Silvio Parodi

futebolista paraguaio

Silvio Parodi Ramos mais conhecido apenas como Silvio Parodi (Luque6 de novembro de 1931 - 9 de outubro de 1989) foi um ex-futebolista paraguaio. Jogava como meio-campista e seu primeiro clube foi o Sportivo Luqueño. Foi um dos estrangeiros de maior sucesso do Vasco da Gama e ídolo da torcida cruzmaltina.

Silvio Parodi
Informações pessoais
Nome completo Silvio Parodi Ramos
Data de nasc. 6 de novembro de 1931
Local de nasc. Luque, Paraguai
Nacionalidade paraguaio
Falecido em 9 de outubro de 1989 (57 anos)
Altura 1,64 m
Informações profissionais
Período em atividade 1953–1962
Posição Meio-Campo
Clubes profissionais
Anos Clubes
1953-1954
1954-1955
1956-1957
1957-1958
1961-1963
1964
Paraguai Sportivo Luqueño
Brasil Vasco da Gama
Itália Fiorentina
Brasil Vasco da Gama
Espanha Racing Santander
Colômbia Millonarios
Seleção nacional
1951–1961 Flag of Paraguay.svg Paraguai

CarreiraEditar

Começou sua carreira em 1953 jogando para o Sportivo Luqueño. Jogou para o clube até 1954. Nesse ano migrou para o Brasil para integrar o Club de Regatas Vasco da Gama. Foi jogador do Vasco até o ano de 1955. Após isso, mudou-se para a Itália para fazer parte da Fiorentina, onde esteve até 1957. Nesse ano regressou ao Brasil para voltar novamente para o Vasco da Gama, onde ficou até 1958. Em 1961 foi para a Espanha para jogar no Racing de Santander. Em 1964 jogou no Millonarios da Colômbia onde foi campeão nacional.

FamíliaEditar

Foi o primo do também futebolista José Parodi. E sua irmã era Margarita Parodi.

Selecção nacionalEditar

Foi convocado para a Seleção Paraguaia entre 1951 e 1961 - que para muitos foi a melhor seleção que o Paraguai já formou.[1]

Em 1987 passou a ser treinador da Seleção Paraguaia.

ClubesEditar

Clube País Ano
Sportivo Luqueño Paraguai  1953-1954
Vasco da Gama  Brasil  1954-1955
Fiorentina Itália  1956-1957
Vasco da Gama Brasil  1957-1958
Racing de Santander Espanha  1961-1963
Millonarios Colômbia  1964

TítulosEditar

Millonarios

Referências

  1. «Velhas Histórias de Garra, p. 13». "Revista Placar". n. 479. 19 de maio de 1979 – via Editora Abril