Abrir menu principal

Renascimento do Harlem

Louis Armstrong, compositor do movimento Harlem

O Harlem Renaissance (Renascimento do Harlem) foi um movimento cultural que se estendeu a década de 1920. Durante o tempo, ele era conhecido como o "New Black Movement" (Novo Movimento Negro), em homenagem a antologia de 1925 de Alain Locke. O movimento também incluiu as novas expressões culturais afro-americanas através das áreas urbanas do Nordeste e Centro-Oeste dos Estados Unidos afetados pela grande migração (afro-americana),[1] dos quais Harlem foi o maior. Apesar de ter sido centrada no bairro Harlem de Manhattan, em Nova York, além disso, muitos escritores negros de colônias africanas e do Caribe que viviam em Paris, também foram influenciados pelo renascimento do Harlem. [2]

O Harlem Renaissance é geralmente considerado ter surgido a partir de cerca de 1918 até meados de 1930. Muitas de suas idéias viveram por muito mais tempo. O auge deste foi "florescimento da literatura Negra", com James Weldon Johnson, entre 1924 (o ano em que Opportunity: A Journal of Negro Life organizou uma festa para os escritores negros onde muitos editores brancos estavam presentes) e 1929 (o ano da queda da bolsa e do início da Grande Depressão).[3]

CaracterísticasEditar

[4]

  • Orgulho racial: Em todos os escritos políticos, no teatro, na arte, na música e na literatura produzida durante esse período, existe uma sensação geral de orgulho na experiência afro-americana. Os políticos e artistas envolvidos no movimento firmaram o compromisso de produzir peças provocativas criadas para desafiar e elevar a raça afro-americana.
  • Expressão criativa: Durante o Renascimento de Harlem, houve uma onda de criação artística em todos os campos, incluindo as artes visuais, a literatura e a poesia, a música e a dança, já que todos representavam e davam voz ao pensamento afro-americano.
  • Intelectualismo: Alain Locke, o primeiro aluno e professor afro-americano de Harvard, viu o Renascimento de Harlem como uma "emancipação espiritual" para a comunidade afro-americana e como uma oportunidade de remodelar o patrimônio da raça como um intelectual igual aos brancos. O pensamento intelectual buscou desafiar os estereótipos dos afro-americanos durante o desenvolvimento de uma maior valorização para as raízes folclóricas, a cultura e o espiritualismo do passado.

LegadoEditar

O Renascimento do Harlem deixou um legado impressionante de arte, música, dança, literatura, o intelecto, a filosofia, e talvez mais importante, os direitos civis. Embora o Renascimento foi em grande parte, no Harlem, espalhou-se para áreas urbanas em todo o país.

O New Black abraçou a ideologia que a cultura afro-americana não deve ser baseada na europeia/caucasiana. Pelo contrário, o New Black seria um reflexo da cultura negra. O resultado foi uma explosão da arte e da música que nasceu das raízes da África e da escravidão. O Renascimento do Harlem também produziu alguns dos maiores pensadores dos tempos modernos. Com a abolição da escravidão e as a discriminação, resultante das leis de Jim Crow, negros americanos deixaram o Sul em massa, fato conhecido nos EUA como a Grande Migração, enquanto outros vieram do Caribe. O seu desejo de uma vida melhor não se limitou a escapar dos preconceitos da supremacia branca, mas sim para incluir e também explorar e desenvolver seu próprio intelecto e talento.

Notáveis membrosEditar

DançarinosEditar

IntelectuaisEditar

AutoresEditar

PoetasEditar

Músicos e CompositoresEditar

Artistas visuaisEditar

Referências

  1. «NAACP: A Century in the Fight for Freedom» (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 1 de agosto de 2013 
  2. «HARLEM IN THE JAZZ AGE» (em inglês). New York Times. 08 de Fevereiro de 1987. Consultado em 10 de Dezembro de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. George Hutchinson (29 de Outubro de 2014). «Harlem Renaissance» (em inglês). global.britannica. Consultado em 10 de Dezembro de 2014 
  4. «Características distintivas do Renascimento do Harlem». Ehow. Consultado em 14 de Dezembro de 2014 
  Este artigo sobre Cultura é um esboço relacionado ao Projeto Cultura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.