Seydlitz (cruzador)

O Seydlitz foi um cruzador pesado construído para a Kriegsmarine e a quarta embarcação da Classe Admiral Hipper, depois do Admiral Hipper, Blücher e Prinz Eugen, e seguido pelo Lützow. Sua construção começou em dezembro de 1936 na Deutsche Schiff- und Maschinenbau e foi lançado ao mar em janeiro de 1939, porém o início da Segunda Guerra Mundial retardou suas obras até que pararam totalmente em 1940, com o navio nunca tendo sido completado.

Seydlitz
Seydlitz-1.jpg
O lançamento do Seydlitz em janeiro de 1939
 Alemanha
Operador Kriegsmarine
Fabricante Deutsche Schiff- und Maschinenbau
Homônimo Friedrich Wilhelm von Seydlitz
Batimento de quilha 29 de dezembro de 1936
Lançamento 19 de janeiro de 1939
Destino Desmontado
Características gerais (projeto como cruzador)
Tipo de navio Cruzador pesado
Classe Admiral Hipper
Deslocamento 20 100 t (carregado)
Maquinário 3 turbinas a vapor
9 caldeiras
Comprimento 210 m
Boca 21,8 m
Calado 7,9 m
Propulsão 3 hélices
- 132 000 cv (97 100 kW)
Velocidade 32 nós (59 km/h)
Autonomia 6 800 milhas náuticas a 20 nós
(12 600 km a 37 km/h)
Armamento 8 canhões de 203 mm
12 canhões de 105 mm
12 canhões de 37 mm
8 canhões de 20 mm
12 tubos de torpedo de 533 mm
Blindagem Cinturão: 70 a 80 mm
Convés: 12 a 50 mm
Torres de artilharia: 70 a 105 mm
Torre de comando: 50 a 150 mm
Aeronaves 3 hidroaviões
Tripulação 42 oficiais
1 340 marinheiros
Características gerais (projeto como porta-aviões)
Tipo de navio Porta-aviões
Deslocamento 17 140 t
Comprimento 216 m
Calado 6,65 m
Armamento 10 canhões de 105 mm
10 canhões de 37 mm
24 canhões de 20 mm
Aeronaves 20

O Seydlitz permaneceu atracado em Bremen até março de 1942, quando a Kriegsmarine decidiu convertê-lo em um porta-aviões. Foi renomeado para Weser e reprojetado para transportar vinte aeronaves. Os trabalhos de conversão nunca foram finalizados e a embarcação foi levada até Königsberg e deliberadamente afundada em janeiro de 1945. Os soviéticos planejaram canibalizar o casco por peças, porém a ideia foi abandonada e o navio desmontado.

CaracterísticasEditar

 Ver artigo principal: Classe Admiral Hipper
 
Desenho da Classe Admiral Hipper

Os cruzadores pesados da Classe Hipper Admiral foram encomendados no contexto do rearmamento naval alemão após a ascensão do Partido Nazista ao poder em 1933, que repudiou as cláusulas de desarmamento do Tratado de Versalhes. A Alemanha assinou o Acordo Naval Anglo-Germânico com o Reino Unido em 1935, que proporcionou a base legal para o rearmamento alemão. O tratado especificava que a Alemanha poderia construir cinco "cruzadores de tratado" de até dez mil toneladas.[1] Os membros da Classe Admiral Hipper estavam nominalmente dentro desse limite, porém na realidade eram muito maiores.[2]

O Seydlitz tinha 210 metros de comprimento de fora a fora, boca de 21,8 metros e calado máximo de 7,9 metros. Seu deslocamento projetado era de 17,6 mil toneladas e o deslocamento carregado de 20,1 mil toneladas. Seu sistema de propulsão era composto por três conjuntos de turbinas a vapor alimentadas por nove caldeiras de alta-pressão a óleo combustível. Seus motores poderiam produzir 132 mil cavalos-vapor (97,1 mil quilowatts), suficiente para uma velocidade máxima de 32 nós (59 quilômetros por hora).[3] Sua tripulação consistiria em 42 oficiais e 1 340 marinheiros.[4]

O armamento principal do cruzador consistia em oito canhões calibre 60 de 203 milímetros montados em quatro torres de artilharia duplas, duas na proa e duas na popa, com uma sobreposta a outra. Sua bateria antiaérea era formada por doze canhões calibre 65 de 105 milímetros, doze canhões calibre 83 de 37 milímetros e oito canhões calibre 65 de 20 milímetros. A embarcação também era equipada com doze tubos de torpedo de 533 milímetros distribuídos em quatro lançadores triplos, dois à meia-nau em cada lado da superestrutura. O Seydlitz era equipado com três hidroaviões Arado Ar 196, um hangar e uma catapulta.[4] O cinturão de blindagem tinha setenta a oitenta milímetros de espessura; o convés superior ficava de doze a trinta milímetros, enquanto o convés blindado principal tinha entre vinte e cinquenta milímetros. As torres de artilharia principal tinham placas frontais de 105 milímetros e laterais de setenta milímetros.[3]

HistóriaEditar

O Seydlitz foi construído pela Deutsche Schiff- und Maschinenbau em Bremen.[3] Ele foi originalmente projetado como uma versão cruzador rápido da Classe Admiral Hipper, armado com doze canhões de 149 milímetros em vez dos nove canhões de 203 milímetros. Entretanto, a Kriegsmarine decidiu em 14 de novembro de 1936 que o navio seria um cruzador pesado idêntico a seus irmãos.[4] Seu batimento de quilha ocorreu em 29 de dezembro de 1936,[5] sob o número de construção 940.[3] A embarcação foi lançada ao mar em 19 de janeiro de 1939, porém os trabalhos de equipagem foram paralisados depois do início da Segunda Guerra Mundial quando ele estava quase finalizado.[6][7]

 
Foto de reconhecimento aéreo de Bremen em maio de 1942, mostrando o incompleto Seydlitz em baixo

A Kriegsmarine ficou convencida da necessidade de adquirir porta-aviões após a perda do couraçado Bismarck em maio de 1941, quando porta-aviões britânicos tinham desempenhado um papel primordial, e o quase torpedeamento de seu irmão Tirpitz em março de 1942.[8] Trabalhos no porta-aviões Graf Zeppelin, que tinham sido paralisados em maio de 1940, foram retomados em março de 1942.[9] A Kriegsmarine também decidiu converter várias embarcações em porta-aviões auxiliares, com o Seydlitz sendo um dos escolhidos.[8]

Os trabalhos de conversão no Seydlitz começaram na mesma época que a construção do Graf Zeppelin recomeçou.[10] Foi renomeado para Weser e a maior parte de sua superestrutura foi cortada, com exceção da chaminé, em preparação para a instalação de um convés de voo e hangar de aeronaves.[6] Aproximadamente 2,4 mil toneladas de materiais foram removidas do navio.[11] O convés de voo teria duzentos metros de comprimento e trinta de largura. O hangar teria 137,5 metros de comprimento por dezessete de largura na dianteira e doze à meia-nau e ré.[12] Seu armamento seria reduzido para uma bateria antiaérea de dez canhões de 105 milímetros em cinco montagens duplas, duas na frente da torre de comando e três a ré, dez canhões de 37 milímetros em cinco montagens duplas e 24 canhões de 20 milímetros em seis montagens quádruplas.[11]

O complemento aéreo Weser consistiria em dez caças Messerschmitt Bf 109 e dez bombardeiros de mergulho Junkers Ju 87.[11] Os caças Bf 109 seriam versões navais do modelo "E", designado como Bf 109T. Suas asas eram mais compridas do que o modelo terrestre a fim de permitir uma decolagem mais curta.[13] O tipo Ju 87 selecionado teria sido a variante "E", que seria navalizada como o Ju 87D e modificada para decolagens com catapultas e equipada com equipamentos de retenção.[14]

Os trabalhos foram paralisados em junho de 1943, antes da conversão ter sido finalizada.[11] A embarcação foi transferida para Königsberg, onde ficou pelo restante da guerra. Foi deliberadamente afundado em 29 de janeiro de 1945 para que o Exército Soviético não pudesse tomá-lo. A Marinha Soviética mesmo assim considerou usar os destroços à procura de partes para completar o Tallinn, um irmão do Weser que os soviéticos tinham comprado inacabado no início da guerra. Isto não foi feito e o navio foi desmontado.[6]

ReferênciasEditar

  1. Williamson 2003, pp. 4–5
  2. Koop & Schmolke 1992, p. 9
  3. a b c d Gröner 1990, p. 65
  4. a b c Gröner 1990, p. 66
  5. Williamson 2003, p. 42
  6. a b c Gröner 1990, p. 67
  7. Evans 1999, p. 13
  8. a b Garzke & Dulin 1985, p. 296
  9. Gröner 1990, p. 72
  10. Fontenoy 2006, p. 75
  11. a b c d Gröner 1990, p. 76
  12. Gröner 1990, p. 75
  13. Caldwell & Muller 2007, p. 80
  14. Kay & Couper 2004, p. 157

BibliografiaEditar

  • Caldwell, Donald; Muller, Richard (2007). The Luftwaffe Over Germany: Defense of the Reich. Londres: MBI Publishing Company. ISBN 978-1-85367-712-0 
  • Evans, Mark (1999). Great World War II Battles in the Arctic. Westport: Greenwood Press. ISBN 978-0-313-30892-5 
  • Fontenoy, Paul E. (2006). Aircraft Carriers: An Illustrated History of Their Impact. Santa Barbara: ABC-CLIO. ISBN 978-1-85109-573-5 
  • Garzke, William H.; Dulin, Robert O. (1985). Battleships: Axis and Neutral Battleships in World War II. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 978-0-87021-101-0 
  • Gröner, Erich (1990). German Warships: 1815–1945. I: Major Surface Vessels. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 978-0-87021-790-6 
  • Kay, Antony K.; Couper, Paul (2004). Junkers Aircraft and Engines, 1913–1945. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 978-0-85177-985-0 
  • Koop, Gerhard; Schmolke, Klaus-Peter (1992). Die Schweren Kreuzer der Admiral Hipper-Klasse. Bonn: Bernard & Graefe Verlag. ISBN 978-3-7637-5896-8 
  • Williamson, Gordon (2003). German Heavy Cruisers 1939–1945. Oxford: Osprey Publishing. ISBN 978-1-84176-502-0 

Ligações externasEditar