Vital de Oliveira (navio)

(Redirecionado de Vapor Itaúba)
Disambig grey.svg Nota: Para o bispo de Olinda do século XIX, veja Vital Maria Gonçalves de Oliveira.
Vital de Oliveira
Carreira
Lançamento 1910
Comissionamento 29 de outubro de 1931
Estado baixa do serviço ativo 19 de julho de 1944
Características gerais
Tonelagem 1 737 t
Largura 12,3 m, calado 4,3 m
Maquinário vapor, com dois motores de tripla expansão de 540 hp aclopado a dois hélices
Comprimento 82,3 m
Propulsão carvão
Velocidade máxima de 9 nós
Armamento 2 canhões L/40 de 47 mm
Equipamentos especializados paus de carga nos mastros, próximos aos três porões
Carta do sobrevivente Oscar Gabriel Soares

O NAux/NHi Vital de Oliveira, ex-Vapor Itaúba', foi um dos navios a vapor da classe Ita que fazia a navegação de cabotagem no Brasil, transportando passageiros e cargas na primeira metade do século XX. Foi construído pelo estaleiro Ailsa Shipbuilding Company Ltd, de Troon, Escócia, em 1910, para a Companhia Nacional de Navegação Costeira, e batizado com o nome Itaúba. [1]

Incorporação à Marinha do BrasilEditar

Em 1911, o Itaúba foi requisitado pela Marinha do Brasil para servir como transporte da força naval enviada à baía de Assunção destinada a garantir a livre navegação do rio Paraguai, durante a guerra civil do Paraguai, de 1911-1912.

Em 1931, ele foi incorporado à Marinha de Guerra brasileira, juntamente com os vapores Itajubá e Itapema e em 2 de dezembro, de 1932 foi rebatizado como Vital de Oliveira, em homenagem ao Capitão de fragata Manuel Antônio Vital de Oliveira, morto em um bombardeio ao Forte de Curupaiti, em 2 de fevereiro de 1867, quando comandava o Monitor Encouraçado Silvado, na Guerra do Paraguai.

Na Marinha, o Itaúba foi classificado, ao longo dos anos, como navio de instrução, navio faroleiro, navio hidrográfico e, por fim, navio auxiliar.

TorpedeamentoEditar

No dia 19 de julho de 1944, às 23:55, o NAux Vital de Oliveira foi posto a pique, atingido por um torpedo do submarino alemão U-861, a 25 milhas ao sul do Farol de São Tomé, na costa fluminense.[2][3]

Ele havia partido do porto de Natal trazendo militares para o Rio de Janeiro, e havia feito escalas em Cabedelo, Recife, Salvador e Vitória, de onde saíra escoltado pelo caça submarino Javari. Morreram no naufrágio 99 pessoas dos 270 tripulantes e passageiros.

Na ocasião, era comandado pelo Capitão-de-Fragata João Batista de Medeiros Guimarães Roxo.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Navios de Guerra Brasileiros. «NAux/NHi Vital de Oliveira, ex-Itaúba, Classe Ita». Consultado em 24 de fevereiro de 2011 
  2. «Vital de Oliveira». Brasil Mergulho. Consultado em 18 de maio de 2012 
  3. «Navios Brasileiros afundados na Costa do Rio de Janeiro, Navio: Vital de Oliveira». Naufrágios do Brasil. Consultado em 18 de maio de 2012 
  Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.