António Teófilo de Araújo

António Teófilo de Araújo
Nascimento 5 de março de 1804
Morte 4 de agosto de 1879 (75 anos)
Cidadania Portugal
Prêmios Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Comendador da Ordem Militar de Cristo

António Teófilo de Araújo ComCComNSC (5 de Março de 1804 - 4 de Agosto de 1879), 1.º Visconde dos Olivais, foi um político português.

FamíliaEditar

Filho de Francisco José de Araújo (Póvoa de Lanhoso, Lanhoso, 6 de Abril[1] de 1756 - Lisboa, Benfica, 18 de Junho de 1844[2]), Tesoureiro da Bula da Cruzada na Arquidiocese de Braga,[3] e de sua mulher (Lisboa, Benfica, 8 de Outubro de 1791) Mariana Rosa do Carmo Lopes (Lisboa, Benfica, 27 de Agosto[4] de 1775 - Lisboa, Madalena, 31 de Janeiro de 1855[5]), e neto materno de Filipe Lopes (bap. Mafra, Cheleiros, 25 de Setembro de 1718 - Lisboa, Benfica, 28 de Maio de 1795), Negociante, e de sua mulher Maria Brígida (bap. Odivelas, Odivelas, 27 de Fevereiro de 1735 - Lisboa, Benfica, 5 de Janeiro de 1792). Era irmão mais novo de Maria Emília de Araújo (1798 - 1884), solteira e sem geração, de Francisco José de Araújo (1799 - 1844), solteiro e sem geração, de Joaquim José de Araújo (Lisboa, São Nicolau, 26 de Abril[6] de 1800 - Lisboa, Sacramento, 23 de Janeiro de 1867[7]), Comendador da Ordem Militar de Cristo e Cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra de França, casado em Lisboa, São José, 2 de Abril de 1823 com Henriqueta Leonor Gomes Morão (Lisboa, Encarnação, 12 de Março[8] de 1804 - Barreiro, Barreiro, na sua Quinta da Verderena, 23 de Abril de 1882[9])[10], que foi a Fundadora do Asilo D. Pedro V, no Barreiro, com geração. Era irmão mais velho de João Francisco de Araújo, casado com Clotilde da Veiga, com geração, e de Florinda Rosa do Carmo de Araújo, casada com Joaquim Pereira Guimarães, com geração.[11][12]

BiografiaEditar

Foi Fidalgo Cavaleiro da Casa Real e Moço Fidalgo da Casa Real com exercício no Paço, Comendador da Ordem Militar de Cristo, Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Par do Reino, etc.[11][13]

O título de 1.º Visconde dos Olivais foi-lhe concedido, em duas vidas, por Decreto de D. Luís I de Portugal de 22 de Março de 1864. Foram-lhe concedidas Armas por Carta de D. Luís I de Portugal de 30 de Julho de 1864: de Araújo; timbre: de Araújo; diferença: uma brica de prata com um farpão de ?.[14]

CasamentoEditar

Casou com Maria Rosa da Veiga (Macau, 1823 - 25 de Junho de 1892), filha do opulentíssimo Negociante de Macau José Joaquim Ferreira da Veiga e de sua mulher Rosa Joaquina de Paiva, e irmã do 1.º Visconde de Arneiro, sem geração.[11]

Esta senhora distinguiu-se pelo uso filantrópico e caritativo que fez da sua grande fortuna, dirigindo primeiro, com a maior dedicação, o Asilo da Lapa, e fundando depois, a expensas suas, o Asilo para crianças pobres nos Olivais, então subúrbio de Lisboa, onde não existia nenhum estabelecimento quer de educação, quer de beneficência. Foi inaugurado a 24 de Maio de 1896. Além da compra, adaptação e instalação do referido Instituto, que saíram do bolso da Fundadora, consagrava diariamente esta senhora uma grande parte do seu tempo a esse estabelecimento de caridade e, no seu Testamento, legou-lhe avultada quantia para garantir o seu prosseguimento.[11]

Referências

  1. Bap. a 11 de Abril.
  2. Sepultado no Cemitério do Alto de São João.
  3. Tetraneto doutro Francisco José de Araújo e de sua mulher (Póvoa de Lanhoso, Lanhoso, Abril de 1597) Antónia Fernandes, antepassados mais remotos de que há notícia.
  4. Bap. a 10 de Setembro.
  5. Sepultada no Cemitério do Alto de São João.
  6. Bap. a 4 de Maio.
  7. Sepultado no Cemitério dos Prazeres.
  8. Bap. a 25 de Março.
  9. Sepultada no Cemitério do Barreiro.
  10. Irmã do Dr. Bernardino António Gomes, filho e filha do Dr. Bernardino António Gomes, pai, Médico da Real Câmara, Fidalgo Cavaleiro da Casa Real, e de sua mulher Leonor Violante Rosa Morão, Judia Sefardita.
  11. a b c d "Nobreza de Portugal e do Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, p. 73
  12. "Livro de Família", Filipe de Lima Mayer, Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1969, Volume I, pp. 140 e 141
  13. "Livro de Família", Filipe de Lima Mayer, Edição do Autor, 1.ª Edição, Lisboa, 1969, Volume I, p. 141
  14. "Nobreza de Portugal e do Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Terceiro, pp. 73 e 74