ReganBooks

ReganBooks foi uma editora de livros americana e divisão da HarperCollins (propriedade da News Corporation), chefiada pelo editor e editor Judith Regan, fundada em 1994 e encerrada no final de 2006. Durante sua existência, Regan foi chamada, pela LA Weekly, de "a editora mais bem-sucedida do mundo".[1] A divisão supostamente ganhava 120 milhões de dólares por ano.[2] A ReganBooks focava em celebridades e outros tópicos controversos, às vezes de tabloides recentes.[3][4]

História e publicaçõesEditar

Os títulos proeminentes do ReganBooks incluem How to Make Love Like a Porn Star, de Jenna Jameson, as biografias do general Tommy Franks, do lutador profissional Mick Foley e do radialista Howard Stern, três livros diferentes sobre o caso Scott Peterson e do comentarista político Sean Hannity. Embora pertencente à Rupert Murdoch, ReganBooks negou qualquer agenda política, publicando, por exemplo, livros que apoiam e criticam George W. Bush.[5]

Em agosto de 2004, a ReganBooks tinha três livros na Lista de Best-Sellers do New York Times, incluindo as duas primeiras posições de não ficção e a maior taxa de lucro da HarperCollins.[6]

Em 2005, a ReganBooks anunciou planos de mudar de Manhattan para Los Angeles, tornando-a uma das primeiras grandes editoras de livros a se mudar da costa leste para a oeste.[1][3][4]

Controvérsia e encerramentoEditar

Em novembro de 2006, a ReganBooks anunciou planos de publicar o livro de O. J. Simpson, If I Did It; a publicação foi posteriormente cancelada pelo presidente e CEO da News Corporation, Rupert Murdoch.[2] Após a reportagem pública da Newsweek, "os dias livres de intrigas da Regan estão quase certamente terminados".[2]

Em 15 de dezembro de 2006, Regan foi demitido da HarperCollins, supostamente por comentários antissemitas.[7] Os funcionários da ReganBooks foram transferidos para o HarperCollins General Book Group.[8] The New York Times informou que os escritórios da ReganBooks estavam fechados e "um atordoado Regan foi confrontado por seguranças que chegaram com caixas e ordenaram que ela fosse embora".[7] Regan processou a News Corporation em cem milhões de dólares por difamação devido à acusação antissemitismo, afirmando que foi "completamente armada"; em janeiro de 2008, a News Corporation encerrou a ação e declarou publicamente: "Depois de considerar cuidadosamente o assunto, aceitamos a posição de Regan de que ele não disse nada de natureza antissemita e acreditamos ainda que Regan não é antissemítico".[9]

Livros publicadosEditar

Referências

  1. a b "The Gathering Storm" Arquivado 2008-07-08 no Wayback Machine by Brendan Bernhard, LA Weekly, 2 de junho de 2005
  2. a b c Roberts. «publishing: No More Free Rein For Regan». Newsweek 
  3. a b "Trend-Setting Publisher Plans To Move to and Go Hollywood" by Edward Wyatt, The New York Times, 12 de abril de 2005
  4. a b "ReganBooks Moving to Hollywood" Arquivado 2007-09-29 no Wayback Machine, The Book Standard, 12 de abril de 2005
  5. "Political but Not Partisan: A Publisher Has It Both Ways", by Edward Wyatt, The New York Times, 13 de outubro de 2004
  6. "The Devil and Miss Regan" by Judith Newman, Janeiro de 2005, Vanity Fair
  7. a b Bosman, Julie; Siklos, Richard (18 de dezembro de 2006). «Fired Editor's Remarks Said to Have Provoked Murdoch». The New York Times. Consultado em 18 de dezembro de 2006 
  8. Wyatt, Edward (15 de dezembro de 2006). «Judith Regan Is Fired After O. J. Simpson Book». The New York Times. Consultado em 16 de dezembro de 2006 
  9. Italie, Hillel (25 de janeiro de 2008). «Judith Regan Lawsuit Is Settled». Associated Press