Urban contemporary

Urban contemporary
Origens estilísticas Hip hop, rap, R&B contemporâneo, gospel
Contexto cultural Início de 1980s Estados Unidos
Instrumentos típicos Sintetizadores - Teclado - Caixa de ritmos - vocais (às vezes rap)
Formas derivadas Urban adult contemporary, rhythmic contemporary, urban jazz
Subgêneros
Quiet storm
Gêneros de fusão
Neo soul

Urban contemporary, também conhecido como pop urban ou simplesmente urban, é um formato de rádio para a música popular que pode ser definida como canções feitas por artistas de rhythm and blues ou soul nas décadas de 1980 e 1990.[1]

O formato teve seu início como um formato projetado pelas estações de rádio americanas para ter maior atrativo com os anunciantes, que achavam que a black radio da época, as rádios direcionadas especialmente à comunidade negra, não atingiam um público grande o bastante para eles. O termo urban contemporary foi cunhado pelo DJ nova-iorquino Frankie Crocker, no meio da década de 1970. As estações de rádio especializadas em urban contemporary costumam tocar playlists totalmente compostas por hip hop/rap, R&B contemporâneo e, ocasionalmente, música caribenha, reggae e reggaeton. O urban contemporary se desenvolveu através das características de formatos como o R&B e o soul.[1] O termo vem sendo cada vez mais associado com a música negra e latina.

Estudos mostraram que, apesar do marketing destas estações se concentraram primariamente em ouvintes negros entre as idades de 18 a 34 anos, cerca de 75% dos seus ouvintes são brancos[2] Há também uma grande quantidade de ouvintes asiáticos e de origem hispânicos. Certas estações de urban contemporary também tocam ocasionalmente clássicos do soul, das décadas de 1970 e 80.

Musicalmente, o formato surgiu como uma resposta ao declínio da popularidade da música disco, no fim dos anos 70. As rádios direcionadas ao público negro americano criaram dois formatos novos, praticamente idênticos, o retronuevo e o quiet storm (esta recebeu o nome de um sucesso de Smokey Robinson); ambos caracterizavam-se por um enfoque musical sutil e suave, que parecia evocar a tradição de baladas do rhythm and blues. Entre os artistas de maior sucesso no formato estavam Anita Baker e Luther Vandross, que atingiram o público do pop no início da década seguinte, e colocaram em ascensão o formato de rádio urban contemporary. Embora não seja tão leve e orientado para o pop quanto o som da Motown, o urban contemporary evitava conscientemente músicas mais ousadas ou inspiradas pelo blues, como o soul feito no sul dos Estados Unidos, que era tido como "negro demais". Como o próprio nome diz, visando atingir um público moderno e urbano, o formato foi abordado por artistas de grande sucesso, como Chaka Khan, The Commodores, Earth, Wind and Fire, Janet Jackson e Jeffrey Osborne, e até mesmo Phil Collins e David Bowie. No fim da década de 80 diversos artistas começaram a misturar o formato de vocais do R&B e os ritmos do hip hop, distanciando-se do urban contemporary e, ao mesmo tempo, empurrando-o para um som mais cru, que foi chamado de new jack swing.[1]

A partir da década de 1990 diversos sucessos do urban contemporary dominaram as paradas de sucesso americanas. À medida que as paradas de música pop e de R&B/hip hop passaram a ser quase idênticas, diversas estações especializadas em outros gêneros musicais passaram a tocar faixas que eram populares apenas nas estações de urban contemporary. Hoje em o termo se refere à música que pode ser descrita como um cruzamento entre o rap e o R&B contemporâneo, que em alguns casos pode ser acompanhado com batidas dançantes. A colaboração entre artistas de gêneros diferentes forma o aspecto central da música urban. Alguns exemplos de destaque foram "Crazy in Love", gravada por Beyoncé e Jay-Z, "Baby Boy", com a mesma Beyoncé e Sean Paul, "Dilemma", do rapper Nelly com participação de Kelly Rowland, Party de Chris Brown e Usher, e "Yeah!", com Usher, Lil Jon e Ludacris.

Referências

  Este artigo sobre R&B é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.