado imaculado. O apelido de Riley é "O Poderoso Chefão" por causa de sua aparência.[20] Ele veio a público liderando o Showtime Lakers dos anos 1980, promovendo sua imagem ao "garantir" um título.

Em 1988, Riley publicou um livro intitulado Showtime: Inside the Lakers's Breakthrough Season, um best-seller do New York Times que recapitou a campanha bem sucedida dos Lakers para o título da NBA de 1987. Uma das frases que Riley cunhou no livro foi a "Doença do Mais", afirmando que "o sucesso é muitas vezes o primeiro passo para o desastre" e que os campeões muitas vezes falham na temporada seguinte porque todo jogador que retorna quer mais tempo de jogo, mais arremessos por jogo e mais dinheiro. A frase surgiu da decepcionante campanha dos Lakers de 1980-81.

Em 1993, enquanto treinava o New York Knicks, Riley publicou um segundo best-seller do New York Times intitulado The Winner Within: A Life Plan for Team Players. Voltado para uma liderança empresarial, bem como entusiastas do basquete, destilou uma lição de trabalho em equipe e liderança de cada uma das temporadas de Riley como treinador até essa data. Byron Laursen, saudado por Riley como "... um verdadeiro Showtime Warrior", foi o coautor de ambos os livros de Riley.

Riley é conhecido por sua amizade com Giorgio Armani, preferindo usar ternos Armani durante jogos de basquete, e modelando uma vez em um show de Armani.

Ele também é um palestrante motivacional durante a pós-temporada. Riley ganha mais de $50.000 por cada compromisso.

Riley e sua esposa Chris têm dois filhos, James e Elisabeth. Riley é um católico romano praticante.

Em 27 de fevereiro de 2007, o Miami Heat foi homenageado pelo título da NBA de 2005-06 na Casa Branca. Durante a cerimônia, Riley presenteou George W. Bush com uma camisa antes de anunciar: "Votei no homem. Se você não votou, você não conta." Após a cerimônia, Riley foi questionado por repórteres sobre a natureza política de seus comentários. Ele respondeu dizendo: "Sou pró-americano, pró-democracia, sou pró-governo. Eu sigo meu chefe. Ele é meu chefe."[21]

Riley e sua esposa são fãs de Bruce Springsteen. Em sua indução em 2008 ao Hall da Fama do Basquete, ele terminou seu discurso com uma citação da canção de Springsteen "Back in Your Arms Again".

EstatísticasEditar

Como jogadorEditar

LEGENDA
 PJ  Partidas jogadas  PT  Partidas como titular  MPJ  Minutos por jogo  AP  Arremessos de quadra (%)
 3P  Arremessos de 3 pontos (%)  LL  Lances-livre (%)  RT  Rebotes por jogo  AS  Assistências por jogo
 BR  Roubos de bola por jogo  TO  Tocos por jogo  PPJ  Pontos por jogo  Negrito  Melhor da carreira

NBAEditar

Temporada regularEditar
Ano Equipe PJ PT MPJ AP 3P LL RT AS BR TO PPJ
1967–68 San Diego 80 15.8 .379 .634 2.2 1.7 7.9
1968–69 San Diego 56 18.3 .406 .672 2.0 2.4 8.8
1969–70 San Diego 36 13.2 .417 .727 1.6 2.4 5.3
1970–71 L.A. Lakers 54 9.4 .413 .644 1.0 1.3 4.9
1971–72 L.A. Lakers 67 13.8 .447 .743 1.9 1.1 6.7
1972–73 L.A. Lakers 55 14.6 .428 .793 1.2 1.5 7.3
1973–74 L.A. Lakers 72 18.9 .430 .764 1.8 2.1 .8 .0 9.5
1974–75 L.A. Lakers 46 22.1 .419 .742 1.8 2.6 .8 .1 11.0
1975–76 L.A. Lakers 2 11.5 .385 .333 1.5 .0 .5 .5 5.5
1975–76 Phoenix 60 13.2 .389 .730 .8 1.0 .4 .1 4.6
Carreira 528 15.0 .411 .678 1.5 1.6 .6 .1 7.1
PlayoffsEditar
Ano Equipe PJ PT MPJ AP 3P LL RT AS BR TO PPJ
1969 San Diego 5 15.2 .432 .833 2.2 .4 7.4
1971 L.A. Lakers 7 19.3 .420 .727 2.1 2.0 9.4
1972 L.A. Lakers 15 16.3 .333 .750 1.9 .9 5.2
1973 L.A. Lakers 7 7.6 .333 .7 1.0 2.6
1974 L.A. Lakers 5 21.2 .360 .750 1.2 2.0 .8 .0 7.8
1976 Phoenix 5 5.4 .400 1.000 .0 1.0 .0 .0 2.6
Carreira 44 14.1 .379 .812 1.3 1.2 .4 .0 5.8

UniversitárioEditar

Ano Equipe PJ PT MPJ AP 3P LL RT AS BR TO PPJ
1964–65 Kentucky 25 33.0 .432 .618 8.5 1.1 15.0
1965–66 Kentucky 29 37.2 .516 .699 8.9 2.2 22.0
1966–67 Kentucky 26 36.7 .442 .782 7.7 2.6 17.4
Carreira 80 35.6 .462 .699 8.3 1.9 18.1

Como treinadorEditar

Time Ano Temporada regular Playoffs Resultado final
J V D % Posição final J V D %
L.A. Lakers 1981–82 71 50 21 .704 1º na Divisão do Pacífico 14 12 2 .857 Ganhou o título da NBA
L.A. Lakers 1982–83 82 58 24 .707 1º na Divisão do Pacífico 15 8 7 .533 Perdeu nas Finais da NBA
L.A. Lakers 1983–84 82 54 28 .659 1º na Divisão do Pacífico 21 14 7 .667 Perdeu nas Finais da NBA
L.A. Lakers 1984–85 82 62 20 .756 1º na Divisão do Pacífico 19 15 4 .789 Ganhou o título da NBA
L.A. Lakers 1985–86 82 62 20 .756 1º na Divisão do Pacífico 14 8 6 .571 Perdeu nas Finais de Conferência
L.A. Lakers 1986–87 82 65 17 .793 1º na Divisão do Pacífico 18 15 3 .833 Ganhou o título da NBA
L.A. Lakers 1987–88 82 62 20 .756 1º na Divisão do Pacífico 25 15 9 .625 Ganhou o título da NBA
L.A. Lakers 1988–89 82 57 25 .695 1º na Divisão do Pacífico 15 11 4 .733 Perdeu nas Finais da NBA
L.A. Lakers 1989–90 82 63 19 .768 1º na Divisão do Pacífico 9 4 5 .444 Perdeu nas Semi-Finais de Conferência
New York 1991–92 82 51 31 .797 1º na Divisão do Atlântico 12 6 6 .500 Perdeu nas Semi-Finais de Conferência
New York 1992–93 82 60 22 .732 1º na Divisão do Atlântico 15 9 6 .600 Perdeu nas Finais de Conferência
New York 1993–94 82 57 25 .695 1º na Divisão do Atlântico 25 14 11 .560 Perdeu nas Finais da NBA
New York 1994–95 82 55 27 .671 2º na Divisão do Atlântico 11 6 5 .545 Perdeu nas Semi-Finais de Conferência
Miami 1995–96 82 42 40 .512 3º na Divisão do Atlântico 3 0 3 .000 Perdeu na Primeira Rodada
Miami 1996–97 82 61 21 .744 1º na Divisão do Atlântico 17 8 9 .471 Perdeu nas Finais de Conferência
Miami 1997–98 82 55 27 .671 1º na Divisão do Atlântico 5 2 3 .400 Perdeu na Primeira Rodada
Miami 1998–99 50 33 17 .660 1º na Divisão do Atlântico 5 2 3 .400 Perdeu na Primeira Rodada
Miami 1999–00 82 52 30 .634 1º na Divisão do Atlântico 10 6 4 .600 Perdeu nas Semi-Finais de Conferência
Miami 2000–01 82 50 32 .610 1º na Divisão do Atlântico 3 0 3 .000 Perdeu na Primeira Rodada
Miami 2001–02 82 36 46 .439 1º na Divisão do Atlântico Não foi para os playoffs
Miami 2002–03 82 25 57 .305 1º na Divisão do Atlântico Não foi para os playoffs
Miami 2005–06 61 41 20 .672 1º na Divisão Sudeste 23 16 7 .696 Ganhou o título da NBA
Miami 2006–07 82 44 38 .537 1º na Divisão Sudeste 4 0 4 .000 Perdeu na Primeira Rodada
Miami 2007–08 82 15 67 .183 5º na Divisão Sudeste Não foi para os playoffs
Carreira 1.904 1.210 694 .644 283 171 111 .515

Fonte:[22][23][24]

Referências

  1. admin. «Lee Riley – Society for American Baseball Research» (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  2. «Mary R. Riley Obituary (2006) Albany Times Union». Legacy.com. Consultado em 24 de julho de 2021 
  3. «Lee Riley Minor Leagues Statistics & History». Baseball-Reference.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  4. «FindArticles.com | CBSi». findarticles.com. Consultado em 24 de julho de 2021 
  5. «Amazing photo: Pat Riley vs. Kareem in Schenectady, 1961». Times Union (em inglês). 6 de fevereiro de 2013. Consultado em 24 de julho de 2021 
  6. «Kentucky Greats: #18, Pat Riley». UKmadness (em inglês). 14 de março de 2008. Consultado em 24 de julho de 2021 
  7. «1967 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  8. «1967 NFL Draft Listing». Pro-Football-Reference.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  9. a b «Collision Course: Riley and Jackson through the years». ESPN.com (em inglês). 22 de dezembro de 2005. Consultado em 24 de julho de 2021 
  10. «Scott not wasting time: Lakers must play D». ESPN.com (em inglês). 28 de julho de 2014. Consultado em 24 de julho de 2021 
  11. «Pat Riley - All Things Lakers - Los Angeles Times». projects.latimes.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  12. Moore, Kenny. «NOT JUST A PRETTY FACE». Sports Illustrated Vault | SI.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  13. «Collision Course: Riley and Jackson through the years». ESPN.com (em inglês). 22 de dezembro de 2005. Consultado em 24 de julho de 2021 
  14. «The Knicks' tamper tantrums are heating up - New York Knicks - NBA Report - Column Sporting News, The - Find Articles». web.archive.org. 16 de outubro de 2007. Consultado em 24 de julho de 2021 
  15. «Heat coach Van Gundy resigns, replaced by Riley». ESPN.com (em inglês). 12 de dezembro de 2005. Consultado em 24 de julho de 2021 
  16. «The Sporting News: Basketball Almanac». web.archive.org. 22 de março de 2007. Consultado em 24 de julho de 2021 
  17. «NBA Regular Season: Worst 50 Teams in NBA History». www.landofbasketball.com. Consultado em 24 de julho de 2021 
  18. «Riley Steps Down, Spoelstra Named Head Coach». Miami Heat (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  19. Phillips, Brian (30 de setembro de 2020). «Pat Riley's Legacy Is Written All Over the NBA Finals». The Ringer (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  20. Aldridge, David. «'The Godfather': Pat Riley's back in the Finals, at 75, with the unexpected Heat». The Athletic. Consultado em 25 de julho de 2021 
  21. «President Bush Welcomes the 2006 NBA Champion Miami Heat to the White House». georgewbush-whitehouse.archives.gov. Consultado em 25 de julho de 2021 
  22. «Pat Riley Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  23. «Pat Riley College Stats». College Basketball at Sports-Reference.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021 
  24. «Pat Riley». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2021