Abrir menu principal

Alejo Vidal-Quadras

político espanhol

Alejo Vidal-Quadras Rocha (Barcelona, 20 de maio de 1945) é um físico e político espanhol. Foi presidente do Partido Popular da Catalunha de dezembro de 1991 até setembro de 1996. Foi Vice-presidente do Parlamento Europeu de 1999 até 2014, ano em que perdeu a condição de eurodeputado que ostentava desde junho de 1999.

Eurodeputado (1999-2014)Editar

Depois da sua saída obrigada do contexto político catalão, foi re-alocado pelo partido como eurodeputado, cargo que deteve entre 1999 e 2014. Nas eleições para o Parlamento Europeu de 2009 figurou no quarto lugar da lista do Pg. Foi vice-presidente do Parlamento Europeu entre 1999 e 2014.

Em maio de 2009, o Partido dos Socialistas de Catalunha incluiu num cartaz de propaganda das eleições ao Parlamento Europeu de 2009 a ligação da página web correspondente ao artigo dedicado à sua pessoa na Wikipédia em espanhol. Nodito cartaz aparecia como única mensagem o texto «http://es.wikipedia.org/wiki/alejo_vidal-quadras» sobre fundo vermelho.[1] Este facto converteu-se em notícia nacional.[2]

Entrada no Vox (2014-2015)Editar

A 27 de janeiro de 2014 anunciou sua saída do Partido Popular (PP), depois de 30 anos de afiliação, e a sua incorporação no novo partido político Vox, argumentando a falta de democracia interna no PP e o seu desacordo com as políticas do Governo de Mariano Rajoy em relação com o fim de ETA, ao independentismo catalão, à política impositiva e à falta de separação de poderes.[3] Em março desse mesmo ano foi eleito presidente provisório do Vox, partido pelo qual foi cabeça de lista nas eleições europeias de 25 de maio, sem obter representação.[4] Em junho desse mesmo ano anunciou a sua renúncia à reeleição como presidente do Vox.[5] Depois de abandonar toda a participação nas actividades internas, comunicou a sua saída em fevereiro de 2015.[6][7]

Outras actividadesEditar

É membro do lobby European Friends of Israel.[8]

É um dos contactos em Espanha da Organização dos Mujahidines do Povo de Irão.[9]

Obras sobre políticaEditar

  • Cuestión de fondo (Editorial Montesinos, 1993).
  • ¿Qué es la derecha? (Editorial Destino, 1997).
  • En el fragor del bien y del mal (Espasa Calpe, 1997).
  • Amarás a tu tribu (Editorial Planeta, 1998).
  • La Constitución traicionada (Editorial Libros Libres, 2006).
  • Ahora, cambio de rumbo (Editorial Planeta, 2012).

Referências

  1. PSC (ed.). «Tanca: Wikipèdia» (em catalán). Consultado em 1 de maio de 2019. Arquivado do original em 30 de maio de 2009 
  2. «El PSC sigue 'explotando' a Vidal-Quadras» 
  3. «Vidal-Quadras dice adiós a Rajoy». El Mundo 
  4. [ligação inativa]
  5. «Vidal-Quadras se esconde tras el batacazo en las europeas». Público 
  6. Lázaro, Fernando; Segurola, María. «Abascal pide a Vidal-Quadras que abandone VOX», El Mundo, 29 de agosto de 2014.
  7. Cañizares, María Jesús. «Vidal-Quadras abandona la militancia de VOX», ABC, 19 de febrero de 2015.
  8. «Políticos españoles se unen al movimiento más poderoso de Amigos Europeos por Israel». Diario 16 
  9. «Vox y la organización de "Santos Guerreros del Pueblo de Irán"». Punto y seguido (em espanhol)