Abrir menu principal

Wikipédia β

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde junho de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados, veja Copa América (desambiguação).

A Copa América é a principal competição entre seleções de futebol das nações da Confederação Sul-Americana de Futebol, Conmebol. Normalmente participam as dez nações filiadas da Conmebol: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Uruguai, Paraguai, Colômbia, Peru, Equador e Venezuela. Desde 1993, para completar doze equipes divididas em três grupos, duas seleções de outras Federações são convidadas para participar em cada edição, geralmente das Américas do Norte e Central da CONCACAF - o mais presente sendo o México, presente em todas as edições desde 1993 e chegando à final por duas vezes - com exceção do Japão, participante em 1999.

Copa América
Copa América de Fútbol.png
Dados gerais
Organização CONMEBOL
Edições 44 (14 no estilo de Copa) Veja
Outros nomes Taça América
Local de disputa América do Sul
Número de equipes 12
Sistema Fase Grupo e Mata-Mata
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

Índice

HistóriaEditar

 
Seleção uruguaia, campeã de 1917

A Copa América é a mais antiga competição entre seleções de futebol do mundo a ser ainda disputada. Foi jogada pela primeira vez em uma edição teste em 1910, mas teve a sua primeira edição oficial entre 2 de julho e 17 de julho de 1916, como parte das comemorações do centenário da independência da Argentina. Além do país anfitrião, participaram também o Chile, o Uruguai e o Brasil. A primeira edição do Campeonato Sul-americano de Seleções, como o torneio era chamado, terminou com o triunfo do Uruguai, depois de um empate em 0 a 0 com a Argentina no jogo decisivo, disputado no estádio do Racing Club de Avellaneda.

 
Seleção Brasileira, campeã de 1919

O Uruguai venceu as duas edições iniciais da Copa América: a primeira em 1916, em Buenos Aires, e a segunda em 1917, em Montevidéu.

Com o sucesso do torneio, um membro da federação uruguaia, Héctor Rivadavia Gómez, propôs a criação de uma confederação formada por Argentina, Brasil, Chile e Uruguai. No dia 9 de julho (Dia da independência da Argentina) de 1917 foi fundada a Conmebol. No ano seguinte, a competição foi novamente disputada - dessa vez no Uruguai. O anfitrião conquistou o título outra vez, após derrotar a Argentina por 1 a 0 na última partida.

A epidemia de gripe no Rio de Janeiro levou ao adiamento da edição de 1918. Porém, o Brasil sediou o torneio em 1919, ganhando-o pela primeira vez. No jogo decisivo, que durou 150 minutos, derrotou o então campeão Uruguai por 1 a 0, com um gol de Arthur Friedenreich.

 
Seleção Argentina, campeã de 1929

A cidade chilena de Viña del Mar foi sede da edição de 1920, conquistada pelo Uruguai. Em 1921, o Paraguai participou pela primeira vez, depois de sua federação se filiar à Conmebol no início daquele ano. A Argentina conquistou seu primeiro título no torneio, graças aos gols de Julio Libonatti.

Nos anos seguintes, o Uruguai dominou a competição, que, então, era considerada uma das duas principais do mundo, ao lado dos Jogos Olímpicos. Porém, os uruguaios eram seguidos de perto pelos argentinos, que, nesse período, desafiaram a supremacia da Celeste. Depois de perder a final dos Jogos Olímpicos de 1928, em Amsterdã para o Uruguai, a Argentina conseguiu a revanche na Copa América de 1929, derrotando o adversário no jogo decisivo. Em 1926 e 1927, respectivamente, Bolívia e Peru fizeram suas estreias no torneio.

O Peru foi o anfitrião da edição de 1939, quando conquistou o título pela primeira vez, depois de uma vitória por 2 a 1 sobre o Uruguai. O Equador estreou nessa edição. Em 1941, foi a vez do Chile sediar a competição, que marcou o quarto centenário da fundação de Santiago e a ampliação da capacidade do Estádio Nacional, que subiu de 30 mil para 70 mil pessoas. Naquele ano, a Argentina conquistou seu sexto título. Em 1942, o anfitrião foi o Uruguai, que voltou a ser campeão. O Chile recebeu a competição novamente em 1945, mas viu os argentinos voltarem a ser campeões em seu território.

 
Seleção Argentina, campeã de 1957

A Argentina foi a primeira seleção a ser tricampeã da Copa América, vencendo as edições de 1945, 1946 e 1947. A competição só voltou a ser disputada em 1949, no Brasil. A Seleção Brasileira conquistou então seu terceiro título continental.

Na edição de 1959, realizada no Equador, o Brasil foi representado por um selecionado do Estado de Pernambuco. A Bolívia foi campeã pela primeira vez em 1963, quando sediou o torneio. Em 1967, o Uruguai conquistou em casa seu 11° troféu continental.

Depois de oito anos sem ser disputada, a competição foi retomada em 1975, quando passou oficialmente a ser chamada de "Copa América". Naquele ano, o torneio não teve um país-sede, assim como em 1979 e em 1983. Nas três ocasiões, foi disputado em jogos de ida e volta.

Com a adoção da rotação dos países-sede, Colômbia (2001), Paraguai (1999) e Venezuela (2007) sediaram o torneio pela primeira vez. Desde 1993, duas seleções de outras confederações passaram a ser convidadas a participar do torneio. Até 2015, as seleções convidadas foram o México (todas as edições desde 1993; foi o único convidado finalista, derrotado pela Argentina em 1993 e pela Colômbia em 2001), os Estados Unidos (1993, 1995 e 2007), a Costa Rica (1997, 2001, 2004 e 2011), Honduras (2001), Jamaica (2015) e o Japão (1999).

TítulosEditar

Por ediçõesEditar

Como Campeonato Sul-Americano
# Ano Sede Campeão Placar Vice 3º lugar 4º lugar
1 1916
Detalhes
 
Argentina
 
Uruguai
 
Argentina
 
Brasil
 
Chile
2 1917
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
 
Argentina
 
Brasil
 
Chile
3 1919
Detalhes
 
Brasil
 
Brasil
1 – 0
(pro)
 
Uruguai
 
Argentina
 
Chile
4 1920
Detalhes
 
Chile
 
Uruguai
 
Argentina
 
Brasil
 
Chile
5 1921
Detalhes
 
Argentina
 
Argentina
 
Brasil
 
Uruguai
 
Paraguai
6 1922
Detalhes
 
Brasil
 
Brasil
3 – 0  
Paraguai
 
Uruguai
 
Argentina
7 1923
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
 
Argentina
 
Paraguai
 
Brasil
8 1924
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
 
Argentina
 
Paraguai
 
Chile
9 1925
Detalhes
 
Argentina
 
Argentina
 
Brasil
 
Paraguai
10 1926
Detalhes
 
Chile
 
Uruguai
 
Argentina
 
Chile
 
Paraguai
11 1927
Detalhes
 
Peru
 
Argentina
 
Uruguai
 
Peru
 
Bolívia
12 1929
Detalhes
 
Argentina
 
Argentina
 
Paraguai
 
Uruguai
 
Peru
13 1935
Detalhes
 
Peru
 
Uruguai
 
Argentina
 
Peru
 
Chile
14 1937
Detalhes
 
Argentina
 
Argentina
2 – 0
(pro)
 
Brasil
 
Uruguai
 
Paraguai
15 1939
Detalhes
 
Peru
 
Peru
 
Uruguai
 
Paraguai
 
Chile
16 1941
Detalhes
 
Chile
 
Argentina
 
Uruguai
 
Chile
 
Peru
17 1942
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
 
Argentina
 
Brasil
 
Paraguai
18 1945
Detalhes
 
Chile
 
Argentina
 
Brasil
 
Chile
 
Uruguai
19 1946
Detalhes
 
Argentina
 
Argentina
 
Brasil
 
Paraguai
 
Uruguai
20 1947
Detalhes
 
Equador
 
Argentina
 
Paraguai
 
Uruguai
 
Chile
21 1949
Detalhes
 
Brasil
 
Brasil
7 – 0  
Paraguai
 
Peru
 
Bolívia
22 1953
Detalhes
 
Peru
 
Paraguai
3 – 2  
Brasil
 
Uruguai
 
Chile
23 1955
Detalhes
 
Chile
 
Argentina
 
Chile
 
Peru
 
Uruguai
24 1956
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
 
Chile
 
Argentina
 
Brasil
25 1957
Detalhes
 
Peru
 
Argentina
 
Brasil
 
Uruguai
 
Peru
26 1959
Detalhes
 
Argentina
 
Argentina
 
Brasil
 
Paraguai
 
Peru
27 1959
Detalhes
 
Equador
 
Uruguai
 
Argentina
 
Brasil
 
Equador
28 1963
Detalhes
 
Bolívia
 
Bolívia
 
Paraguai
 
Argentina
 
Brasil
29 1967
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
 
Argentina
 
Chile
 
Paraguai
Como Copa América
# Ano Sede Final Semifinalistas
Campeão Placar(es) Vice 3º lugar Placar 4º lugar
30 1975
Detalhes
Sem sede fixa  
Peru
0 – 1
2 – 0
1 – 0
 
Colômbia
  Brasil e   Uruguai
31 1979
Detalhes
Sem sede fixa  
Paraguai
3 – 0
0 – 1
0 – 0 (pro)
 
Chile
  Brasil e   Peru
32 1983
Detalhes
Sem sede fixa  
Uruguai
2 – 0
1 – 1
 
Brasil
  Paraguai e   Peru
33 1987
Detalhes
 
Argentina
 
Uruguai
1 – 0  
Chile
 
Colômbia
2 – 1  
Argentina
34 1989
Detalhes
 
Brasil
 
Brasil
1 – 0  
Uruguai
 
Argentina
 
Paraguai
35 1991
Detalhes
 
Chile
 
Argentina
 
Brasil
 
Chile
 
Colômbia
36 1993
Detalhes
 
Equador
 
Argentina
2 – 1  
México
 
Colômbia
1 – 0  
Equador
37 1995
Detalhes
 
Uruguai
 
Uruguai
1 – 1
5 – 3 (pen)
 
Brasil
 
Colômbia
4 – 1  
Estados Unidos
38 1997
Detalhes
 
Bolívia
 
Brasil
3 – 1  
Bolívia
 
México
1 – 0  
Peru
39 1999
Detalhes
 
Paraguai
 
Brasil
3 – 0  
Uruguai
 
México
2 – 1  
Chile
40 2001
Detalhes
 
Colômbia
 
Colômbia
1 – 0  
México
 
Honduras
2 – 2
5 – 4 (pen)
 
Uruguai
41 2004
Detalhes
 
Peru
 
Brasil
2 – 2
4 – 2 (pen)
 
Argentina
 
Uruguai
2 – 1  
Colômbia
42 2007
Detalhes
 
Venezuela
 
Brasil
3 – 0  
Argentina
 
México
2 – 1  
Uruguai
43 2011
Detalhes
 
Argentina
 
Uruguai
3 – 0  
Paraguai
 
Peru
4 – 1  
Venezuela
44 2015
Detalhes
 
Chile
 
Chile
0 – 0 (pro)
4 – 1 (pen)
 
Argentina
 
Peru
2 – 0  
Paraguai
45 2016
Detalhes
 
Estados Unidos
 
Chile
0 – 0 (pro)
4 – 2 (pen)
 
Argentina
 
Colômbia
1 – 0  
Estados Unidos
46 2019
Detalhes
 
Brasil
47 2023 [1]
Detalhes
 
Equador

Por seleçõesEditar

Seleção Títulos Vices 3º lugar 4º lugar
  Uruguai 15 (1916, 1917, 1920, 1923, 1924, 1926, 1935, 1942, 1956, 1959, 1967, 1983, 1987, 1995, 2011) 6 (1919, 1927, 1939, 1941, 1989, 1999) 9 (1921, 1922, 1929, 1937, 1947, 1953, 1957, 1975, 2004) 5 (1945, 1946, 1955, 2001, 2007)
  Argentina 14 (1921, 1925, 1927, 1929, 1937, 1941, 1945, 1946, 1947, 1955, 1957, 1959, 1991, 1993) 14 (1916, 1917, 1920, 1923, 1924, 1926, 1935, 1942, 1959, 1967, 2004, 2007, 2015, 2016) 4 (1919, 1956, 1963, 1989) 2 (1922, 1987)
  Brasil 8 (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004, 2007) 11 (1921, 1925, 1937, 1945, 1946, 1953, 1957, 1959, 1983, 1991, 1995) 7 (1916, 1917, 1920, 1942, 1959, 1975, 1979) 3 (1923, 1956, 1963)
  Paraguai 2 (1953, 1979) 6 (1922, 1929, 1947, 1949, 1963, 2011) 7 (1923, 1924, 1925, 1939, 1946, 1959, 1983) 7 (1921, 1926, 1937, 1942, 1967, 1989, 2015)
  Chile 2 (2015, 2016) 4 (1955, 1956, 1979, 1987) 5 (1926, 1941, 1945, 1967, 1991) 10 (1916, 1917, 1919, 1920, 1924, 1935, 1939, 1947, 1953, 1999)
  Peru 2 (1939, 1975) 0 8 (1927, 1935, 1949, 1955, 1979, 1983, 2011, 2015) 5 (1929, 1941, 1957, 1959, 1997)
  Colômbia 1 (2001) 1 (1975) 4 (1987, 1993, 1995, 2016) 2 (1991, 2004)
  Bolívia 1 (1963) 1 (1997) 0 2 (1927, 1949)
  México 0 2 (1993, 2001) 3 (1997, 1999, 2007) 0
  Honduras 0 0 1 (2001) 0
  Equador 0 0 0 2 (1959, 1993)
  Estados Unidos 0 0 0 2 (1995, 2016)
  Venezuela 0 0 0 1 (2011)

* Em itálico, os resultados como país-sede.

SedesEditar

 
Argentina versus Bolívia pela Copa América de 2011, pela 9ª vez disputada na Argentina
# País Anos
9   Argentina 1916, 1921, 1925, 1929, 1937, 1946, 1959, 1987, 2011
7   Uruguai 1917, 1923, 1924, 1942, 1956, 1967, 1995
7   Chile 1920, 1926, 1941, 1945, 1955, 1991, 2015
6   Peru 1927, 1935, 1939, 1953, 1957, 2004
5   Brasil 1919, 1922, 1949, 1989, 2019
3   Equador 1947, 1959, 1993
2   Bolívia 1963, 1997
2   Estados Unidos 2016, 2020
1   Paraguai 1999
1   Colômbia 2001
1   Venezuela 2007
3   Sem sede fixa 1975, 1979, 1983

Total: 47 edições

MascotesEditar

Desde a edição de 1987 na Argentina, os mascotes estão presentes na Copa América.

Edição País Mascote Descrição
1987   Argentina Gardelito Carlos Gardel[2]
1989   Brasil Tico um sabiá[3]
1991   Chile Huaso Um versão estilzada de um huaso chileno nas cores da bandeira do Chile.[4]
1993   Equador Choclito uma espiga de milho com as cores da bandeira equatoriana.[5]
1995   Uruguai Torito um touro com uniforme do Uruguai[6]
1997   Bolívia Tatú um tatu com o uniforme da Bolívia[7]
1999   Paraguai Taguá uma espécie de javali (Catagonus wagneri) encontrada no Chaco do Paraguai[8]
2001   Colômbia Ameriko um extraterrestre cujo nome provém da tradução de "América" ao esperanto[9]
2004   Peru Chasqui um chasqui, mensageiro pessoal do Império Inca, com o uniforme do Peru[10]
2007   Venezuela Guaky uma arara-vermelha-pequena com a camisa da Venezuela[11]
2011   Argentina Tangolero um avestruz com o uniforme da Argentina. Iria se chamar Suri, mas o nome foi alterado pelo patrocinador da competição[12][13]
2015   Chile Zincha uma raposa-vermelha
2016   Estados Unidos Sem mascote

Estatísticas geraisEditar

Atualizado após Copa América de 2016.

Seleção Pts J V E D GP GC SG Títulos Participações
  Argentina 396 187 120 36 31 459 173 +286 14 41
  Uruguai 349 193 106 31 55 392 219 +173 15 43
  Brasil 326 174 98 33 44 399 197 +202 8 35
  Paraguai 221 162 62 35 65 249 285 -36 2 36
  Chile 214 175 61 31 83 277 306 -29 2 38
  Peru 185 142 50 35 57 206 227 -21 2 31
  Colômbia 143 109 40 23 46 129 181 -52 1 21
  Bolívia 86 109 20 26 63 103 274 -171 1 26
  México 70 45 19 13 13 65 58 +7 0 10
  Equador 69 115 16 21 78 124 307 -183 0 27
  Venezuela 25 56 5 10 41 40 163 -123 0 17
  Estados Unidos 17 18 5 2 11 16 21 -5 0 4
  Costa Rica 15 15 4 3 7 15 27 -12 0 5
  Honduras 10 6 3 1 2 7 5 +2 0 1
  Panamá 3 3 1 0 2 4 10 -6 0 1
  Japão 1 3 0 1 2 3 8 -5 0 1
  Jamaica 0 6 0 0 6 0 9 -9 0 2
  Haiti 0 3 0 0 3 1 12 -11 0 1
  • A Colômbia e o Equador não se classificaram nas eliminatórias de 1967 que foi a única edição da história que teve eliminatórias.

GoleadoresEditar

 
Norberto Méndez
Jogador Seleção Gols Edições disputadas
Norberto Méndez   Argentina 17 1945 (A), 1946, 1947
Zizinho   Brasil 17 1942, 1945, 1946, 1949, 1953, 1957
Teodoro Fernández   Peru 15 1935, 1937, 1939 (A), 1941, 1942, 1947
Severino Varela   Uruguai 15 1937, 1939, 1942
Gabriel Batistuta   Argentina 13 1991 (A), 1993, 1995
José Manuel Moreno   Argentina 13 1941, 1942 (A), 1947
Ademir   Brasil 13 1945, 1946, 1949, 1953
Jair   Brasil 13 1945, 1946, 1949 (A)
Héctor Scarone   Uruguai 13 1917, 1919, 1923, 1924, 1926, 1927 (A), 1929
Roberto Porta   Uruguai 12 1939, 1941, 1942, 1945
Ángel Romano   Uruguai 12 1916, 1917 (A), 1919, 1920 (A), 1921, 1922, 1924, 1926
Herminio Masantonio   Argentina 11 1935 (A), 1942 (A)
Didi   Brasil 11 1953, 1957, 1959
Paolo Guerrero   Peru 11 2007, 2011 (A), 2015 (A), 2016
Ángel Labruna   Argentina 10 1946, 1955, 1956
Ronaldo   Brasil 10 1995, 1997, 1999 (A)
Eduardo Vargas   Chile 10 2015 (A), 2016 (A)
Enrique Hormazábal   Chile 10 1953, 1955, 1956 (A)
Arnoldo Iguarán   Colômbia 10 1979, 1983, 1987 (A), 1989, 1991
Oscar Gómez Sánchez   Peru 10 1953, 1955, 1956, 1957
Javier Ambrois   Uruguai 10 1956, 1957 (A)
Héctor Castro   Uruguai 10 1926, 1927, 1929, 1935
Pedro Petrone   Uruguai 10 1923 (A), 1924 (A), 1927 (A), 1929

Artilharia por ediçãoEditar

 
Adriano na Copa América de 2004
Edição Artilheiro Seleção Gols
  Argentina 1916 Isabelino Gradín   Uruguai 3
  Uruguai 1917 Ángel Romano   Uruguai 4
  Brasil 1919 Arthur Friedenreich
Neco
  Brasil
  Brasil
4
  Chile 1920 José Pérez
Ángel Romano
  Uruguai
  Uruguai
3
 Argentina 1921 Julio Libonatti   Argentina 3
  Brasil 1922 Julio Francia   Argentina 4
  Uruguai 1923 Valdino Aguirre
Pedro Petrone
  Argentina
  Uruguai
3
  Uruguai 1924 Pedro Petrone   Uruguai 4
  Argentina 1925 Manuel Seoane   Argentina 6
  Chile 1926 David Arellano   Chile 7
  Peru 1927 Alfredo Carricaberry
Segundo Luna
Roberto Figueroa
Pedro Petrone
Héctor Scarone
  Argentina
  Argentina
  Uruguai
  Uruguai
  Uruguai
3
  Argentina 1929 Aurelio Ramón González   Paraguai 5
  Peru 1935 Herminio Masantonio   Argentina 4
  Argentina 1937 Raúl Toro   Chile 7
  Peru 1939 Teodoro Fernández   Peru 7
  Chile 1941 Juan Marvezzi   Argentina 5
  Uruguai 1942 Herminio Masantonio
José Manuel Moreno
  Argentina
  Argentina
7
  Chile 1945 Norberto Méndez
Heleno
  Argentina
  Brasil
6
  Argentina 1946 José María Medina   Uruguai 7
  Equador 1947 Nicolás Falero   Uruguai 8
  Brasil 1949 Jair   Brasil 9
  Peru 1953 Francisco Molina   Chile 7
  Chile 1955 Rodolfo Micheli   Argentina 8
  Uruguai 1956 Enrique Hormazábal   Chile 4
  Peru 1957 Humberto Maschio
Javier Ambrois
  Argentina
  Uruguai
9
  Argentina 1959 Pelé   Brasil 8
  Equador 1959 José Sanfilippo   Argentina 6
  Bolívia 1963 Carlos Alberto Raffo   Equador 6
  Uruguai 1967 Luis Artime   Argentina 5
  Sem sede fixa 1975 Leopoldo Luque
Ernesto Díaz
  Argentina
  Colômbia
4
  Sem sede fixa 1979 Jorge Peredo
Eugenio Morel
  Chile
  Paraguai
4
  Sem sede fixa 1983 Jorge Burruchaga
Roberto Dinamite
Carlos Alberto Aguilera
Eduardo Malásquez
  Argentina
  Brasil
  Uruguai
  Peru
3
  Argentina 1987 Arnoldo Alberto Iguarán   Colômbia 4
  Brasil 1989 Bebeto   Brasil 6
  Chile 1991 Gabriel Batistuta   Argentina 6
  Equador 1993 José Luis Dolgetta   Venezuela 4
  Uruguai 1995 Gabriel Batistuta
Luis García
  Argentina
  México
4
  Bolívia 1997 Luis Hernández   México 6
  Paraguai 1999 Rivaldo
Ronaldo
  Brasil
  Brasil
5
  Colômbia 2001 Víctor Aristizábal   Colômbia 6
  Peru 2004 Adriano   Brasil 7
  Venezuela 2007 Robinho   Brasil 6
  Argentina 2011 José Paolo Guerrero   Peru 5
  Chile 2015 Eduardo Vargas
José Paolo Guerrero
  Chile
  Peru
4
  Estados Unidos 2016 Eduardo Vargas   Chile 6

Recordistas em partidasEditar

 
Sergio Livingstone, recordista em partidas pela Copa América
Jogador Seleção Partidas
Sergio Livingstone   Chile 34
Zizinho   Brasil 33
Víctor Agustín Ugarte   Bolívia 30
Leonel Álvarez   Colômbia 27
Carlos Valderrama   Colômbia 27
Carlos Sánchez   Colômbia 25
Cláudio Taffarel   Brasil 25
José Bustamante   Bolívia 24
Teodoro Fernández   Peru 24
Cornelio Heredia   Peru 24
Alberto Achá   Bolívia 24
Carlos Borja   Bolívia 23
Ángel Romano   Uruguai 23
Guillermo Delgado   Peru 22
Djalma Santos   Brasil 22
René Higuita   Colômbia 22
José Milton Melgar   Bolívia 22

Maiores GoleadasEditar

Data Cidade Mandante Placar Visitante
22/01/1942 Montevidéu   Argentina 12 – 0   Equador
10/08/1975 Rosário   Argentina 11 – 0   Venezuela
10/04/1949 São Paulo   Brasil 10 – 1   Bolívia
06/11/1927 Lima   Uruguai 9 – 0   Bolívia
24/03/1957 Lima   Brasil 9 – 0   Colômbia
07/02/1945 Santiago   Argentina 9 – 1   Colômbia
03/04/1949 Rio de Janeiro   Brasil 9 – 1   Equador
20/10/1926 Santiago   Argentina 8 – 0   Paraguai
21/02/1945 Santiago   Brasil 9 – 2   Equador
01/03/1953 Lima   Brasil 8 – 1   Bolívia
18/06/2016 Santa Clara   Chile 7 – 0   México
  • As maiores goleadas até a edição de 2016.

Números e fatos relativosEditar

Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde julho de 2017).
 
O uruguaio Cebolla Rodriguez com o troféu da Copa América
  • Em 1910, aconteceu a primeira competição internacional na América do Sul com mais de dois participantes. A Copa Centenario Revolución de Mayo 1910 contou com Chile, Uruguai e a campeã e anfitriã Argentina. A Conmebol, no entanto, não reconhece esse torneio como Copa América. A primeira edição da Copa América aconteceu em 1916 e foi uma comemoração do centenário da independência argentina. Nesse ano, foi criada também a Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). Criada como Campeonato Sul-Americano de Futebol a ideia inicial era de que fosse disputada todos os anos. Isso ocorreu em 1916 e 1917, mas, no ano seguinte, houve uma epidemia de gripe no Brasil – que seria o país sede – e a competição foi transferida para 1919, a competição ficou com esse nome até 1967. A partir de 1975, o torneio passou a ser chamado de Copa América, sendo somente três edições da Copa América não tiveram sedes. Nos anos de 1975, 1979 e 1983 os jogos aconteceram no sistema ida e volta, sem sede fixa. O troféu da Copa América, feito de prata, com base de madeira, foi comprado em uma joalheria em Buenos Aires, em 1917. Ele mede 75 centímetros de altura, 30 de diâmetro, pesa 9 kg e custou, na época, 3.000 francos.
  • O primeiro gol da Copa América foi feito por um uruguaio: José Piendibene marcou na vitória sobre o Chile por 4 a 0, em 1916. “The Master”, como era conhecido, ficou famoso jogando no Peñarol.
  • A Argentina é o país que mais organizou Copa América na história, sendo o país com mais vice-campeonatos: 12 no total. o Brasil (11 vezes vice). O Uruguai já foi 6 vezes o segundo colocado. Buenos Aires, junto a Montevidéu, são as cidades com mais jogos disputados: 83 no total.
  • A seleção Argentina possui o melhor aproveitamento entre os 15 países que já disputaram o torneio, possuindo 14 titulos e 14 vice-campeonatos da Copa América, é o país que mais possui vitórias na Copa América: são 111 vitórias em 173 partidas disputadas. conquistandou 70% dos pontos disputados, sendo o Brasil o segundo (63%), seguido pelo Uruguai (61%). A seleção Argentina é dona das duas maiores goleadas da história da Copa América, em 1942 por 12 x 0 no Equador, e em 1975, vitória por 11 x 0 sobre a Venezuela. A seleção argentina possui o melhor ataque na história do torneio, com 422 gols.
  • Juan Marvezzi e José Manuel Moreno são os argentinos que marcaram mais vezes em uma única partida de Copa América: cinco gols. Marvezi fez cinco na goleada de 6 x 1 sobre o Equador, em 1941. Já Moreno marcou 5 gols na vitória por 12 x 0 sobre o Equador, em 1942.
  • O árbitro que mais apitou partidas na história da Copa América foi o argentino José Bartolomé Macías, com 25 jogos durante a década de 1930.
  • Nas duas edições de Copa América que organizou, a Bolívia chegou à final. Em 1963, foi campeã e chegou à decisão em 1997, mas acabou perdendo a final para o Brasil, na altitude de La Paz (3.600 m acima do nível do mar). Nos confrontos direitos, a Bolívia só leva vantagem contra o México,contra Colômbia, Equador, Japão e Venezuela, a Bolívia tem campanha igual.Víctor Ugarte é o atleta que mais vestiu a camisa da Bolívia em Copa América, disputando 30 partidas nas edições de (1947, 1949, 1953, 1959 e 1963), sendo o terceiro jogador que mais atuou na história da Copa América. Jogando fora de seu país, a seleção boliviana teve como melhor resultado o 4° lugar em 1949. Em 1927, a Bolívia também ficou na quarta posição, mas naquele ano apenas quatro seleções participaram da Copa América. A Bolívia sofreu a terceira maior goleada da Copa América, vitória do Brasil por 10 x 1 em 1949 e em 1927 outra goleada histórica: 9 x 0 contra o Uruguai.
  • Víctor Ugarte é também o maior artilheiro boliviano em Copa América. Ugarte marcou 11 gols nas edições de 1947, 1949, 1953, 1959 e 1963, fazendo gols nas edições de 1949, 1953 e 1963.
  • Dos adversários da Copa América, o Chile só não venceu a Argentina em outras edições da competição. A maior goleada aplicada pelo Chile foram 2 vitórias por 7 x 0, uma sobre a Venezuela em 1979 e outra sobre o México em 2016. Já a maior goleada sofrida foi um 6 x 0 contra o Uruguai, em 1947.
  • O Chile já sediou sete vezes a Copa América (1920, 1926, 1941, 1945, 1955, 1991 e 2015), tendo o artilheiro da Copa América em cinco edições: David Arellano (7 gols, em 1926); Raúl Toro (7 gols, em 1937); Francisco Molina (8 gols, em 1953); Enrique Hormazábal (4 gols, em 1956) e Jorge Peredo (4 gols, em 1979). Alem disso, o Chile só não participou de sete edições: 1921, 1923, 1925, 1927, 1929, 1959 e a Copa América extra de 1959. Mas somente em 1955 a equipe brigou pela primeira vez pelo título, quando ficou com o vice-campeonato. Em sua quinta final, em 2015, a equipe finalmente conquistou seu primeiro título. O jogador que mais atuou pela Copa América foi o goleiro chileno Sergio Livingstone, com 34 partidas nas edições de (1941, 1942, 1945, 1947, 1949 e 1953).
 
Estádio Nacional do Chile , estádio que mais sediou jogos da Copa América
  • O estádio Nacional é o estádio que mais sediou partidas de Copa América: 74 jogos. O segundo lugar é do estádio Centenário, de Montevidéu, Uruguai, com 65 partidas. O chileno, Enrique Hormazábal, foi o autor do histórico gol 1000 da Copa América. Foi na vitória de 7 x 1 sobre o Equador, em 1955.
  • A Colômbia conquistou apenas uma vez a Copa América (2001), sendo o sétimo país a conquistar a Copa América, quando também organizou o torneio. Na final, venceu o México por 1 x 0, fazendo a melhor campanha de uma equipe campeã na história da Copa América. Em 2001, foram seis jogos, seis vitórias, com 11 gols marcados e nenhum gol sofrido. Dentre as equipes que disputam a Copa América, a Colômbia só leva vantagem sobre Equador, México e Venezuela no confronto direito. Contra a Bolívia, a equipe tem desempenho igual. Contra todos os outros, os colombianos estão em desvantagem, tendo sofrido duas goleadas históricas: 9 x 0, contra o Brasil (1957), e 9 x 1, contra a Argentina, na edição de (1945). O colombiano que mais fez gols na história da Copa América foi Arnoldo Iguarán, que marcou 10 gols nas edições de 1979, 1983, 1987, 1989 e 1991.
  • O técnico Francisco Maturana, campeão em 2001 com a Colômbia, é o quarto treinador que mais partidas na história da Copa América. Ele esteve em 23 jogos, pelas seleções do Equador (1995) e Colômbia (1987, 1989, 1993 e 2001)
  • O Equador participou 25 vezes da Copa América tendo a melhor colocação um 4º lugar, tendo sido sede em três edições, o estádio George Capwell, em Guayaquil é o quinto que mais sediou partidas pela competição: 30 jogos.A melhor posição da seleção equatoriana em Copa América foram dois 4º lugares, quando o país foi sede em 1959 e 1993. O meio de campo Alex Aguinaga é o jogador equatoriano que mais jogou edições de Copas América, sendo recordista de participações de Copa América, ao lado do uruguaio Ángel Romano. Disputou oito edições.
  • A edição de 1925 foi a que teve o menor número de seleções participantes, com apenas três países: Argentina, Brasil e Paraguai. O formato encontrado na época foi jogos entre si em turno e returno e a Argentina sagrou-se campeã. A edição com o maior média de gols foi a de 1937, no Peru. Sendo marcados 37 gols em seis partidas jogadas, média de 6,17 gols por partida. Naquele ano, a Argentina terminou campeã e o artilheiro foi um uruguaio, Norberto Figueroa, com 4 gols.
  • O Japão foi a única seleção fora do continente americano a ser convidada a participar da Copa América. Os japoneses disputaram o torneio em 1999, naquela edição, os japoneses perderam para Peru e Paraguai e empataram com a Bolívia. Atsuhiro Miura é o único japonês que marcou gol na história da Copa América, sendo que dos três gols assinalados pelo Japão, dois foram marcados pelo brasileiro Wagner Lopes (um contra a Bolívia e outro contra o Peru).
  • Entre as seleções convidadas que já jogaram a Copa América, a mexicana é aquela com a melhor campanha, com duas finais disputadas, três semifinais e duas quartas-de-final em 8 edições disputadas. Logo na primeira participação em 1993,chega a final com derrota para Argentina por 2 x 1. A maior goleada mexicana é sobre o Paraguai por 6 x 0 na Copa América de 2007. Claudio Suárez é o mexicano que mais jogou a Copa América. Foram 22 partidas nas edições de 1995, 1997, 1999 e 2004.
  • O Paraguai é o quarto colocado no ranking geral de pontos da Copa América. A equipe 153 pontos em 32 edições disputadas, conquistando duas vezes : em 1953, no Peru, e em 1979, sem sede fixa,levando vantagem sobre todos os adversários da Copa América, com exceção dos grandes (Argentina, Brasil e Uruguai). Contra as outras seleções, o Paraguai tem mais vitórias. Aurelio González em 1929, com 5 gols, e Eugenio Morel, em 1979 (ano do segundo título paraguaio), com 4 gols foram os artilheiros do Paraguai em Copa América e Manuel Gavilán o paraguaio que mais jogou, participando das edições de 1947, 1949 e 1953. Sendo os que mais fizeram gols em Copa América são Aurelio González, que anotou 9 gols nas edições de 1929 e 1937; e Juan Bautista Villalba, que também fez 9 gols nas edições de 1946 e 1947.
  • O Peru já conquistou duas edições da Copa América: em 1939, realizada no Peru, e em 1975, que foi disputada sem sede fixa. Sediou por cinco vezes a Copa América (1927, 1935, 1939, 1953, 1957 e 2004) tendo o artilheiro em quatro edições de Copa América. Teodoro Fernández, em 1939, com 7 gols, Eduardo Malásquez, em 1983, com 3 gols e Paolo Guerrero, em 2011, com 5 gols e em 2015, com 4 gols. Teófilo Cubillas, maior craque da história do futebol peruano, jogou apenas uma Copa América (1975) e sagrou-se campeão.
  • Desde o título de 1975, o Peru teve sua melhor participação em 1983, quando chegou ao terceiro lugar e de 1997 á 2011, o Peru sempre se classificou para as quartas-de-final da Copa América, tendo alcançado à semifinal em 1997 e 2011. A maior goleada aplicada pelo Peru em Copa América foi um 5 x 1 sobre a Colômbia em 1947, e sobre a Venezuela em 1991. Já a maior goleada sofrida foi um 7 x 0 para o Brasil, na semifinal da Copa América de 1997.
 
Seleção Uruguaia presente em 41 edições
  • O Uruguai é a seleção que mais participou da Copa América. A Celeste esteve presente em 41 das 43 edições do torneio de seleções mais antigo do mundo com 189 jogos em 41 edições. A Argentina vem na segunda posição (173), seguida por Brasil (167). O Uruguai é o segundo país que mais sediou a Copa América, no total de sete edições (1917, 1923, 1924, 1942, 1956, 1967 e 1995). O jogador uruguaio com mais partidas pela Copa América é Ángel Romano, com 23 partidas nas edições de 1916, 1917, 1919, 1920, 1921, 1922, 1924 e 1926.
  • O Uruguai é o maior campeão da Copa América, com 15 conquistas. A Celeste foi ainda seis vezes vice-campeã, sendo que nos confrontos direitos em Copa América, o Uruguai só perde para o México nos confrontos. Contra os mexicanos, os uruguaios, ganharam uma, perderam duas e empataram duas. Contras as outras seleções, os uruguaios levam vantagem ou empatam.
 
Seleção Venezuelana em campo em 2007
  • A Venezuela é o país da Conmebol que menos participou da Copa América, participando de apenas 14 edições. Entre os convidados, Honduras e Japão jogaram uma só vez, além da Jamaica, convidada para a edição de 2015. A Venezuela, entre todos os países que participaram até hoje da Copa América, a que possui o pior aproveitamento de pontos: somente 10,2% dos pontos disputados foram conquistados pela seleção.
  • Richard Páez participou de cinco edições da Copa América pela Venezuela: duas como jogador, em 1975 e 1979; e três como treinador, em 2001, 2004 e 2007.
 
Djalma Santos , terceiro brasileiro com maior número de participação em Copa América
  • Com 17 gols marcados, o brasileiro Zizinho é o maior de todas as edições de Copa América, empatado com o argentino Norberto Méndez.
  • Das equipes que jogam a Copa América em 2011, a Costa Rica só não enfrentou Equador, Peru, Venezuela, sendo que dos 11 jogos na Copa América, a Costa Rica nunca teve um jogador expulso.
  • Em 43 edições de Copa América, o Brasil teve o máximo artilheiro da competição dez vezes. O primeiro foi Arthur Friedenreich, com 4 gols em 1919; o último, Robinho, em 2007, com 6 gols.Entre as dez maiores goleadas de todas as edições de Copa América, o Brasil figura com cinco vitórias elásticas. A vitória por 10 x 1 sobre a Bolívia, em 1949, é a maior goleada brasileira e está em terceiro lugar na lista. Os jogadores brasileiros que mais entraram em campo na Copa América foram Zizinho (33 partidas), Taffarel (25), Djalma Santos (22) e Roberto Carlos (21).
  • O atacante Evaristo de Macedo obtém o recorde brasileiro de gols em uma única partida de Copa América: cinco gols. O jogo foi contra Colômbia, em 1957, e terminou 9 x 0 para a seleção brasileira.
  • O Brasil ficou 40 anos sem conquistar uma Copa América. O país ganhou em 1949 e só foi levantar a taça novamente em 1989. A seleção brasileira venceu o Uruguai por 1 x 0, com gol de Romário. A final aconteceu exatamente 39 anos depois da final Copa do Mundo de 1950, no dia dia 16 de julho, no mesmo estádio, o Maracanã.
  • O Rei Pelé disputou somente uma edição da Copa América, em 1959, sendo artilheiro do torneio, com oito gols, mas acabou como vice-campeão. A Argentina foi a campeã.
  • Na Copa América de 1987, o Chile goleou o Brasil por 4 x 0, na maior vitória sobre a seleção canarinho. Aquela foi a última edição em que o Chile chegou à final antes de sediar novamente o torneio em 2015, quando venceu a Argentina na decisão, conquistando seu primeiro título.
  • O argentino Norberto Méndez e o brasileiro Zizinho são os maiores artilheiros da história da Copa América. Cada um marcou 17 gols. O recorde de artilharia em uma única edição de Copa América é de 9 gols marcados.Três nomes dividem o topo: Jair Rosa Pinto (Brasil, em 1949); Humberto Maschio (Argentina, em 1957); e Ambrois (Uruguai, também em 1957).

Referências

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar