Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rio Itabapoana
Rio Itabapoana na divisa entre Rio de Janeiro e Espírito Santo.JPG

Rio Itabapoana na divisa entre Rio de Janeiro e Espírito Santo

Localização
País
Dimensões
Comprimento
250 km
Hidrografia
Tipo
Nascente
Afluente
principal
Foz

O rio Itabapoana é um curso de água que banha os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, no Brasil. Apresenta vazão média de 49,3 m³/s e tem, como alguns de seus afluentes, os rios Calçado, Barra Alegre e Muqui do Sul.[1] Sua bacia está inserida na região hidrográfica do Atlântico Sudeste. O rio Itabapoana apresenta cinco usinas hidrelétricas e numerosas cachoeiras e planícies em seu percurso.

EtimologiaEditar

O topônimo "Itabapoana" deriva do termo tupi y-kûabapûana, que significa "correnteza de água (no rio ou no mar)".[2]

Nascente e percursoEditar

As cabeceiras do rio Itabapoana localizam-se na serra do Caparaó. É formado pelo encontro do rio Preto com o Rio São João, na divisa dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. A partir daí, se estende por aproximadamente 250 km, servindo de limite entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro. Durante o seu trajeto, ele forma muitas cachoeiras como Santo Antônio, Inferno, Limeira e Fumaça, essa última com queda de 100 metros.[3] A parte do rio onde fica a maioria das cachoeiras está entre a divisa de Minas Gerais e a cidade de Bom Jesus do Itabapoana, pois nesse percurso o rio desce de sua área mais alta para a região de menor altitude; o rio termina desaguando no oceano Atlântico, no distrito de Barra do Itabapoana, pertencente a cidade de São Francisco de Itabapoana.

CaracterísticasEditar

A bacia hidrográfica do rio Itabapoana abrange uma área de drenagem de 4.875 Km² incluindo 18 municípios nos três Estados. Predominam os domínios geomorfológicos de montanhas ao norte, de colinas no médio vale e de planícies fluvio-marinhas no baixo curso entre os município de Presidente Kennedy (ES) e São Francisco de Itabapoana (RJ). O alto e médio vale do Itabapoana é cortado pelas rodovias BR-116, pela RJ-116 e pela BR-484, na direção da serra do Caparaó. No estado do Rio de Janeiro possui uma área de 1.520 Km², correspondendo a 40% do total abrangindo totalmente o município de Bom Jesus do Itabapoana e parte dos municípios de Porciúncula, Varre-Sai, Campos dos Goytacazes e São Francisco de Itabapoana.[3]

Potencial hidráulicoEditar

Por apresentar varias cachoeiras durante seu percurso, o rio apresenta um grande potencial hidráulico, nele podemos encontrar cinco pequenas centrais hidroelétricas (PCH); estas com capacidade de produção de energia superior a 1,0 MW e inferior a 30 MW. Este tipo de usina apresenta baixo nível de impacto ambiental, em função de ter menor área alagada, e reduzido nível de perda de transmissão, por estar próximo aos centros consumidores. Mesmo sendo de pequeno porte, a sua construção exige grande mobilização, pois sua estrutura é semelhante à de uma grande usina, com barragem, túnel, casa de força, etc. As PCHs presentes no rio são:

  • A PCH Pedra do Garrafão, localizada entre os municípios de Campos dos Goytacazes (RJ) e Mimoso do Sul (ES), tem capacidade instalada de geração de 19 MW e energia assegurada de 12,15 MW médios. A usina será conectada à rede da distribuidora Escelsa, do Espírito Santo, por uma linha de transmissão de 17 quilômetros.
  • A PCH Pirapetinga, localizada na divisa dos municípios de Bom Jesus do Itabapoana (RJ) e São José do Calçado (ES), tem capacidade instalada de 20 MW e energia assegurada de 12,99 MW médios. A usina será conectada à rede da distribuidora de energia Ampla, do Rio de Janeiro, por uma linha de transmissão de aproximadamente 21 quilômetros.
  • A PCH calheiros tem capacidade de 19 MW de energia, sendo a área de seu reservatório de 45 ha. A usina será conectada à rede da distribuidora de energia Enel Distribuição Rio, do Rio de Janeiro, por uma linha de transmissão até a cidade de Itaperuna (RJ).
  • A Usina Hidroelétrica do Rosal entrou em operação em dezembro de 1999. Os 55 MW gerados são injetados no Sistema Interligado Nacional com uma linha de transmissão para o município de Alegre, no Espírito Santo e outra para o município de Mimoso do Sul no mesmo estado. A usina possui duas unidade geradoras do tipo Francis, com queda nominal de 184,4 metros, e uma barragem em concreto do tipo gravidade, com 214,5 metros de comprimento e 34 metros de altura.[3]

Referências

  1. «Região hidrográfica do Rio Itabapoana». Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA). Consultado em 21 de agosto de 2011. Arquivado do original em 19 de agosto de 2011 
  2. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 013. p. 71.
  3. a b c «Rio Itabapoana». Campos Turismo. Consultado em 1 de julho de 2017. Arquivado do original em 5 de agosto de 2016 

Ligações externasEditar