Abrir menu principal
Amyr Klink
Amyr Klink em 2013.
Nascimento 25 de setembro de 1955 (63 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Marina Bandeira Klink (1996–presente)
Ocupação Navegador e escritor

Amyr Klink (São Paulo, 25 de setembro de 1955) é um navegador e escritor brasileiro. Ele foi a primeira pessoa, em 1984, a fazer a travessia do Atlântico Sul a remo a bordo do barco IAT.

Índice

BiografiaEditar

 
O "Paratii 2", um veleiro de Amyr Klink

Nascido na cidade de São Paulo, é filho de pai libanês e mãe sueca. Amyr é formado em Economia pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Trajetória como navegadorEditar

Amyr ficou conhecido por suas expedições marítimas. O primeiro feito a ser amplamente divulgado correu entre 12 de junho a 19 de setembro de 1984, quando, em cem dias, realizou a travessia solitária em um barco a remo no oceano Atlântico. Foi um percurso de sete mil quilômetros entre Lüderitz, na Namíbia (África) e Salvador, na Bahia, percorrido em solitário por Amyr.

Em dezembro de 1989 viajou rumo à Antártida em um veleiro especialmente construído para a expedição, o Paratii. Permaneceu sozinho por um ano na região, sendo que por sete meses, seu barco ficou preso no gelo da Baía de Dorian. Da Antártida, rumou em direção ao Pólo Norte e retornou ao ponto de partida, a cidade de Paraty, em outubro de 1991.

A partir de então, passou a planejar uma viagem de circum-navegação da Terra, a bordo do veleiro Paratii. A viagem, que aconteceu entre 1998/1999 teve por objetivo dar a volta ao mundo pela sua rota mais curta, rápida e difícil. Para cumprir o desafio, o Paratii partiu de um ponto no mapa, a ilha Geórgia do Sul, e navegou continuamente em linha reta até bater nesse ponto outra vez. Com isso, Amyr atravessou os oceanos Atlântico, Índico e Pacífico sozinho no leme do Paratii. Após 88 dias e 14 mil milhas náuticas, Amyr concluiu a viagem

Cinco anos após a primeira circum-navegação, já com o Paratii2, em 2003, que Amyr partiu em direção às altas latitudes sul novamente. Desta vez com cinco homens na tripulação, o explorador conseguiu repetir a façanha conduzindo seu veleiro por latitudes mais altas do que na viagem de circunavegação anterior – o Paratii2 alcançaria os 68º Sul. De dezembro de 2003 a fevereiro de 2004, após 13,3 mil milhas náuticas (24,6 mil quilômetros), Amyr e sua equipe completariam outra volta ao mundo em apenas 76 dias.

AtualidadeEditar

Além de escrever livros, Amyr Klink faz palestras sobre planejamento, motivação, trabalho em equipe, liderança, empreendedorismo, entre outros temas, no Brasil e no exterior.

É pioneiro na área de palestrantes esportistas: em 33 anos de experiência, conta com mais de 2.500 palestras realizadas em 13 países. Ministra palestras em 4 idiomas (inglês, francês, espanhol e português).

É diretor da Amyr Klink Planejamento e Pesquisa Ltda. e da Amyr Klink Projetos Especiais Ltda. É sócio - fundador do Museu Nacional do Mar, localizado em São Francisco do Sul (SC) e da Revista Horizonte.

Vida pessoalEditar

Amyr é casado com a fotógrafa Marina Bandeira Klink e tem três filhas, as gêmeas Tamara e Laura e a caçula Marina Helena.[1].

LiteraturaEditar

CEM DIAS ENTRE CÉU E MAR - Relato da primeira travessia em solitário do Atlântico Sul em barco a remo realizada em 1984

Adaptado para teatro infantil, por Louise Milek “A lâmpada flutuante” e pela Cia Cênica de Brincadeiras Tantos & Tortos, por Mara Vieira & Sérgio Penna.

Outras edições:

Versão de bolso: 58.328 exemplares vendidos até jul/2016, pela Cia das Letras.

Versão e-Book: 1.991 links vendidos até jul/2016, pela Cia das Letras.

Versão especial para o MEC.

Editora Feltrinelli (italiano) – Fora de catálogo | Editorial Noray (espanhol) – Fora de catálogo | Edição especial para o Círculo do Livro – Fora de catálogo | Edição especial em áudio-livro para a Fundação do Livro para o Cego – Fora de catálogo

Curiosidades:

31 semanas consecutivas na lista dos “10 livros mais vendidos, não-ficção” no Brasil

PARATII ENTRE DOIS POLOS - Relato da viagem de 642 dias entre a Antártica e o Ártico a bordo do veleiro Paratii

Outras edições:

Edição limitada do patrocinador

Versão especial para o MEC.

Bloomsbury (inglês) – Fora de catálogo.

Bungei Shumju (japonês) – Fora de catálogo.

Bastei Lubbe (alemão) – Fora de catálogo.

Editora Feltrinelli (italiano) – Fora de catálogo.

Edição especial para o Círculo do Livro – Fora de catálogo.

Edição especial em áudio-livro para a Fundação do Livro para o Cego – Fora de catálogo.

Curiosidades:

Mais de 50 semanas na lista dos “10 livros mais vendidos / não-ficção”, no Brasil.

AS JANELAS DO PARATII - Livro de fotos da expedição Invernagem polar de 1991 - Esgotado

Informações

Ficha técnica:

Lançado pela Cia das Letras, em dez/1993 – 4 reimpressões.

19.314 exemplares vendidos – Fora de Catálogo.

Versão em capa dura e em brochura.

Curiosidades:

5 semanas na lista dos “10 livros mais vendidos / não-ficção” no Brasil. 1º livro de fotografias a constar da lista dos 10 livros mais vendidos;

Livro vencedor do Prêmio Jabuti, categoria melhor Produção Editorial Obra Avulsa 1994.

MAR SEM FIM - Relato da primeira circum-navegação do continente Antártico em solitário

Edições:

Versão especial para o MEC.

Edição limitada do patrocinador

Edição limitada Vento.

Bloomsbury (inglês) – Fora de catálogo.

Livro mais vendido no ano de 2000, na categoria não ficção segundo a revista Veja.

LINHA D´ÁGUA - ENTRE ESTALEIROS E HOMENS DO MAR - Relato sobre barcos e viagens.

Lançado em nov/2006 pela Cia das Letras, o livro está em sua 4ª reimpressão.

46.530 exemplares vendidos até jul/2016. 

NÃO HÁ TEMPO A PERDER - Relato autobiográfico em depoimento a escritora Isa Pessoa - versão impressa e e-book

Lançamento - Dezembro/2016

Um livro sobre a escassez, o medo, e a nossa misteriosa capacidade de realizar nossos sonhos.

Trecho do livro: “Não existem planos perfeitos nem viagem perfeita. Mas há um momento em que você precisa partir. Sou obstinado, meticuloso e posso adiar a partida muitas vezes se ainda não considerar o projeto suficientemente seguro. Isso já aconteceu muitas vezes. Mas há quem permaneça viajando no sonho. E nunca parte para colocá-lo em prática. É muito triste, dar-se conta dos sonhos que encalharam, dos barcos que nunca saíram do quintal. Os planos reduzem os riscos, mas não podem assegurar que tudo vai dar certo na viagem”

VideografiaEditar

Referências

Ligações externasEditar