Abrir menu principal
Técnicos em veterinária do Exército dos EUA auxiliando em uma operação militar de cães de trabalho.

Trabalhadores paraveterinários (do grego "para" = "semelhante, similar") ou profissionais paraveterinários, são aqueles que dão suporte a medicina veterinária no desempenho de suas funções, ou que desempenham procedimentos de saúde em animais de forma autônoma ou semi autônoma, como parte de um sistema de atendimento veterinário.[1][2]

O papel varia em todo o mundo, e títulos comuns incluem enfermeiro veterinário, técnico em veterinária e de auxiliar de veterinária e variantes com o prefixo de "saúde animal" em alguns países.

O escopo da prática varia entre os países, com alguns países permitindo trabalhadores paraveterinários devidamente qualificados num âmbito de autonomia prática, incluindo pequenas cirurgias, e outros países restringem seus trabalhadores como simples auxiliares do médico veterinário.

Índice

NomenclaturaEditar

Enfermeiro e técnico veterinárioEditar

 
Logotipo dos Técnicos em veterinária dos EUA

Na maioria dos países anglófonos, os trabalhadores paraveterinários com competências formais da prática, e um certo grau de autonomia no seu papel, são conhecidos como enfermeiros veterinários. A principal exceção a isso é na América do Norte, onde os Estados Unidos e o Canadá se referem a esses trabalhadores como técnicos em veterinária. A maioria das províncias Canadenses têm um processo de registro formal e legalmente os médicos veterinários devem contratar técnicos em veterinária registrados. O processo de registro envolve frequentar uma instituição de ensino e passar em um exame de licenciamento. Os técnicos registrados também devem atender a critérios de licenciamento anual e os requisitos de educação contínuos.[carece de fontes?][3][1] Associações de enfermagem humana, muitas vezes, alegaram direitos sobre o termo 'enfermeiro', e, em alguns países, este é protegido por lei. Este foi o caso no Reino Unido até o ano de 1984, onde os enfermeiros veterinários foram referidos como "auxiliares de enfermagem animal registrados", alinhado com a convenção de nomenclatura da época para os assistentes menos qualificados de enfermagem em humanos, chamados de 'auxiliares de enfermagem'.[4] Este é o caso, ainda nos Estados Unidos, onde a Associação Americana de Enfermagem e algumas associações estaduais de enfermagem têm reivindicado direitos de propriedade sobre o termo "enfermeiro". Alguns técnicos veterinários argumentam que, como eles gastam cerca de 90% de seu tempo realizando tarefas de enfermagem, eles devem ser autorizados a usar o título de enfermeiros veterinários, assim como suas contrapartes em outros países. Extra-oficialmente, muitas pessoas (incluindo veterinários e técnicos) referem-se a esses trabalhadores como assistentes veterinários em conversas, já que se trata de uma descrição sucinta da função.[carece de fontes?]

Auxiliar veterinárioEditar

Na maioria dos países, um auxiliar veterinário é uma pessoa com menos, ou sem, qualificações formais em saúde animal, que não tem prática autônoma, mas que é designado para auxiliar o veterinário e agir sob sua instrução direta.

Os programas de treinamento são, muitas vezes, no local de trabalho, e nenhuma licença formal ou certificação é necessária para executar a função.

As leis locais podem restringir quais as atividades que um auxiliar de veterinária pode executar, já que alguns procedimentos só podem ser legalmente realizados por um trabalhador credenciado, como um médico veterinário ou um técnico em veterinária.

HistóriaEditar

Os veterinários tiveram assistentes em toda a existência da profissão, mas os primeiros trabalhadores paraveterinários organizados foram os enfermeiros de cães formados pelo Canine Nurses Institute em 1908,[5] e anunciados na revista "The Veterinary Student". De acordo com o fundador, ele iriam "acatar orientações do veterinário, atender a uma real necessidade por parte dos proprietários de cães, e ao mesmo tempo fornecer uma ocupação razoavelmente remunerada para as mulheres jovens com um real gosto por animais".[6]

Em 1913, o Ruislip Dog Sanatorium (um sanatório canino) foi fundado e  empregou enfermeiros para cuidar de cães adoentados, e na década de 1920, pelo menos, uma cirurgia veterinária em Mayfair empregou enfermeiras qualificadas de humanos para cuidar de animais. Em meados da década de 1930, os primeiros enfermeiros veterinários aproximaram-se do Royal College of Veterinary Surgeons para o reconhecimento oficial, e, em 1938, o Royal Veterinary College tinha uma enfermeira-chefe nomeada, mas o reconhecimento oficial não foi dado antes de 1957, primeiramente como enfermeiros veterinários, mas mudou de nome dentro de um ano pela Royal Animal Nursing Auxiliaries (RANAs) que seguiu a objeção da associação de enfermagem humana.

Em 1951, a primeira função formal paraveterinária foi criada pela Força Aérea dos Estados Unidos, que introduziu técnicos veterinários, e este foi seguido, em 1961 por um programa civil na State University of New York escola Agrícola e Técnica. Em 1965 o dr. Walter Collins, doutor em medicina veterinária, recebeu financiamento federal para desenvolver um modelo curricular para formação de técnicos. Ele produziu vários guias durante os sete anos seguintes, e por este trabalho, ele é considerado o "pai dos técnicos em veterinária" nos Estados Unidos.[7][8]

Em 1984, o termo enfermeiro veterinário foi formalmente substituído por trabalhadores paraveterinários no Reino Unido.[9]

Educação e qualificaçãoEditar

O nível de educação de um paraveterinário vai depender do papel que realiza, e o quadro médico-legal veterinário para a área em que eles estão trabalhando. Muitas áreas empregam auxiliares de veterinários, que tem um simples papel diretamente para auxiliar o veterinário, sob sua direção, e pode manter sem qualificação formal ou treinamento, ou foram treinados no trabalho.

Em países onde o papel dos trabalhadores paraveterinários é mais avançada com a qualificação exigida, como nos Estados Unidos ou Canadá, onde técnicos em veterinária devem, normalmente, se formar em uma instituição reconhecida pela American Veterinary Medical Association ou pela Canadian Veterinary Medical Association, e pode escolher estudar por um longo período para ganhar um diploma,[10][11] ou como no o Reino Unido, onde enfermeiros veterinários entram na profissão, seja através de um curso de dois anos com diploma ou através da conclusão de uma fundação de grau ou diploma de honra.[12]

Muitos países, incluindo o Reino Unido, Canadá e partes dos Estados Unidos, restringir alguns elementos da prática, e pode restringir o uso do nome reconhecido, para essas pessoas, atualmente registrada junto a um órgão de licenciamento, o que significa que seria ilegal para qualquer pessoa que não o registar-se para representar a si mesmos como um trabalhador paraveterinário, ou para realizar alguns dos procedimentos que um profissional licenciado poderia. Os detalhes precisos dessas restrições variam amplamente entre as áreas jurídicas, e as áreas vizinhas, podem ter políticas diferentes, como é o caso em vários estados dos EUA.

No MundoEditar

As tentativas de solidariedade profissional resultou na criação da Veterinary Nurses and Technicians Association (IVNTA) em 1993. Seus membros, atualmente, incluem a Austrália, Canadá, Irlanda, Japão, Malta, Nepal, Nova Zelândia, Noruega, Paquistão, Espanha, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. Em 2007, o Accreditation Committee for Veterinary Nurse Education (ACOVENE) foi criada em uma tentativa de padronizar a educação do técnico em veterinária ao longo de toda a União Europeia e para permitir a circulação de assistentes veterinários formados de um país membro para o emprego em outro. À frente da especialização, a organização de base suíça VASTA (Veterinär Anästhesie Schule für TechnikerInnen und ArzthelferInnen -- Escola de Anestesia Veterinária para Técnicos e Auxiliares) é de um a seis módulos so longo de um ano, que é aprovado pela Associação de Veterinários Anestesistas (AVA), o European College of Veterinary Anesthesia and Analgesia (ECVAA), o International Veterinary Academy of Pain Management (IVAPM), e que foi aplicado pela RACE (Registro de Aprovados de Educação Continuada) nos Estados Unidos ("Assistentes" no título VASTA refere-se ao assistente ou veterinários júnior e não veterinários assistentes desqualificados). Seus instrutores incluem diplomados do ECVAA, enfermeiros anestesistas da medicina humana, neurologistas, e veterinários fisioterapeutas. Ele é oferecido na Alemanha, na Áustria, e regiões da Suíça com língua alemã. Tem sido oferecido na região de língua francesa da Suíça, mas está atualmente em hiato devido à existência de uma baixa participação. Os cursos estão previstos para os EUA e o Reino Unido em 2012. A conclusão bem sucedida do curso resulta na atribuição de pós-nominal letras IVA (Técnico Veterinário em Anestesia).

No BrasilEditar

No Brasil os trabalhadores paraveterinários formalmente ainda correspondem a uma prática recente e pouco conhecida. Os trabalhadores paraveterinários brasileiros correspondem a dois: o auxiliar de veterinária, uma função classificada como uma área de ocupação desde 2002 pela CBO (Classificação Brasileira de Ocupações),[13] e cujo CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária) se pronunciou sobre, citando que não trata-se de uma profissão regulamentada;[14][15] e o técnico em veterinária, cujo CFMV ainda não se pronunciou especificamente sobre. Ambas funções ainda não possuem regulamentação no Brasil.

Em 2017 o CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária) do Estado de Minas Gerais publicou uma resolução dispõe sobre os requisitos para funcionamento de estabelecimentos que ministram cursos de trabalhadores paraveterinários.[15] Já o CRMV do Estado do Rio de Janeiro ofereceu em 2015 esclarecimentos à população sobre cursos e a função de um auxiliar de veterinário.[16][17] Os cursos de auxiliar de veterinária tem duração variavelmente de um mês,[18] e não são pré-requisitos obrigatórios para a prática desta ocupação.

O curso técnico em veterinária no Brasil, porém, é de nível técnico e tem duração de um ano e meio a dois anos (tempo similar ao curso da profissão nos Estados Unidos e Reino Unido) dependendo da instituição, e possui uma grade curricular complexa com disciplinas ministradas por zootecnistas e médicos veterinários.[19]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Vet Tech School and Degree Guide | Veterinary Technician Careers». All Allied Health Schools (em inglês) 
  2. «Veterinary Technician Job Description and Duties | What You'll Do». All Allied Health Schools (em inglês) 
  3. http://www.navta.net/page/VeterinaryNurse
  4. Badger (VN, Cert Ed, MBVNA), Sue. «The Good Old Days - Or Were They?». The British Veterinary Nursing Association Limited. Consultado em 5 de fevereiro de 2009 CS1 maint: Multiple names: authors list (link)
  5. Turner, Trevor; Turner, Jean. «VN Jubilee Seminar: 50 years of veterinary nursing - How did it all begin?». Royal College of Veterinary Surgeons 
  6. «The Wylie Centenary Flyer» (PDF). The Wylie Veterinary Centre. Outubro de 2008. Consultado em 1 de outubro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 2 de abril de 2012 
  7. McCurnin, Dennis M.; Bassert, Joanna M. (2006). Clinical Textbook for Veterinary Technicians, Sixth Edition. St. Louis, Missouri: Elsevier Saunders. p. inside front cover. ISBN 0-7216-0612-1 
  8. «History of Veterinary Technicians». Career Trend (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2018 
  9. Stockham, Steven L.; Scott, Michael A. (31 de maio de 2013). Fundamentals of Veterinary Clinical Pathology (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9781118686072 
  10. «AVMA Policy on Veterinary Technology» 
  11. «Technologist vs Technician?» 
  12. «Dierenartsassistent (Veterinary assistant)» (em neerlandês) 
  13. «Portal CFMV/CRMVs». www.cfmv.org.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  14. Veterinária, Conselho Federal de Medicina. «Portal CFMV/CRMV's». portal.cfmv.gov.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  15. a b Lex. «RESOLUÇÃO Nº 362, DE 27 DE SETEMBRO DE 2017 - Lex ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS». www.lex.com.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  16. «CRMV-RJ esclarece a população sobre cursos livres e de auxiliar de veterinário». www.crmvrj.org.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  17. «CRMV PR esclarece sobre a função de auxiliar veterinário.». SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS - RJ. 5 de fevereiro de 2015 
  18. www.visiondesign.com.br, Vision Design -. «Kienbaum». www.redeunipet.com.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  19. bruna. «Curso de técnico em veterinária | Saiba tudo sobre | Famesp Centro de Ensino Técnico». famesp.com.br. Consultado em 1 de outubro de 2018 

Ligações externasEditar