Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Hórus Aha (ou Aha) é o segundo faraó da I dinastia do Antigo Egito. Ele viveu em torno do século XXXI a.C. e reinou por volta de 3080 a.C. sucendendo a Narmer.[5]

Hórus Aha
Africano: Athôthis Eusébio: Athôthis, Athothis
Fragmento de vaso de faiança inscrito com o nome de Hórus Aha, em exposição no Museu Britânico
Fragmento de vaso de faiança inscrito com o nome de Hórus Aha, em exposição no Museu Britânico
Faraó do Egito
Predecessor Narmer/Menés
Sucessor Quenquenés
Esposa(s) Rainhas Benerib e Khenthap[1]
Filhos Quenquenés[2]
Mãe provavelmente Neitotepe
Tumba Tumba B10/B15/B19, Umel Caabe, Abidos[3]
Monumentos Templo de Neite e Saís[4]

Índice

BiografiaEditar

NomeEditar

O comumente usado Hórus Aha é uma interpretação do nome de Hórus do faraó, um elemento da titulatura real associado com o deus Hórus, e é mais completamente dado como Hórus Aha.[6]

Para a Época Tinita, os registros arqueológicos referem-se aos faraós por seus nomes de Hórus, enquanto que os registros históricos, como evidenciado nas listas reais de Turim e Abidos, usam uma alternativa titulatura real, o nome nebty.[6][7] Os diferentes elementos titulares do nome do faraó foi muitas vezes usado isoladamente, para abreviação, embora a escolha variou de acordo com a circunstância ou período.[7]

O consenso geral dos egiptólogos seguiu os achados de Petrie em conciliar os registros e conectá-los: Hórus Aha (arqueológico) com o nome nebty Ity (histórico).[6][7][8]

O mesmo processo levou a identificação do histórico Menés (um nome nebty) com Narmer (um nome de Hórus) evidenciado nos registros arqueológicos (ambas figuras que foram creditadas com a unificação do Egito e como o primeiro faraó da I dinastia) como o predecessor de Hórus Aha (o segundo faraó).[6][7][8]

ReinadoEditar

Em torno do século XXXI a.C., seu pai, Narmer, uniu o Baixo e Alto Egito. Hórus Aha tornou-se faraó aos trinta anos e governou até seus sessenta e dois anos. Durante seu reinado empreendeu campanhas contra núbios e líbios, manteve relações comerciais com o corredor Sírio-Palestino, fornecedor de madeira de cedro e ordenou a edificação de um templo à Neite em Saís.[4]

A lenda dizia que ele foi transportado no Nilo por um hipopótamo, a encarnação da divindade Seti. Desde que Hórus Aha foi creditado como o legendário Menés, outra história conta que Hórus Aha foi morto por um hipopótamo enquanto caçava.

TeoriasEditar

Há algumas controvérsias sobre Hórus Aha. Alguns acreditam que ele um individual como legendário faraó Menés e que ele foi o fundador do Egito Antigo. Outros afirmam que ele foi o filho de Narmer, o faraó que unificou o Egito. Independentemente, consideráveis riquezas históricas identificam Narmer como o unificador do Egito e Hórus Aha como seu filho e sucessor.

EsposasEditar

A esposa principal de Hórus Aha foi Beneribe, cujo nome foi "escrito ao lado de seu número de peças (históricas), em particular, na tumba B14 em Abidos."[9] A tumba B14 está localizada diretamente adjacente ao sepulcro de Hórus Aha.[10] Hórus Aha também teve outra esposa, Khenthap, com quem ele tornou-se pai de Quenquenés. Ela é mencionada como a mãe de Quenquenés nos Anais da Pedra do Cairo.[2]

GaleriaEditar

Referências

  1. Queens of Egypt, informations based on the book The Complete Royal Families of Ancient Egypt
  2. a b Dodson & Hilton, p.48
  3. Hórus Aha
  4. a b Coleção grande civilizações: Egito 1 ed. Rio de Janeiro: Minuano Cultural. 2010. 10 páginas 
  5. Morris L. Bierbrier (2008). Historical Dictionary of Ancient Egypt. Scarecrow Press. p. 6. ISBN 978-0-8108-6250-0.
  6. a b c d Edwards 1971: 13
  7. a b c d Lloyd 1994: 7
  8. a b Cervelló-Autuori 2003: 174
  9. Aidan Dodson & Dyan Hilton, The Complete Royal Families of Ancient Egypt, Thames & Hudson (2004), p.46
  10. Dodson & Hilton, p.46
  • Toby A. H. Wilkinson, Early Dynastic Egypt, Routledge, London/New York 1999, ISBN 0-415-18633-1, 70-71

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar

Precedido por
Menés
Faraó
?
Sucedido por
Quenquenés