Purussauro

Como ler uma infocaixa de taxonomiaPurussauro
Purussaurus BW.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Crocodylia
Superfamília: Alligatoroidea
Gênero: Purussaurus[1]
Nome binomial
P. brasiliensis (type)
Barbosa Rodrigues, 1892

Purussauro é o nome aportuguesado dado aos crocodyliformes extintos do gênero Purussaurus.[1] Eram semelhantes aos jacaré e caimãs de hoje em dia, mas com maiores dimensões -- estimou-se precisamente 15 metros de comprimento.[2] Viveu entre 15 e 8 milhões de anos atrás, durante o período Mioceno médio a tardio, habitando exclusivamente a região amazônica no Acre (Brasil), Panamá, Peru, Colômbia e Venezuela. Alimentava-se de enormes mamíferos herbívoros que se aproximavam dos rios, porém sua dieta era composta em sua maioria de peixes e outros crocodiliformes.

Escala de tamanho do Purussaurus brasiliensis comparado com outros Super Crocs

Três espécies de Purussaurus foram descritas: P. neivensis, Formação La Venta (Mioceno Médio da Colômbia); P. mirandai, Fm. Urumaco (Mioceno Tardio da Venezula); P. brasiliensis, o maior de todos, da Fm. Solimões (Mioceno Tardio do Brasil) e da Fm. Pebas (Mioceno Tardio do Peru).

Uma pesquisa de 2015, realizada pelos paleontólogos Tito Aureliano, Aline M. Ghilardi e colegas[3], estimou que um P. brasiliensis adulto teria atingido uma média de 12,50 a 15 metros de comprimento, pesando 8,4 toneladas, e obtendo 46 kg de alimento diariamente[4][5][6]. Estes mesmos pesquisadores estimaram que a mordida do animal teria, em média, 69.000 N de força (aproximadamente 7 toneladas-força), sendo pelo menos duas vezes maior que a do famoso Tyrannosaurus rex[3][4][5][6]. Esta forte mordida, somado às adaptações de seu crânio massivo e dentes resistentes, garantiu ao Purussauro que se alimentasse de uma ampla cadeia de alimentos.

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b Aguilera, Orangel; Riff, Douglas; Bocquentin‐Villanueva, Jean (setembro de 2006). «A new giant Purussaurus (Crocodyliformes, Alligatoridae) from the Upper Miocene Urumaco Formation, Venezuela». Journal of Systematic Palaeontology. 4 (3): 221-232. doi:10.1017/S147720190600188X 
  2. Folha: Fósseis viram enfeites em casas de ribeirinhos no interior do Amazonas
  3. a b Aureliano, Tito; Ghilardi, Aline M.; Guilherme, Edson; Souza-Filho, Jonas P.; Cavalcanti, Mauro; Riff, Douglas (17 de fevereiro de 2015). «Morphometry, Bite-Force, and Paleobiology of the Late Miocene Caiman Purussaurus brasiliensis». PLOS ONE. 10 (2): e0117944. ISSN 1932-6203. PMID 25689140. doi:10.1371/journal.pone.0117944 
  4. a b Brasil, B. B. C. «Cinco curiosidades sobre 'superjacaré' brasileiro mais forte que tiranossauro». BBC Brasil. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  5. a b «Prehistoric caiman's bite 'twice as strong' as T-Rex's». BBC News (em inglês). 26 de fevereiro de 2015 
  6. a b «Jacaré do Acre era maior que ônibus e mordia mais forte que tiranossauro - 26/02/2015 - Ciência - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  Este artigo sobre Animal pré-histórico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre répteis, integrado ao Projeto Herpetológico, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.