Patricia Highsmith

Disambig grey.svg Nota: Para outros resultados, veja Patrícia (desambiguação).

Patricia Highsmith (Fort Worth, Texas, 19 de Janeiro de 1921Locarno, Suíça, 4 de Fevereiro de 1995[1]) foi uma escritora, contista e roteirista norte-americana.

Patricia Highsmith
Patricia Highsmith em 1962
Pseudónimo(s) Claire Morgan
Nascimento 19 de janeiro de 1921
Fort Worth, Texas, Estados Unidos
Morte 4 de fevereiro de 1995 (74 anos)
Locarno, Suíça
Nacionalidade norte-americana
Alma mater Barnard College
Ocupação escritora
Gênero literário Suspense, thriller psicológico, romance policial
Magnum opus O Talentoso Ripley (1955)
Assinatura
Signature highsmith.jpg

Ficou famosa pelos seus thrillers criminais psicológicos, inclusindo a série de livros focada em seu personagem Tom Ripley. Patricia escreveu 22 romances e vários contos durante uma carreira de quase cinquenta anos, com pelo menos 12 adaptações para o cinema de seu trabalho. Sua escrita teve grande influência da literatura existencialista[2], onde a autora questiona a identidade de seus personagens, bem como sua moralidade.[3]

Patricia começou sua carreira na década de 1940, escrevendo roteiros para histórias quadrinhos para a editora Nedor, sobretudo as do super-herói Black Terror.[4] Seu primeiro livro, Strangers on a Train, teve várias adaptações para cinema, sendo a mais famosa dirigida por Alfred Hitchcock em 1951, e pela série Ripliad com a personagem Thomas Ripley. Escreveu também muitos contos, frequentemente macabros e/ou satíricos. Com o pseudônimo de "Claire Morgan", Patricia publicou o primeiro romance lésbico com um final feliz, The Price of Salt, em 1952, publicado 38 anos depois como Carol, que levou à adaptação para o cinema de 2015.[5]

BiografiaEditar

Mary Patricia Plangman nasceu na cidade de Fort Worth, no Texas, em 1921. Era a única filha de Jay Bernard Plangman (1889–1975), de ascendência alemã e Mary Plangman Coates (1895 – 1991). O casal veio a se divorciar dez dias antes do nascimento da filha.[6] Em 1927, Patricia, sua mãe e seu padrasto, o artista Stanley Highsmith, com quem sua mãe se casou em 1924, se mudaram para Nova Iorque. Quando tinha 12 anos, Patricia foi enviada para Fort Worth de novo, onde morou com a avó por um ano. Segundo a própria Patricia, este ano foi "o ano da tristeza", época de sua vida em que ela se sentia abandonada pela mãe. Patricia aprendeu a ler com sua avó e quando possível fazia bom uso de sua biblioteca. Depois de voltar para Nova York, ela morou principalmente em Manhattan, mas também no Queens.[6]

Segundo a própria Patricia, sua mãe uma vez lhe disse que ela tentou abortar a gravidez de Patricia por ingestão de terebintina, ainda que a biografia da autora indique que seu pai tenha persuadido a esposa a fazer o aborto e ela tenha se recusado. Essa relação de amor e ódio com sua mãe nunca se resolveria durante sua vida e seria usada em seu conto "The Terrapin", onde um garoto esfaqueia a mãe até a morte.[6]

Muitos dos 22 livros de Patricia se passam no Greenwich Village, em Nova Iorque, onde ela vivia entre 1940 e 1942, na Grove Street, número 48, antes de se mudar para o número 345 da E. 57th Street.[7] Em 1942, Patricia se formou no prestigiado Barnard College, onde estudou dramaturgia, composição inglesa e prosa. Depois de se formar, Patricia tentou, sem sucesso, um emprego em revistas como a Harper's Bazaar, Vogue, Time e The New Yorker.[8]

Por recomendação de Truman Capote, Patricia foi aceita em Yaddo, uma comunidade de artistas localizada em uma propriedade de 400 acres em Saratoga Springs, Nova York, durante o verão de 1948, onde trabalhou em seu primeiro romance, Strangers on a Train.[9]

MorteEditar

Patricia morreu em 4 de fevereiro de 1995, aos 74 anos, devido a uma anemia aplástica e um câncer de pulmão, no Hospital Carita, em Locarno, na Suíça, perto da vila onde morou em 1982. Ela foi cremada no cemitério de Bellinzona. Um memorial foi feito em Chiesa di Tegna, em Tegna, também na Suíça e suas cinzas foram sepultadas em um columbário.[6][10]

Bibliografia seleccionadaEditar

RomancesEditar

Colecções de históriasEditar

Referências

  1. «Mary P Highsmith». The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  2. Robert Shore, ed. (7 de janeiro de 2000). «The talented Ms Highsmith». The Guardian. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  3. Andrew Wilson, ed. (24 de maio de 2003). «Ripley's enduring allure». Telegraph. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  4. Peter Hogan (2014). Terra Obscura: S.M.A.S.H. of Two Worlds. [S.l.]: DC Comics. 9781401249915 
  5. «Crítica Carol». Adoro Cinema. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  6. a b c d Schenkar, Joan (2009). The Talented Miss Highsmith: The Secret Life and Serious Art of Patricia Highsmith. [S.l.]: St. Martin's Press. ISBN 9780312303754 
  7. Patricia Cohen, ed. (10 de dezembro de 2009). «The Haunts of Miss Highsmith». The New York Times. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  8. Jon Michaud, ed. (25 de janeiro de 2010). «Book Club: Highsmith and The New Yorker». The New Yorker. Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  9. Wilson, Andrew (2003). Beautiful Shadow: A Life of Patricia Highsmith. [S.l.]: Bloomsbury. ISBN 1582341982 
  10. Randy Kennedy, ed. (5 de fevereiro de 1995). «Patricia Highsmith, Writer Of Crime Tales, Dies at 74». The New York Times. Consultado em 29 de janeiro de 2021 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Patricia Highsmith