Alexandre Brodowski

Engenheiro ferroviário polonês
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o engenheiro polaco. Para outros significados, veja Brodowski (desambiguação).

Aleksander "Alexandre" Brodowski (Środa Wielkopolska, 7 de janeiro de 1856 - Suíça, 1 de novembro de 1899) foi um engenheiro polaco radicado no Brasil.[1]

Alexandre Brodowski
Retrato de Alexandre Brodowski.
Nome completo Aleksander Brodowski
Nascimento 07 de janeiro de 1856
Środa Wielkopolska, Polônia
Morte 01 de novembro de 1899 (43 anos)
Suíça
Nacionalidade polonesa
Cônjuge Zenaide de Queirós Teles
Alma mater Escola Politécnica de Zurique
Ocupação engenheiro

Tornou engenheiro em 1877 na Escola Politécnica de Zurique, na Suíça, tendo como colega Antônio de Queirós Telles Filho, que viria a ser seu futuro cunhado, cujo pai, o Antônio de Queirós Teles, conde da Parnaíba, havia sido o fundador da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro. Foi justamente este colega o responsável pela viagem de Brodowski ao Brasil, para trabalhar na São Paulo Railway. Em 1878, ingressou como engenheiro auxiliar, na Companhia Mogiana, ajudando a expandir a malha ferroviária do estado de São Paulo.[2]

Residiu em Ribeirão Preto, onde por um curto período, menos de um ano, foi vereador[3].

Já no ano de 1896, desliga-se do mundo ferroviário e transfere sua residência de Campinas para São Paulo, onde passou a fazer parte no corpo docente da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Escola Politécnica de São Paulo.[2]

Entrou para a família Queirós Teles quando contraiu matrimônio com a filha do Conde de Parnaíba, Zenaide de Queirós Teles, no dia 12 de julho de 1892. Na ocasião ela tinha 18 anos e ele, 36 anos. Com tuberculose, vê-se obrigado a se licenciar do cargo e ir para a Suíça em 1898, para se tratar. No ano seguinte, aos 43 anos de idade morre naquele país.[2]

Sua esposa se empenha em trazer o corpo para o Brasil, o qual foi embalsamado para tal feito, "consta do livro nº 22, do Cemitério da Consolação que, aos 3 dias do mês de dezembro de 1899, sepultou-se na quadra geral 9, sepultura 5, o cadáver de Alexandre Brodowski, com 43 anos, casado,[...]".[4]

Em sua homenagem, a localidade onde um dia estava instalada a Companhia Mogiana recebeu seu nome, hoje o município de Brodowski (muitas vezes grafado Brodósqui, Brodoswky ou Brodóski).[5][6]

Referências

  1. «Dr. Alexandre Brodowski». Consultado em 22 de outubro de 2012 
  2. a b c «A cooperação econômica dos Poloneses na formação econômica de São Paulo: Brodownski, Rymkiewickz e Mailaski-três etapas de progresso». Revista da Semana, ano XLIII, edição 25, página 123/ republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 20 de junho de 1942. Consultado em 12 de maio de 2020 
  3. «Alexandre Brodowski». Consultado em 22 de outubro de 2012. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2010 
  4. Ariovaldo Corrêa (1986). Minha Terra e Minha Gente. São Paulo: Pannartz. 47 páginas 
  5. Ralph Mennucci Giesbrecht. «Brodoswki». Estações ferroviárias do Brasil. Consultado em 12 de maio de 2020 
  6. «História». Prefeitura Municipal de Brodowski. 2017. Consultado em 12 de maio de 2020 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.