Universidade de Vilnius

universidade da Lituânia

Universidade de Vilnius (também conhecida como Universidade Estatal de Vilnius, A Universidade de Vilnius, lituano: Vilniaus universitetas, polonês: Uniwersytet Wileński, antigamente Universidade Stefan Batory, bielorrusso: Вiленскi Унiверсытэт) é uma das mais antigas universidades da Europa Oriental e a maior universidade da Lituânia.

Universidade de Vilnius
Fundação 1579
Tipo de instituição universidade, editor de acesso aberto
Localização
Lituânia
54° 40' 57" N 25° 17' 14" E
Reitor(a) Artūras Žukauskas
Total de estudantes 19 768
Campus Vilnius
Vilnius University Coat of arms.JPG
Website oficial
Desenho de cerca de 1850 do pátio principal da Universidade de Vilnius e da Igreja de São João.
Imagem atual do pátio principal da Universidade de Vilnius e da Igreja de São João.
Uma porta em bronze da biblioteca da Universidade de Vilnius em homenagem ao primeiro livro impresso em língua lituana.

HistóriaEditar

A República das Duas NaçõesEditar

Em 1568, a nobreza local pediu para os jesuítas que fundassem uma academia em Vilnius (Wilno) ou em Kaunas. No ano seguinte Walerian Protasiewicz, o bispo de Wilno (Vilnius), adquiriu várias casas no centro da cidade e iniciou a construção da Academia de Vilnius (Akademia Wileńska). Inicialmente, a Academia tinha três divisões: trivium (gramática, retórica e dialética ou lógica), filosofia e teologia. Os primeiros estudantes foram matriculados na Academia em 1570. Uma biblioteca universitária foi criada no mesmo ano; a maioria de seus livros foi doada pelo seu fundador.

Em 1 de abril de 1579, o Rei Stephen Báthory melhorou a qualidade da academia e garantiu-lhe os mesmos direitos dados à Universidade Jagiellon de Cracóvia. Seu édito foi aprovado pela bula papal de Gregório XIII de 30 de outubro de 1579. O primeiro reitor da Academia foi Piotr Skarga. Ele convidou muitos cientistas notáveis de todas as partes da Europa e ampliou sua biblioteca, com a colaboração de muitas pessoas importantes: Sigismundo II da Polônia, Bispo Walerian Protasewicz e o Marechal da Coroa, Kazimierz Lew Sapieha.

Em 1575, o Duque Mikołaj Krzysztof Radziwiłł e Elżbieta Ogińska contribuíram o estabelecimento da primeira editora da academia, uma das primeiras na região. Nesse local foram editados livros em latim e polonês e em 1595 o primeiro livro em língua lituana foi produzido - Catechismusa Prasty Szadei (Palavras Simples de Catecismo), por Martynas Mažvydas.

O período de crescimento da Academia durou até o século XVII. O período seguinte, conhecido como O Dilúvio, levou a uma dramática redução, tanto no seu número de estudantes matriculados quanto na qualidade de seus programas. Na metade do século XVIII, as autoridades educacionais tentaram recuperar a Academia. Isto levou a construção do primeiro observatório na República das Duas Nações, (o quarto na Europa), em 1753, por Tomasz Żebrowski. A Comissão de Educação Nacional tomou a direção da Academia em 1773 e a transformou em uma moderna universidade. Graças ao Reitor da Academia, Marcin Poczobutt-Odlanicki, foi-lhe conferida a posição de Escola Principal (Szkoła Główna) em 1783. A Comissão de Educação Nacional, a autoridade secular que dirigiu a instituição após a dissolução da Companhia de Jesus, deu-lhe um novo estatuto.

Partições da PolôniaEditar

 
O Campus da Universidade de Vilnius no século XIX...

Depois das Partições da Polônia-Lituânia, Vilnius (Wilno) foi anexada pelo Rússia Imperial. Porém, a Comissão de Educação Nacional manteve o controle sobre a Academia até 1803, quando o Tsar Alexandre I da Rússia aceitou o novo estatuto e renomeou a Academia como A Universidade Imperial de Vilna. Foi garantido à instituição os direitos à administração de todos os meios educacionais do antigo Grão-Ducado da Lituânia. Dentre suas notáveis personalidades estão: o curador (governador) Adam Jerzy Czartoryski e o reitor Jan Śniadecki.

A Universidade floresceu. Por volta do ano de 1823, era uma das maiores da Europa; o número de estudantes ultrapassava ao da Universidade de Oxford. Alguns estudantes foram presos em 1823 por conspirarem contra o Tsar. Dentre eles estava Adam Mickiewicz, que mais tarde se tornou um dos maiores poetas do seu tempo. Em 1832, depois da Revolta de Novembro, a Universidade foi fechada pelo Tsar Nicolau I da Rússia.

 
...e no século XXI.

Duas de suas faculdades foram desmembradas: a Academia de Medicina e Cirurgia (Akademia Medyko-Chirurgiczna) e a Academia Católica Romana (Rzymsko-Katolicka Akademia Duchowna), mas logo elas também foram proibidas. A repressão que se seguiu à derrota da revolta resultou na proibição do uso das línguas polonesa e lituana e toda a educação nesses idiomas foi suspensa. Finalmente, a maior parte dos bens da Universidade foi confiscado e enviado para a Rússia (a maioria para São Petersburgo).

Após 1919Editar

Depois que a área de Vilnius foi anexada pela Polônia, A Academia de Vilnius foi renomeada para Universidade Stefan Batory (Uniwersytet Stefana Batorego) em 20 de agosto de 1919, pelo ato de Józef Piłsudski. A Universidade rapidamente se recuperou e ganhou prestígio internacional, grandemente devido à presença de notáveis cientistas tais como Władysław Tatarkiewicz, Marian Zdziechowski e Henryk Niewodniczański. Dentre os estudantes da Universidade daquele tempo estava o futuro ganhador do Prêmio Nobel Czesław Miłosz. A Universidade cresceu rapidamente, graças ao apoio do governo e de doações particulares.

Em 1938 a Universidade contava com:

  • 7 Institutos
  • 123 professores
  • 104 diferentes unidades científicas (incluindo dois hospitais)
  • 3110 estudantes

Dos estudantes estrangeiros da Universidade 212 eram russos, 94 bielorrussos, 85 lituanos, 28 ucranianos e 13 alemães.

 
O pátio principal atualmente.
 
O Observatório da Universidade de Vilnius

Segunda Guerra MundialEditar

Após a Invasão da Polônia a Universidade foi fechada. Porém, logo a seguir a cidade foi ocupada pela União Soviética, a maioria dos professores retornaram e quase todas as faculdades foram reabertas em 1 de outubro de 1939. Em 28 de outubro, Vilnius voltou a pertencer novamente[1] à Lituânia. Em 13 de dezembro de 1939 [2], a nova Carta universitária especificava que a Universidade de Vilnius seria regida de acordo com o estatuto da Universidade Vytautas Magnus de Kaunas e que os programas em língua lituana e faculdades seriam instituídos. Logo após a anexação da Lituânia pela União Soviética, a maioria dos professores foram presos e enviados para prisões e gulags na Rússia e no Cazaquistão.

A cidade foi ocupada pela Alemanha em 1941, e todas as instituições de ensino superior para os não alemães foram fechadas. Contudo, os professores que permaneceram organizaram um sistema secreto de educação com aulas e avaliações sendo realizadas em residências particulares. Os diplomas das universidades clandestinas foram aceitos por muitas Universidades polonesas depois da Guerra. Em 1944, muitos dos estudantes participaram da Revolta de Vilnius. A maioria dos estudantes foi presa mais tarde pela NKVD e deportados para a União Soviética. Com a expulsão dos alemães em 1944, os remanescentes do corpo docente e estudantes de descendência polonesa que sobreviveram à guerra foram expulsos da cidade. Muitos deles se juntaram a várias universidades na Polônia. A fim de não perderem o contato entre si, os professores decidiram transferir faculdades inteiras. Depois de 1945, a maioria dos matemáticos, humanistas e biólogos se reuniram na Universidade Nicolau Copérnico em Toruń, enquanto que um número de faculdades de medicina formaram a recém criada Universidade de Medicina de Gdańsk.

Após 1945Editar

Depois da guerra, a Universidade foi renomeada para A Universidade da República Socialista Soviética da Lituânia. Embora sujeita ao sistema soviético, a Universidade de Vilnius cresceu e ganhou importância. A Universidade de Vilnius começou a se libertar da ideologia soviética em 1988, graças à política do glasnost. Em 11 de março de 1990 a Lituânia declarou a sua independência e a Universidade obteve autonomia. Desde 1991, a Universidade de Vilnius tem sido uma signatária da Carta Magna das universidades européias. A Universidade é um membro da Associação das Universidades Européias (AUE) e da Conferência dos Reitores das Universidades do Báltico.

A Universidade de Vilnius atualmenteEditar

 
A Universidade de Vilnius representada em uma moeda comemorativa de 1-litas lançada em 2004 em homenagem aos seus 425 anos de fundação
 
Sino comemorativo na Universidade de Vilnius
 
Planta do Campus Central

Nos tempos modernos, a Universidade ainda oferece cursos com um conteúdo internacionalmente reconhecido.

Em 1 de janeiro de 2006 havia 23 126 estudantes matriculados na Universidade de Vilnius.

O atual Reitor da Universidade é o Professor Benediktas Juodka do Departamento de Bioquímica e Biofísica.

OrganizaçãoEditar

Existem doze faculdades:

A universidade tem um número de institutos semi-autônomos:

Há também diversos centros de pesquisas e estudos na Universidade de Vilnius:

ProjetosEditar

Os projetos de pesquisas recentes e em andamento incluem:

  • 1999-2002 NATO SfP-972534. "Espectrômetro de laser para testes de Camadas de Cristais e Componentes Ópticos no Alcance Grande Espectral e Angular"[3]. Projeto do programa da NATO Ciência para a Paz.
  • Em andamento: "Biologia celular e lasers: para novas tecnologias". Universidade de Vilnius - UNESCO Centro Associado de Excelência.[4]

Professores e ex-alunos notáveis da Universidade de VilniusEditar

Por ordem alfabética

Doutores Honorários Conferidos pela Universidade de VilniusEditar

BibliografiaEditar

  • Studia z dziejów Uniwersytetu Wileńskiego 1579–1979, K. Mrozowska, Cracóvia 1979
  • Uniwersytet Wileński 1579–1979, M. Kosman, Wrocław 1981
  • Vilniaus Universiteto istorija 1579–1803, Mokslas, Vilnius, 1976, 316 p.
  • Vilniaus Universiteto istorija 1803–1940, Mokslas, Vilnius, 1977, 341 p.
  • Vilniaus Universiteto istorija 1940–1979, Mokslas, Vilnius, 1979, 431 p.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Asmens dokumentų apžvalga
  2. Collection of Lithuanian laws. Lietuvos Valstybės Teisės Aktai 1918-1940
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 1 de outubro de 2006. Arquivado do original em 27 de junho de 2007 
  4. http://ec.europa.eu/research/news-centre/en/pol/02-03-pol04.html#lituanie

Ligações externasEditar