Abrir menu principal

O New York Knickerbockers,[1] mais comumente chamados de Knicks, é uma equipe americana de basquete profissional sediada em Nova York. Os Knicks competem na National Basketball Association (NBA) como membro da Divisão do Atlântico da Conferência Leste. A equipe joga seus jogos em casa no Madison Square Garden, uma arena que eles compartilham com o New York Rangers da National Hockey League (NHL). Eles são uma das duas equipes da NBA localizadas na cidade de Nova York; o outro é o Brooklyn Nets. Juntamente com o Boston Celtics, os Knicks são uma das duas equipes originais da NBA ainda localizadas em sua cidade original.

New York Knicks
Temporada da NBA de 2019-20
New York Knicks logo
Conferência Conferência Leste
Divisão Divisão do Atlântico
Fundado 1946
História New York Knicks
(1946–presente)
Arena Madison Square Garden
Cidade Manhattan, New York City, New York
Cores do time Azul, Laranja e Prata
              
Dono(s) Madison Square Garden Company
General manager Scott Perry
Técnico David Fizdale
Afiliado na G League Westchester Knicks
Campeonatos 2 (1970 e 1973)
Títulos de Conferência 8 (1951, 1952, 1953, 1970, 1972, 1973, 1994 e 1999)
Títulos de Divisão 5 (1971, 1989, 1993, 1994 e 2013)
Números retirados 9 (10, 12, 15, 15, 19, 22, 24, 33 e 613)
Site oficial
Kit body knicks12h.png
Casa jersey
Kit shorts knicks12h.png
Team colours
Casa
Kit body knicks12a.png
Fora jersey
Kit shorts knicks12a.png
Team colours
Fora

A equipe, fundada por Ned Irish em 1946, foi um dos membros fundadores da Basketball Association of America (BAA), que se tornou a NBA depois de se fundir com a rival National Basketball League (NBL) em 1949.

Os Knicks foram campeões da NBA em 1970 e 1973, sendo liderados pelo técnico Red Holzman.

Índice

HistóriaEditar

1946-1967: Primeiros anosEditar

Em 1946, o basquete, particularmente o basquete universitário, era um esporte crescente e cada vez mais lucrativo na cidade de Nova York. O hóquei era outro esporte popular na época e gerou lucros consideráveis; no entanto, as arenas não eram usadas com freqüência. Max Kase, um jornalista esportivo de Nova York, tornou-se editor de esportes no Boston American nos anos 1930, quando conheceu Walter A. Brown, dono do Boston Garden. Kase desenvolveu a ideia de uma liga profissional organizada e sentiu que poderia se tornar lucrativa se montada corretamente. Brown, intrigado com a oportunidade de obter renda adicional quando as equipes de hóquei não estavam jogando, contatou vários proprietários de arena. Em 6 de junho de 1946, Kase, Brown e um grupo de dezessete pessoas se reuniram no Commodore Hotel, na cidade de Nova York, e criaram a Basketball Association of America (BAA), onde as franquias eram concedidas às principais cidades do país.

Ned Irish, promotor de basquete universitário, jornalista esportivo aposentado e depois presidente do Madison Square Garden, estava presente. Kase originalmente planejou possuir e operar a franquia de Nova York e se aproximou de Irish com uma proposta para arrendar o Garden. Irish explicou que as regras da Associação de Diretores de Arena da América declaravam que o Madison Square Garden era obrigado a possuir quaisquer equipes profissionais que jogassem na arena. No dia da reunião, Kase fez sua proposta aos proprietários; no entanto, ficaram muito mais impressionados com Irish e seus vastos recursos; Kase cedeu e a franquia foi concedida a ele.

Irish queria um nome distinto para sua franquia que era representante da cidade de Nova York. Ele convocou membros de sua equipe para uma reunião para votarem. Após a contagem dos votos, a franquia foi nomeada como Knickerbockers. O nome "Knickerbocker" vem do pseudônimo usado por Washington Irving em seu livro "A History of New York", um nome que foi aplicado aos descendentes dos colonizadores holandeses do que mais tarde se tornou Nova York, e mais tarde, por extensão, os Nova Iorquinhos em geral.[2] Em busca de um treinador, Irish se aproximou do bem-sucedido técnico da Universidade de São João, Joe Lapchick, em maio de 1946. Lapchick prontamente aceitou depois que Irish prometeu fazer dele o técnico mais bem pago da liga; no entanto, ele pediu que permanecesse por uma temporada no St. John na esperança de ganhar um último título. Irish contratou o ex-treinador do Manhattan College, Neil Cohalan, como treinador interino para o primeiro ano.[3]

Sem nenhum Draft da faculdade no ano inicial da liga, não havia garantia de que os Knicks ou a própria liga prosperariam. Consequentemente, as equipes se concentraram em contratar jogadores universitários de suas respectivas cidades como forma de promover a liga profissional. Os Knicks realizou seu primeiro acampamento de treinamento nas Montanhas Catskill no Nevele Country Club. Vinte e cinco jogadores foram convidados a participar dos treinos, eles trabalhavam duas vezes por dia e a química entre os nativos de Nova York era instantânea. Com um elenco montado, os Knicks enfrentaram o Toronto Huskies no Maple Leaf Gardens em 1 de novembro de 1946, no que seria o primeiro jogo da franquia - assim como o primeiro na história da liga. Diante de 7.090 espectadores, os Knicks derrotaram os Huskies por 68-66 com Leo Gottlieb liderando os Knicks na pontuação com 14 pontos.[4] Com a agenda lotada do Madison Square Garden, os Knicks foram forçados a jogar muitos de seus jogos em casa no 69th Regiment Armory durante os primeiros anos da equipe. Os Knicks terminaram a sua campanha inaugural com um recorde de 33-27 e conseguiram um lugar nos playoff sob o comando de Cohalan. Os Knicks enfrentaram o Cleveland Rebels nas quartas de final, vencendo a série por 2-1. No entanto, os Knicks foram varridos pelos Philadelphia Warriors nas semifinais.[5]

Como prometido, Lapchick assumiu a equipe em 1947 e seis novos jogadores foram contratados, incluindo Carl Braun e o Nipo-americano Wataru Misaka, o primeiro jogador de basquete profissional não-caucasiano. Sob o comando de Lapchick, os Knicks fez nove aparições seguidas nos playoffs a partir de 1947. Braun, que tinha em média 14,3 pontos, emergiu como o astro do time e se juntou a Dick Holub e Bud Palmer para representar metade do ataque da equipe. Apesar disso, os Knicks tiveram um recorde de 26-22 e ficou em segundo na Divisão Leste, garantindo um confronto de playoff contra o Baltimore Bullets, onde eles perderam.[6] No Draft de 1948, os Knicks selecionaram dois futuros jogadores do Hall of Fame: Dolph Schayes e Harry Gallatin. Os Knicks estavam desconfiado do talento de Schayes, o que o levou a sair para jogar pelo Syracuse Nationals. Apesar de perder Schayes, a equipe começou bem o ano com 17-8 antes de ter uma queda. Eles terminaram o ano com uma sequência de vitórias de sete jogos para terminar com um recorde de 32-28 e uma terceira aparição nos playoffs. Os Knicks derrotou os Bullets em uma revanche de seu encontro anterior em 1947, no entanto, eles perderam na rodada seguinte para o Washington Capitols.[7]

 
Lapchick foi responsável por liderar os Knicks durante o seu sucesso inicial. No entanto, esses sucesso nunca culminou com uma vitória nas finais da NBA.

Antes do início da temporada de 1949-50, a BAA fundiu-se com a National Basketball League para formar a National Basketball Association, com a BAA absorvendo seis equipes.[8] Apesar dos realinhamentos de divisão, os Knicks permaneceram na Conferência Leste. A equipe continuou seu domínio sob o comando de Lapchick, vencendo 40 jogos; no entanto, eles perderam as finais da Divisão Leste para o Syracuse Nationals.[9]

Na temporada seguinte, os Knicks fez a contratação histórica de Sweetwater Clifton, tornando-se o primeiro time de basquete profissional a contratar um jogador afro-americano. Durante essa mesma temporada, os Knicks terminaram com um recorde de 36-30. Apesar de terem ficado em terceiro na sua divisão, garantiram um lugar nos playoff e começaram a primeira de três viagens consecutivas para as Finais da NBA. Apesar de seu sucesso, os Knicks não conseguiram superar o Rochester Royals.[10] Nos dois anos seguintes, em 1952 e 1953, Nova York perdeu para o Minneapolis Lakers nas finais.[11][12]

Após estas derrotas consecutivas, os Knicks foram para os playoffs nos dois anos subsequentes mas não tiveram sucesso. Lapchick renunciou ao cargo de treinador da equipe em janeiro de 1956, citando problemas relacionados à saúde.[13] Vince Boryla fez sua estréia em fevereiro de 1956 como o novo treinador dos Knicks em uma vitória sobre o St. Louis Hawks. No entanto, depois de duas temporadas de fraco desempenho e sem nenhuma aparição nos playoffs, Boryla apresentou sua renúncia do time em abril de 1958.[14]

Tentando recuperar o seu domínio anterior, Andrew Levane foi nomeado o treinador principal e em seu primeiro ano, os resultados foram significativamente melhores. A equipe terminou com um recorde de 40-32, garantindo o seu lugar nos playoff. No entanto, os Knicks não conseguiu passar das semi-finais da Divisão Leste.[15] O plantel liderado por Levane não teve bons resultados no começo da temporada de 1959-60 e sob pressão crescente, Levane pediu demissão[16] e foi imediatamente substituído por Carl Braun, que se tornou o primeiro jogador-treinador da equipe. A equipe não se saiu muito melhor com Braun e os Knicks contrataram Eddie Donovan.[17] Durante o mandato de Donovan, Nova York não conseguiu um lugar nos playoff. Como prova de sua má fase, em 2 de março de 1962, os Knicks enfrentaram o Philadelphia Warriors em Hershey, Pensilvânia, onde deixaram Wilt Chamberlain marcar um recorde da NBA de 100 pontos em uma vitória dos Warrios por 169-147.[18]

Em 1964, a franquia começou a tomar um rumo firme. Os Knicks selecionou Willis Reed no Draft, que causou um impacto imediato na quadra e foi eleito o Novato do Ano. No entanto, os líderes da equipe ainda permaneciam em fluxo. Em uma tentativa de reorganizar, os Knicks nomearam Harry Gallatin como treinador principal, enquanto atribuía Donovan à posição de gerente geral. Após um início lento em 1965, Dick McGuire, outro ex-Knicks, substituiu seu ex-companheiro de equipe Gallatin no meio da temporada.[19] Embora ele não tenha conseguido guiar a equipe para os playoffs em 1965, ele conseguiu fazê-lo na temporada seguinte. No entanto, os Knicks perderam nas semis-finais da Divisão Leste.[20] McGuire foi abruptamente substituído no meio da temporada de 1967-68, depois que a equipe começou a temporada com um recorde de 15-22.[21]

1967-1975: TítulosEditar

A equipe decidiu contratar o técnico Red Holzman, cujo impacto foi imediato. Sob sua direção, os Knicks terminaram com um recorde de 43 vitórias indo para os playoffs, mas a equipe foi novamente derrotados nas semifinais da Divisão Leste pelo Philadelphia 76ers.[22] No entanto, seu elenco foi se juntando lentamente, os novatos Phil Jackson e Walt Frazier foram nomeados para a Equipe de Novatos NBA e Dick Barnett e Willis Reed se apresentaram no All-Star Game de 1968.

 
William "Red" Holzman guiou os Knicks para dois títulos durante o seu mandato.

Na temporada seguinte, a equipe adquiriu Dave DeBusschere, do Detroit Pistons, e a equipe ficou com um recorde de 54-28.[23] Nos playoffs, Nova York passou da primeira rodada pela primeira vez desde 1953, varrendo o Baltimore Bullets. Porém a equipe perdeu para o Boston Celtics nas finais da Divisão Leste.[24]

Na temporada de 1969-70, os Knicks tiveram um recorde na época de 18 vitórias consecutivas, a caminho de um recorde de 60-22, que foi o melhor recorde da temporada regular na história da franquia até aquele momento.[25] Depois de derrotar os Bullets nas semifinais da Divisão Leste e o Milwaukee Bucks nas finais da Divisão Leste,[26][27] os Knicks enfrentaram o Los Angeles Lakers nas finais da NBA. Com a série empatada em 2-2, Willis Reed rasgou um músculo em sua perna direita e ficou fora do jogo. Apesar de sua ausência, Nova York venceu o jogo, recuperando-se de um déficit de 16 pontos.

Sem o seu capitão lesionado, os Knicks perdeu o Jogo 6, estabelecendo um dos momentos mais famosos da história da NBA. Reed mancou para a quadra antes do sétimo jogo, determinado a jogar com a dor de sua lesão. Ele marcou as primeiras duas cestas de Nova York antes de ficar zerado no restante da competição. Embora ele não estivesse em plena força, o heroísmo de Reed inspirou a equipe e eles venceram o jogo por 113-99, permitindo que Nova York ganhasse o título que os iludiu por tanto tempo.[28] Reed, que foi nomeado o MVP do All-Star e MVP da NBA nessa temporada, foi nomeado MVP das finais, tornando-se o primeiro jogador a atingir os três prêmios em uma única temporada.

O sucesso dos Knicks continuou pelos próximos anos. Depois de perder para o Bullets na final da Conferência Leste de 1971,[29] a equipe, ajudada pelas aquisições de Jerry Lucas e Earl "The Pearl" Monroe, retornou às Finais em 1972. Desta vez, os Knicks caiu para os Lakers em cinco jogos.[30] No ano seguinte, os resultados foram revertidos, com os Knicks derrotando os Lakers em cinco jogos para ganhar seu segundo título da NBA em quatro anos.[31][32] A equipe teve mais uma temporada impressionante em 1973-74, quando chegou à final da Conferência Leste, onde caiu para os Celtics.[33] Foi depois desta temporada que Willis Reed anunciou sua aposentadoria e a sorte da equipe começou a mudar mais uma vez.

1975-1985: Pós-títuloEditar

Na temporada de 1974-75, os Knicks teve um recorde de 40-42, seu primeiro recorde de derrotas em oito temporadas.[34] A equipe ainda se classificou para os playoffs, mas a oportunidade foi desperdiçada quando eles perderam para o Houston Rockets na primeira rodada.[35] Depois de mais duas temporadas com recordes de derrotas, Holzman foi substituído no comando da equipe por Willis Reed, que assinou um contrato de três anos.[36] No primeiro ano de Reed, Nova York terminou o ano com um recorde de 43-39 e voltou para as semifinais da Conferência Leste, onde foram varridos pelo Philadelphia 76ers.[37] Na próxima temporada, depois que a equipe começou com um recorde de 6-8, Holzman foi recontratado como técnico da equipe depois que Reed irritou o presidente do Madison Square Garden, Sonny Werblin.[38][39] A equipe não se saiu melhor sob a direção de Holzman, terminando com um recorde de 31-51, o pior deles em treze anos.[40]

Depois de melhorar para um recorde de 39-43 na temporada de 1979-80,[41] os Knicks registrou um recorde de 50-32 na temporada de 1980-81.[42] Nos playoffs, o Chicago Bulls varreu Nova York.[43] Holzman se aposentou na temporada seguinte como um dos treinadores mais vitoriosos da história da NBA. O recorde da equipe naquele ano foi de 33-49.[44]

No entanto, o legado de Holzman continuaria através dos jogadores que ele influenciou. Um desses jogadores foi Phil Jackson que treinou o Chicago Bulls (de Michael Jordan/Scottie Pippen) e o Los Angeles Lakers (de Kobe Bryant/Shaquille O'Neal) para onze títulos da NBA, superando Red Auerbach com mais títulos na história da NBA. Jackson citou Holzman como uma influência significativa em sua carreira na NBA.[45]

Hubie Brown substituiu Holzman como treinador principal e, em sua primeira temporada, a equipe teve um recorde de 44-38 e chegou à segunda rodada dos playoffs, onde foram derrotados pelo eventual campeão Philadelphia 76ers.[46] Na temporada seguinte, a equipe, ajudada pela nova aquisição, Bernard King, melhorou para 47-35 e retornou aos playoffs. A equipe derrotou o Detroit Pistons na primeira rodada, antes de perder na segunda rodada para os Celtics.[47] As lutas da equipe continuaram na temporada de 1984-85, quando perderam seus últimos 12 jogos para terminar com um recorde de 24-58.[48] A primeira dessas derrotas ocorreu em 23 de março de 1985, quando King machucou o joelho e passou os 24 meses seguintes em reabilitação.

1985–2000: Era Patrick EwingEditar

 
Patrick Ewing levou o Knicks para as finais em 1994 e 1999.

No verão de 1985, os Knicks entraram na primeira loteria do Draft da NBA. Os Knicks acabaram ganhando a escolha número um no Draft de 1985. Eles usaram a escolha para selecionar Patrick Ewing da Universidade de Georgetown. Na primeira temporada de Ewing com os Knicks, ele liderou todos os novatos em pontuação (20 pontos por jogo) e em rebotes (9 rebotes por jogo) além de ter ganho o Prêmio de Novato do Ano.[49] A equipe também não se sairia bem, já que enfrentou um recorde de 23-59 em sua primeira temporada.

Durante a segunda temporada de Ewing, a equipe começou com um recorde de 4–12 e o técnico Hubie Brown foi demitido em favor do assistente Bob Hill.[50] Sob o comando de Hill, os Knicks tiveram um breve sucesso, mas perderam 17 de seus 21 jogos finais da temporada para terminar com um recorde de 24-58 na temporada.[51] Hill foi demitido no final da temporada.

A equipe imediatamente se recuperou na temporada de 1987-88 com a contratação de Rick Pitino como treinador principal. Combinado com a seleção de Mark Jackson que ganhou o Prêmio de Novato do Ano e com o consistente desempenho de Ewing, os Knicks foram para os playoffs com um recorde de 38-44, onde foram derrotado pelos Celtics na primeira rodada.[52]

O ressurgimento continuou na temporada seguinte, quando a equipe trocou Bill Cartwright por Charles Oakley antes do início da temporada e depois registrou um recorde de 52-30, que foi bom o bastante para o primeiro título da divisão em dezoito anos e o quinto título da divisão na história da franquia.[53][54] Nos playoffs, eles derrotaram os 76ers na primeira rodada antes de perder para o Chicago Bulls nas semifinais da Conferência Leste.

Antes do início da temporada de 1989-90, Pitino partiu para treinar para a Universidade de Kentucky deixando muitos atordoados por sua saída. O assistente Stu Jackson foi nomeado como substituto de Pitino, tornando-se o décimo quarto treinador da equipe e o mais jovem treinador da NBA, na época, aos 32 anos de idade. Sob a direção de Jackson, o Knicks tiveram um recorde de 45-37 e derrotou os Celtics na primeira rodada dos playoffs, eles perderam para o eventual campeão da NBA, Detroit Pistons, na próxima rodada.[55] Jackson e os Knicks lutaram com um recorde de 7-8 para começar a temporada de 1990-91 e Jackson foi substituído por John MacLeod, que levou os Knicks a um recorde de 39-43 que foi bom o suficiente para levar a equipe a outra aparição nos playoff. Os Knicks foram varridos na primeira rodada pelo eventual campeão da NBA, Chicago Bulls.[56]

1991-1996: Os anos de Pat Riley / Don NelsonEditar

Após a conclusão da temporada, MacLeod deixou a equipe para se tornar o treinador principal da Universidade de Notre Dame. O presidente David Checketts entrou em contato com Pat Riley, que estava trabalhando como comentarista da NBC, para ver se ele estava interessado em voltar ao treinamento. Riley aceitou a proposta do Knicks em 31 de maio de 1991.[57] Riley, que treinou os Lakers para quatro títulos da NBA durante a década de 1980, implementou um estilo físico e áspero, enfatizando a defesa. Sob o comando de Riley, a equipe, liderada por Ewing e John Starks, que marcou 24 pontos e 13,9 pontos por jogo respectivamente, melhorou para um recorde de 51 vitórias, empatando em primeiro lugar na Divisão do Atlântico.[58] Depois de derrotar os Pistons na primeira rodada dos playoffs, a equipe enfrentou os Bulls, perdendo a série por 4-3.[59] A temporada de 1992-93 provou ser ainda mais bem-sucedida, já que os Knicks venceu a Divisão do Atlântico com um recorde de 60-22. Depois de derrotar o Indiana Pacers e Charlotte Hornets nas duas primeiras rodadas dos playoffs, os Knicks chegaram às finais da Conferência Leste, onde mais uma vez encontraram os Bulls e mais uma vez perderam.[60]

Depois que Michael Jordan fez o que seria sua primeira aposentadoria do basquete antes da temporada de 1993-94, muitos viram isso como uma oportunidade para os Knicks finalmente chegarem às finais da NBA. A equipe mais uma vez venceu a Divisão do Atlântico com um recorde de 57-25. Nos playoffs, eles começaram por derrotar o New Jersey Nets na primeira rodada antes de finalmente passarem pelos Bulls, derrotando-os na segunda rodada.[61][62] Nas finais da Conferência Leste, eles enfrentaram o Indiana Pacers, ganharam por 4-3 e alcançaram suas primeiras finais da NBA desde 1973.[63]

Nas Finais, os Knicks jogaram contra o Houston Rockets. Depois de dividir os dois primeiros jogos em Houston, os Knicks venceram dois dos três jogos no Madison Square Garden. No Jogo 6, os Rockets venceram por 86-84 e forçaram um Jogo 7. Os Knicks perdeu o Jogo 7 por 90-84, creditado em grande parte ao péssimo desempenho de John Starks e a recusa de Riley em retirar Starks, apesar de ter jogadores reservas que eram famosos como Rolando Blackman e Hubert Davis.[64] A derrota negou a Nova York a distinção de ter títulos da NBA e da NHL no mesmo ano (New York Rangers havia ganho a Stanley Cup).

No ano seguinte, os Knicks ficaram em segundo lugar na Divisão do Atlântico, com um recorde de 55-27. A equipe derrotou o Cleveland Cavaliers antes de enfrentar os Pacers novamente na segunda rodada. O tom da série Knicks-Pacers foi estabelecido no primeiro jogo, já que Reggie Miller se tornou um embaraço para os Knicks ao marcar oito pontos nos últimos oito segundos do jogo, dando aos Pacers uma vitória por 107-105.[65] A série foi para o Jogo 7 com os Pacers garantindo a vitória por 97-95.[66] Riley se demitiu no dia seguinte e a franquia contratou Don Nelson como seu novo treinador.[67]

Contudo, a abordagem de Nelson colidiu com a identidade defensiva do Knicks, e durante a temporada de 1995-96, Nelson foi demitido após 59 jogos[68] e, em vez de procurar outro treinador conhecido, os Knicks contrataram o antigo assistente, Jeff Van Gundy. A equipe acabou com um recorde de 47-35 naquele ano e varreu os Cavaliers na primeira rodada dos playoffs antes de perder para o eventual campeão Bulls.[69]

1996–2000: Os anos de Jeff Van GundyEditar

Na temporada de 1996-97, os Knicks registraram um recorde de 57-25. Nos playoffs, eles varreram o Charlotte Hornets na primeira rodada[70] antes de enfrentar o Miami Heat (treinado por Riley) na segunda rodada. Os Knicks tinham uma vantagem de 3-1 na série antes de uma briga perto do final do Jogo 5 resultar em suspensões de jogadores-chave. Muitos dos jogadores suspensos dos Knicks, Ewing em particular, foram disciplinados não por participar da briga em si, mas por violar uma regra da NBA que estipula que um jogador não pode sair do banco durante uma briga (a regra foi posteriormente alterada).[71] Com Ewing e Allan Houston suspensos para o Jogo 6, Larry Johnson e John Starks suspensos para o Jogo 7, e Charlie Ward suspenso por ambos, os Knicks perdeu a série.[72]

A temporada de 1997-98 foi marcada por uma lesão no pulso de Ewing em 22 de dezembro, que o obrigou a perder o resto da temporada e grande parte dos playoffs. A equipe, que teve um recorde de 43-39 naquela temporada, ainda conseguiu derrotar o Heat na primeira rodada (uma série que viu outra briga no final do jogo 4, desta vez entre Johnson e Alonzo Luto) dos playoffs antes de ter outra reunião com os Pacers na segunda rodada.[73] Ewing retornou a tempo para o Jogo dois da série. Desta vez, os Pacers venceram facilmente a série em cinco jogos, quando Reggie Miller mais uma vez quebrou o coração dos fãs dos Knicks ao acertar uma cesta de três pontos com 5.1 segundos restantes no Jogo 4.[74] Pelo quarto ano consecutivo, os Knicks foram eliminados na segunda rodada dos playoffs.

Antes da temporada encurtada de 1998–99, os Knicks trocaram Charles Oakley com o Toronto Raptors por Marcus Camby enquanto também negociavam John Starks em um pacote com o Golden State Warriors por Latrell Sprewell. Depois de entrar nos playoffs com um recorde de 27-23, os Knicks começaram um conto de Cinderela. Tudo começou com os Knicks eliminando o Heat na primeira rodada depois que Allan Houston fez o ponto da vitória com 0,8 segundos restantes no quinto jogo decisivo.[75] Esta virada notável marcou apenas a segunda vez na história da NBA que um time que teve 8° melhor campanha derrotou a equipe de melhor campanha nos playoffs da NBA. Depois de derrotar o Atlanta Hawks na segunda rodada,[76] eles enfrentaram os Pacers mais uma vez nas finais da Conferência Leste. Apesar de ter perdido Ewing devido a lesões antes do Jogo 3, os Knicks venceu a série para se tornar o primeiro time com a 8° melhor campanha a chegar às finais da NBA.[77] No entanto, nas finais, o San Antonio Spurs, com as superstars David Robinson e Tim Duncan, provou ser demais para os Knicks, que perdeu em cinco jogos.[78]

A temporada de 1999-2000 viria a ser a última de Ewing em Nova York. Os Knicks que tiveram um recorde de 50-32 naquela temporada, varreu o Toronto Raptors na primeira rodada e derrotou o Miami Heat em outra dramática série de 7 jogos.[79][80] No entanto, eles perderiam nas finais da Conferência Leste para o Indiana Pacers, liderado por Reggie Miller, em seis jogos.[81] Após a temporada, Ewing foi negociado para o Seattle SuperSonics, e a era Ewing, que produziu muitas aparições bem-sucedidas nos playoffs, mas nenhum título, chegou ao fim.[82]

2000–2003: QuedaEditar

 
O Madison Square Garden é a casa dos Knicks desde 1968.

Apesar da saida de Ewing, os Knicks permaneceu bem sucedido na temporada regular, já que eles tiveram um recorde de 48-34.[83] Na primeira rodada dos playoffs, no entanto, Nova York caiu para o Toronto Raptors em cinco jogos, não conseguindo passar da primeira rodada dos playoffs pela primeira vez em uma década. Apesar de seu recente sucesso, Van Gundy inesperadamente renunciou ao comando técnico em 8 de dezembro de 2001, explicando que "perdera o foco" e não seria mais capaz de treinar a equipe adequadamente. A equipe, que nomeou o antigo assistente Don Chaney como seu novo treinador, terminou a temporada com um recorde de 30-52 e pela primeira vez desde a temporada de 1986-87, não se classificou para os playoffs.[84]

Em outubro de 2002, a equipe decidiu estender o contrato de Chaney por mais um ano. Em vez de reconstruir, os Knicks optaram por adicionar veteranos ao elenco, incluindo Antonio McDyess, que lidava com problemas no joelho nos anos anteriores. Além disso, a equipe foi criticada por muitos analistas pois pagava altos salários para vários jogadores do elenco com desempenhos ruins, os problemas salariais persistiriam até que Donnie Walsh assumisse o cargo de presidente de equipe. McDyess machucou o joelho durante o terceiro jogo de pré-temporada da equipe e foi submetido a novas operações em abril de 2003, depois que uma tomografia computadorizada revelou que o joelho lesionado exigiu que ele fosse submetido à cirurgia de enxerto ósseo. Os Knicks conseguiram apenas sete vitórias em seus primeiros vinte jogos, definindo o tom para o resto da temporada, que eles completaram com um recorde de 37-45; foi a segunda temporada consecutiva sem uma aparição nos playoffs.[85]

2003–2008: Era Isiah ThomasEditar

Depois de um início de 10-18 na temporada de 2003-04, os Knicks passaram por uma grande reforma. Isiah Thomas foi nomeado presidente da franquia em 22 de dezembro de 2003. Thomas continuou a reestruturar a equipe, contratando Lenny Wilkens para treinar a equipe. Além disso, Thomas orquestrou vários negócios, incluindo um que trouxe o armador Stephon Marbury para a equipe. A equipe se classificou para os playoffs naquele ano com um recorde de 39-43, mas foi varrido pelo New Jersey Nets na primeira rodada.[86] Na temporada seguinte, os Knicks tinha um recorde de 17-22 antes de Wilkens renunciar ao comando técnico. Herb Williams, que já havia treinado a equipe em um jogo contra o Orlando Magic antes da contratação do Wilkens, assumiu como treinador interino no restante da temporada e não se saiu muito melhor, já que a equipe terminou a temporada com um recorde de 33-49 e fora dos playoff.[87]

 
Isiah Thomas treinando os Knicks

Na esperança de encontrar um líder que pudesse colocar a equipe de volta aos trilhos, Nova York contratou Larry Brown para treinar a equipe. Brown, que idolatrava a equipe durante sua infância, era bem visto por sua capacidade e sua chegada trouxe uma sensação de esperança para a franquia. Na esperança de encontrar o próximo Patrick Ewing, os Knicks recrutaram os Pivôs Channing Frye, Jerome James e Eddy Curry, o primeiro antes da temporada e o último durante a temporada. Com uma folha de pagamento inchada, os Knicks tiveram o segundo pior recorde da temporada com 23-59. A temporada terminou com a demissão e o buy-out de 18,5 milhões de dólares do técnico Larry Brown depois de uma temporada.[88]

Com a saída de Brown, o presidente da equipe, Isiah Thomas, assumiu as responsabilidades de treinador. Thomas continuou sua prática de contratar jogadores por contratos de altos valores enquanto a franquia se esforçava para capitalizar seu talento na quadra. A equipe melhorou em dez jogos na temporada de 2006-07, apesar das lesões que devastaram a equipe no final do ano; Eles terminaram com um recorde de 33-49, evitando uma temporada de 50 derrotas ao derrotar o Charlotte Bobcats por 94-93 no último dia da temporada.[89]

Durante o período de entressafra de 2007, a organização ficou envolvida em mais controvérsias fora das quadras. Anucha Browne Sanders, ex-executiva da equipe, entrou com uma ação de assédio sexual contra Isiah Thomas. No julgamento, ele foi considerado culpado e foi obrigado a pagar US $ 11,6 milhões em indenizações punitivas, embora isso tenha sido reduzido para US $ 11,5 milhões em um acordo entre as duas partes.[90] A provação revelou-se embaraçosa para a franquia, revelando detalhes sórdidos sobre a gestão dos Knicks e o ambiente no Madison Square Garden. Os Knicks foram mal no começo da Temporada de 2007–08 com um recorde de 2-9, deixando muitos torcedores frustrados com a falta de progresso da franquia sob o comando de Thomas, pedindo a demissão do técnico - o canto "Fire Isiah" se tornou uma ocorrência comum durante os jogos em casa.[91] Em 29 de novembro de 2007, os Knicks receberam uma das suas piores derrotas em sua história pelo Boston Celtics, com um placar final de 104-59.[92] Nova York teve seu pior recorde de todos os tempos com 23-59.[93]

2008–2010: ReconstruçãoEditar

 
Os Knicks em ação no Madison Square Garden na temporada de 2008-09.

O presidente do MSG, James Dolan, contratou o ex-presidente do Indiana Pacers, Donnie Walsh, em 2 de abril de 2008 para assumir o papel de Isiah Thomas como presidente de equipe.[94] Na coletiva de imprensa introdutória, Walsh, embora não proclamou ser um salvador, estabeleceu metas, que incluíam colocar a equipe sob o teto salarial e trazer de volta um ambiente competitivo. Após a conclusão da Temporada de 2007–08, Walsh demitiu Thomas, e em 13 de maio de 2008, oficialmente nomeou Mike D'Antoni como treinador principal. D'Antoni assinou um contrato de quatro anos no valor de US $ 24 milhões para treinar a equipe.[95] Os Knicks, tendo a sexta escolha no Draft de 2008, selecionou Danilo Gallinari em 20 de maio de 2008.[96]

 
Mike D'Antoni, treinador dos Knicks de 2008 a 2012

Apesar de um elenco volátil, os Knicks melhoraram em nove vitórias em relação à temporada anterior, terminando em 32-50, coincidindo com o surgimento de David Lee, que liderou a liga com 65 duplos-duplos, e o desenvolvimento contínuo de Nate Robinson e Wilson Chandler.[97]

No Draft de 2009, os Knicks selecionaram Jordan Hill na 8° escolha geral.[98] Os Knicks tiveram seu pior início de dez jogos na história da franquia, produzindo nove derrotas e apenas uma vitória. Os Knicks respondeu vencendo nove jogos e perdendo seis em dezembro. Em 24 de janeiro de 2010, os Knicks sofreu sua pior derrota em casa na história do Madison Square Garden contra o Dallas Mavericks por uma diferença de 50 pontos.[99]

Na temporada seguinte, depois de muitas negociações que deixaram a equipe um espaço em salários de US $ 30 milhões, eles foram eliminados da disputa dos playoffs no final de março de 2010 e completaram sua temporada com um recorde de 29-53, uma regressão de sua primeira temporada sob o comando de D'Antoni.[100]

2010–2013: Chegada de Carmelo AnthonyEditar

 
Carmelo Anthony, um All-Star, jogou pelos Knicks de 2011 a 2017

Os Knicks chegaram a um acordo com Amar'e Stoudemire em 5 de julho de 2010. A assinatura e o acordo comercial foram oficializados em 8 de julho, quando Stoudemire concordou com um contrato de aproximadamente US $ 100 milhões ao longo de cinco anos.[101] O presidente da equipe, Donnie Walsh, declarou a assinatura de Stoudemire como um ponto de virada para o futuro da equipe. Os Knicks também fechou negócios com Raymond Felton e Timofey Mozgov, entre outros. Os Knicks recuperou seu título como a franquia mais valiosa da NBA após essas aquisições, embora isso se devesse principalmente à chegada de Stoudemire, cujo poder de estrela permitiu que a equipe ressurgisse; os Knicks vendeu seu inventário de ingressos para toda a temporada pela primeira vez desde 2002.

D'Antoni, juntamente com Stoudemire e o núcleo de jovens jogadores, incluindo Raymond Felton, Danilo Gallinari, Timofey Mozgov, Wilson Chandler e Landry Fields, levaram a equipe até um recorde de 28-26 antes do pausa para o All-Star Game. Apesar do crescente sucesso da equipe, Nova York fez um esforço para adquirir Carmelo Anthony. Após meses de especulação, em 22 de fevereiro de 2011, Anthony foi negociado para Nova York, com os colegas Chauncey Billups, Shelden Williams, Anthony Carter e Renaldo Balkman em troca de Felton, Danilo Gallinari, Wilson Chandler, Mozgov, Kosta Koufos, uma escolha de primeiro rodada no Draft de 2014 e US $ 3 milhões em dinheiro.[102] Além disso, os Knicks enviaram Anthony Randolph e Eddy Curry para o Minnesota Timberwolves e, em troca, Corey Brewer dos Timberwolves foi enviado aos Knicks.

 
Amar'e Stoudemire, Novato do Ano de 2003, jogou pelos Knicks de 2010 até 2015
 
Tyson Chandler jogou pelos Knicks de 2011 a 2014, ganhando o prêmio de Jogador Defensivo do Ano.

Os Knicks conquistaram sua primeiro vaga nos playoffs desde 2004 depois de uma vitória do Cleveland Cavaliers em 3 de abril de 2011. Carmelo Anthony garantiu a primeira temporada vitoriosa da franquia desde 2001 em 10 de abril de 2011 após uma vitória contra o Indiana Pacers onde ele fez cesta vencedora do jogo.[103] Os Knicks foram eliminados na primeira rodada pelo Boston Celtics por 4-0.[104] Apesar dos esforços bem sucedidos de Donnie Walsh para ajudar a reconstruir a franquia, ele decidiu se demitir no final de junho de 2011, citando a incerteza em torno de sua capacidade de continuar a gerenciar as operações diárias da equipe. Glen Grunwald foi nomeado presidente interino e gerente geral.[105]

Após a conclusão do Locaute da NBA de 2011, os Knicks se envolveu em um acordo de negociação com os Mavericks por Tyson Chandler em 10 de dezembro de 2011, com Chandler assinando um contrato de quatro anos no valor de aproximadamente US $ 58 milhões.[106] Em troca, os Knicks enviaram Andy Rautins para os Mavericks. Para se adequar ao teto salarial de Chandler, Chauncey Billups foi dispensado. Para substituir Billups como armador, eles contrataram Mike Bibby para um contrato mínimo de um ano como veterano. Posteriormente, o novato Iman Shumpert foi alçado ao posto de armador titular.

 
Jeremy Lin foi um jogador surpresa que saiu do banco durante a temporada de 2011-12.

Com o Knicks lutando por um recorde de 8-15, D'Antoni colocou o armador Jeremy Lin na rotação contra o New Jersey Nets em 4 de fevereiro de 2012. Lin marcou 25 pontos e fez 7 assistências na vitória dos Knicks. Lin foi elogiado por sua habilidade de facilitar o ataque, algo que o Knicks tinha lutado para fazer nos primeiros 23 jogos da temporada. Lin, superando as expectativas, foi nomeado titular dos Knicks após um jogo contra o Utah Jazz. Lin guiou o Knicks a uma sequência de sete vitórias, apesar de ficar sem Anthony e Amar'e Stoudemire por cinco jogos devido a uma lesão na virilha e uma morte na família, respectivamente A onda de jogadas positivas dos Knicks, acompanhada pelo desempenho de Lin, causou uma extensa cobertura da mídia nacional e mundial que foi chamada de "Linsanity".[107] Para aumentar sua profundidade e porcentagem de arremessos no perímetro, o Knicks assinou com J.R. Smith em 18 de fevereiro de 2012. Depois de perder sete dos oito jogos, o técnico Mike D'Antoni renunciou em 14 de março de 2012. O assistente Mike Woodson foi nomeado o treinador interino.

 
Mike Woodson, treinador dos Knicks de 2012 a 2014

Sob o comando de Woodson, os Knicks terminou 18-6 durante a temporada regular e conquistou um lugar nos playoff pelo segundo ano seguido, tornando-se a primeira vez desde 2001. Eles não apenas conquistaram consecutivas temporadas vencedoras pela primeira vez em uma década, mas seu recorde de 36-30 foi a maior porcentagem de vitórias para a equipe desde a temporada de 2000-01. Eles enfrentaram o Miami Heat na primeira rodada dos playoffs e perdeu os três primeiros jogos, quebrando o recorde da NBA para o maior período de derrota nos playoffs de 13 jogos. As lutas da equipe foram parcialmente atribuídas a contusões, já que Jeremy Lin, Baron Davis e Iman Shumpert foram afastados por problemas no joelho. Os Knicks venceram o Jogo 4 e quebraram o recorde, porém, eles perderam o Jogo 5 e foram eliminados.[108] Apesar da decepcionante pós-temporada da equipe, os Knicks removeu o status provisório de Woodson e ele foi nomeado oficialmente como treinador em tempo integral em 25 de maio de 2012.[109]

Os Knicks começou a temporada selecionando o grego Kostas Papanikolaou no Draft de 2012.[110] Uma semana depois, a equipe chegou a um acordo com o veterano armador Jason Kidd, que deveria ser reserva de Lin. Os Knicks também re-assinaram com os agentes livres JR Smith e Steve Novak além de acrescentar mais jogadores ao elenco como James White, Chris Copeland e o argentino Pablo Prigioni. No entanto, os Knicks perderam Landry Fields para o Toronto Raptors e Jeremy Lin para o Houston Rockets, que foram os dois principais jogadores na temporada de 2011-12. Apesar dessas perdas, os Knicks continuou a adicionar jogadores ao elenco, contratando Ronnie Brewer em 25 de julho de 2012 e assinando com Chris Smith, o irmão mais novo de JR Smith, em 1 de agosto de 2012. Também foi anunciado que Rasheed Wallace sairia da aposentadoria para jogar pelo Knicks em 2 de outubro de 2012.

Apesar de jogar sem um lesionado Iman Shumpert e Amar'e Stoudemire, os Knicks compilaram um recorde de 18-5 no começo da temporada, o melhor começo desde 1993. A equipe terminou o mês de novembro com um recorde de 11-4, seu melhor recorde desde 11-6 em março de 2000. No intervalo do All-Star Game em meados de fevereiro de 2013, os Knicks tinham um recorde de 32-18 na 2° posição da Conferência Leste. Em 9 de abril, os Knicks venceram o Washington Wizards para garantir o título da Divisão do Atlântico pela primeira vez desde a temporada de 1993-94.[111] Em 3 de maio, os Knicks derrotou o Boston Celtics na primeira rodada dos playoffs da NBA, sua primeira vitória em uma eliminatória nos playoffs desde 2000.[112] Em 18 de maio, os Knicks foram eliminados na segunda rodada dos playoffs para o Indiana Pacers por 4-2.[113]

O armador Jason Kidd se aposentou após o final da temporada - ele foi nomeado treinador do Brooklyn Nets alguns dias depois. No Draft de 2013, os Knicks selecionaram Tim Hardaway Jr. como a 24ª escolha geral.[114] Durante o período de entressafra de 2013, Eles re-assinaram com J. R. Smith um contrato de US $ 18 milhões por 3 anos e trocaram Quentin Richardson, Steve Novak, Marcus Camby e três escolhas de draft para adquirir Andrea Bargnani do Toronto Raptors.

2013–2017: Era Phil JacksonEditar

Os Knicks também viu mudanças em sua administração no final de 2013 com o gerente geral Glen Grunwald sendo substituído pelo ex-presidente do MSG, Steve Mills. Os Knicks também comprou uma equipe da D-League localizada em White Plains, que iniciou suas operações no início da temporada de 2014-15.[115] Os Knicks nomearam o ex-treinador, Phil Jackson, como presidente das operações de basquete, com Mills permanecendo como gerente geral, os dois trabalhando diretamente sob o comando do presidente do MSG, James Dolan. Após a temporada de 2013-14, o técnico Mike Woodson e toda sua equipe foram demitidos e foram substituídos por Derek Fisher.[116] A equipe terminou a temporada com um decepcionante recorde de 37-45 em nono na Conferência Leste,[117] mas foi a temporada em que Carmelo Anthony estabeleceu os recordes de pontuação de sua carreira, dos Knicks e do Madison Square Garden em um único jogo. Anthony registrou 62 pontos e 13 rebotes em uma vitória contra o Charlotte Bobcats.[118]

 
Os Knicks teve seu pior recorde de temporada regular sob a administração de Phil Jackson, que atuou como presidente da franquia de 2013 a 2017.

Em 2014, a revista Forbes divulgou seus rankings de valor de franquia para as equipes da NBA e listou os Knicks como a organização de basquete mais valiosa do mundo em US $ 1,4 bilhão, superando o Los Angeles Lakers em US $ 50 milhões.

Em 26 de junho, como parte do Draft, os Knicks escolheram Cleanthony Early como a 34ª escolha geral e Thanasis Antetokounmpo como a 51ª escolha geral.[119] Nessa temporada, os Knicks iriam estabelecer um recorde da franquias de 13ª derrotas consecutivas, perdendo por 101-91 para o Washington Wizards, dando a Nova York sua mais longa sequencia de derrotas na história da franquia. Este recorde foi estendido para a 16ª derrota consecutiva, depois da derrota contra o Milwaukee Bucks em Londres. A equipe terminaria a temporada de 2014-15 com um recorde de 17-65, o pior recorde na história da franquia, e permitiu que eles ganhassem a 4ª seleção geral no próximo draft.[120]

Em 24 de junho de 2015, os Knicks selecionou Kristaps Porziņģis como a quarta escolha geral no draft e trocou Tim Hardaway Jr. com o Atlanta Hawks em troca de Jerian Grant, a 19ª escolha geral.[121] No meio de mais uma temporada perdida, Fisher foi dispensado de seus deveres de treinador, com Kurt Rambis sendo nomeado treinador interino com a equipe terminando a temporada com um recorde de 32-50.[122][123] Jeff Hornacek foi então contratado como o novo treinador.[124]

Em 22 de junho, o ex-MVP Derrick Rose, foi negociado, junto com Justin Holiday e uma escolha de segunda rodada do Chicago Bulls, para Nova York, em troca de Robin Lopez, José Calderón e Grant. Os Knicks também assinaram com Joakim Noah, Brandon Jennings e Courtney Lee em contratos no valor total de 127 milhões de dólares. A franquia acabou se separando de Jackson após três anos como presidente das operações de basquete. Sob a presidência de Jackson, os Knicks ficou com um recorde combinado de 80-166 e falhou em não ir a três playoffs consecutivos.[125]

Em seu último ato antes de deixar os Knicks, Jackson selecionou Frank Ntilikina com a oitava escolha geral, Damianean Dotson com a 44ª escolha geral e Ognjen Jaramaz com a 58ª escolha geral no Draft da NBA de 2017.[126]

2017 – Presente: Pós-Anthony e reconstruçãoEditar

Após a saída de Jackson, os Knicks nomearam Scott Perry como gerente geral.[127] A franquia também viu Carmelo Anthony exigindo uma troca da equipe, o que representou uma dificuldade tanto para o jogador quanto para a franquia devido a uma cláusula de não negociação inserida no contrato. Originalmente, as únicas equipes para as quais ele renunciaria cláusulas comerciais eram para o Cleveland Cavaliers e o Houston Rockets, com o primeiro sendo removido das discussões devido a conflitos internos. Anthony pretendia se juntar aos Rockets, com uma troca de três vias com o Portland Trail Blazers, envolvendo Ryan Anderson. Os Knicks recebeu Enes Kanter, Doug McDermott e uma escolha na segunda rodada de 2018 em troca de Anthony em 25 de setembro de 2017,[128] além de posicionar Kristaps Porziņģis como a nova peça central da franquia.

A equipe também assinou contrato com Tim Hardaway Jr. de US $ 71 milhões por quatro anos, além de um contrato mínimo de um ano com Michael Beasley. No entanto, a temporada terminou mal de novo com um recorde de 29-53.[129] Isso fez com que os Knicks se separasse do treinador Jeff Hornacek e contratassem o ex-técnico do Memphis Grizzlies, David Fizdale.[130]

Em 15 de maio de 2018, os Knicks receberam a nona escolha geral no Draft de 2018 e selecionaram Kevin Knox da Universidade de Kentucky. A equipe também adquiriu Mitchell Robinson com a 36ª escolha geral e assinou com Mario Hezonja um contrato de US $ 6,5 milhões por um ano.[131]

Logotipos e uniformesEditar

1946-1964: KnickerbockerEditar

O primeiro logo do New York Knicks é de um personagem chamado "Father Knickerbocker" com uma bola de basquete nas icônicas cores azul e laranja. Foi projetado pelo cartunista do New York World-Telegram, Willard Mullin.[132] Desde o início, os uniformes de casa dos Knicks são em branco com detalhes em azul e laranja, enquanto os uniformes fora de casa são em azul com detalhes em laranja e branco. As primeiras iterações contêm letras monótonas em letras azuis (casa) e laranjas (fora), com a adição de um padrão xadrez em meados da década de 1950.

1964-1992: RoundballEditar

Os Knicks introduziriam um logotipo icônico que duraria pelas próximas três décadas. Projetado por Bud Freeman, a palavra "Knicks" sobreposta a uma bola de basquete marrom é conhecida como "Logotipo clássico de Roundball", com pequenas alterações durante toda a sua vida útil.

Um logotipo alternativo com o nome completo da equipe dentro de uma bola de basquete laranja foi usado durante o final dos anos 1960 e na década de 1970. Quando os anos 60 começaram, os Knicks atualizaram seus uniformes novamente. Desta vez, as letras são em fontes serifadas, as letras azuis e números nos uniformes da casa agora são cortados em laranja, enquanto nos uniformes fora de casa são em branco monótono. Listras laterais também foram adicionadas ao uniforme. O monograma 'NY' está na perna esquerda do calção.

1968-1979; 1983-1997: uniformes da época dos títulosEditar

Os Knicks revelaram um uniforme que permaneceria por três décadas. Este uniforme, com um arco de 'NEW YORK' em letras serifadas e em laranja, seria o uniforme usado durante as temporadas do título de 1970 e 1973; no entanto, eles não foram introduzidos simultaneamente.

Os uniformes da casa estreariam em 1968, enquanto os uniformes de viagem estreavam no ano seguinte. Uma característica notável era que o nome do jogador estava em letras retas em arco, meticulosamente projetado por Gerry Cosby e sua empresa de artigos esportivos.

Nos shorts, não havia nenhum logotipo durante a maior parte da década de 1970, mas durante a temporada de 1978-79, as listras laterais foram eliminadas e o logotipo 'NY' interligado dentro de uma maçã foi colocado em seu lugar. Quando o uniforme foi reintegrado para a temporada 1983-84, agora apresentava o número do jogador e o logotipo 'NY' interligado, além do retorno das listras laterais. As variações do 'Roundball Logo' substituíram o logo 'NY' de 1991 a 1997.

Desde a temporada de 1991-92, vários outfitters como Champion, Puma, Reebok, Adidas e Nike assumiram o uniforme. Enquanto os nomes dos jogadores reverteram para um arco radial e adicionaram serifas.

1979-1983: uniformes da era MaroonEditar

No início dos anos 80, os Knicks mudaram radicalmente seus uniformes. O Azul royal e o laranja foram substituídos por marinho e marrom. Durante este período, os uniformes da casa apresentavam o nome da equipe abaixo do número, tanto em marrom quanto em uma fonte estilizada e fluida. O logotipo 'NY' interligado com a adição de números de jogadores e listras laterais durante a temporada de 1981-82.

1992-2012: Novos uniformesEditar

Antes da temporada de 1992-93, os Knicks atualizaram seu 'Roundball Logo' para sua forma atual, com a palavra 'Knicks' em uma fonte futurista, novamente sobreposta a uma bola de basquete, com um triângulo prateado acentuando o visual. O logotipo "New Look" foi desenhado por Tom O'Grady.

Para a temporada de 1995-96, o nome da cidade em um roteiro futurista foi adicionado ao topo do logo, enquanto um logotipo alternativo com a sigla 'NYK' foi introduzido. O preto também foi introduzido como uma cor de destaque. O logotipo foi adicionado enquanto os uniformes da 'Championship Era' ainda estavam em uso, mas durante a temporada de 1995-96, os Knicks revelaram um uniforme alternativo azul, desta vez com faixas laterais pretas e o logo mencionado acima. Uma versão branca em casa deste uniforme foi introduzida para a temporada de 1997-98, efetivamente retirando os uniformes da era dos títulos.

Na temporada de 2001-02, as listras laterais foram estreitadas, enquanto o logo foi movido para a parte de trás do uniforme.

2012 – Presente: era modernaEditar

Os Knicks atualizaram seu "New Look Logo", desta vez eliminando a cor preta do esquema. Eles ainda usaram o uniforme anterior durante a temporada de 2011-12, mas para a temporada de 2012–13, os Knicks revelaram novos uniformes inspirados em seus uniformes 'Championship Era'. Um script mais sutil e arrojado de "Nova York" foi introduzido, a frase "Once A Knick, Always A Knick" é adicionado no colarinho do uniforme. Além disso, uma versão atualizada do seu logo secundário dos anos 70, desta vez apresentando apenas o nome da equipe, foi introduzido.[133]

Em 25 de outubro de 2013, os Knicks revelaram um uniforme laranja alternativo, que é essencialmente uma imagem espelhada dos uniformes azuis, mas com laranja como a cor primária e azul e branco como cores de acabamento.

A partir da temporada de 2017-18, a Nike é a nova fornecedora de uniformes da NBA. Sob a Nike, as designações uniformes "home" e "away" foram eliminadas, e em seu lugar estavam o conjunto "Association" branco, o conjunto "Icon" de cores primárias, o conjunto "Statement" de cores alternadas e o conjunto "City" anual que será usado em casa ou fora. Os Knicks mantiveram a sua "Association" branca e os uniformes azuis "Icon" quase intactos, com apenas algumas alterações.[134] O uniforme "Statement" dos Knicks também é branco, mas com acabamento branco adicional nas letras e faixas e um tom azul mais escuro.[135]

Uniformes especiaisEditar

Os Knicks também usaram uniformes especiais todo mês de março como parte dos eventos Noche Latina da NBA e durante o Dia de São Patrício. Os uniformes durante a Noche Latina eram originalmente brancos com acabamentos azuis e laranja com a única exceção sendo Nueva York na frente. Os uniformes do Dia de São Patrício usavam o modelo de uniforme fora de casa, exceto pelo verde substituindo a base azul. Estes uniformes também foram usados ​​no Dia de Natal da temporada de 2009-10. Os uniformes do St. Patrick foram arquivados após a temporada de 2011-12.

No Dia de Natal de 2012, os Knicks usavam uniformes monocromáticos conhecidos como 'Big Color'. Os uniformes são principalmente laranja, com enfeites azuis. No ano seguinte, os Knicks usavam uniformes laranja de manga, conhecidos como "Big Logo", com um logotipo Knicks cromado na frente. Para a edição de 2014, os Knicks usaram uma variação de seus uniformes de casa, com o logotipo da equipe na frente e o primeiro nome do jogador em uma placa de identificação azul abaixo do número. O jogo do Dia de Natal de 2016 contra os Celtics fez com que os Knicks usassem um uniforme todo-azul sem faixas adicionais, com letras e números em letras de fantasia.

Como parte de seu acordo com a Nike, um uniforme especial "City" seria usado para homenagear a cultura local ou as tradições da equipe. O uniforme "City" dos Knicks da temporada de 2017-18, que é azul-marinho com detalhes em laranja e cinza e possui um emblema contendo o nome da equipe, uma escada com a silhueta de um bombeiro, um hidrante e a abreviação "N.Y.C." para New York City, presta homenagem aos bombeiros da cidade e suas famílias. Foi projetado em colaboração com os Knicks, a NBA, a Nike e a Uniformed Firefighters Association.[136]

Arena / GinásioEditar

Elenco AtualEditar

New York Knicks
Jogadores Comissão Técnica
Estrela(s) do time: 
Pos. # País Nome Altura Peso Universidade/País
G 0   Kadeem Allen 1 91 m 98 kg Arizona
G 1   Emmanuel Mudiay 1 96 m 91 kg Prime Prep Academy (TX)*
F/C 2   Luke Kornet 2 16 m 113 kg Vanderbilt
G/F 3   Billy Garrett 1 98 m 98 kg DePaul
F 4   Isaiah Hicks 2 06 m 104 kg North Carolina
G 5   Dennis Smith Jr. 1 96 m 88 kg NC State*
C 6   DeAndre Jordan 2 11 m 120 kg Texas A&M
F 8   Mario Hezonja 2 03 m 102 kg Croácia
SG 9   RJ Barrett 2 01 m 92 kg Duke
G 11   Frank Ntilikina 1 98 m 91 kg França
F 13   Henry Ellenson 2 11 m 111 kg Marquette*
G 14   Allonzo Trier 1 96 m 91 kg Arizona
SF 17   Iggy Brazdeikis 2 01 m 98 kg Michigan
F 20   Kevin Knox 2 06 m 98 kg Kentucky*
G 21   Damyean Dotson 1 98 m 95 kg Houston
C 26   Mitchell Robinson 2 16 m 109 kg Chalmette HS*
G 30   John Jenkins 1 93 m 98 kg Vanderbilt
F 32   Noah Vonleh 2 06 m 113 kg Indiana
F 42   Lance Thomas 2 03 m 109 kg Duke
Treinador
Assistente(s) Técnico(s)



Legend
  • (C) Capitão
  • (DP) Escolha de Draft sem-assinatura
  • (FA) Free agent
  • (S) Suspenso
  • (DL) Na atribuição no afiliado na D-League
  •   Machucado

ElencoTransações
Última transação: 28/06/2019

Direitos de draftEditar

Os Knicks detêm os direitos de draft para as seguintes escolhas que jogam fora da NBA. Um jogador selecionado, seja internacional ou da faculdade, que não tenha contrato pela equipe que o recrutou, tem permissão para assinar com qualquer equipe que não seja da NBA. Nesse caso, a equipe reterá os direitos de Draft do jogador na NBA até um ano após o término do contrato do jogador com a equipe que não pertence à NBA.[137] Esta lista inclui direitos de rascunho que foram adquiridos de negociações com outras equipes.

Draft Rodada Escolha Jogador Pos. Nacionalidade Time atual Notas Ref
2017 2 58 Ognjen Jaramaz G Sérvia Miraflores (Espanha) [138]
2014 2 57 Louis Labeyrie F/C França Valencia (Espanha) Adquirido do Indiana Pacers [139]
2009 2 56 Ahmad Nivins F Estados Unidos Agente livre Adquirido do Dallas Mavericks [140]

Hall da Fama do BasqueteEditar

New York Knicks Hall da Fama do Basquete
Players
Nome Posições Temporadas Ano da eleição Nome Posições Temporadas Ano da eleição
6 Tom Gola G/F 1962–1966 1976 10 Walt Frazier PG 1967–1977 1987
11 Harry Gallatin F/C 1948–1957 1991 15 Earl Monroe G 1972–1980 1990
15 Dick McGuire G 1949–1957 1993 19 Willis Reed C 1964–1974 1982
22 Dave DeBusschere PF 1969–1974 1983 24 Bill Bradley SF/SG 1967–1977 1982
32 Jerry Lucas C 1971–1974 1980 33 Patrick Ewing C 1985–2000 2008
Management
Número Nome Posições Temporadas Ano de eleição Número Nome Posições Temporadas Ano de eleição
613 Red Holzman Treinador 1967–1977, 1978–1982 1986 Hubie Brown Treinador 1982–1986 2005
Larry Brown Treinador 2005–2006 2002 Pat Riley Treinador 1991–1995 2008
Lenny Wilkens Treinador 2004–2005 1998

Números aposentadosEditar

New York Knicks números aposentados
Jogador Posição Época que jogou N° aposentado
10 Walt Frazier G 1967–77 December 15, 1979
12 Dick Barnett G 1965–74 March 10, 1990
15 Earl Monroe G 1972–80 March 1, 1986
Dick McGuire G 1949–57 March 14, 1992
19 Willis Reed C 1964–74 October 21, 1976
22 Dave DeBusschere F 1969–74 March 24, 1981
24 Bill Bradley F 1967–77 February 18, 1984
33 Patrick Ewing C 1985–2000 February 28, 2003
613 Red Holzman 1967–77, 1978–82 March 10, 1990

StaffEditar

GestãoEditar

Presidentes de equipeEditar


Presidentes Tempo
Ned Irish 1946–1974[141]
Mike Burke 1974–1982[142]
Jack Krumpe 1982–1986
Richard Evans 1986–1991[143][144]
Dave Checketts 1991–1996
Ernie Grunfeld 1996–1999
Scott Layden 1999–2004
Isiah Thomas 2004–2008
Donnie Walsh 2008–2011
Glen Grunwald 2011–2013
Steve Mills 2013–2014[154]
Phil Jackson 2014–2017[163]
Steve Mills 2017–Presente

DonosEditar

Donos Tempo
Madison Square Garden Corporation 1946–1977[145]
Gulf+Western 1977–1994
Viacom 1994
ITT Corporation and Cablevision 1994–1997
Cablevision 1997–2010
The Madison Square Garden Company 2010–Presente

RivalidadesEditar

Boston CelticsEditar

O New York Knicks e o Boston Celtics são duas das três equipes restantes da NBA original de 1946 (a outra é a Golden State Warriors). A rivalidade deriva da antiga rivalidade entre as cidades de Nova York e Boston, assim como a rivalidade dos Yankees-Red Sox. O fato de Boston e Nova York estarem a apenas 190 milhas de distância contribui para isso, o que também é visto na rivalidade de Jets-Patriots.

As equipes se encontraram nove vezes na pós-temporada e detém um recorde geral de 323-211 em favor dos Celtics.[146]

Brooklyn NetsEditar

O Brooklyn Nets, antigamente o New Jersey Nets, é o rival mais próximo dos Knicks geograficamente. Ambas as equipes jogam em Nova York, com os Knicks em Manhattan e os Nets no Brooklyn.

Os meios de comunicação notaram a semelhança da rivalidade dos Knicks-Nets com os de outras equipes da cidade de Nova York, como a rivalidade entre o New York Yankees e o New York Mets da MLB, devido à proximidade de ambos os bairros. Historicamente, os bairros de Manhattan e Brooklyn competiam através da rivalidade Dodgers-Giants, quando as duas equipes eram conhecidas como Brooklyn Dodgers e New York Giants. Como os Knicks e os Nets, os Giants e os Dodgers jogaram em Manhattan e no Brooklyn, respectivamente, e foram ferozes rivais de divisões.[147] A rivalidade entre o New York Islanders e New York Rangers da NHL também tem essa distinção quando os Islanders se mudaram para o Brooklyn em 2015.[148]

Devido aos Knicks e Nets estarem localizados nos bairros de Manhattan e Brooklyn, alguns meios de comunicação apelidaram esta rivalidade de "Clash of the Boroughs".

Os Knicks e Nets se enfrentaram nos playoffs três vezes, com o Knicks vencendo dois dos três encontros. O Knicks derrotou o Nets nos playoffs em 1983 e 1994, enquanto o Nets venceu seu mais recente encontro em 2004. Eles detêm um recorde geral de 99-98 em favor dos Knicks.[149]

Chicago BullsEditar

Os Knicks têm uma forte rivalidade com o Chicago Bulls. O período mais intenso da rivalidade foi durante o final dos anos 80 e início dos anos 90, quando ambas as equipes eram grandes competidoras nos playoffs. Essa intensidade deveu-se a uma variedade de fatores: a grande freqüência em que as equipes competiam entre si em séries de playoffs, jogadores conhecidos como Michael Jordan, Scottie Pippen, Patrick Ewing e John Starks e a reputação das respectivas cidades.

A rivalidade estava adormecida durante boa parte dos anos 2000, com as duas equipes se reconstruindo após as aposentadorias de Patrick Ewing e Michael Jordan.

Eles detêm um recorde geral de 142-116 em favor dos Bulls.[150]

Indiana PacersEditar

A rivalidade entre o New York Knicks e o Indiana Pacers começou em 1993 e rapidamente se tornou uma das mais amargas da história da NBA. Eles se enfrentaram nos playoffs seis vezes entre 1993 e 2000, alimentando uma rivalidade simbolizada pela inimizade entre Reggie Miller e o proeminente fã dos Knicks, Spike Lee. A rivalidade deu Miller o apelido de "The Knick-Killer". Suas performances foram freqüentemente seguidas por sinais de estrangulamento em Lee, adicionando combustível à rivalidade. A rivalidade foi renovada durante as semi-finais da Conferência Leste dos Playoffs de 2013, com Indiana levando a série por 4-2.

Eles detêm um recorde geral de 109-103 em favor dos Knicks.[151]

Miami HeatEditar

O Miami Heat foi um dos mais fortes inimigos inter divisionais do New York Knicks. As duas equipes se encontraram nos playoffs todos os anos entre 1997 a 2000, com todas as séries sendo disputadas até o número máximo de jogos. Pat Riley, o treinador do Miami Heat na época, serviu como treinador do Knicks de 1991 a 1995 e levou o Knicks para as finais da NBA de 1994. Durante esse período de quatro anos, o Heat e o Knicks venceram duas séries de playoffs entre si.

As duas equipes se encontraram novamente na primeira rodada dos Playoffs da NBA de 2012. Os Heat venceu a série por 4-1 e mais tarde ganhou as finais da NBA de 2012.

Estatísticas geraisEditar

Estatísticas atualizadas em 28 de junho de 2019.

JogosEditar

# Nome Período Jogos
1 Patrick Ewing 1985-2000 1.039
2 Walt Frazier 1967–1977 759
3 Bill Bradley 1967-1977 742
4 Carl Braun 1947–1962 740
5 Phil Jackson 1967–1978 732
6 Charles Oakley 1988–1998 727
7 Trent Tucker 1982–1991 663
8 Willis Reed 1964–1974 650
9 Harry Gallatin 1948–1957 610
10 Dick Barnett 1965–1974 604

PontosEditar

# Nome Período Pontos
1 Patrick Ewing 1985-2000 23.665
2 Walt Frazier 1967–1977 14.617
3 Willis Reed 1964–1974 12.183
4 Allan Houston 1996-2005 11.165
5 Carl Braun 1947–1962 10.449
6 Richie Guerin 1956-1964 10.392
7 Carmelo Anthony 2011-2017 10.186
8 Earl Monroe 1971-1980 9.679
9 Dick Barnett 1965–1974 9.442
10 Bill Bradley 1967-1977 9.217

RebotesEditar

# Nome Período Rebotes
1 Patrick Ewing 1985-2000 10,759
2 Willis Reed 1964-1974 8,414
3 Charles Oakley 1988-1998 7,291
4 Harry Gallatin 1948-1957 5,935
5 Willie Naulls 1957-1963 5,015
6 Johnny Green 1959-1966 4,825
7 Dave DeBusschere 1968-1974 4,671
8 Walt Frazier 1967-1977 4,598
9 Kurt Thomas 1998-2005, 2012-2013 4,272
10 Nat Clifton 1950-1957 4,066

AssistênciasEditar

# Jogador Período Assistências
1 Walt Frazier 1967-1977 4,791
2 Mark Jackson 1987-1992, 2000-2002 4,005
3 Dick McGuire 1949-1957 2,950
4 Carl Braun 1947-1962 2,821
5 Richie Guerin 1956-1964 2,725
6 Bill Bradley 1967-1977 2,533
7 Charlie Ward 1994-2004 2,451
8 John Starks 1990-1998 2,394
9 Ray Williams 1977-1981, 1983-1984 2,260
10 Micheal Ray Richardson 1978-1982 2,244

Referências

  1. «What's a Knickerbocker?». New York Knicks (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  2. «What's a Knickerbocker?». New York Knicks (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  3. «Neil Cohalan». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  4. «New York Knicks at Toronto Huskies Box Score, November 1, 1946». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  5. «1946-47 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  6. «1947-48 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  7. «1948-49 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  8. Editors, History com. «NBA is born». HISTORY (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  9. «1949-50 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  10. «1950-51 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  11. «1952 NBA Finals - New York Knicks vs. Minneapolis Lakers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  12. «1953 NBA Finals - New York Knicks vs. Minneapolis Lakers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  13. «Joe Lapchick». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  14. «Vince Boryla». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  15. «1958-59 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  16. «Andrew Levane». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  17. «Carl Braun». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  18. «NBA.com: Wilt Scores 100!». www.nba.com. Consultado em 26 de junho de 2019 
  19. «Harry Gallatin». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  20. «1966-67 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  21. «Dick McGuire». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  22. «1968 NBA Eastern Division Semifinals - New York Knicks vs. Philadelphia 76ers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  23. Times, Steve Cadyspecial To the New York (21 de dezembro de 1968). «Knicks Top Pistons, 135-87; DeBusschere Stars; EX-DETROIT COACH SCORES 21 POINTS He Sets Up New Teammates for Many Baskets, Too, in First Game Since Trade». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  24. «1969 NBA Eastern Division Finals - Boston Celtics vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  25. «1969-70 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  26. «1970 NBA Eastern Division Semifinals - Baltimore Bullets vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  27. «1970 NBA Eastern Division Finals - Milwaukee Bucks vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  28. «1970 NBA Finals - Los Angeles Lakers vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  29. «1971 NBA Eastern Conference Finals - Baltimore Bullets vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  30. «1972 NBA Finals - New York Knicks vs. Los Angeles Lakers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  31. «1973 NBA Finals - New York Knicks vs. Los Angeles Lakers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  32. «NBA.com: Knicks Win One for the 'Aged'». www.nba.com. Consultado em 27 de junho de 2019 
  33. «1974 NBA Eastern Conference Finals - New York Knicks vs. Boston Celtics». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  34. «1974-75 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  35. «1975 NBA Eastern Conference First Round - New York Knicks vs. Houston Rockets». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  36. Goldaper, Sam (9 de março de 1977). «Knicks Will Name Reed Coach Today With a 3‐Year Contract». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  37. «1978 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Philadelphia 76ers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  38. Eskenazi, Gerald (12 de novembro de 1978). «Anatomy of a Dismissal: It Was Inevitable». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  39. Goldaper, Sam (13 de novembro de 1978). «Holzman the Taskmaster Is Back and Knicks Know It». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  40. «1978-79 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  41. «1979-80 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  42. «1980-81 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  43. «1981 NBA Eastern Conference First Round - Chicago Bulls vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  44. «1981-82 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  45. Beck, Howard (10 de fevereiro de 2011). «Phil Jackson's Farewell Tour Reaches Madison Square Garden». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  46. «1983 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Philadelphia 76ers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  47. «1984 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Boston Celtics». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  48. «1984-85 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  49. «1985-86 NBA Awards Voting». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  50. Johnson, Roy S. (2 de dezembro de 1986). «Knicks, 4-12 and Going Nowhere, Dismiss Brown». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  51. «1986-87 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  52. «1987-88 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  53. «1987-88 New York Knicks Transactions». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  54. «1988-89 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  55. «1989-90 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  56. «1990-91 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  57. Brown, Clifton (1 de junho de 1991). «BASKETBALL; Now the Hard Part for Riley: Coaching Knicks». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  58. «1991-92 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  59. «1992 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Chicago Bulls». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  60. «1993 NBA Eastern Conference Finals - Chicago Bulls vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  61. «1994 NBA Eastern Conference First Round - New Jersey Nets vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  62. «1994 NBA Eastern Conference Semifinals - Chicago Bulls vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  63. «1994 NBA Eastern Conference Finals - Indiana Pacers vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  64. «1994 NBA Finals - New York Knicks vs. Houston Rockets». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  65. ESPN (7 de maio de 2018), Remembering Reggie Miller's legendary 8 points in 9 seconds [May 7, 1995] | SportsCenter | ESPN, consultado em 27 de junho de 2019 
  66. «1995 NBA Eastern Conference Semifinals - Indiana Pacers vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  67. «Pat Riley». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  68. «WATCH: Ex-Knicks Coach Don Nelson Says He Was Fired Because He Wanted To Trade Patrick Ewing». WFAN Sports Radio 66AM 101.9FM (em inglês). 26 de junho de 2019. Consultado em 27 de junho de 2019 
  69. «1996 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Chicago Bulls». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  70. «1997 NBA Eastern Conference First Round - Charlotte Hornets vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  71. Wise, Mike (2 de maio de 1998). «THE N.B.A. PLAYOFFS; Suspensions, Again, Hit Knicks and Heat After N.B.A. Melee». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  72. «1997 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Miami Heat». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  73. «1998 NBA Eastern Conference First Round - New York Knicks vs. Miami Heat». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  74. «1998 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Indiana Pacers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  75. «1999 NBA Eastern Conference First Round - New York Knicks vs. Miami Heat». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  76. «1999 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Atlanta Hawks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  77. «1999 NBA Eastern Conference Finals - New York Knicks vs. Indiana Pacers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  78. «1999 NBA Finals - New York Knicks vs. San Antonio Spurs». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  79. «2000 NBA Eastern Conference First Round - Toronto Raptors vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  80. «2000 NBA Eastern Conference Semifinals - New York Knicks vs. Miami Heat». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  81. «2000 NBA Eastern Conference Finals - New York Knicks vs. Indiana Pacers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  82. Broussard, Chris (21 de setembro de 2000). «Knicks Send Ewing to Sonics As 4-Team Deal Ends an Era». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  83. «2000-01 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  84. «2001-02 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  85. «2002-03 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  86. «2003-04 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  87. «2004-05 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  88. «Knicks fire Brown, name Thomas new coach». ESPN.com (em inglês). 22 de junho de 2006. Consultado em 27 de junho de 2019 
  89. «2006-07 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  90. Schmidt, Michael S.; Newman, Maria (2 de outubro de 2007). «Jury Awards $11.6 Million to Former Knicks Executive». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  91. «2007-08 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  92. «New York Knicks at Boston Celtics Box Score, November 29, 2007». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  93. «2007-08 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  94. Clark, Kevin (4 de junho de 2011). «Walsh Bows Out as Knicks President». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 
  95. «D'Antoni resigns as coach of reeling Knicks». ESPN.com (em inglês). 14 de março de 2012. Consultado em 27 de junho de 2019 
  96. «2008 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  97. «2008-09 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  98. «2009 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  99. «NBA Games Played on January 24, 2010». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  100. «2009-10 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2019 
  101. Jul 5, foxsports; ET, 2010 at 1:00a (5 de julho de 2010). «Stoudemire, Knicks reach 5-year deal». FOX Sports (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  102. Delgado, Dane (12 de julho de 2014). «Carmelo signs with Knicks for $124 million». SBNation.com. Consultado em 28 de junho de 2019 
  103. «2010-11 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  104. «2011 NBA Eastern Conference First Round - New York Knicks vs. Boston Celtics». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  105. «Glen Grunwald NBA & ABA Basketball Executive Record». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  106. Tripodi, Chris. «Tyson Chandler Signs with New York: Did the Knicks Overpay?». Bleacher Report (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  107. Cox, Graham (13 de fevereiro de 2019). «Linsanity revisited: How Jeremy Lin became an instant NBA superstar». Daily Hive (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  108. «2012 NBA Eastern Conference First Round - New York Knicks vs. Miami Heat». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  109. «Knicks, coach Mike Woodson reach multi-year contract extension». CBSSports.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  110. «2012 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  111. «2012-13 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  112. «2013 NBA Eastern Conference First Round - Boston Celtics vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  113. «2013 NBA Eastern Conference Semifinals - Indiana Pacers vs. New York Knicks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  114. «2013 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  115. «Home». Westchester Knicks (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  116. Staff, By CNN. «Knicks hire Derek Fisher as head coach». CNN. Consultado em 28 de junho de 2019 
  117. «2013-14 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  118. «Charlotte Bobcats at New York Knicks Box Score, January 24, 2014». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  119. «2014 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  120. «2014-15 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  121. «2015 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  122. «Phil Jackson and Kurt Rambis heavily involved in hiring Vogel and Kidd». LeBron Wire (em inglês). 12 de maio de 2019. Consultado em 28 de junho de 2019 
  123. «2015-16 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  124. Andrews, Malika (12 de abril de 2018). «Knicks Fire Coach Jeff Hornacek». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  125. LaMonica, Mark (14 de outubro de 2014). «How Phil Jackson performed as Knicks president». Newsday (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  126. «2017 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  127. «Knicks announce five-year deal with new GM Scott Perry». SNY (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  128. Davis, Scott. «WHERE ARE THEY NOW? All of the players in the original blockbuster deal that sent Carmelo Anthony to the Knicks». Business Insider. Consultado em 28 de junho de 2019 
  129. «2017-18 New York Knicks Schedule and Results». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  130. «Knicks officially name David Fizdale head coach». SNY (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  131. «2018 NBA Draft». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  132. «What's a Knickerbocker?». New York Knicks (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  133. Beck, Howard (6 de setembro de 2012). «Knicks Play Up Their 'New' Uniforms». Off the Dribble (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  134. «Uniform Details: New-Look Knicks Nike Jerseys». New York Knicks (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  135. «Knicks Unveil Statement Jerseys». New York Knicks (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  136. «Knicks Unveil City Edition Uniforms Paying Homage to Firefighters & Their Families». New York Knicks (em inglês). Consultado em 28 de junho de 2019 
  137. «NBA Salary Cap FAQ». www.cbafaq.com. Consultado em 28 de junho de 2019 
  138. Vorkunov, Mike (22 de junho de 2017). «Knicks Draft Frank Ntilikina of France, Avoiding a Dramatic Twist». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  139. Steinberg, Russell (27 de junho de 2014). «Knicks acquire Louis Labeyrie». SBNation.com. Consultado em 26 de junho de 2019 
  140. «Knicks Acquire Tyson Chandler». New York Knicks (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2019 
  141. Goldaper, Sam (22 de janeiro de 1982). «Edward S. (ned) Irish, Founder of the Knicks, Dies». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  142. Goldaper, Sam (20 de setembro de 1981). «Burke Is Retiring from Garden Posts». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  143. Goldaper, Sam (6 de agosto de 1991). «SPORTS BUSINESS; The Tumult at the Garden Reaches to the Top as Evans Leaves». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  144. «SPORTS PEOPLE; Rodgers, Knicks Meet». The New York Times (em inglês). 26 de junho de 1987. ISSN 0362-4331 
  145. Eskenazi, Gerald (23 de maio de 1974). «Ned Irish Retiring July 1 After 40 Years at Garden». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  146. «Boston Celtics - New York Knicks rivalry». www.rivalrywatch.com. Consultado em 28 de junho de 2019 
  147. Vecsey, George (25 de novembro de 2012). «Knicks-Nets Will Turn Into a Rivalry to Join New York's Rich Past». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  148. «Islanders Fans React to Barclays Center Move - The Local – Fort-Green…». archive.is. 4 de janeiro de 2013. Consultado em 28 de junho de 2019 
  149. «New York Knicks - Brooklyn Nets rivalry». www.rivalrywatch.com. Consultado em 28 de junho de 2019 
  150. «Chicago Bulls - New York Knicks rivalry». www.rivalrywatch.com. Consultado em 28 de junho de 2019 
  151. «New York Knicks - Indiana Pacers rivalry». www.rivalrywatch.com. Consultado em 28 de junho de 2019