Pietro de' Crescenzi

Pietro de' Crescenzi (c. 1230/35 – c. 1320) (em latim: 'Petrus de Crescentiis') foi um jurista bolonhês,[1] agora lembrado por seus escritos sobre horticultura e agricultura, a Ruralia commoda.[2] Existem muitas grafias variantes de seu nome.[3]

Pietro de' Crescenzi
Nascimento 1233
Bolonha
Morte 1320 (86–87 anos)
Bolonha
Sepultamento Basílica de São Domingos
Alma mater
Ocupação escritor, engenheiro agrônomo, botânico

Pietro de' Crescenzi nasceu em Bolonha por volta de 1235; a única evidência de sua data de nascimento é a anotação "septuagenário" na Ruralia commoda, datada com alguma certeza entre 1304 e 1309. Ele foi educado na Universidade de Bolonha em lógica, medicina, ciências naturais e direito, mas não obteve seu doutorado. Crescenzi atuou como advogado e juiz de cerca de 1269 até 1299, viajando amplamente pela Itália no decorrer de seu trabalho.

Em janeiro de 1274 casou-se com Geraldina de' Castagnoli, com quem teve pelo menos cinco filhos. Ela morreu em ou logo após dezembro de 1287. Em janeiro de 1289 casou-se com Antonia de' Nascentori, com quem também teve vários filhos.[4]

Após sua aposentadoria em 1290, ele dividiu seu tempo entre Bolonha e sua propriedade rural, a Villa dell'Olmo, fora dos muros de Bolonha. Durante este tempo, ele escreveu o Ruralia comoda, um tratado agrícola baseado em grande parte em fontes clássicas e medievais (principalmente Alberto Magno), bem como em sua própria experiência como proprietário de terras.[4][5]

Não se sabe quando de' Crescenzi morreu. Seu último testamento é datado de 23 de junho de 1320; um documento legal datado de 20 de fevereiro de 1321 o descreve como morto, com quase 90 anos.[4]

Ruralia commodaEditar

A Ruralia commoda, às vezes conhecida como Liber ruralium commodorum ("livro de benefícios rurais"), foi concluída entre 1304 e 1309 e foi dedicada a Carlos II de Nápoles.[6] O rei Carlos V da França ordenou uma tradução francesa em 1373. Em 1471 foi impresso pela primeira vez em latim, em Augsburgo e Estrasburgo. Depois de circular em várias cópias manuscritas, o tratado de Crescenzi tornou-se o primeiro texto moderno impresso sobre agricultura quando foi publicado em Augsburgo por Johann Schüssler em 1471.[7] Cerca de 57 edições em latim, italiano, francês e alemão apareceram durante o século seguinte,[8] assim como duas edições em polonês.[4]

SeçõesEditar

A estrutura e o conteúdo da Ruralia commoda são substancialmente baseados no De re rustica de Columela, escrito no século I,[1] embora este trabalho não estivesse disponível para de' Crescenzi e fosse conhecido apenas em fragmentos até uma versão completa ser descoberta em uma biblioteca de mosteiro por Poggio Bracciolini durante o Concílio de Constança, entre 1414 e 1418. Enquanto de' Crescenzi cita Columella doze vezes, todas as citações são indiretas e tiradas do Opus agriculturae de Rutilius Taurus Aemilianus Palladius.[4] Como o De re rustica de Columella, a cRuralia commoda é dividida em 12 partes:[1]

  1. Localização e plano de uma mansão, vila ou fazenda, considerando clima, ventos e abastecimento de água; também os deveres do chefe da propriedade
  2. Propriedades botânicas de plantas e técnicas de horticultura
  3. Agricultura de cereais e construção de um celeiro
  4. Vinhas e vinificação
  5. Arboricultura – árvores úteis para alimentos e remédios
  6. Horticultura - plantas úteis para alimentos e remédios
  7. Gestão de prados e florestas
  8. Jardins ornamentais
  9. Criação de animais e apicultura
  10. Caça e pesca
  11. Resumo geral
  12. Calendário mensal de tarefas

LegadoEditar

Crescenzi era tão conhecido que seu nome foi usado para anunciar livros até 1602. Ele também inspirou um gênero de literatura alemã chamado Hausväterliteratur ('leitura para o pai de família'), além de guias práticos sobre agricultura, jardinagem, criação de gado, caça, etiqueta e assim por diante para camponeses. Livros deste gênero foram publicados no século XIX.[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Robert G. Calkins, "Piero de' Crescenzi and the Medieval Garden", in Medieval Gardens, ed. Elisabeth B. MacDougall, Dumbarton Oaks, 1986: 155–173. Selected pages at Google Books
  2. Crescenzi, Pietro – 14th Century. History of Horticulture. The Ohio State University. Arquivado em 17 de maio de 2011.
  3. Petrus de Crescentius, Petrus Crescentiensis, Peter de Crescentiis, Pietro dei Crescenzi, Pietro de Crescenzi, Pietro de Crescenzi, Pier de' Crescenzi, Pier de Crescenzi, Pier Crescenzi, Piero Crescientio, Piero de Crescenzi, Piero de' Crescenzi.
  4. a b c d e Pierre Toubert (1984). Crescenzi, Pietro de' (in Italian). Dizionario Biografico degli Italiani, Volume 30. Rome: Istituto dell'Enciclopedia Italiana. Accessed October 2013.
  5. a b Zadoks, J.C. (2013). Crop protection in medieval agriculture. Studies in pre-modern organic agriculture. Leiden: Sidestone. 333 páginas. ISBN 9789088901874. Consultado em 8 de maio de 2022 
  6. Johanna Bauman, "Tradition and Transformation: the Pleasure Garden in Piero de' Crescenzi's Liber Ruralium Commodorum", Studies in the History of Gardens and Designed Landscapes (2002): 99–141.
  7. Petrus de Crescentius (16 February 1471). Ruralia commoda (em latim). [Augsburg]: Johannes Schüssler. Acessado em junho de 2011.
  8. Frank J. Anderson, An Illustrated History of the Herbals, New York, 1977. Selected pages at Google Books