Racketeering

Racketeering é o termo em língua inglesa para definir a atividade criminal organizada, geralmente em forma de negócio ou como modo de obter dinheiro de forma ilícita regularmente ou de forma rápida mas repetitiva. Original e frequentemente, um "racket" era um ato criminoso no qual o autor ou os autores oferecem um serviço fraudulentamente para resolver um problema inexistente, ou um serviço que não será realizado ou um serviço cuja necessidade não existiria se não houvesse o esquema. A condução do "racket" denomina-se racketeering.[1] Nessa prática, o problema potencial pode ser causado pelo mesmo sujeito ou grupo que se oferece para resolvê-lo, mas tal fato pode ser escondido, de modo que se garanta a continuidade da receita para o autor ou para o grupo que o pratica.

O exemplo mais comum de racket é o de "proteção", no qual há promessas de proteção aos negócios ou pessoas visadas pelos criminosos de indivíduos perigosos na vizinhança e recolher o dinheiro, sob risco de prejuízos e danos aos negócios até que o alvo pague. O esquema existe ao mesmo tempo como problema e como solução, usado como forma de extorsão.

Entretanto, em sentido lato, o termo "racket" teve sua definição expandida de forma a ser referir a qualquer forma ilegal de crime organizado, incluindo aquelas que não envolvem práticas fraudulentas. Por exemplo, até mesmo atividades como o "narcotráfico (drug racket)", nenhuma das quais geral ou explicitamente envolvem fraude ou engano no que se refere ao público-alvo/clientela.

As formas de Racketeering estão mais frequentemente associadas ao crime organizado e o termo foi criado pela Employers' Association of Chicago em junho de 1927 numa declaração sobre a influência do crime organizado no sindicato Teamsters.[2]

ExemplosEditar

Há numerosos exemplos de atividades criminosas que podem se enquadrar como racketeering, dentre as quais estão:

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. «Racketeering» 
  2. David Witwer, "'The Most Racketeer-Ridden Union in America': The Problem of Corruption in the Teamsters Union During the 1930s", in Corrupt Histories, Emmanuel Kreike and William Chester Jordan, eds., University of Rochester Press, 2004. ISBN 1-58046-173-5

Ligações externas (em inglês)Editar