Hubert Harrison
Nascimento 27 de abril de 1883
Saint Croix
Morte 17 de dezembro de 1927 (44 anos)
Nova Iorque
Cidadania Estados Unidos
Etnia afroamericano
Ocupação escritor, ativista, filósofo, sindicalista, jornalista, ativista antiguerra
Movimento estético Renascimento do Harlem
Religião ateísmo

Hubert Henry Harrison (Santa Cruz, 27 de abril 1883 - Nova Iorque, 17 de dezembro 1927) foi um escritor nascido nas Índias Ocidentais Dinamarquesas e naturalizado estadunidense, livre pensador, orador, educador, crítico e ativista político socialista que viveu em Harlem, Nova Iorque.

Foi descrito pelo ativista A. Philip Randolph como o pai do radicalismo de Harlem e pelo historiador Joel Augustus Rogers como o intelectual afro-americano mais importante de sua época. John G. Jackson, de American Atheists, descreveu-lhe como o Sócrates negro.[1][2]

Imigrante de Santa Cruz, Índias Ocidentais Dinamarquesas (atual Ilhas Virgens Americanas), aos 17 anos, jogou um papel crucial nos movimentos de luta de classe e antirracistas nos Estados Unidos. Em 1912-14 foi organizador no Partido Socialista dos Estados Unidos. Em 1917 fundou a "Liberty League" e The Voice, primeira organização e jornal do Movimento Negro. A partir de tudo isto liderou grupos de indivíduos e organizações com consciência de raça no movimento de Marcus Garvey.[3]

Harrison teve uma influência crucial como pensador que desenvolveu a consciência de classe entre a população trabalhadora, a consciência positiva de raça entre a população negra, o ateísmo, o humanismo secular, o progressismo e o pensamento livre. Descreveu-se a si mesmo como "internacionalista radical" e contribuiu significativamente à tradição radical no Caraíbas. Influenciou a uma geração completa de militantes do movimento New Negro como A. Philip Randolph, Chandler Owen, Marcus Garvey, Richard Benjamin Moore, W. A. Domingo, Williana Burroughs e Cyril Briggs.

CarreiraEditar

Na sua primeira década em Nova York, começa a escrever cartas ao editor do New York Times sobre temas como a teoria da evolução de Darwin ou a crítica literária. Também começa a ler sobre os temas da poesia de Paul Laurence Dunbar e a Era da Reconstrução. Como parte dos seus esforços cívicos, trabalhou no St. Benedict's Lyceum (com Arthur Schomburg, John E. Bruce e Samuel Duncan); no St. Mark's Lyceum (com George Young, John Dotha Jones e Charles Burroughs); na White Rose Home (com Frances Reynolds Keyser) e no YMCA.

Neste momento começa seu interesse pelo livre pensamento, aumentado pelo uso do método científico desprovisto dos dogmas teístas. Começa um abandono do cristianismo para acercar-se ao ateísmo agnóstico similar ao pensamento de Thomas Huxley de forma que sua nova visão do mundo coloca à humanidade e não a um deus no centro.

Em 1907 encontra trabalho como oficinista no Serviço Postal dos Estados Unidos.

Harrison, como Huxley se converte em voz da oposição à religião organizada, remarcando, algo que lhe deu fama que os negros que criam nas ideias bíblicas não estavam sensatos: chamou ao cristianismo "a fé do criador de escravos", citando bilhetes nos que se justifica a escravatura (Se veja: Escravatura na Bíblia). Os únicos negros no cristianismo eram os demónios enquanto Jesus, Deus e os Anjos eram brancos. Por estas razões, Harrison promulgava manter-se negro e ir ao inferno. Rebatia a existência de Deus e a Bíblia nos seus comentários sobre a fé pelo que os teístas condenaram o seu ponto de vista e teve incidentes nos que se queimavam as suas leituras antiteístas. Um destes incidentes envolveu com um extremista religioso. Harrison tinha estado argumentando a favor do controle da natalidade e contra as igrejas por fomentar a superstição, a ignorância e a pobreza; O fundamentalista atacou-lhe com uma alavanca de ferro e Harrison desarmou-lhe e reduziu, no entanto foi Harrison o preso pela polícia (que deixou escapar o atacante) por assalto e levado a julgamento, onde foi absolvido ao ter atuado sobre autodefesa e constando que o polícia tinha preso à pessoa errada.

Harrison apoiava as filosofias críticas de W. E. B. Du Bois e William Monroe Trotter. Particularmente depois do Brownsville Affair, converteu-se num crítico com os presidentes Theodore Roosevelt e William Howard Taft e do Partido Republicano.

Também criticou ao líder negro Booker T. Washington, já que considerava que a sua filosofia política era servil. Em 1910 escreveu cartas ao jornal New York Sun com estas críticas e perdeu o seu emprego no serviço postal graças ao poder de influência de Booker e sua “Tuskegee Machine”, junto a eventos que envolveram ao republicano negro Charles W. Anderson, o assistente de Booker Washington Emmett Scott e o "New York Postmaster" Edward M. Morgan.[4]

Referências

  1. Jervis Anderson, A. Philip Randolph: A Biographical Portrait (New York: Harcourt Brace Jovanovich, Inc., 1973), 79 and Joel.
  2. John G., Jackson. [www.atheits.org «Hubert Henry Harrison: The Black Socrates»] Verifique valor |url= (ajuda). American Atheists. www.atheists.org. Consultado em 28 de março de 2011 
  3. A Hubert Harrison Reader, ed. with an introduction by Jeffrey B. Perry (Middletown: Wesleyan University Press, 2001), 1-2.
  4. Hubert Harrison to the editor, NYS, December 8, 1910, p. 8 and December 19, 1910, p. 8; and Charles William Anderson to Booker T. Washington, September 10, 1911 and October 30, 1911 in Louis R. Harlan and Raymond W. Smock, eds.

Ver tambémEditar