Seitō
Capa da primeira edição da revista, ilustrada por Chieko Takamura.[1]
Editor Raichō Hiratsuka, Itô Noe, Seitō-sha
Categoria revista de notícias
País  Japão
Idioma japonês
Primeira edição setembro de 1911[2]
Última edição fevereiro de 1916[2]

Seitō (青鞜?) foi uma revista literária feminista japonesa criada em 1911 por um grupo de cinco mulheres: Raichō Hiratsuka, Yasumochi Yoshiko, Mozume Kazuko, Kiuchi Teiko e Nakano Hatsuko, fundadoras da sociedade Seitō-sha (青鞜社?), que tinha como objetivo promover a igualdade dos direitos das mulheres através da literatura e educação. A revista foi estruturada para articular a autoconsciência das mulheres e as limitações sociais baseadas no género que enfrentavam, mas a promoção das convicções feministas iniciais por meio das publicações controversas fez com que a revista fosse proibida pela identidade nacional japonesa (kokutai), por ser considerada “prejudicial à sociedade”. Seitō foi publicada no Japão entre setembro de 1911 e fevereiro de 1916, tendo impulsionado o início do movimento feminista no Japão.[2][3] É considerada uma das primeiras publicações feministas do Japão.[4]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Birnbaum, Phyllis (1999). Modern Girls, Shining Stars, the Skies of Tokyo: Five Japanese Women (em inglês). Nova Iorque: Columbia University Press. p. 79. ISBN 9780231500029 
  2. a b c Kornicki, Peter (1998). «The Bluestockings». In: S. L. Sievers. Meiji Japan: The emergence of the Meiji state (em inglês). Londres: Routledge. p. 276. ISBN 9780415156189 
  3. Bardsley, Jan (2003). Seito and the Resurgence of Writing by Women. «The Columbia Companion to Modern East Asian Literature». Columbia University Press (em inglês): 93–98. JSTOR 10.7312/most11314.18 
  4. Lima, Juliana Domingos de (26 de setembro de 2017). «A revista feminista japonesa que desafiou o conservadorismo do Império». Nexo Jornal 
  Este artigo sobre uma revista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.