Vela

bloco sólido de cera com pavio incorporado
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Vela (desambiguação).
Vela
"Candle".JPG
Tipo
fonte de luz portátil (d)
bem
armazenamento de energia
long and narrow object (d)
Características
Material
Técnica
candlemaking (d)
Composto de
Fabricação
Fabricante
candle-maker (d)
Processo
candlemaking (d)
Utilização
Uso
iluminação

Vela ou candeia é uma fonte de luz que consiste tipicamente num pavio inserido num combustível sólido, tipicamente parafina. A função do pavio é ser queimado no intuito de produzir fogo, e este, por sua vez, iluminar o ambiente. Além da parafina, existem outros combustíveis que podem ser utilizados, como o azeite e outros óleos vegetais.

Uma vela comum, de uso doméstico

A vela é uma fonte de luz utilizada desde tempos remotos, quer na sua forma simples ou acopladas em lanternas, utilizadas muito antes da descoberta da lâmpada e outros sistemas de iluminação eléctricos.

Durante a preparação da vela, previamente à ignição, o pavio é saturado com o combustível na forma sólida. O calor do fósforo ou outra fonte de fogo vai derreter e vaporizar uma pequena porção de combustível que, no estado gasoso vai combinar-se com o oxigénio da atmosfera para formar a chama. A chama vai então providenciar calor suficiente para manter a vela acesa, numa típica reacção em cadeia auto-sustentável: o calor da chama derrete a superfície do combustível sólido, liquefazendo-o e fazendo-o deslocar-se em direcção ao pavio e subi-lo, por capilaridade; o líquido passará, com o calor, para o estado gasoso, que vai ser consumido pela chama.

Kaarsvlam-kl.jpg

O combustível é queimado em várias e distintas regiões (como evidenciado pelas diferentes cores produzidas pela chama da vela). No interior das regiões mais quentes, azuladas (1), o hidrogénio está sendo separado do combustível e queimado, formando vapor de água. A zona mais clara da chama, amarelada (4), é explicada pela oxidação do carbono residual, produzindo dióxido de carbono.

À medida que o combustível sólido é derretido e consumido, a vela vai diminuindo de tamanho. As porções do pavio que não estão a provocar a evaporação do líquido combustível são consumidas pela chama, limitando o comprimento do pavio exposto.

Velas acesas na catedral de Milão

História da fabricaçãoEditar

 
Máquina de moldagem de velas na Indonésia, c. de 1920.

A confecção de velas foi desenvolvida independentemente em muitos lugares ao longo da história.[1]

As velas foram criadas pelos romanos a partir de 500 a.C. Estas eram verdadeiras velas imersas e feitas em sebo. Os primeiros registros de velas feitas de gordura de baleia na China remontam à dinastia Chin (221-206 a.C).[2] Na Índia, a parafina da canela a ferver foi usada para a fabricação de velas nos templos.[2]

Em partes da Europa, do Oriente Médio e da África, onde o óleo de lâmpada feito de azeitonas estava prontamente disponível, a confecção de velas permaneceu desconhecida até ao início da Idade Média. As velas eram feitas principalmente de sebo e cera de abelha em tempos antigos, e também eram feitas de espermacete, gorduras animais purificadas (estearina) e cera de parafina nos últimos séculos.[1]

Velas aromáticasEditar

Com o advento da energia elétrica, a vela passou a apresentar utilidades diversas da original, umas delas é a decoração de ambientes, decoração de festas ( casamento e formaturas ), uso religioso e funerárias. Para esse fim, foram desenvolvidas novas técnicas de fabricação, tanto artesanais quanto industriais.

As velas se tornaram importantes elementos decorativos, auxiliando a compor um ambiente com suas cores, bem como com a iluminação indireta que gera. Comumente associadas a ocasiões românticas, hoje são muitas vezes ligadas a um status de sensualidade.

Nessa tendência de desenvolvimento cada vez maior do potifólio de velas, surgiu a necessidade de expandir seu alcance além dos sentidos visual e táctico. Assim foram criadas as velas aromáticas.

Feitas normalmente de parafina, também podem ser apresentadas na versão gel. O aroma vem do acréscimo de substancias aromáticas, tais como essências e extratos naturais. Adiciona-se amelina na parafina para colorir. Outros componentes, como flores, frutos e sementes, além de criarem um visual diferenciado e atrativo para a vela, podem produzir os odores desejados.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Willhöft, Franz; Horn, Rudolf. Ullmann's Encyclopedia of Industrial Chemistry (em inglês). [S.l.]: Wiley-VCH. doi:10.1002/14356007.a05_029 
  2. a b Telesco, Patricia (2001). Exploring Candle Magick: Candle Spells, Charms, Rituals, and Divinations (em inglês). [S.l.]: Career Press. p. 10. ISBN 1-56414-522-0 

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Vela (iluminação)
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Vela
  Este artigo sobre um objeto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.