Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Abomey / Abomei

Agbome

  Comuna e cidade  
Abomei em 2006
Abomei em 2006
Abomey / Abomei está localizado em: Benim
Abomey / Abomei
Localização no Benim
Coordenadas 7° 11' 8" N 1° 59' 17" E
País Benim
Departamento Departamento de Zou
Área
- Total 54 8 sq mi (142 km²)
Altitude 221 m
População (2013)
 - Total 92 266
    • Densidade 649,8 hab./km²
- Fuso horário WAT (UTC+1)

Abomei ou Abomé é uma cidade do departamento Zou do Benim, antigamente a capital do antigo Reino de Daomé. Tem uma população de 92 266 (Censos de 2013)[1]. O reino foi estabelecido em 1625. Os palácios reais de Abomei são um grupo de estruturas de argila construídas pelo povo Fon entre meados dos séculos 17 e 19. Um dos mais famosos e historicamente significativos sítios tradicionais na África Ocidental, os palácios formam um dos Património Mundial da UNESCO.

A cidade era rodeada por uma muralha de argila com uma circunferência estimada em seis milhas (Enciclopédia Britânica, 1911), atravessada por seis portões, e protegida por uma vala de cinco pés de profundidade, preenchida com um denso crescimento da espinhosa acácia, a habitual defesa das fortalezas da África Ocidental. Dentro das muralhas aldeias foram separadas por áreas, vários palácios reais, um mercado local e uma grande praça que continham as barracas. Em novembro de 1892, Behanzin, o último rei independente que reinou o Daomé, sendo derrotado por forças coloniais francesas, ateou fogo em Abomei e fugiu em direção ao norte. A Administração colonial francesa reconstruiu a vila e uniu-a à costa por uma estrada de ferro.

Palácios Reais do AbomeiEditar

Os palácios reais do Abomei são um grupo de estruturas construídas de barro (argila) pelos povos Fon entre meados do século XVII e finais do século XIX. Um dos locais tradicionais mais famosos e historicamente mais significativos na África ocidental, os palácios constituem um dos sítios considerados pela UNESCO em 1985 como Patrimônio da Humanidade e também como Patrimônio Mundial em perigo, devido aos estragos provocados por um ciclone.

  Palácios Reais do Abomei *
Património Mundial da UNESCO

 
Celebração em Abomei (1908)
País Benim
Critérios N (ii)(iv)
Referência 323 en fr es
Coordenadas 7º_11'_8"_N_1º_59'_17"_E
Histórico de inscrição
Inscrição 1985  (9.ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
 
"Sacerdotes Importantes" (1908)
 
Dança dos chefes Fon 1908
 
Jovem com assento místico de madeira (1908)

A cidade era circundada por uma muralha de argila com uma circunferência estimada em seis milhas (Encyclopaedia Britannica, 1911), atravessada por seis portões, e protegida por uma vala de 1,5 m de profundidade, preenchida com uma sebe densa de acácia espinhosa, a defesa usual das fortalezas africanas ocidentais. Dentro das paredes, estavam as vilas separadas por campos, por diversos palácios reais, por uma praça de mercado e por um campo grande que continha as choças. Em novembro de 1892, Behanzin, último rei independente do Daomé, sendo derrotado por forças coloniais francesas, ateou fogo a Abomei e fugiu para o norte. A administração colonial francesa reconstruiu a cidade e conectou-a com a costa por uma estrada de ferro, trazendo Abomei ao mundo moderno.

Quando a UNESCO designou os Palácios Reais do Abomei[2] como Patrimônio da Humanidade em 1985, registou que entre 1625 e 1900, doze reis sucederam um ao outro na cabeça do reino poderoso de Abomei. À excepção do rei Akaba, que usou um local separado, cada um teve seu palácio construído dentro da mesma área, considerando o uso do espaço e dos materiais de acordo com palácios precedentes. Os palácios reais de Abomei são a única lembrança deste reino desaparecido.

Desde 1993, 50 dos 56 baixos-relevos que decoravam as paredes do palácio do rei Glelê (1858-1889) (denominado agora Salle des Bijoux ou "Sala das Jóias") foram removidos e substituídos na estrutura reconstruída. Os baixos-relevos trazem um código iconográfico que expressa a história e o poder dos Fon.

Nota
Para os não-africanos ocidentais, o Império do Benim que existiu historicamente do século X até 1897 era governado pelo Oba de Benin, cuja capital se situava na atual Benin City na Nigéria, é facilmente confundido com a República do Benim, anteriormente Daomé a colónia francesa, vizinho à oeste da Nigéria.

Ver tambémEditar

Lista dos Reis do DaoméEditar

[3]

Referências

Ligações externasEditar