X-Men (filme)

Filme de 2000 diretor Bryan Singer
(Redirecionado de X-Men: O Filme)

X-Men (no Brasil, X-Men - O Filme) é um filme de ação, aventura e fantasia estadunidense de 2000, baseado no grupo homônimo da Marvel Comics, dirigido por Bryan Singer e escrito por David Hayter. É estrelado por Hugh Jackman, Anna Paquin, Famke Janssen, James Marsden, Halle Berry, Rebecca Romijn, Tyler Mane, Ray Park, Bruce Davison, Ian McKellen e Patrick Stewart. O filme introduz Wolverine e Vampira em meio a um conflito entre Professor Xavier e a Irmandade de Mutantes, liderada por Magneto. Este pretende transformar líderes das Nações Unidas em mutantes com uma máquina que o próprio construiu, com o objectivo da aceitação dos mutantes no mundo, mas Xavier tenta impedir seus planos, já que a mutação forçada leva a óbito pessoas normais.

X-Men
X-Men - O Filme[1] (BRA)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2000 •  cor •  104 min 
Direção Bryan Singer
Produção Lauren Shuler Donner
Ralph Winter
Produção executiva Avi Arad
Stan Lee
Richard Donner
Tom DeSanto
Roteiro David Hayter
História David Hayter
Bryan Singer
Baseado em X-Men
de Jack Kirby e Stan Lee
Elenco Patrick Stewart
Hugh Jackman
Ian McKellen
Halle Berry
Famke Janssen
James Marsden
Bruce Davison
Rebecca Romijn-Stamos
Tyler Mane
Ray Park
Anna Paquin
Gênero ação
aventura
ficção científica
Música Michael Kamen
Cinematografia Newton Thomas Sigel
Edição Steven Rosenblum
Kevin Sitt
John Wright
Companhia(s) produtora(s) 20th Century Fox
Marvel Studios
Bad Hat Harry Productions
The Donners' Company
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Estados Unidos 14 de julho de 2000
Brasil 18 de agosto de 2000
Portugal 29 de setembro de 2000
Idioma inglês
Orçamento US$ 75 milhões[2]
Receita US$ 296.339.527[2]
Cronologia
X2
(2003)

O desenvolvimento de X-Men começou em 1989 com James Cameron. Os direitos de filmagem foram atribuídos à 20th Century Fox, em 1994. Roteiros e o tratamento do filme foram encomendados para Andrew Kevin Walker, John Logan, Joss Whedon e Michael Chabon. Singer assinou para o dirigir, em 1996, com regravações de outros como Ed Solomon, Singer, Tom DeSanto, Christopher McQuarrie e David Hayter. As filmagens decorreram entre 22 de setembro de 1999 e 3 de março de 2000, principalmente em Toronto. X-Men foi bem recebido pela crítica especializada e pelo público, tornando-se um sucesso financeiro. Abriu o caminho para a extensa franquia X-Men no cinema, dando início ao ressurgimento de filmes de super-heróis.[3]

EnredoEditar

Em um congresso nos Estados Unidos, o senador Robert Kelly tenta criar um "Ato de Registro de Mutantes", que forçaria todos os mutantes a revelar publicamente as suas identidades e capacidades especiais. Erik Lensherr, o Magneto, um mutante capaz de controlar o metal e velho amigo do professor Xavier, inicia seus planos para estabelecer um nível de igualdade entre mutantes e humanos. Enquanto isso, uma adolescente chamada Marie (Vampira) foge de casa no Mississippi depois de ter sugado a energia vital do namorado com um beijo, deixando-o em coma. Nas estradas do Canadá, ela conhece o também mutante Wolverine, que decide lhe dar uma carona. De repente, eles são atacados por Dentes-de-Sabre, um membro da irmandade mutante de Magneto e meio-irmão de Wolverine. Ciclope e Tempestade aparecem e salvam Wolverine e Vampira, levando-os para a Mansão X. O professor Charles Xavier lidera a instalação e um grupo de mutantes dispostos a encontrar a paz com a raça humana, educando os jovens mutantes para o uso responsável dos seus poderes e a parar os planos de Magneto de iniciar uma guerra contra a humanidade.

O senador Kelly é raptado por Mística e Groxo e levado até as instalações de Magneto em alto mar, onde é testado numa máquina que transforma humanos em mutantes, embora momentos depois, o senador consegue fugir com os seus poderes recém-adquiridos. Na Mansão, depois de um acidente causado por Vampira a Wolverine, envolvendo seus poderes, esta é convencida por Mística, disfarçada de Bobby Drake, o Homem de Gelo, que Xavier está zangado com ela e que ela deverá deixar a escola imediatamente. O professor usa o "Cérebro", uma máquina capaz de encontrar mutantes, para localizar Vampira, que está em uma estação de trem. Mística, ainda disfarçada, invade o Cérebro e coloca um vírus na máquina, para impedir Xavier de rastrear outros mutantes, em especial Magneto. Na estação, Wolverine revela para Vampira que Xavier não está zangado com ela e a convence a voltar para a Mansão, mas uma luta se inicia envolvendo também Ciclope e Tempestade quando Magneto, Groxo e Dentes-de-Sabre chegam e capturam Vampira. O senador Kelly chega à Mansão e revela os planos de Magneto para Xavier e os outros mutantes.

Xavier está prestes a localizar Vampira novamente, quando leva um choque e entra em coma devido ao vírus que Mística implantou no Cérebro. Jean concerta o Cérebro e resolve usá-lo para encontrar Magneto, que está na Estátua da Liberdade, com a intenção de ativar sua máquina e afetando primeiramente os líderes de uma conferência que acontecia ali perto. Com a chegada do grupo ao monumento, Groxo, Dentes-de-Sabre e Mística são derrotados, enquanto Magneto transfere seus poderes para Vampira, que é forçada a usá-los para iniciar a máquina.

Presos por Magneto, Wolverine consegue se soltar, e com a ajuda de Jean e Tempestade, é levado ao topo da estátua para parar Magneto, que usa seus poderes para controlar Wolverine, impedindo-o de estragar seus planos. Com seus poderes telecinéticos, Jean tira os óculos especiais de Ciclope, que com uma rajada de luz, acerta Magneto e ajuda Wolverine a destruir a máquina. Wolverine toca em Vampira para que ela absorva seus poderes de cura, com êxito. O professor Xavier recupera-se do seu coma e o grupo descobre no bloco noticiário que Mística segue na ativa e está disfarçada de senador Kelly. Xavier, numa tentativa de ajudar Wolverine a descobrir sobre o seu passado, envia-o para uma base nuclear no lago Alkali. Xavier visita Magneto em sua prisão de plástico. Magneto adverte ao amigo que a prisão não irá detê-lo para sempre, e que, assim que escapar, irá continuar a sua luta pela igualdade mutante, e Xavier por sua vez, promete estar junto com a sua equipe para o detê-lo.

ElencoEditar

ProduçãoEditar

Os escritores e editores-chefes da Marvel Comics Gerry Conway e Roy Thomas escreveram um roteiro de X-Men em 1984, quando a Orion Pictures era para vender os direitos do filme, mas o desenvolvimento parou quando a Orion começou a enfrentar problemas financeiros.[4] Ao longo de 1989 e 1990, Stan Lee e Chris Claremont estiveram em discussões com a Carolco Pictures para uma adaptação cinematográfica de X-Men,[5] com James Cameron como produtor e Kathryn Bigelow dirigindo.[6]

Um tratamento de história foi escrito por Bigelow, com Bob Hoskins sendo considerado para Wolverine e Angela Bassett como Tempestade. Porém, o negócio desmoronou quando Stan Lee despertou o interesse de Cameron para a realização de um filme do Homem-Aranha;[6] embora um acordo com a Carolco tivesse sido concretizado, a empresa acabou indo à falência e os direitos do filme voltaram para a Marvel.[5] Em dezembro de 1992, a Marvel discutiu a venda dos direitos de X-Men para a Columbia Pictures, mas não obteve sucesso.[7] Enquanto isso, Avi Arad produzia a série animada de televisão X-Men para a Fox Kids; a 20th Century Fox ficou impressionada com o sucesso da série de televisão e a produtora Lauren Shuler Donner comprou os direitos do filme para o estúdio em 1994,[5][8] trazendo Andrew Kevin Walker para escrever o roteiro.[9]

O primeiro rascunho de Walker envolveu o Professor Xavier recrutando Wolverine para os X-Men, que até então consistia em Ciclope, Jean Grey, Homem de Gelo, Fera e Anjo. A Irmandade dos Mutantes, que consistia em Magneto, Dente de Sabre, Groxo, Fanático e Blob, tentam dominar Nova York, enquanto Henry Peter Gyrich e Bolivar Trask atacam os X-Men com três Sentinelas de 2,4 m. O roteiro enfocava a rivalidade entre Wolverine e Ciclope, bem como a dúvida deste último como líder do grupo; no roteiro, parte da história de fundo inventada para Magneto fez dele a causa do desastre de Chernobyl. Esse esboço também apresentava o X-Copter e a Sala de Perigo. Walker entregou seu segundo rascunho em junho de 1994.[10]

Laeta Kalogridis,[11] John Logan, James Schamus, e Joss Whedon foram trazidos para reescritas subsequentes. Um desses roteiros manteve a ideia de Magneto transformar Manhattan em uma "pátria mutante", enquanto outro girava em torno de um romance entre Wolverine e Tempestade.[8] O rascunho de Whedon apresentava a Sala de Perigo, e concluiu com Jean Grey vestida como a Fênix.[12] De acordo com a Entertainment Weekly, este roteiro foi rejeitado por causa de seu "tom rápido de referência à cultura pop",[13] e o filme finalizado continha apenas duas trocas de diálogos com as quais Whedon contribuiu.[14] Michael Chabon apresentou um tratamento de seis páginas para a Fox em 1996. Ele se concentrou fortemente no desenvolvimento de personagens entre Wolverine e Jubileu e incluiu o Professor Xavier, Ciclope, Jean Grey, Noturno, Fera, Homem de Gelo e Tempestade. Segundo o plano de Chabon, os vilões não teriam sido apresentados até um eventual segundo filme.[15]

A Fox considerou Brett Ratner como diretor (ele acabou dirigindo X-Men: The Last Stand anos depois do primeiro filme)[16] mas depois ofereceu a posição a Robert Rodriguez, que recusou.[17] Após o sucesso comercial de Mortal Kombat nos Estados Unidos, Paul W. S. Anderson recebeu a oferta do cargo, mas recusou em favor de dirigir O Enigma do Horizonte.[18] Após o lançamento de The Usual Suspects, Bryan Singer estava procurando fazer um filme de ficção científica e a Fox ofereceu-lhe Alien Resurrection, mas o produtor Tom DeSanto sentiu que seria mais apropriado para ele dirigir X-Men.[5] Singer estava hesitante em dirigir um filme de história em quadrinhos, mas mudou de ideia depois que DeSanto apresentou os temas de preconceito na história em quadrinhos que ressoou com Singer.

Em dezembro de 1996, Singer estava confirmado na posição de diretor, enquanto Ed Solomon foi contratado para escrever o roteiro em abril de 1997, enquanto Singer foi liberado para filmar Apt Pupil. A Fox então anunciou uma data de lançamento no Natal de 1998 para o filme.[19][20] No final de 1997, o orçamento foi projetado em US$ 60 milhões. Em 1998, Chris Claremont voltou para a Marvel e, vendo como a Fox ainda estava lutando com o roteiro, enviou-lhes um memorando de quatro páginas onde explicava os conceitos básicos e o que diferenciava os X-Men de outros super-heróis.[21] No final de 1998, Singer e DeSanto enviaram um tratamento para Fox, que eles acreditavam ser "perfeito" porque levava "a sério" os temas e as intenções das comparações de Xavier e Magneto com Martin Luther King e Malcolm X, ao contrário dos outros scripts. Eles fizeram de Vampira uma personagem importante porque Singer reconheceu que sua mutação, que a torna incapaz de tocar em ninguém, era o mais simbólico de alienação. Singer fundiu atributos de Kitty Pryde e Jubileu na representação de Vampira no filme. A conspiração de Magneto para transformar os líderes mundiais em mutantes a favor de seu plano é uma reminiscência de como a conversão de Constantino ao Cristianismo acabou com a perseguição dos primeiros cristãos no Império Romano; a analogia foi enfatizada em uma cena deletada em que Tempestade ensina história. A afirmação do Sendaor Kelly de que ele tem uma lista de mutantes que vivem nos Estados Unidos lembra a afirmação semelhante de Joseph McCarthy a respeito dos comunistas.

A Fox, que havia projetado um orçamento entre US$ 60-75 milhões, rejeitou o tratamento que, segundo eles, teria custado US$ 5 milhões a mais. Fera, Noturno, Pyro e a ambientação da Sala de Perigo tiveram que ser deletados antes que o estúdio aprovasse X-Men.[8][22] O chefe da Fox, Bill Mechanic, argumentou que isso melhoraria a história,[8] e Singer concordou que remover a Sala de Perigo permitiu que ele se concentrasse em outras cenas de sua preferência. Alguns aspectos da Besta, particularmente sua experiência médica, foram transferidos para a personagem Jean Grey. Singer e DeSanto trouxeram Christopher McQuarrie de The Usual Suspects, e juntos fizeram outra reescrita.[23][24]

David Hayter, que na época trabalhava como assistente de Singer, foi contratado para reescrever devido ao seu conhecimento de histórias em quadrinhos.[25] Hayter recebeu crédito de roteiro solo do Writers Guild of America, enquanto Singer e DeSanto receberam crédito da história.[8] O WGA ofereceu um crédito a McQuarrie, mas ele voluntariamente retirou seu nome quando a versão final estava mais de acordo com o roteiro de Hayter do que com o dele.[26] Em julho de 2020, o The Hollywood Reporter revelou que McQuarrie e Solomon retiraram seus nomes do filme devido ao "processo tortuoso" do estúdio; Solomon mais tarde expressaria pesar por remover seu nome. Hayter afirma que 55% de seu roteiro acabou no filme final, enquanto outros insiders afirmam que a maior parte do que está na tela foi escrita por McQuarrie e Solomon com apenas contribuições de Hayter.[27]

RecepçãoEditar

ComercialEditar

X-Men arrecadou US$ 157,3 milhões nos Estados Unidos e Canadá e US$ 139 milhões em outros territórios para um total mundial de US$ 296,3 milhões, contra um orçamento de produção de US$ 75 milhões, tornando-se o oitavo filme de maior bilheteria de 2000 no país e o nono no mundo.[28]

À época, a Marvel Studios estava dependendo do sucesso de X-Men para acender outras propriedades da franquia (Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Hulk e Demolidor).[29] O sucesso de X-Men deu início a um ressurgimento para o gênero de quadrinhos e filmes de super-heróis nos cinemas.[30]

CríticaEditar

X-Men tem aclamação por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 82% em base de 154 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: “Fiel aos quadrinhos e cheio de ação, X-Men traz uma lousa cheia de personagens clássicos da Marvel para a tela com um elenco talentoso e foco narrativo surpreendentemente acentuado”. Tem 83% de aprovação por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.[31]

Versões caseirasEditar

X-Men foi lançado em VHS e DVD em novembro de 2000, para tirar proveito do feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos. Em seu fim de semana inicial, o filme arrecadou US$ 60 milhões em aluguéis e vendas diretas, faturando mais do que todos os filmes nos cinemas, fora o líder How the Grinch Stole Christmas.[32] X-Men terminou o ano 2000 como a sétimo maior bilheteria de home video do ano com $ 141.000.000, com 78% sendo obtido por meio de vendas.[33] Uma nova versão em dois discos de DVD foi lançada em 2003 em antecipação ao lançamento de X2 nos cinemas, intitulada X-Men 1.5. O DVD inclui a versão do cinema junto com a opção de cenas deletadas, e vários novos recursos adicionais.[34][35]

Referências

  1. «X-Men - O Filme». no AdoroCinema 
  2. a b «"X-Men (2000)"» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 26 de fevereiro de 2010 
  3. «"X-Men film series "». Freebase. Consultado em 26 de fevereiro de 2010 
  4. Morris, Brian K. (maio de 2006). «"X" Marks the Sprocket». TwoMorrows Publishing: 9–16 
  5. a b c d Lee, Stan; Claremont, Chris; Singer, Bryan; Shuler Donner, Lauren; DeSanto, Tom; Arad, Avi (2000). The Secret Origin of The X-Men (DVD). 20th Century Fox 
  6. a b Molloy, Tim (25 de março de 2012). «Chris Claremont's Dream X-Men Movie: James Cameron, Kathryn Bigelow, and Bob Hoskins as Wolverine». TheWrap.com. Consultado em 11 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 9 de março de 2016 
  7. «Marvel characters holding attraction for filmmakers». Variety. 9 de dezembro de 1992. Consultado em 9 de agosto de 2008 
  8. a b c d e Jensen, Jeff (21 de julho de 2000). «Generating X». Entertainment Weekly. Consultado em 9 de agosto de 2008 
  9. Daly, Steve (29 de setembro de 1995). «Deadly Done Right». Entertainment Weekly. Consultado em 22 de maio de 2007 
  10. Walker, Andrew Kevin (7 de junho de 1994). «X-Men First Draft». Simplyscripts. Consultado em 13 de julho de 2007 
  11. Galloway, Stephen; Parker, Donna (30 de março de 1995). «4 top ICM agents walk, undertake own Endeavor». Nielsen Company. The Hollywood Reporter 
  12. «In Focus | August/September 2005 | Serenity Now! Uncut». Natoonline.org. Consultado em 20 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 15 de junho de 2011 
  13. Seymour, Craig (10 de maio de 2000). «X-Man Out». Entertainment Weekly. Consultado em 22 de maio de 2007 
  14. Robinson, Tasha (5 de setembro de 2001). «Interview – Joss Whedon». The A.V. Club. Consultado em 21 de novembro de 2009 
  15. Voynar, Kim (9 de julho de 2006). «X-Men and Fantastic Four: What Would Chabon Have Written?». Cinematical. Consultado em 23 de setembro de 2007 
  16. Fleming, Michael (5 de junho de 2005). «New master for mutants». Variety. Consultado em 11 de outubro de 2014 
  17. «The Total Film Interview-Robert Rodriguez». Total Film. 1 de outubro de 2003. Consultado em 7 de outubro de 2007 
  18. Paul W. S. Anderson (Director), Jeremy Bolt (Producer) (2006). Event Horizon (Audio commentary). Paramount Home Entertainment 
  19. Fleming, Michael (14 de abril de 1997). «A Mania For Marvel». Variety. Consultado em 25 de março de 2008 
  20. Busch, Anita M. (10 de dezembro de 1996). «Singer set to direct Fox's Men». Variety. Consultado em 25 de março de 2008 
  21. Dark Phoenix Comic Creator on Pitching James Cameron and the 4-Page Memo That Made X-Men
  22. Cox, Dan (29 de julho de 1998). «Col inks Solomon, Lynn». Variety. Consultado em 6 de junho de 2019 
  23. Solomon, Ed; McQuarrie, Chris; DeSanto, Tom; Singer, Bryan (24 de fevereiro de 1999). «February 1999 X-Men script». Sci-Fi Scripts. Consultado em 1 de julho de 2007 
  24. Petrikin, Chris (20 de janeiro de 1999). «Rice gets Fox promotion». Variety. Consultado em 25 de março de 2008 
  25. Siegel, Tatiana (31 de julho de 2020). «Bryan Singer's Traumatic X-Men Set: The Movie "Created a Monster"». The Hollywood Reporter. Consultado em 31 de julho de 2020 
  26. Kit, Borys (13 de agosto de 2009). «McQuarrie to pen Wolverine sequel». The Hollywood Reporter. Consultado em 13 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2010 
  27. Siegel, Tatiana (31 de julho de 2020). «Bryan Singer's Traumatic X-Men Set: The Movie "Created a Monster"». The Hollywood Reporter. Consultado em 31 de julho de 2020 
  28. «X-Men (2000)». Box Office Mojo. Consultado em 20 de setembro de 2017 
  29. Fleming, Michael (13 de julho de 1999). «Marvel takes cue from its superheroes». Variety 
  30. Levine, Robert (27 de junho de 2004). «Does Whatever a Spider (and a C.E.O.) Can». The New York Times 
  31. «X-Men» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 24 de abril de 2014 
  32. «DVDINSIDER: Sales And Rentals Of Twentieth Century Fox's "X-MEN" Xceeds Xpectations». Consultado em 6 de Junho de 2016. Arquivado do original em 5 de Maio de 2016 
  33. Year End 2000 Top video titles
  34. [Conrad, Jeremy (24 de janeiro de 2003). "X-Men 1.5". IGN.
  35. DVD: X-Men 1.5

Ligações externasEditar