Arquidiocese de Gniezno

Arquidiocese de Gniezno
Archidiœcesis Gnesnensis
Catedral de Gniezno
Localização
País Polônia
Dioceses sufragâneas Diocese de Bydgoszcz
Diocese de Włocławek
Estatísticas
Área 8 122 km²
Informação
Rito romano
Criação da diocese século X
Elevação a arquidiocese século X
Padroeiro Santo Adalberto
Governo da arquidiocese
Arcebispo Wojciech Polak
Bispo auxiliar Krzysztof Jakub Wętkowski
Arcebispo emérito Henryk Józef Muszyński
Józef Kowalczyk
Bispo auxiliar emérito Bogdan Józef Wojtuś
Jurisdição Sé Primacial Metropolitana
Contatos
Página oficial www.archidiecezja.pl
dados em catholic-hierarchy.org

A Arquidiocese de Gniezno (Archidiœcesis Gnesnensis) é uma arquidiocese da Igreja Católica situada em Gniezno, na Polônia.[1] Acompanha seu título o de Primaz da Polônia. Seu atual arcebispo é Wojciech Polak. Sua é a Catedral Basílica da Assunção da Beata Virgem Maria e Santo Adalberto.

Em 2016, possuía 266 paróquias servidas por 516 padres, contando com 97,3% da população jurisdicionada batizada.[1]

HistóriaEdit

A Arquidiocese de Gniezno foi eregida nos anos 999-1000. Em 999, durante a canonização de Santo Adalberto, o Papa Silvestre II erigiu canonicamente a arquidiocese e nomeou como primeiro arcebispo o irmão de Adalberto, Radzym-Gaudenty. No ano seguinte, o legado papal Cardeal Robertus foi dar execução ao decreto de ereção. Tinha originalmente como sufragâneas as dioceses de Kołobrzeg, Cracóvia e Wroclaw e em 1075 foi adicionada a diocese de Poznań.

Pertenceu ao arcebispo de Gniezno o privilégio de coroar os reis da Polônia e em 1418 recebeu o título de Primaz da Polônia e da Lituânia. Em 1466, a diocese de Chełmno tornou-se sufragânea da arquidiocese de Gniezno .

O arcebispo Jan Laski no início do século XVI recebeu para si e seus sucessores o título do Papa Leão X de legados naturais. Dessa forma, os arcebispos serviram como interrex na República das Duas Nações.

Em 1807, a diocese de Cracóvia tornou-se a metrópole de Lviv. Em 16 de julho de 1821 pela Bula Papal De salute animarum do Papa Pio VII foi unida à diocese de Poznań e assumiu o nome de Arquidiocese de Gniezno-Poznań. Ao mesmo tempo, a diocese de Breslau tornou-se imediatamente sujeita à Sé Apostólica.

Em 28 de outubro de 1925 com a bula Vixdum Poloniae unitas do Papa Pio XI foram reorganizadas as províncias eclesiásticas polonesas do rito latino: A arquidiocese de Gniezno-Poznań recebe como sufragâneas as dioceses de Pelplin e Włocławek. Entre 1946 e 1992, a arquidiocese ficou unida à de Varsóvia.

Em 12 de novembro de 1948 a arquidiocese voltou a se dividir, dando origem a esta Arquidiocese e da Arquidiocese de Poznań.

Em 25 de março de 1992, como resultado da reorganização territorial das dioceses na Polônia ordenada pelo Papa João Paulo II com a bula Totus tuus Poloniae populus a arquidiocese perdeu partes de seu território, para o benefício da ereção da Diocese de Kalisz e Toruń, a Diocese de Chełmno tomou o nome da diocese de Pelplin e se tornou parte da província eclesiástica da Arquidiocese de Gdansk.

Em 24 de fevereiro de 2004 rendeu uma parcela adicional de terra para o benefício da ereção da Diocese de Bydgoszcz.

Prelados nos séculos XX e XXIEdit

Administração local:[1]

Referências

  1. a b c Cheney, David M. (2019). «Archdiocese of Gniezno». The Hierarchy of the Catholic Church. Consultado em 22 de julho de 2019. Cópia arquivada em 6 de abril de 2019 

Ligações externasEdit