Abrir menu principal

Praça de touros de Acho

Praça de touros de Acho
Plaza Acho.jpg
Apresentação
Tipo
Período de construção
Estatuto patrimonial
Patrimônio Cultural do Peru (d)
Património Mundial da Unesco ()Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas

A Praça de touros de Acho (em castelhano: Plaza de toros de Acho) é a primeira praça de touros construída em Lima, Peru. Localizada ao lado do centro histórico do distrito de Rímac, classificada como um monumento nacional histórico. A praça de touros é a mais antiga das Américas e a segunda mais antiga do mundo, apenas atrás da Real Maestranza de Sevilha, Espanha. A Praça Arles Amphitheatre inaugurada em 30 de janeiro de 1766 e localizada na França não é considerada.[1]

Das 56 praças de touros oficiais no Peru, a "Plaza de Acho" é classifica como a mais proeminente. Tem uma capacidade de 13 700 lugares e foi construída de adobe e madeira, ambos materiais tradicionais.[2]

HistóriaEditar

 
Plaza de Acho

Em 1765, Agustín Hipólito de Landaburu pediu permissão para construir o que ele chamou de "uma praça fixa para as corridas de touros", atualmente em Lima, durante a celebração do carnaval na cidade. A praça seria construída no distrito de Rímac em um local que tinha sido usado por várias arenas temporárias desde 1754. O local foi chamado de "el Hacho," que significa "lugar elevado com vista para o mar." A construção da praça começou oficialmente em 30 de janeiro de 1766.[3]

A corrida inaugural ocorreu no dia 30 de janeiro de 1766, e apresentou os toureiros Pisi, Maestro de España, e Gallipavo. O primeiro touro sacrificado na praça era um animal branco chamado "El Albañil", que significa O Pedreiro.[4]

Ao longo da sua existência, as receitas da "Plaza de Acho" foram designadas para os organizadores das "corridas". Uma exceção ocorreu durante a guerra pela independência, entre os anos de 1821 e 1826 todos os rendimentos da praça foram encaminhados para o exército libertador.[5]

A praça foi remodelada em 1944, após suas condições estarem bem deterioradas pelo tempo. Embora o remodelamento ter sido considerado bem sucedido por manter características amadas da praça, entretanto, um escritor lamentou a "queda" da antiga praça: "Solene, silencioso e decrépito - como aquelas atrizes velhas sobrecarregadas - a antiga Plaza de Toros de Lima caiu."[6]

Desde a sua abertura, a "Plaza de Acho" recebeu muitos toureiros famosos, incluindo Juan Belmonte; Manuel Rodríguez, "Manolete"; Luis Miguel Domínguez, 'Dominguín' e Manuel Benítez, 'El Cordobés'.[7]

Referências

  1. «Plaza de Toros de Acho». worldofstadiums.com. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2016 
  2. «PLAZA DE TOROS DE ACHO». ciudadestaurinas.net. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2015 
  3. Martínez 2005, p. 72.
  4. Martínez 2005, p. 73.
  5. Martínez 2005, p. 87.
  6. Martínez 2005, p. 2018-2019.
  7. Velásquez C., Luis (Setembro de 2007). «Los 241 años de la Plaza de Acho» (em espanhol). La República. Consultado em 16 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2016 

BibliografiaEditar

  • Martínez, Héctor López (2005). Plaza de Acho: Historia y Tradición. Lima: Fondo Editorial del Congreso del Perú. ISBN 9972-890-90-2