Abrir menu principal


Ubwami bw'u Rwanda (Kinyarwanda)
Royaume du Rwanda (Francês)

Reino de Ruanda, Reino do Ruanda

Reino independente (~1885)
Componente da África Oriental Alemã
(1885-1916)
Componente da Bélgica, Ruanda-Urundi (1916~1962)

Flag of Belgium.svg
Século XI – 1962 Flag of Rwanda (1962–2001).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Reino de Ruanda
Continente África
Capital Nyanza
Língua oficial Kinyarwanda, francês
Governo Monarquia
Mwami
 • 1081 – 1114 Gihanga (primeiro)
 • 1959 – 1961 Kigeli V (último)
História
 • Século XI Fundação
 • 25 de julho de 1959 Autonomia da Bélgica
 • 1 de julho de 1962 República declarada
 • 1962 Dissolução

O Reino de Ruanda ou Reino do Ruanda foi fundado no século XI por um grupo pastoral, os tútsis. Que ocupava aproximadamente o território controlado pelo Estado moderno de Ruanda. O reino tornou-se gradualmente subjugado por interesses coloniais europeus a partir de 1890. Ruanda se tornou uma república após um golpe de estado depois do referendo de 1961.

Pré-colonizaçãoEditar

No século XV, um Rei local conseguiu incorporar vários de seus vizinhos que estabelecem no Reino de Ruanda, que dominou a maior parte do que hoje é considerado o Ruanda. A maioria hútus, 82-85% da população, eram em sua maioria camponeses pobres, enquanto os reis, conhecidos como Mwamis, geralmente eram tútsis. Certamente alguns hútus foram nobres e, igualmente, certamente, uma miscigenação considerável ocorreu.

Antes do século XIX, acreditava-se que os tútsis tinham poder militar, enquanto os hútus possuíam poderes sobrenaturais.[1][2] O conselho de assessores (abiiru) do Mwami era exclusivamente Hútu de dominou significativo. Por meados do século XVIII, no entanto, o abiiru tinha se tornado cada vez mais marginalizado.

Como os reis centralizaram o seu poder e a autoridade, distribuindo terras entre os indivíduos, em vez de permitir que ela seja transmitida através de grupos de linhagem, dos quais muitos chefes hereditários haviam sido hútus. A maioria dos chefes nomeados pelos Mwamis eram tútsis. A redistribuição de terras, promulgada entre 1860 e 1895 pelo Mwami Rwabugiri, que resultou em um sistema imposto de patronagem, sob o qual nomeou chefes tútsis que exigiram trabalho manual em troca do direito dos hútus para ocupar suas terras. Este sistema deixou os hútus em um estado de escravidão-legal com os chefes tútsis como seus senhores feudais.[3]

Sob o Mwami Rwabugiri, Ruanda tornou-se um estado expansionista. Rwabugiri não se preocupou em avaliar as identidades étnicas dos povos conquistados e simplesmente rotulou todos eles de "hútus". O título de "hútu", portanto, passou a ser uma identidade transétnica associada à subjugação. Enquanto privava os direitos dos hútus socialmente e politicamente, isso ajudou a solidificar a ideia de que os "hútus" e os "tútsis" eram socioeconomicamente, não étnicos. Na verdade, pode-se disser que os kwihutura, ou os "shed Hutuness", estavam acumulando riquezas e subindo na hierarquia social.

Referências

  1. Mamdani 2001, 62. Mandani recounts a historical narrative indicating the importance of a Hutu diviner in the formation of the Rwandan state.
  2. Manus I. Midlarsky, "The Killing Trap" (New York: Cambridge University Press, 2005), p.162.
  3. citation could be pg. 12, 13, 14 of Re-Imagining Rwanda: Conflict, Survival and Disinformation in the Late Twentieth Century, by Johan Pottier. published by Cambridge University in 2002

Ligações externasEditar