Lista de navios confiscados pelo Brasil na Primeira Guerra

artigo de lista da Wikimedia

Esta é uma lista dos navios alemães e austríacos confiscados pelo Brasil, durante a Primeira Guerra Mundial, em represália ao afundamento de navios mercantes nacionais por submarinos do Império Alemão.

O Atalaia (ex-Carl Woermann), um dos navios confiscados pelo Brasil em 1917.

Com o afundamento de navios mercantes brasileiros, no início de 1917, o Congresso Nacional expediu o Decreto Legislativo nº 3.266, em 1º de junho daquele ano, autorizando o Presidente da República Wenceslau Brás a determinar o uso dos navios alemães que se encontravam retidos em nove portos brasileiros (Rio Grande, Paranaguá, Santos, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Cabedelo, São Luís e Belém), desde agosto de 1914. O presidente assim o fez e, através do Decreto nº 12.501, de 2 de junho, determinou que fossem considerados brasileiros para o efeito de arvorar desde logo o pavilhão nacional nas embarcações.

Os tripulantes dos navios foram desembarcados e alojados, sem incidentes maiores, passando a ser sustentados pelo Governo Federal. O governo alemão protestou, através da embaixada dos Países Baixos, que representava seus interesses junto ao Brasil. Nilo Peçanha, à época Ministro das Relações Exteriores, em resposta à nota, justificou a medida como represália, fundamentando a medida nas regras do direito internacional vigente.[1]

Foram 44 navios confiscados em desfavor de oito companhias alemãs (Hamburg Sud, Hamburg Amerika Line - HAPAG, Norddeustcher Lloyd, Hamburg-Bremen Afrika Line, Roland Line, Woernann Line, Union Line e Hansa Line); e dois, em desfavor da companhia austro-húngara Unione Austriaca, totalizando 46 embarcações, dentre cargueiros - a sua maioria - e navios de passageiros, equivalendo a 245.787 toneladas de arqueação bruta (GRT) apreendidas.

O Baependy (ex-Tijuca).

Íntegra do Decreto nº 12.501,[2] de 2 de junho de 1917(mantida a grafia original):

DECRETO N. 12.501 – DE 2 DE JUNHO DE 1917

Manda utilizar todos os navios mercantes allemães ancorados nos portos da Republica.
O Presidente da Republica dos Estados Unidos do Brasil, usando da autorização que lhe concede o n. 1 do art. 2º do decreto legislativo n. 3.266, de 1 de junho do corrente anno, decreta:
Art. 1º O Governo do Brasil requisita todos os navios mercantes allemães ancorados nos portos da Republica, afim de utilizal-os como o aconselharem as conveniencias e necessidades da navegação e do commercio.
Art. 2º Uma vez occupados, nos termos do decreto legislativo acima mencionado, esses navios serão considerados brasileiros para o effeito de poderem arvorar desde logo o pavilhão nacional.
Art. 3º O Governo providenciará para que, no mais breve prazo possivel, essas embarcações sejam postas em condições de navegar e no serviço de transportes, de accôrdo com o disposto no art. 1º.
Art. 4º Revogam-se as disposições em contrario.
Rio de Janeiro, 2 de junho de 1917, 96º da Independencia e 29º da Republica.

WENCESLAU BRAZ P. GOMES. Nilo Peçanha. Carlos Maximiliano Pereira dos Santos. João Pandiá Calogeras. José Caetano de Faria. Alexandrino Faria de Alencar. Augusto Tavares de Lyra. José Rufino Beserra Cavalcanti.

Em seguida à medida, algumas embarcações foram cedidas a duas empresas de navegação brasileiras: a estatal Lloyd Brasileiro e a então recém-criada Lloyd Nacional, de propriedade privada. Algumas outras foram deslocadas para a marinha de guerra brasileira, enquanto que a grande maioria foi arrendada ao governo francês - porém com pavilhão e tripulação brasileira - para o esforço de reconstrução europeu do pós-guerra. Desses navios arrendados, muitos voltariam às mãos do LLoyd Brasileiro na década de 20, quando houve a reprivatização daquela companhia.

Três deles, porém, não sobreviveram à guerra: o Acary (ex-Ebernburg); o Macau (ex-Palatia) - ambos torpedeados em 1917 - e o Maceió (ex-Santa Anna), afundado no ano seguinte. Outros oito seriam perdidos por torpedeamento na Segunda Guerra Mundial: o Parnahyba (ex-Alrich), o Campos, (ex-Asuncion), o Barbacena (ex-Gundrun), o Lajes (ex-Rauenfels), o Cabedello (ex-Prussia), o Alegrete (ex-Salamanca), o Bagé (ex-Sierra Nevada) e o Baependy (ex-Tijuca), cujo afundamento custou a vida de 270 pessoas. Pode-se, ainda citar o Taubaté (ex-Franken), atacado - porém, sem afundar - no Mar Mediterrâneo, em 1941, e o Atalaia (ex-Carl Woermann), desaparecido no Atlântico Sul, em maio daquele mesmo ano.

Lista dos naviosEditar

Nome Ano de
construção
Ton.
GRT
Operadora Porto de apresamento
[nota 1]
Nome(s) brasileiro(s)
Mantida a grafia original
Operadora(s) brasileira(s) Fim da carreira
1 Alice 1907 6.122 Unione Austriaca Salvador Asia Lloyd Nacional
(até 1919)
1930 – incendiou-se no Mar Vermelho, sob propriedade da Fabre Line, França.
2 Alrich 1913 6.692 Roland Rio de Janeiro Parnahyba Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1923)
1942 – torpedeado no Mar do Caribe.
3 Arnold Amsinck 1907 4.526 Woermann Rio de Janeiro Jaboatão Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1923)
1956 – desmanchado.
4 Asuncion 1894 4.663 Hamburg Süd Belém Campos' Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1922)
1942 – torpedeado no litoral de São Paulo.
5 Bahia Laura 1913 9.790 Hamburg Süd Recife Caxias;
Ruy Barbosa (1924)
Governo Brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1923)
1934 – naufragado em Mindelo, Portugal.
6 Blücher 1901 12.334 HAPAG Recife Leopoldina Lloyd Brasileiro 1929 – desmanchado.
7 Cap Roca 1900 5.786 Hamburg Süd Rio de Janeiro Itu;
Almirante Alexandrino (1926)
Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1922)
1966 – desmanchado.
8 Cap Vilano
1906 9.467 Hamburg Süd Recife Sobral Governo brasileiro
(até 1924)
1940 – afundado por ataque aéreo em Dunquerque, sob o nome General Metzinger (França).
9 Carl Woermann 1910 5.715 Woermann Rio de Janeiro Atalaia Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1923)
1941 – desapareceu no Atlântico Sul.
10 Coburg 1909 6.750 Norddeutscher Lloyd Rio de Janeiro Poconé Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1922)
1960 – desmanchado.
11 Corrientes 1894 3.775 Hamburg Süd Recife Guaratuba Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1922)
1935 – desmanchado.
12 Ebernburg 1905 4.414 Hansa Rio de Janeiro Acary Lloyd Brasileiro 1917 – torpedeado ao largo da Ilha de São Vicente, Cabo Verde.
13 Eisenach 1909 6.750 Norddeutscher Lloyd Recife Santarén Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1926)
1962 – desmanchado.
14 Etruria 1900 4.437 HAPAG n/d Ingá Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1922)
1936 – desmanchado.
15 Franken 1905 5.099 Norddeutscher Lloyd Rio de Janeiro Taubaté Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1925)
1954 – encalhado no Recife e abandonado.
16 Frida Woermann 1888 2.578 Woermann Salvador Macapá Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1920)
1935 – desmanchado.
17 Gertrud Woermann 1907 6.465 Woermann Rio de Janeiro Curvello;
Cantuaria Guimaraes (1927);
Siqueira Campos (1931)
Governo brasileiro;
Lloyd Brasileiro (1925)
1943 – encalhado, após colidir com outro navio no Ceará, e abandonado.
18 Gundrun 1909 4.772 Hamburg-Bremer Afrika-Linie Recife Barbacena Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1943 – torpedeado ao largo das Pequenas Antilhas.
19 Gunther 1906 3.037 Union Line Santos Maranguape Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1945 – desmanchado.
20 Henny Woermann 1911 6.082 Woermann Recife Uberaba Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1920)
1921 – naufragado no Parcel de Manuel Luís, no Maranhão.
21 Hohenstaufen 1906 6.489 HAPAG Rio de Janeiro Cuyabá Lloyd Brasileiro 1963 – desmanchado.
22 Laura 1907 6.122 Unione Austriaca Salvador Europa Governo brasileiro
Lloyd Nacional
(até 1919)
1926 – naufragado na Grécia, sob o nome Braga (Fabre Line, França).
23 Minneburg 1909 4.748 Hansa Cabedelo Caxambu Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1950 – desmanchado.
24 Monte Penedo 1912 3.695 Hamburg Süd Rio Grande Sabará
Ascânio Coelho (1948)
Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1969 – desmanchado.
25 Palatia 1912 3.558 HAPAG Santos Macau Marinha do Brasil 1917 – torpedeado na costa da Espanha.
26 Persia 1914 3.566 HAPAG Cabedelo Aracaju Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1955 – desmanchado.
27 Pontos 1900 5.703 HAPAG n/d Pelotas Governo brasileiro destino desconhecido
28 Posen 1913 6.569 Norddeutscher Lloyd Rio de Janeiro Almirante Elizário Marinha do Brasil destino desconhecido
29 Prussia 1912 3.557 HAPAG Santos Cabedello Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1942 – torpedeado no Atlântico Norte.
30 Rauenfels 1907 5.473 Hansa Salvador Lages Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1925)
1942 – torpedeado na costa do Pará.
31 Rio Grande 1905 4.556 Hamburg Süd Belém Benevente;
Duque de Caxias (1926)
Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1926)
1963 – desmanchado.
32 Roland 1912 6.872 Roland Rio de Janeiro Ayruoca Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1945 – afundou, após colidir com outro navio, perto de Nova York.
33 Salamanca 1906 5.970 HAPAG Cabedelo Alegrete Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1942 – torpedeado no Mar do Caribe.
34 San Nicolas 1897 4.739 Hamburg Süd Recife Alfenas;
Campos Salles (1923)
Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1962 – desmanchado.
35 Santa Anna 1910 3.739 Hamburg Süd Paranaguá Maceió Lloyd Brasileiro 1918 – torpedeado ao largo do Cabo Ortegal, Espanha.
36 Santa Lucia 1907 4.238 Hamburg Süd Salvador Joazeiro Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1955 – desmanchado.
37 Santa Rosa 1911 3.797 Hamburg Süd Rio Grande Iguassu Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1950 – desmanchado.
38 Santos 1899 4.855 Hamburg Süd Recife manteve o nome Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1961 – desmanchado.
39 Siegmund 1905 3.043 HAPAG Santos Therezina Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1919 – naufragou em São Sebastião, São Paulo.
40 Sierra Nevada 1912 8.235 Norddeutscher Lloyd Recife Bagé Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1943 – torpedeado ao largo da Bahia.
41 Sierra Salvada 1912 8.227 Norddeutscher Lloyd Rio de Janeiro Avaré Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1920)
1922 – afundou em Hamburgo. Reflutuado e reparado, foi vendido a proprietários alemães.
42 Stadt Schleswig 1902 1.103 Roland São Luís Tabatinga Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1927)
1932 – desmanchado.
43 Steiemark 1911 4.570 HAPAG Salvador Camamu Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1922)
1961 – desmanchado.
44 Tijuca 1899 4.801 Hamburg Süd Recife Baependy Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1925)
1942 – torpedeado na costa de Sergipe.
45 Valesia 1912 5.227 HAPAG Santos Belmonte;
Palmares
n/d destino desconhecido
46 Walburg 1905 3.081 Hamburg-Bremer Afrika-Linie Recife Curytiba Governo brasileiro
Lloyd Brasileiro (1923)
1956 – desmanchado.

NotasEditar

  1. Porto onde se encontrava o navio em agosto de 1914.

Referências

  1. Fernando de Mello Barreto. «Da Primeira Guerra Mundial à Liga das Nações». Ministério das Relações Exteriores. Missões de paz: a diplomacia brasileira nos conflitos internacionais. Consultado em 12 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 23 de março de 2009 
  2. «DECRETO N.12.501 – DE 2 DE JUNHO DE 1917». Senado Federal. Subsecretaria de Informações. Consultado em 12 de fevereiro de 2011 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

BibliografiaEditar

  • GERODETTI, João Emílio. CORNEJO. Carlos. Navios e Portos do Brasil nos Cartões-Postais e Álbuns de Lembranças. São Paulo: Solaris Edições Culturais, 2006.