Arco de Ctesifonte

O Arco de Ctesifonte,[1] Arco de Cosroes (em árabe: طاق كسرى; romaniz.: Ṭāq(-i-)Kisrā ou Ṭāq(-i-)Kasrā; em persa: طاق کسری; romaniz.: Taq-e Kesra), Iuã de Cosroes (em persa: ایوان کسرا; romaniz.: Ayvan-e Kasra) ou Iuã de Almadaim (em árabe: إيوان المدائن; romaniz.: īwān al-Madāʾin)[2] são as ruínas dum monumento do Império Sassânida (séculos III-VII) situadas perto da cidade moderna de Salmã Paque, Iraque. É a única estrutura remanescente visível da antiga cidade de Ctesifonte. O arco é tido como marco na história da arquitetura, e é o maior de uma única peça de alvenaria não reforçada do mundo.[3]

HistóriaEditar

O momento exato da construção não é conhecido com certeza. Alguns historiadores acreditam que o fundador é Sapor I (r. 240–270).[4] e outros acreditam que a construção possivelmente começou durante o reinado de Anuxiruã, o Justo (Cosroes I)[5] após uma campanha contra os bizantinos em 540[6] O salão ivã em arco, aberto no lado da fachada, tinha cerca de 37 metros de altura, 26 metros de diâmetro e 50 metros de comprimento, o maior arco de pé, construído até os tempos modernos pelo homem.[7]

O arco fazia parte do complexo do palácio imperial. A sala do trono - presumivelmente sob ou atrás do arco - tinha mais de 30 metros de altura e cobria uma área 24 metros de largura por 48 metros de comprimento. O topo do arco tem cerca de 1 metro de espessura, enquanto as paredes na base têm até 7 metros de espessura.[6] É o maior forte já construído no mundo. O arco da catenária foi construído sem centralização. Para tornar isso possível, várias técnicas foram usadas. Os tijolos foram colocados a cerca de 18 graus da vertical, o que lhes permitiu ser parcialmente sustentados pela parede traseira durante a construção. O cimento de secagem rápida usado como argamassa permitiu que os tijolos frescos fossem rapidamente sustentados por aqueles que foram assentados anteriormente.

O arco é agora tudo o que resta acima do solo de uma cidade que foi, durante sete séculos - do século II a.C. ao VII d.C. - a principal capital das dinastias sucessoras do império persa: partos e sassânidas. A estrutura existente hoje era o principal pórtico da sala de audiências dos sassânidas, que mantinha o mesmo local escolhido pelos partos e pelo mesmo motivo, a saber, a proximidade com o Império Romano, cujos objetivos expansionistas poderiam ser mais bem contidos no ponto de contato.

A estrutura foi capturada pelos árabes durante a conquista da Pérsia em 637[6] Eles a usaram como mesquita por um tempo até que a área foi gradualmente abandonada. No início do século X, o califa abássida Almoctafi desenterrou as ruínas do palácio para reutilizar seus tijolos na construção do Palácio Taje em Bagdá.[8]

O monumento também é objeto de um poema de Cacani, que visitou as ruínas no século XII.[9]

Era modernaEditar

Em 1851, o artista francês Eugène Flandin visitou e estudou a estrutura com Pascal Coste[10] que observou "os romanos não tinham nada parecido ou do tipo".[11]

Em 1888, uma inundação grave demoliu a maior parte do edifício.[12]

Em 1940, Roald Dahl, em treinamento de piloto na RAF Habbaniya, perto de Bagdá, [13] tirou uma foto premiada usando uma câmera Zeiss do Arco de Ctesifonte, no Iraque, que foi posteriormente leiloada pela família Dahl para arrecadar fundos para o Roald Dahl Museu e Centro de História.[14] A foto ganhou £ 6.000. Em sua autobiografia Boy, ele escreve:

Você pode não acreditar, mas quando eu tinha dezoito anos eu ganhava prêmios e medalhas da Royal Photographic Society em Londres e de outros lugares como a Photographic Society of Holland. Até recebi uma grande e adorável medalha de bronze da Sociedade Fotográfica Egípcia, no Cairo, e ainda tenho a fotografia que a conquistou. É uma foto de uma das chamadas Sete Maravilhas do Mundo, o Arco de Ctesifonte no Iraque. Este é o maior arco sem suporte do mundo e tirei a fotografia enquanto treinava para a RAF em 1940. Eu estava voando sobre o solo do deserto em um velho biplano Hawker Hart e tinha minha câmera no pescoço. Quando avistei o enorme arco sozinho em um mar de areia, abaixei uma asa e pendurei nas tiras e soltei o graveto enquanto mirava e clicava no obturador. Saiu bem.[14]

O monumento estava sendo reconstruído pelo governo de Saddam Hussein no decorrer dos anos 80, quando a ala norte caída foi parcialmente reconstruída. Todos os trabalhos, entretanto, pararam após a Guerra do Golfo 1991. De 2004 a 2008, o governo iraquiano cooperou com o Projeto Diyala, da Universidade de Chicago, para restaurar o local a um custo de US $ 100.000.[15] O Ministério da Cultura também convidou uma empresa tcheca, a Avers, para restaurar o site. Essa restauração foi concluída em 2017.[16]

Em 7 de março de 2019, um colapso parcial danificou ainda mais o arco, apenas dois anos após sua última restauração.[17]

DocumentárioEditar

Em 2017, Pejman Akbarzadeh, sediado na Holanda, fez o primeiro documentário completo sobre o arco: Taq Kasra: Wonder of Architecture. O monumento corria o risco de ataques do ISIS em 2015-2016; Akbarzadeh temia que pudesse ser destruído em breve e, portanto, sentia urgência em filmar seu documentário.[18] O filme explora a história e a arquitetura do arco com estudiosos e arqueólogos prolíficos em vários países.[19]

GaleriaEditar

Referências

  1. Carreira 1980, p. 42.
  2. Keall 1987.
  3. , Chris, ed. (2008). Taq-I-Kasra (Arch of Ctesiphon). worldheritagesite. [S.l.: s.n.] 
  4. «L'expédition de Ctésiphon en 1931-1932». Persee 
  5. Because of the vicissitudes of historical transmission, eventually no less than four Sasanian rulers were quoted as its builders: Shapur I (241–273), Shapur II (310–379), Khosrau I Anushirvan (531–579) and Khosrau II Parvez (590–628). Kurz, Otto (1941). «The Date of the Ṭāq i Kisrā». The Journal of the Royal Asiatic Society of Great Britain and Ireland. (New Series). 73 (1): 37–41. JSTOR 25221709 
  6. a b c Reade, Dr Julian (1999). Scarre, Chris, ed. The Seventy Wonders of the Ancient world The Great Monuments and How they were Built. Thames & Hudson. [S.l.: s.n.] pp. 185–186. ISBN 0-500-05096-1 
  7. Wright, G. R. H., Ancient building technology vol. 3. Leiden, Netherlands. Koninklijke Brill NV. 2009. 237. Print.
  8. Le Strange, Guy (1922). Baghdad during the Abbasid Caliphate: from contemporary Arabic and Persian sources. Clarendon Press 2nd ed. Oxford: [s.n.] pp. 253–254 
  9. «AYVĀN-E KESRĀ». Encyclopaedia Iranica 
  10. «Ctesiphon, palais sassanide». achemenet 
  11. «Master Builders: Influence of Sassanid Architecture Reached far Beyond their Borders - Kaveh Farrokh». kavehfarrokh.com 
  12. Taq Kasra: The Archway of Ctesiphon - http://www.amusingplanet.com/2016/03/taq-kasra-archway-of-ctesiphon.html
  13. GOING SOLO by Roald Dahl
  14. a b http://www.e-reading-lib.com/bookreader.php/1010577/Dahl_-_Moi_Boy.html
  15. Diyala Project
  16. http://www.taqkasra.com/2019/03/10/taq-kasra-partially-collapses/
  17. http://www.taqkasra.com/2019/03/10/taq-kasra-partially-collapses/
  18. «Taq Kasra: Wonder of Architecture». SOAS Centre for Iranian Studies 
  19. «Taq Kasra Documentary Film». TaqKasra.com 

BibliografiaEditar

  • Carreira, José Nunes (1980). Do Preste João às ruínas da Babilónia: viajantes Portugueses na rota das civilizações orientais. Lisboa: Editorial Comunicação 
  • Keall, E. J. (1987). «Ayvān-e Kesrā». Enciclopédia Irânica Vol. III, Fasc. 2, pp. 155-159. [S.l.: s.n.] 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Arco de Ctesifonte