James Monroe

político estadunidense, 5° presidente dos Estados Unidos da América

James Monroe (28 de abril de 17584 de julho de 1831) foi um estadista, advogado, político, diplomata e um dos Pais Fundadores dos Estados Unidos. Ele serviu como o quinto presidente do país de 1817 a 1825. Um membro do Partido Democrata-Republicano, sua presidência coincidiu com a Era dos Bons Sentimentos, um período na história do país caracterizado por um superficial senso de propósito e unidade nacional. Ele é mais conhecido por sua declaração da chamada Doutrina Monroe, uma política de oposição ao colonialismo Europeu nas Américas. Anteriormente, ele havia servido como governador da Virgínia, foi membro do Senado dos Estados Unidos, embaixador na França e Reino Unido, e ainda foi o sétimo Secretário de Estado e o oitavo Secretário de Guerra na administração Madison.[1]

James Monroe
Presidente dos Estados Unidos
Período 4 de março de 1817
a 4 de março de 1825
Vice-presidente Daniel D. Tompkins
Antecessor(a) James Madison
Sucessor(a) John Quincy Adams
Secretário da Guerra dos Estados Unidos
Período 27 de setembro de 1814
a 2 de março de 1815
Presidente James Madison
Antecessor(a) John Armstrong, Jr.
Sucessor(a) William H. Crawford
Secretário de Estado dos Estados Unidos
Período 6 de abril de 1811
a 4 de março de 1817
Presidente James Madison
Antecessor(a) Robert Smith
Sucessor(a) John Quincy Adams
16º Governador da Virgínia
Período 16 de janeiro de 1811
a 2 de abril de 1811
Antecessor(a) John Tyler, Sr.
Sucessor(a) George William Smith
12º Governador da Virgínia
Período 28 de dezembro de 1799
a 1 de dezembro de 1802
Antecessor(a) James Woods
Sucessor(a) John Page
Senador pela Virgínia
Período 9 de novembro de 1790
a 29 de março de 1794
Antecessor(a) John Walker
Sucessor(a) Stevens Thomson Mason
Delegado do Congresso da Confederação
pela Virgínia
Período 3 de novembro de 1783
a 7 de novembro de 1786
Sucessor(a) Henry Lee III
Dados pessoais
Nascimento 28 de abril de 1758
Monroe Hall, Condado de Westmoreland,
Virgínia, América Britânica
Morte 4 de julho de 1831 (73 anos)
Nova Iorque, Nova Iorque,
Estados Unidos
Nacionalidade norte-americano
Progenitores Mãe: Elizabeth Jones
Pai: Spence Monroe
Alma mater Faculdade de Guilherme
e Maria
Esposa Elizabeth Kortright (1786–1830)
Filhos 3
Partido Democrata-Republicano
Religião Episcopalismo
Profissão Advogado e político
Assinatura Assinatura de James Monroe
Serviço militar
Serviço/ramo Exército Continental
Milícia da Virgínia
Anos de serviço 1775–1777 (exército)
1777–1780 (milícia)
Graduação Major (exército)
Coronel (milícia)
Conflitos Guerra da Independência dos Estados Unidos

Nascido em uma família de plantadores em Condado de Westmoreland, na Virgínia, Monroe serviu no exército continental durante a Guerra de Independência dos Estados Unidos. Ele estudou direito com Thomas Jefferson de 1780 a 1783, e depois serviu como delegado no Congresso Continental e então na Convenção de Ratificação da Virgínia, onde se opôs a aprovação da Constituição dos Estados Unidos. Em 1790, ele foi eleito para o Senado, onde se tornou líder dos Democratas-Republicanos. Monroe deixou o Senado Federal em 1794 para servir ao Presidente George Washington como embaixador na França mas foi reconvocado em 1796. Ele foi então eleito Governador da Virgínia em 1799 e foi um fervoroso defensor da candidatura de Thomas Jefferson para a eleição presidencial de 1800.[2][3]

Como enviado especial do Presidente Jefferson, Monroe ajudou nas negociações da Compra da Luisiana, o que levou os Estados Unidos a quase dobrar de tamanho. Monroe teve um desentendimento com seu amigo de longa data James Madison após este rejeitar o Tratado Monroe–Pinkney que Monroe havia negociado com os britânicos. Ele desafiou sem sucesso Madison na eleição presidencial de 1808, mas em abril de 1811 ele acabou se juntando ao governo Madison como Secretário de Estado. No período final da Guerra de 1812, Monroe simultaneamente serviu como Secretário de Estado e Secretário de Guerra de Madison. Sua liderança em tempo de guerra o estabeleceu como o herdeiro aparente de Madison e ele acabou facilmente derrotando Rufus King, o candidato do Partido Federalista, na eleição de 1816.[4]

A presidência de Monroe foi contígua com a "Era dos Bons Sentimentos", com o Partido Federalista entrando em colapso como uma força política nacional. Como presidente, Monroe assinou o Compromisso do Missouri, que admitiu o estado de Missouri como um estado escravagista e proibiu a escravidão nos territórios ao norte do paralelo 36°30′. Internamente, ele favorecia investimentos a infraestrutura, mas acreditava que o governo não deveria agir sozinho, exortando (sem sucesso) o Congresso a agir. Ele também supervisionou o papel do governo federal em regular o comércio interestadual. No início de sua administração, o país foi afetado pelo Pânico de 1819, mas o presidente não tinha poderes para interferir ativamente na economia, com a maioria dos bancos sendo regulados pelos estados. A falta de ação do governo federal fez com que a crise se alongasse, com aumento no desemprego e empresas fechando.[5][6] Nas relações exteriores, Monroe e seu Secretário de Estado, John Quincy Adams, favoreciam uma política de conciliação com a Grã-Bretanha e uma política de expansionismo contra o Império Espanhol. No Tratado de Adams-Onís de 1819, com a Espanha, os Estados Unidos formalmente anexaram a Flórida e estabeleceu sua fronteira ocidental com o território da Nova Espanha. Em 1823, Monroe anunciou que os Estados Unidos iriam se opor a qualquer intervencionismo Europeu nas Américas, em luz dos recentes movimentos por independência na América Latina, no que ficou conhecido como "Doutrina Monroe", que se tornou uma importante marca na política externa dos Estados Unidos. Monroe foi um membro da American Colonization Society, que apoiou a colonização da África por escravos libertos. Na Libéria, a capital Monróvia tem esse nome em honra a ele. Após sua aposentadoria da política em 1825, Monroe sofreu dificuldades financeiras e faleceu em 4 de julho de 1831, em Nova Iorque. Historiadores e acadêmicos geralmente o classificam como um presidente acima da média.[7]

BiografiaEditar

James Monroe nasceu em 28 de abril de 1758, em uma área arborizada de Westmoreland County, Virgínia. O local é marcado e é uma milha a partir do que é hoje conhecido como o Monroe Hall, Virginia. O pai de Monroe, Spence Monroe (1727-1774) era um plantador moderadamente próspero que também aprendeu o ofício de carpintaria. Sua mãe, Elizabeth Jones Monroe (1730-1774), casou-se com Spence Monroe em 1752. Seu bisavô paterno emigrou para a América vindo da Escócia, em meados do século XVII. Em 1650, Andrew Monroe patenteou uma grande extensão de terras em Washington Parish, no Condado de Westmoreland, na Virgínia.[8]

Vida acadêmicaEditar

Parou de estudar aos 16 anos, para participar da luta pela independência dos Estados Unidos. Sendo ferido em combate, recebeu de George Washington o posto de capitão.

Reiniciando seus estudos, se formou em direito. Tinha grande amizade por Thomas Jefferson. Por influência de seu mentor, iniciou sua carreira política.

Carreira políticaEditar

Monroe foi eleito Representante em 1782, e em seguida presidente da câmara legislativa do estado. Integrou o congresso continental sendo um dos responsáveis pela aprovação da constituição americana.

Elegeu-se em 1790, senador. Em 1794 foi nomeado embaixador na França pelo presidente George Washington. Governou a Virgínia entre 1799 e 1802. Foi designado para negociar a compra dos territórios situados na foz do rio Mississippi pelo presidente Thomas Jefferson. Viajando para a França e Espanha, firmou o tratado pelo qual a França vendeu aos Estados Unidos o território da Luisiana.

Em 1811 voltou a governar a Virgínia. Renunciou ao cargo de governador e tornou-se Secretário de Estado norte-americano, cargo este acumulado com o de secretário de Defesa entre 1814 e 1815.

Campanha PresidencialEditar

Monroe em 1817 foi eleito presidente dos Estados Unidos e reelegeu-se em 1820. Ao longo destes dois mandatos, negociou com a Espanha o território da Flórida.

Em 1820 firmou o compromisso de Missouri. Neste documento, houve a intenção de resolver a controvérsia constitucional entre escravocratas e abolicionistas. Monroe se saiu vitorioso nas negociações.

Política externaEditar

Na América Latina, com o desmantelamento do império espanhol, houve diversos estados que lutaram pela independência. James Monroe, após negociações, aceitou suas independências, desde que muitas das nações aceitassem o protetorado norte-americano.[9]

Edward Everett, em 1821, afirmou: (sic)..."Nem com todos os tratados que possamos fazer, nem com todo o dinheiro que emprestarmos, poderemos transformar seus Bolívares em Washington".

Doutrina MonroeEditar

 Ver artigo principal: Doutrina Monroe

Em função de sua política externa, em 1823, Monroe promulgou a doutrina que acabou por levar seu nome. A linha de ação da Doutrina Monroe repudiava a intervenção da Europa nos países do continente Americano, Sendo esta assumida pelos Estados Unidos, que passaram a ser mediadores e orientadores das políticas externas dos países latino-americanos sob a máxima: A América para os americanos.

Fim de carreiraEditar

Após seu segundo mandato, que terminou em 1825, Monroe abandonou a vida pública e voltou para o estado da Virgínia. Morreu em Nova Iorque em 4 de julho de 1831. Foi sepultado no Hollywood Cemetery, Richmond, Virgínia no Estados Unidos.[10]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Ammon, Harry (1971). James Monroe: The Quest for National Identity. [S.l.]: McGraw-Hill 
  2. Pulliam, David Loyd (1901). The Constitutional Conventions of Virginia from the foundation of the Commonwealth to the present time. [S.l.]: John T. West, Richmond. ISBN 978-1-2879-2059-5 
  3. Unger, Harlow G. (2009). The Last Founding Father: James Monroe and a Nation's Call to Greatness. [S.l.]: Da Capo Press 
  4. Leibiger, Stuart, ed. A Companion to James Madison and James Monroe (2012) excerto; acessado em 14 de julho de 2021.
  5. Hammond, John Craig (março de 2019). «President, Planter, Politician: James Monroe, the Missouri Crisis, and the Politics of Slavery» (PDF). Journal of American History. 105 (3): 843–67. doi:10.1093/jahist/jaz002 
  6. Hart, Gary (2005). James Monroe. [S.l.]: Henry Holy and Co. ISBN 978-0805069600 
  7. Howe, Daniel Walker (2007). What Hath God Wrought: The Transformation of America, 1815–1848. [S.l.]: Oxford Univ. Press 
  8. Harry Ammon, James Monroe: the quest for national identity (1990) p. 577
  9. «America President: James Monroe: Campaigns and Elections». Miller Center of Public Affairs. Consultado em 20 de maio de 2012. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2010 
  10. James Monroe (em inglês) no Find a Grave

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: James Monroe


Precedido por
James Madison
 
5.º Presidente dos Estados Unidos
1817 – 1825
Sucedido por
John Quincy Adams


  Este artigo sobre um Presidente dos Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.