Abrir menu principal

Wikipédia β

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Samuel Morse
Conhecido(a) por Código Morse
Nascimento 27 de abril de 1791
Charlestown
Morte 2 de abril de 1872 (80 anos)
Nova Iorque
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Cônjuge Lucretia Pickering Walker
Sarah Elizabeth Griswold
Assinatura
Samuel Morse signature.svg

Samuel Finley Breese Morse (Charlestown, 27 de abril de 1791Nova Iorque, 2 de abril de 1872[1][2][3][4]) foi um inventor, físico e pintor[4][5] de retratos e cenas históricas estadunidense. Tornou-se mundialmente célebre pela suas invenções: o código Morse e o telégrafo com fios, em 1844.[4][6]

Era filho de um pastor protestante chamado Jedidiah Morse e de Breese Elizabeth, de Nova Jersey, numa família com grandes tradições puritanas.[3][4]

Índice

BiografiaEditar

Morse nasceu em Charlestown no ano de 1791.[3][4][5][6] Começou os seus estudos na Academia Phillips, de Adover, e terminou-os em 1810, na Universidade de Yale, e, mais tarde, interessou-se pelo estudo de física e de química, embora a pintura o tenha atraído desde a adolescência. Mais tarde, aos catorze anos, começou a interessar-se pela electricidade. Esta última atrai-o muito, mas apenas como forma de estudo.

Ainda na época de colégio, Morse escreveu uma carta aos pais dizendo que queria se tornar um pintor. Os pais, preocupados com o futuro do filho, preferiram transformá-lo num vendedor de livros em Charlestown.[4] Desse modo, Morse passou a vender livros de dia e a pintar à noite. Ante a persistência do artista, os pais decidiram mandar o filho para Londres para que estudasse artes na Royal Academy em 1811 com o conceituado pintor em Benjamin West.[4]

O TelégrafoEditar

 
Telégrafo original de Samuel Morse.

Em 1825 Morse estava na Cidade de Nova Iorque realizando um retrato de Lafayette, na ocasião do início da pintura um mensageiro a cavalo chegou trazendo notícias de seu pai que dizia, "Sua querida esposa está convalescente". No dia seguinte Morse recebe outra carta de seu pai detalhando que a sua esposa sofreu uma morte súbita. Morse deixa então o retrato inacabado e retorna para New Haven. Após este fato de desencontro de notícias Morse decide explorar meios de conseguir uma comunicação de longa distância.[7] A partir de 1832 começa a desenvolver um tipo de telégrafo com fio.

CronologiaEditar

Em 1815, Morse retornou à América e montou um estúdio em Boston, Massachusetts.[4]

Ao retornar aos Estados Unidos, casou-se em 1818 e, logo em seguida, vieram os filhos: dois meninos e uma menina. Morse lutava com dificuldades, uma vez que à época não havia muitos interessados em retratos.

Em 1823 finalmente se estabeleceu em Nova York.[4]

Em 1825, após o falecimento da sua esposa, Morse retornou à Europa, levando os seus filhos e a cunhada.

Em 1826 fundou uma sociedade artística que, em breve, se transformou na Academia Nacional de Desenho.[4][6] A partir de 1832 ensinou pintura e escultura na Universidade de Nova Iorque, atingindo a fama de excelente retratista.

 
Sepultura de Morse no Green-Wood Cemetery, Brooklyn

Em 1829 retornou a Europa e estabeleceu-se em Paris.

No início da década de 1830 cria o telégrafo elétrico com fios e em 1835[5] constrói um primeiro aparelho, que chamou de "Recording Electric Telegraph",[5] com o qual transmitiu sinais a um quilómetro de distância, mas não os recebia pela mesma linha,[5] efeito que só conseguiu dois anos depois.[5] Em 1839 conclui o trabalho de elaboração do código Morse. O sistema utiliza uma combinação de pontos, traços e pausas para transmitir informações por meio de impulsos telegráficos ou visuais. Em 1843 utiliza o sistema para construir a primeira linha telegráfica, que liga Baltimore a Washington.[6]

 
Nota de dois dólares americanos, de 1896, da chamada "Educational Series", homenageando Samuel Morse (à direita) e Robert Fulton (à esquerda).

No ano seguinte transmite a primeira mensagem: "What hath God wrought!" (Que obra fez Deus!)[6]

Pelas suas descobertas, foi premiado com numerosas distinções provenientes da maior parte do planeta.[5]

Morreu rico em Nova York. Sua fortuna deve-se à proliferação de linhas telegráficas nos Estados Unidos.[6] Encontra-se sepultado no Green-Wood Cemetery, Brooklyn, Nova Iorque nos Estados Unidos.[8]

Referências

Ver tambémEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Samuel Morse
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.