Abrir menu principal

República Romana (1798-1799)



Repubblica Romana
República Romana

república

Flag of the Papal States (pre 1808).svg
1798 – 1799 Flag of the Papal States (pre 1808).svg

Bandeira de Roma

Bandeira

Continente Europa
Capital Roma
Língua oficial italiano
Governo república
História
 • 15 de fevereiro de 1798 Fundação
 • 30 de setembro de 1799 Dissolução

A República Romana foi um estado que existiu na Península Itálica, no território da cidade de Roma, entre 1798 e 1799, fundado pelos exércitos revolucionários franceses. É, às vezes chamada de "primeira República Romana" para não ser confundida com a outra fundada meio século depois.

HistóriaEditar

A República Romana foi uma das repúblicas '"irmãs" filofrancesas e jacobinas proclamadas em seguida às conquistas por Napoleão Bonaparte, logo após a Revolução Francesa.

Em 10 de fevereiro de 1798, as tropas francesas, comandadas por Louis-Alexandre Berthier, invadiram a cidade de Roma dando início à ocupação da cidade. O pretexto foi o assassinato de um general da embaixada francesa, Mathurin-Léonard Duphot, ocorrida em 28 de dezembro de 1797, durante um tumulto popular provocado por alguns revolucionários italianos e franceses.

O general Berthier marchou sobre a cidade sem encontrar resistência, ocorrendo o saque dos tesouros de arte do Vaticano. Em 15 de fevereiro de 1798, foi declarado o fim do poder temporal do papa Pio VI e foi proclamada a República Romana, com o modelo francês. Poucos dias depois, em 20 de fevereiro, o Papa foi expulso da cidade. Morreu no exílio na França no ano seguinte. Em 25 de fevereiro ocorreu uma revolta popular que foi duramente reprimida pelos franceses.

Em 7 de março de 1798, a República Tiberina e a República Anconitana foram anexadas à República Romana.

Em 20 de março de 1798 foi promulgada, sobre o modelo francês, a Constituição da nova república, que previa a eleição de um Tribunato de 72 membros e um Senado de 32, que teriam o poder legislativo e que designariam cinco cônsules aos quais era delegado o poder executivo. Mas na realidade, os franceses comandavam.

O novo regime foi acolhido friamente pela população romana, que depois de sofrer o saque que acompanhou a tomada da cidade, devia suportar os pesados impostos requeridos pelos dirigentes franceses.

Em 28 de novembro de 1798, a República Romana foi invadida pelo exército napolitano, com 70.000 homens ao comando do general austríaco Karl von Mack apoiados pela frota britânica do almirante Nelson, que tentava restaurar a autoridade papal. Depois de seis dias, Fernando IV de Nápoles entrou em Roma como conquistador. Mas em 14 de dezembro do mesmo ano uma imediata e resoluta contra-ofensiva francesa obrigou os napolitanos a um retirada. Os franceses entraram em Nápoles em 23 de janeiro de 1799 e instituíram a República Napolitana.

Em 19 de setembro de 1799, os franceses abandonaram Roma, reocupada em 30 de setembro pelos napolitanos, que assim puseram fim à República Romana.

Eventos posterioresEditar

As tropas francesas retornaram a Roma somente em 2 de fevereiro de 1805, anexando-a ao Império Francês em 17 de maio de 1809. Os territórios passados aos franceses foram restituídos aos Estados Pontifícios em 24 de janeiro de 1814.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.