São-bernardo

raça canina
Disambig grey.svg Nota: "São-bernardo" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja São Bernardo (desambiguação).
São-bernardo
São bernardo adulto
Nome original St. Bernardshund
Bernhardiner
Outros nomes São-bernardo
Cão de São Bernardo
País de origem Suíça
 Itália
Características
Peso 70-90 kg
Altura do macho 70-90 cm
Altura da fêmea 65-80 cm
Pelagem variedades curto e longo
Expectativa de vida 8 anos
Classificação e padrões
Federação Cinológica Internacional
Grupo 2 - Cães de tipo pinscher e schnauzer, molossoides, cães montanheses e boieiros suíços
Seção 2 - molossos, tipo montanha
Estalão #61 - 29 de outubro de 2003

São-bernardo[a][b] (em alemão: St. Bernardshund) é uma raça de cães de porte grande a gigante de tipo molosso, originária da Suíça e Itália.[1] Tornaram-se famosos como bem sucedidos cães de resgate na neve nos Alpes suíços no século XVIII.

Cão São-bernardo em evento, 1919.

HistóriaEditar

O cão são-bernardo compartilha origem similar, e/ou, está relacionado, a outras raças suíças, como as quatro variedades de boiadeiro suíço (a saber: bernês, appenzell, grande suíço e entlebuch), e também com cães montanheses da região, hoje extintos, como o mastim alpino, o qual foi provavelmente o principal progenitor do são-bernardo. Foi desenvolvida a partir de cruzamentos de antigos cães molossos, levados à região dos alpes suíços pela passagem de tropas de Roma. Sua sobrevivência foi garantida graças aos monges, que, desde 1660, passaram a criá-los num mosteiro chamado Hospice du Grand St. Bernard, localizado num dos pontos mais altos daquelas montanhas e local por onde os viajantes passavam para cruzar os Alpes. De acordo com historiadores, o primeiro propósito do são-bernardo foi o de proteger as propriedades, seguido então das missões de resgate, que iniciaram-se no século XVIII.[1]

Era sua função encontrar vítimas soterradas e buscar auxílio junto aos monges caso o acidentado não pudesse mover-se. Fisicamente, foram cruzados a fim de se obter um cão robusto, de pelagem isolante e com um excelente faro, que pudesse trabalhar em situações rigorosas. De acordo com historiadores, as missões de resgate envolviam quatro cães, nenhum deles usando o pequeno barril no pescoço conforme aparece em fotografias e filmes: ao encontrar um soterrado, dois cães deitavam-se ao lado dele para aquece-lo, um tentava reanima-lo lambendo-lhe a face e o último retornava ao monastério em busca de ajuda.

Na sociedade humana e em meio a estes descritos "anjos dos Alpes" destacou-se Barry, um são-bernardo que salvou mais de quarenta pessoas ao longo de sua vida.[2]

Como aconteceu com inúmeras raças de cães na Europa durante as guerras mundiais, estes cães quase desapareceram e, para que não sumissem totalmente, os cães restantes foram cruzados com os terra-nova, o que fez com que surgisse sua variação de pelagem longa, maus para salvamentos na neve, já que acumulavam neve e umidade. O facto de terem formado equipes de resgate tornaram-nos animais populares, aparecendo em livros, e filmes como Beethoven de 1992.[1]

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

Referências

  1. a b c «São bernardo». Dog times. Consultado em 5 de maio de 2011 
  2. «The Legendary Barry at the Natural History Museum» (em inglês). Naturhistorisches Museum Bern. Consultado em 6 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2015 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre São-bernardo
  Este artigo sobre cães é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.