Sansimonismo

O sansimonismo, saint-simonismo ou saint-simonianismo foi o movimento ideológico com fins políticos fundado pelos seguidores do socialista aristocrático Henri de Saint-Simon após a morte deste em 1825. Na França, constituiu a primeira experiência prática de socialismo, ainda que se discuta se suas propostas foram realmente socialistas.[1] Sua influência estendeu-se fora da França e atingiu praticamente a todo o planeta, se apresentando não tanto como um «movimento socialista ou social como quanto agrupamento técnico-político, com objetivos reformistas, metas financeiras e místico-filosóficas não demasiado definidas».[2]

Henri de Saint-Simon, cujas ideias deram nascimento ao movimento que leva seu nome.

As ideias de Saint-Simon, expressas em grande parte através de uma sucessão de periódicos como l'Industrie (1816), La politique (1818) e L'Organisateur (1819–20)[3] focavam na percepção de que o crescimento da industrialização e da descoberta científica trariam mudanças profundas na sociedade. Ele acreditava que a sociedade se reestruturaria abandonando as ideias tradicionais de poder temporal e espiritual, uma evolução que levaria, inevitavelmente, a uma sociedade produtiva baseada em e se beneficiando de uma "... união de homens engajados em trabalho útil"; a base da "verdadeira igualdade".[4]

As primeiras publicações de Saint-Simon, como sua Introduction aux travaux scientifiques du XIXe siècle (Introdução às descobertas científicas do século XIX) (1803) e o Mémoire sur la science de l'homme (Notas sobre o estudo do homem) (1813), (a última das quais é um elogio a Napoleão), demonstra sua fé na ciência como um meio de regenerar a sociedade. Em seu ensaio de 1814, De la reorganisation of the société européenne (Sobre a reorganização da sociedade europeia), escrito em colaboração com seu então secretário Augustin Thierry, Saint-Simon parece ter previsto a União Europeia, esperando, no entanto, que a Inglaterra assumisse a liderança em formar um continente compartilhando as mesmas leis e instituições.[5] Durante sua última década, Saint-Simon concentrou-se em temas de economia política. Juntamente com Auguste Comte, (então apenas adolescente), Saint-Simon projetou uma sociedade que contornase as mudanças da Revolução Francesa, na qual a ciência e a indústria tomariam o poder moral e temporal da teocracia medieval.[5] Porém, em seu último trabalho, Nouveau Christianisme (Novo Cristianismo) (1825), Saint-Simon voltou às ideias mais tradicionais de renovar a sociedade por meio do amor fraternal cristão. Ele morreu logo após a sua publicação.[3]

HistóriaEditar

O «socialismo aristocrático» de Saint-SimonEditar

Em 1825, no ano de sua morte, publicou-se a obra de Henri de Saint-Simon Nouveau Christianisme (Novo cristianismo), síntese final de suas ideias econômicas, sociais e políticas desenvolvidas durante os vinte anos anteriores.[6] Nela Saint-Simon propunha criar um «novo» e «autêntico» cristianismo que servisse de fundamento ideológico e moral à nova sociedade industrial que propunha. «A grande meta terrena dos cristãos, que devem se propor a obter a vida eterna, é melhorar o mais rapidamente possível a existência moral e física da classe mais pobre», escreveu.[7]

Para atingir essa sociedade que acabasse com a «anarquia» capitalista, propunha a constituição de um novo Estado dirigido pelos cientistas e pelos «industriais» que substituiriam aos «incapazes»: curas, nobres e exploradores. Por isso sua proposta tem sido qualificada como «socialismo aristocrático», antecedente do que em século XX chamar-se-ia tecnocracia.[8] Daí também que boa parte de seus seguidores fossem banqueiros, financeiros, industriais, inventores, etc., alguns dos quais desempenharam funções importantes na vida econômica da França e fora dela.[9][10]

Para Saint-Simon, o conflito de classes fundamental da sociedade de seu tempo não era o que o enfrentava à «burguesia» com o «proletariado», como afirmarão outros socialistas e desenvolverá o marxismo, mas aquele que opunha os «produtores» ou «terceira classe» — que incluía tanto os proprietários quanto aos operários, «os que dirigiam os trabalhos produtivos e os que os realizavam» — com os «ociosos» improdutivos que não contribuíam em nada à riqueza e ao bem-estar econômico da nação, e entre os quais se encontravam em primeiro lugar os membros do clero e da nobreza.[11]

Segundo Saint-Simon a propriedade só era legítima quando se baseava no trabalho, do que deduzia que a sociedade moderna se apoiava na indústria e nos «industriais», grupo formado por «três grandes classes que se chamam os cultivadores, os fabricantes e os negociantes» e que todos «reunidos trabalham para produzir ou para pôr ao alcance de todos os membros da sociedade todos os meios materiais para satisfazer suas necessidades ou seus gostos físicos».[12]

Nascimento e primeira época do sansimonismo (1825-1831)Editar

«Glória a Saint-Simon, o primeiro a anunciar aos homens que suas esperanças não são enganosas, que os sonhos apaixonados de nossos pais logo se tornarão realidade! Defensores da "igualdade"! Saint-Simon diz que os homens são "desiguais"; mas também diz que eles não "distinguirão" um do outro, exceto pelo seu poder de "amor", de "ciência" e de "indústria"; Não é isso o que quereis? Defensores da "liberdade"!, Saint-Simon diz que tereis "chefes"; mas esses líderes serão mais capazes de elevar vossos sentimentos, cultivar vossa inteligência, aumentar vossa riqueza; aspirais a outra coisa quando tentais se libertar de vossos antigos amos?»

Doutrina de Saint-Simon, 1830.[13]

Os seguidores de Saint-Simon consideraram-no como um «mestre» e o apresentaram como um «messias» da nova «religião» exposta em «O novo cristianismo».[13] Os chefes do movimento foram Barthélemy Prosper Enfantin, Saint-Amand Bazard e Olinde Rodrigues, que junto com outros destacados membros do grupo, como Henri Forunel, Abel Transon, Michel Chevalier, Jean Reynaud, Pierre Leroux e Philippe Buchez, constituíram a «hierarquia dos produtores». Seu primeiro passo foi fundar em 1825, no mesmo ano da morte de Saint-Simon, o jornal Le Producteur, no que criticaram o liberalismo e o livre-comércio, e a seguir organizaram sessões de debates públicos nos quais se discutiram e desenvolveram os princípios da escola que foram recolhidos na Exposição da doutrina de Saint-Simon publicada em 1830. Graças a este labor de difusão do sansimonismo foram-se aderindo ao mesmo não só políticos e pensadores, mas também homens de negócios, banqueiros, industriais e economistas que ocupariam postos importantes na França em meados do século. Todos eles assumiram o sansimonismo como uma «religião» cuja «fé» se baseava na ciência — na qual incluíam à história, «uma ciência que assume as características de rigor das ciências exatas»— e que evia mostrar «o caminho progressivo da humanidade para a associação universal».[13] Assim se dizia na Exposição da doutrina de Saint-Simon:[14]

 

«Até hoje o homem tem explorado o homem. Mestres e escravoss, patrícioss e plebeuss, senhores e servos; proprietários; inquilinos; ociosos e trabalhadores,… eis aqui a história progressiva da humanidade até hoje: Associação Universal, eis aqui nosso futuro a cada um segundo sua capacidade, cada capacidade segundo suas obras, eis aqui o novo direito, que substitui o de conquista e o de nascimento. O homem já não explora mais o homem; o homem associado ao homem, explora o mundo abandonado ao seu poderio.»

Os sansimonianos questionaram o direito de propriedade e sobretudo opuseram-se radicalmente a que pudesse se transmitir em herança, porque isso suporia perpetuar «as mordomias do nascimento» —quando morresse um proprietário seus bens seriam «transferidos» ao Estado, «convertido na associação dos trabalhadores»—. Mas advertiam que o sistema social que propugnavam não devia se confundir «com o conhecido sob o nome de comunhão de bens» pois em sua proposta «cada um deverá ser classificado segundo sua capacidade, retribuído segundo obras».[14] O fato de não defender o igualitarismo, de manter «a desigualdade na distribuição» e de propugnar uma sociedade hierarquizada regida pelos melhores —entre os quais incluíam os industriais, os financeiros e os banqueiros, «guias naturais dos trabalhadores»— fez que a influência direta do sansimonismo nos médios operários fosse muito reduzida, apesar de suas contínuas denúncias da «exploração do homem pelo homem».[15]

Por outro lado, os sansimonianos foram dos primeiros em se ocupar da emancipação da mulher, adotando nesta questão posições muito avançadas para seu tempo. Denunciaram que as mulheres eram «escravas» —estavam mais exploradas que os homens pois cobravam menos pelo mesmo trabalho— e que suas únicas perspectivas vitais eram de se converter em submissas ou em prostitutas, sem capacidade pois para dispor de uma vida própria.[16]

Nos últimos anos e no período após sua morte, as ideias de Saint-Simon, que deram destaque à arte como um aspecto valorizado do trabalho, interessaram numerosos artistas e músicos, entre eles Hector Berlioz, Félicien David (que escreveu vários hinos para o movimento) e Franz Liszt.[17] Por um breve período, o historiador e escritor Léon Halévy atuou como secretário do filósofo.[18]

 
Construção do Canal de Suez.

Na França, o movimento encontrou numerosos opositores, especialmente entre as classes dirigentes e na Igreja católica, e também foi perseguido pelo governo, mas conseguiu se difundir por todo o país e pelos Estados alemães e italianos, e fora de Europa, pelo Oriente Médio e Egipto, onde os sansimonianos encabeçados por Ferdinand de Lesseps desenvolveram o projeto do canal de Suez inaugurado em 1869. O sansimonismo também influiu no jovem Karl Marx.[19]

Ruptura, perseguição e extensão do movimento fora da França (1831-1864)Editar

 
Barthélemy Prosper Enfantin, «pai» da «religião» sansimoniana.

Após a morte de Saint-Simon, em 1825, seus seguidores começaram a diferir sobre como divulgar suas ideias. Uma facção 'carismática', liderada por Barthélemy Prosper Enfantin, comprou o jornal Le Globe como seu órgão oficial e formou um grupo ritualístico cada vez mais religioso, baseado em uma comunidade fundada em Ménilmontant, antes de ser banido pelas autoridades em 1832.[20]

A progressiva conversão do movimento numa «religião» que adotou cada vez mais as características de uma seita acabou provocando sua divisão —e alguns como Pierre Leroux ou Philippe Buchez a abandonaram—, agravada pela perseguição governamental a que foram submetidos seus chefes, sendo alguns deles, como Enfantin e Michel Chevalier, condenados a penas de cárcere. Depois disso, Assim entre 1833 e 1836 os principais dirigentes sansimonianos, com Enfantin à frente, visitaram Constantinopla e depois se transladaram ao Egito, onde influenciaram a criação do Canal de Suez em busca de revelações messiânicas, e o movimento saint-simoniano formal expirou.[20][16]

No entanto, outros que haviam sido associados ao grupo e não eram seguidores de Enfantin (como Olinde Rodrigues e Gustave d'Eichthal) desenvolveram noções saint-simonianas praticamente e se envolveram no desenvolvimento da economia francesa, fundando uma série de preocupações, incluindo a Companhia do Canal de Suez e o banco Crédit Mobilier.[21]

Quando regressaram à França, os sansimonianos destacaram no campo do jornalismo, da indústria e das finanças —os irmãos Péreire se converteram nos principais banqueiros franceses. Quando estourou a revolução de 1848, apoiaram à Segunda República Francesa mas se opuseram a qualquer mostra de extremismo, pelo que alguns acabaram aceitando o Segundo Império Francês, como Chevalier e o próprio Enfatin, fundador e diretor de grandes empresas ferroviárias. Desta forma, o sansimonismo deixou de ser um movimento social e muito menos socialista, pelo que se costuma fixar seu final em 1864, ano da morte de Enfantin.[22]

Observou-se também que as ideias saint-simonianas exerceram uma influência significativa em novos movimentos religiosos, como o espiritualismo e o ocultismo desde a década de 1850.[23]

Pessoas associadas ao movimento sansimonianoEditar

Referências

  1. Bravo 1976, p. 98; 104, "Aunque presentaron inequívocos elementos de socialismo en sus planes teóricos (la exaltación del trabajo, la crítica de la propiedad y de la herencia, la necesidad de la planificación, la centralización de las decisiones políticas dentro de la autonomía de la periferia, la igualdad de sexos, la insistente propuesta de una acción social generalizada a favor de los pobres y los trabajadores), otros componentes de sus ideas se prestan al equívoco, y en particular su escasa confianza en la autonomía política de las masas y de la clase obrera y el hecho de que vieron a los industriales, los financieros y los banqueros «como guías naturales de los trabajadores»; también está el hecho de que cualquier gobierno, con independencia de su forma institucional, les parecía «de muy poca importancia al lado de la organización de los asuntos económicos»..
  2. Bravo 1976, p. 104.
  3. a b Hewett 2008.
  4. Saint-Simon, citado em Leopold, 1998
  5. a b Goyau 1912.
  6. Bravo 1976, p. 90.
  7. Bravo 1976, p. 96.
  8. Bravo 1976, p. 88-89, "No fue un utopista, al contrario de Fourier, que a veces hizo concesiones a una representación utópica de la sociedad. Su visión del futuro ofreció incluso un análisis típicamente antiutópico, basado en la ciencia, que pretendía dar un encuadre industrial a toda la construcción social, y que hoy podría ser tachado de visión tecnocrática".
  9. Bravo 1976, p. 89.
  10. Bravo 1976, p. 96-97, "La figura de Saint-Simon fue determinante para la historia del socialismo. Muchas de sus ideas se consolidaron en los años posteriores a su muerte en todo el mundo, gracias sobre todo a la enseñanza predicada y difundida por la secta que tomó su nombre, la escuela sansimoniana. En particular, pueden recordarse algunos conceptos que, debatidos después, tienen un concreto origen en sus obras: en primer lugar, el del 'nuevo' y 'auténtico' cristianismo; después lo siguen: la idea del progreso; su obra sobre la formación de la nueva intelligentzia, de la tecnocracia, de las 'capacidades'; sus tesis sobre el desarrollo económico, primordial para la evolución -incluso ética- de la sociedad; y, por último, los temas de las divisiones de clase (e incluso el interclasismo) y del trabajo y los trabajadores, base de la nueva construcción social"..
  11. Bravo 1976, p. 92-93.
  12. Bravo 1976, p. 94-95.
  13. a b c Bravo 1976, p. 97.
  14. a b Bravo 1976, p. 100.
  15. Bravo 1976, p. 100-101.
  16. a b Bravo 1976, p. 105-106.
  17. Locke, Ralph P.. "Music, Musicians, and the Saint-Simonians", Chicago: Univ of Chicago Press, 1986. ISBN 0226489027
  18. Szajkowski, Zosa; Szajkowski, Soza (1970). Jews and the French Revolutions of 1789, 1830 and 1848 (em inglês). [S.l.]: KTAV Publishing House, Inc. 
  19. Bravo 1976, p. 97-98.
  20. a b Karabell, Zachary (2003). Parting the desert: the creation of the Suez Canal. Alfred A. Knopf. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-375-40883-0 
  21. Leopold 1998.
  22. Bravo 1976, p. 105.
  23. Strube, 2016

BibliografiaEditar

  • Bravo, Gian Mario (1976) [1971]. Historia del socialismo 1789-1848. El pensamiento socialista antes de Marx [Storia del socialismo, 1789-1848. Il pensiero socialista prima di Marx]. Barcelona: Ariel. ISBN 84-344-6508-6