Abrir menu principal
Adam Zagajewski
Nascimento 21 de junho de 1945 (74 anos)
Lviv
Cidadania Polônia
Etnia poloneses
Progenitores Pai:Tadeusz Zagajewski
Alma mater Universidade Jaguelônica
Ocupação linguista, poeta, tradutor, escritor, professor universitário, romancista, ensaísta
Prêmios Bolsa Guggenheim, Neustadt International Prize for Literature, Prêmio Heinrich Mann, Prêmio Dr. Leopold Lucas, Oficial da Ordem da Polônia Restituta, Cruz de Bronze do Mérito
Empregador Universidade de Chicago, Universidade de Houston, Universidade Jaguelônica, AGH Universidade de Ciência e de Tecnologia

Adam Zagajewski (Lwów, 21 de junho de 1945) é um poeta, romancista, tradutor e ensaísta polaco. Recebeu Prémio Literário Internacional Neustadt de 2004, o Prémio Griffin de Poesia de Reconhecimento de Vida de 2006 e o Prémio Princesa das Astúrias de Literatura de 2017. Está apontado ao Nobel da Literatura.

BiografiaEditar

Adam Zagajewski nasceu em 1945, em Lwów (desde 1 de janeiro de 1946 Lvov, ucraniano SSR). Seu pai era Tadeusz Zagajewski e sua mãe era Ludwika Zagajewska, nascida Turska. A família Zagajewski foi expulsa de Lwów pelos Ucranianos para o centro da Polônia, no mesmo ano. Eles se mudaram para a cidade de Gliwice , onde se formou na Escola Secundária Andrzej Strug V (V Liceum Ogólnokształcące im. Andrzeja Struga). Posteriormente, estudou psicologia e filosofia na Universidade de Jagiellonian , em Cracóvia. Mais tarde, ensinou filosofia no AGH University of Science and Technology. Em 1967, fez sua estreia poética com a Música, um poema publicado na revista Życie Literackie  Ele publicou suas obras, bem como as resenhas em revistas como Odra (1969-1976) e Twórczość (1969, 1971-1973).[1] Durante este tempo, ele se envolveu no movimento literário a Nova Onda (Nowa fala), também conhecido como a Geração de '68'. O objetivo do grupo era "lutar contra as falsificações da realidade e a apropriação da linguagem pela ideologia e propaganda comunista ".[2] Após a assinatura da Carta de 59 suas obras foram proibidas pelas autoridades comunistas da Polónia. Em 1978, foi um dos fundadores e primeiros professores da Associação de Formação Científica. Em 1982, emigrou para Paris, mas em 2002 ele voltou para a Polônia, juntamente com a mulher Maja Wodecka, e reside em Cracóvia. Ele é um membro do Associação de Escritores Polacos.

ObbrasEditar

ColetâneasEditar

Poesia
  • Zagajewski, Adam. Komunikat. [S.l.: s.n.] 
  • Sklepy mięsne. Kraków, 1975.
  • List. Oda do wielkości. Paris, 1983.
  • Jechać do Lwowa. London, 1985.
  • Plótno. Paris, 1990.
  • Ziemia ognista. Poznan, 1994.
  • Trzej aniołowie. Kraków, 1998.
  • Pragnienie. Kraków, 1999.
  • Powrót. Kraków, 2003.
  • Anteny. Kraków, 2005.
  • Unseen Hand (Niewidzialna reka). Kraków, 2009.
  • Wiersze wybrane. Kraków, 2010.
Prosa
  • Ciepło, zimno. Warszawa, 1975.
  • Słuch absolutny. Kraków, 1979.
  • Cienka kreska. Kraków, 1983.
Ensaios
  • Świat nieprzedstawiony. Kraków, 1974.
  • Drugi oddech. Kraków, 1978.
  • Solidarność i samotność. "Zeszyty literackie", 1986.
  • Dwa miasta. Paryż-Kraków, 1991.
  • Another Beauty (W cudzym pięknie). Poznań, 1998.
  • Obrona żarliwosci. Kraków, 2002.
  • Poeta rozmawia z filozofem. Warszawa, 2007.

ReferênciasEditar

  1. «Adam zagajewski» 
  2. «Adam Zagajewski». Consultado em 23 de julho de 2018. Arquivado do original em 28 de dezembro de 2016 

Ligações externasEditar