Abrir menu principal

Lista de faraós

artigo de lista da Wikimedia
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

A palavra Faraó vem da versão grega da Bíblia, onde aparece sob a forma pharâo. Esta palavra grega deriva por sua vez da expressão egípcia per-aá, "a grande casa", que se referia ao palácio real, sede do poder. Os antigos Egípcios não usaram per-aá para se referirem ao soberano durante a maior parte da sua história, usando em vez disso termos como nesu ("rei") ou neb ("senhor"). Contudo, a tradição consagrou o uso da palavra faraó para se referir aos reis do Antigo Egito.

Esta é uma lista de faraós organizada cronologicamente e por dinastias, oriunda de diversas fontes e sujeita a discussão, sobretudo no que diz respeito aos períodos históricos mais obscuros. Não existe uma concordância em torno da cronologia correspondente a cada reinado pelo que se optou por apresentar diferentes datas propostas por diversos especialistas.

Índice

Período lendárioEditar

# Nome Início do governo Fim do governo Notas
1 Ptá   5 400 a.C. 5 340 a.C. Deus criador e divindade patrona da cidade de Mênfis.
2   5 340 a.C. 5 280 a.C. Deus sol, e criador do mundo.
3 Shu   5 280 a.C. 5 220 a.C. Deus do ar seco, do estado masculino, do calor, da luz e da perfeição.
4 Geb   5 220 a.C. 5 180 a.C. Deus da terra.
5 Osíris   5 180 a.C. 5 120 a.C. Deus associado à vida no além, ele decidia se as pessoas iriam reencarnar ou perder a vida no além
6 Hórus   5 120 a.C. 5 060 a.C. Deus dos céus.
7 Tot   5 060 a.C. 5 000 a.C. Deus da sabedoria, e da escrita.
8 Maat   5 000 a.C. 4 940 a.C. Deusa da justiça e do equilíbrio.

Período Pré-dinásticoEditar

Baixo EgitoEditar

O Reino do Baixo Egito se localizava no norte, na região do Delta do Nilo. Tinha por capital o nome de Buto e seu soberano cingia a Coroa Vermelha.

Menés - Menés, personagem lendário e apontado como unificador do Egito, se tornou o primeiro faraó. A capital era, segundo alguns autores, Mênfis, e segundo outros, Tinis, nas proximidades de Abidos. Menés é identificado com Narmer, representado, num relevo de Hieracômpolis, com as duas coroas dos reinos unificados. As primeiras dinastias eram denominadas tinitas por terem a capital em Tinis.

Esta dinastia é composta pelos soberanos que governaram a região do Delta do Nilo antes da unificação. Ela não existe na Lista Real de Manetão, apenas na Pedra de Palermo, e possuí alguns vestígios arqueológicos. A seguinte lista pode não estar completa:

Nome Imagem Governo Notas
Hedju-Hor   Cerca de 3200 a.C.
Ni-Hor   Cerca de 3200 - 3175 a.C.
Hsekiu (Seka) ???? a.C. Existências atestadas apenas pela Pedra de Palermo[1]
Khayu ???? a.C.
Tiu (Teyeuw) ???? a.C.
Thesh (Tyesh) ???? a.C.
Neheb ???? a.C.
Wazner c.3100? a.C.
Mekh ???? a.C.
???? ???? a.C.
Falcão Duplo   ???? a.C. Existência atestada apenas por achados no Sinai e no Baixo Egito. Pode ter governado também no Alto Egito.

Alto EgitoEditar

O Alto Egito localizava-se ao sul do Delta e tinha por capital o nomo de Nequém. Seu soberano cingia a Coroa Branca.

Nome Imagem Governo Notas
Elefante (Pe-Hor, Pen-abu)[2][3]   Desconhecido
Escorpião I c. 3 250 a.C.?

Dinastia 0Editar

Provavelmente incompleto, este grupo de faraós, que antecede a I Dinastia, costuma designar-se de Dinastia 0.

Nome Imagem Governo Notas
Iri-Hor   c.3150 a.C. Reinou em Hieracômpolis. Foi enterrado na tumba B1-B2 da necrópole de Umm el-Qaab, Abidos. A sua posição cronológica é incerta.[4]
Crocodilo (Xendju)   c.3150 a.C. A sua identidade e mesmo a sua existência são incertas.[5]
Ka (Sequém)   c.3150 a.C. Reinou em Hieracômpolis. Na sua tumba de Abidos, se encontraram jarras cilíndricas de cerâmica donde figura seu nome: Hórus Ka. A sua posição cronológica é incerta.[6]
Escorpião II (Serquete)   c.3150 a.C. O seu nome figura na cabeça da maça de Hieracômpolis. Provavelmente a mesma pessoa que Narmer.[7]

Época Arcaica ou Tinita (3100?-2670? a.C.)Editar

 Ver artigo principal: Época Tinita

Dinastia IEditar

(Nota: A tradução das listas de faraós pelo grego Manetão levou a que vários dos nomes fossem modificados por este autor para uma forma mais legível para os gregos, listada abaixo sob o nome original. As datas mencionadas correspondem a períodos dentro dos quais podem ter governado.)

Nome Imagem Governo Notas
Hórus-Narmer
(Ḥr-nˁr-mr)
(Menés[8])
  c.3100 a.C. Unificador do Alto e Baixo Egito. Manteve relações com a Fenícia, fez guerra contra a Líbia e a Núbia, iniciou a construção de Mênfis, canais e barragens no Nilo. Pensa-se ser a mesma pessoa que Menés e/ou Escorpião II.
Atótis
(Ḥr-ˁḥ3)
(Athotís[8])
  c.3050 a.C. ou 3000-2980 a.C.?
Neitotepe
(Nt.-ḥtp)
  ???? a.C. Tradicionalmente confundida com um governante masculino, terá sido esposa de Narmer e regente em nome de Atótis.[9] Contudo, estudos mais recentes comprovam que poderia ser, ao invés, casada com Atótis e regente do faraó seguinte, Quenquenés. Pode ter sido também rainha por direito próprio. Se assim for, é das primeiras mulheres (senão a primeira[10]) a assumir o poder na História.
Quenquenés
(Ḥr-ḏr)
(Kenkénes[8])
  54 anos[11]
(2980-2960 a.C.?)
Também chamado Zer ou Sekhty. A forma grega (Uenefés) advém do seu nome dourado, In-nebw. O seu nome e titulatura surgem na Pedra de Palermo. Fez-se enterrar com grande parte de sua corte. A sua tumba viria a ser mais tarde erradamente considerada a lendária tumba de Osíris.
Uenefés
(Ḥr-ḏt)
(Uenéphes[8])
  10 anos[12]
(2960-2930 a.C.?)
Foram realizadas expedições ao Mar Vermelho e ao Deserto Oriental.
Merneite
(Mrj.t Nj.t)
  c.2950 a.C.[13] Também designada Merite-Neite. Regente ou provavelmente rainha por direito próprio. Se assim for, é das primeiras mulheres a assumir o poder na História.
Usafedo
(Ḥr-dn)
(Ousaphaïdos[8])
  42 anos[12]
(2930-2910 a.C.?)
Também designado Udimu ou Dewen. A forma grega (Quenquenés) advém do seu nome de nascimento, Qenqen.[14] É o primeiro faraó que surge representado com as Coroas do Alto e do Baixo Egito.
Miebido
(Ḥr-ˁḏ-jb)
(Miebidós[8])
  10 anos
(2910-2890 a.C.?)
Também designado Adjib ou Enezib. Conhecido pelo seu título.[15] Realizou uma expedição militar contra nómadas.
Semempsés
(Ḥr-smr.ẖt)
(Semempsés, Mempsés[8])
  8½ anos[12]
(2890-2870 a.C.?)
Considerado por alguns pesquisadores como usurpador, perseguiu a memória de Miebido. A memória do seu governo esta preservada na Pedra do Cairo.
Bienequés
(Ḥr-qˁ3)
(Bienéches, Óubiênthis, Víbenthis[8][16][17])
  34 anos
(2870-2850 a.C.?)
Tambem designado Qáa ou Ka'a. Último faraó a fazer-se enterrar com alguns cortesãos.
Hórus-Sneferka
(Ḥr.-snfr-k3)
  c.2900 a.C. Também designado Seneferka, Neferseka ou Sekanefer. Faraó pertencente à Dinastia I, mas de posição cronológica incerta. Sabe-se que teve um reinado curto.
Hórus-Ba   c.2900 a.C. Também designado Hórus Pássaro. Faraó pertencente à Dinastia I, mas de posição cronológica incerta. Sabe-se que teve um reinado curto.

Dinastia IIEditar

(Nota: A tradução das listas de faraós pelo grego Manetão levou a que vários dos nomes fossem modificados por este autor para uma forma mais legível para os gregos, listada abaixo sob o nome original. As datas mencionadas correspondem a períodos dentro dos quais podem ter governado.)

Nome Imagem Governo Notas
Boco[18]
(Hr.-htp-sxm.wj)
(Boëthos[8])
  15 anos
(2890-2861 a.C.? ou c.2840 a.C.?)
Foi datado do seu reinado um sismo que matou várias pessoas. No seu reinado deixam-se de usar as tabuletas epónimas da I Dinastia.
Queco[19]
(Hr-nb-rˁ)
(Kaíechós[8])
  14 anos
(c. 2861-2847 a.C.?)
Também designado Raneb. A forma grega (Queco) advém do nome encontrado num cartucho seu, Kakaw. Primeiro faraó a incluir o nome Rá (o nome do sol) na sua onomástica. Pode ser o mesmo que Weneg.
Binótris[20]
(Nj-nṯr)
(Binóthris[8])
  43 ou 45 anos
(c.2847-2802 a.C.?)
Terá dividido o Egito entre os seus sucessores, ficando estabelecida a possibilidade de as mulheres poderem exercer o poder real.
Nisut-Bitj-Nebty-Weneg[20]
(Nsw.t-btj-nb.tj-wng)
(Ougotlas, Tlás[8])
  c.2740 a.C.? Pode ser um governante por si só, ou então será o mesmo que Queco, Peribessene ou Sequemibe-Perenmaate.
Setenés[21]
(Snd.j)
(Sethenes[8])
  Supostamente 47 anos (c.2802-2782 a.C.?) Provavelmente o mesmo que Peribessene.[22]
Peribessene
(Stš-pr-jb-sn)
  17 anos
(c. 2890-2886 a.C.?)
Governa no Alto Egito.[23] Derrota os reis do Baixo Egito. Promoveu o culto solar.
Sekhemib-Perenmaat
(Ḥr-Sḫm-jb-pr-n-m3ˁt)
  ???? a.C.? Provavelmente o mesmo que Peribessene.[24] Governa no Alto Egito.
Neferquerés I
(Nfr-k3-r3-3ʼ-k3)
(Néphercherés[8])
  ???? a.C. Atestado apenas em listas de reis. Não existem provas arqueológicas da sua existência.
Sesócris
(Nfr-k3-skr)
(Sesóchris[8])
  ???? a.C. Atestado apenas em listas de reis. Não existem provas arqueológicas da sua existência.
"Hudjefa" (I)
(Ḥw-ḏf3)
  ???? a.C. Atestado apenas em listas de reis. O seu nome na verdade é uma expressão que denuncia que já no tempo da elaboração daquelas listas se desconhecia o nome do faraó (nome equivalente a desconhecido).
Quenerés[25][26]
(Ḫꜥj-sḫm.wj)
(Chenerés[8])
  18 anos
(c.2690-2670 a.C.?)
O seu nome de sereque é único, já que combina os nomes de Hórus e Seti, tradicionais e mitológicos adversários. Sufoca outra rebelião de forma sangrenta. Consolidação definitiva da unificação egípcia em c. 2 690 a.C.

Império Antigo Menfita (2686-2175 a.C.)Editar

Dinastia IIIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Nisut-Bity-Nebty-Netjerikhetnebu Djoser[27]
(nsw.t-bty-nb.ty nṯrj-ẖt-nbw ḏsr)
(Tosorthros, Sesorthos[8])
  ? a.C.
Filho de Quenerés e Nimaetap
c.2686-2649 a.C. Hetefernebti
um filho
c.2649 a.C.? Ordenou a construção da primeira pirâmide escalonada conhecida no Egito, desenhada pelo arquiteto e escriba Imhotep.
Sekhemkhet[28]
(Djoserty, dsr r t y)
(Tyreis[8])
  ? a.C.
Filho de Quenerés e Nimaetap ou de Nisut-Bity-Nebty-Netjerikhetnebu Djoser e Hetefernebti
c.2648-2640 a.C. Djeseretnebti c.2640 a.C.? Irmão ou filho do anterior, projetou uma pirâmide escalonada em Sacara, e conhece-se ainda uma rocha com inscrições do seu reinado em Wadi Maghareh, na Península do Sinai. Na pirâmide referida, inacabada, encontraram-se os restos de uma criança de dois anos.[29]
Hórus-Sanakht
(Ḥr-S3.nḫt)
(Necheróphes[8])
  ? c.2650 a.C. Desconhecida c.2650 a.C.? Pode ser identificado com Nebka, um suposto rei do Império Antigo. Porém, esta ideia ainda é debatida.
Hórus-Khaba
(Ḥr-ḫˁj-b3)
(Mesochris[8])
  ? c.2643-2637 a.C. Desconhecida c.2637 a.C.? Terá construído, provavelmente uma pirâmide inacabada. Possivelmente identificável com Huni. A ele se atribui a pirâmide estratificada inacabada em Zawyet el-Aryan.
Huni
(Hwj)
(Souphis,[8] Áches?)
  ? a.C. c.2637-2613 a.C. Djefatnebti
dois ou três filhos

Meresankh I?
um filho?
c.2613 a.C.? Desconhece-se a sua ligação aos monarcas anteriores e posteriores. Admite-se que o seu sucessor, Sneferu, fundador da Dinastia IV, seria seu filho, mas na realidade não se consegue atribuir alguma filiação a este faraó. Atribuiu-se a ele, por muito tempo, a construção da pirâmide de Meidum, mas atualmente há consenso no facto que terá sido o seu sucessor, Sneferu, a construir esta pirâmide.

Dinastia IVEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Sneferu
(Snfr.w)
(Sóris[8])
  ? a.C.
Filho de Huni? e Meresankh I
c.2613-2589 a.C. Hetepherés I
treze filhos
c.2589 a.C. Construiu as grandes pirâmides de Dachur (designadas Pirâmide Curvada e Pirâmide Vermelha), terminou a de Meidum (obra dele e não do seu antecessor, como se pensava) e várias outras de menor envergadura. Financiou expedições bélicas contra a Núbia e a Líbia. Pensa-se que poderá estar enterrado na Pirâmide Vermelha de Dachur.
Khufu
(Ḫw(j).f w(j))
(Quéops, Suphis[8])
  ? a.C.
Filho de Sneferu e Hetepherés I
c.2589-2566 a.C. Meritités I
pelo menos cinco filhos[30][31][32]

Henutsen
dois filhos

Rekhetré?
c.2566 a.C. A ele é creditado a construção da Grande Pirâmide de Gizé e do complexo funerário anexo. As fontes contemporâneas descrevem-no como um governante generoso e piedoso, mas os gregos, pelo contrário referem-no como um governante cruel. É o protagonista do célebre Papiro Westcar.
Djedefré
(Sȝ Rˁ ḏd.f Rˁ)
(Ratóises[8])
  ? a.C.
Filho de Khufu e Meritités I?[33]
c.2566-2558 a.C. Hetepherés II
cinco filhos

Khentetka
um filho?[34]
c.2558 a.C. Alguns egiptólogos acreditam que terá construído a célebre Grande Esfinge de Gizé, monumento em honra ao falecido pai. Terá construído também uma pirâmide em Abu Rawash, embora hoje já não esteja intacta pelo facto de os romanos terem reciclado os materiais da construção para outros fins.
Khafré
(Sȝ Rˁ Ḫʿj-f-Rʿ)
(Quéfren, Suphis II[8])
  ? a.C.
Filho de Khufu e Meritités I?[35]
c.2558-2532 a.C. Khamerernebti I
dois filhos

Persenet I
um filho

Hekenuhedjet
um filho
c.2532 a.C. Atribuem-lhe a segunda maior pirâmide em Gizé. Há egiptólogos que lhe atribuem a construção da Grande Esfinge de Gizé, ao invés do seu antecessor. Os antigos gregos descreveram-no como cruel, como Khufu.
Bakaré
(b3-k3-rˁ)
(Bikhéris[8])
  ? a.C. c.2570 a.C.? ? ? a.C. Os indícios sobre este faraó são mínimos, e há quem o considere fictício.[36] Segundo Manetão, antecedeu Menkhauré.
Menkauré
(mn-k3.w-Rˁ)
(Miquerinos[8])
  ? a.C.
Filho de Khafré e Khamerernebti I
c.2532-2503 a.C. Khamerernebti II
pelo menos um filho

Rekhetré?
c.2503 a.C. Segundo Manetão, sucedeu a Bakaré, mas é mais provável que tenha sucedido ao seu pai, Khafré. Construiu a terceira e a mais pequena pirâmide em Gizé.
Chepseskaf
(špṣṣ-k3.f)
(Seberchéres[8])
100px ? a.C.
Filho de Menkauré e Khamerernebti II (ou Rekhetré)
c.2503-2498 a.C. Quentecaus I
dois filhos

Bunefer?
pelo menos um filho?
c.2649 a.C.? Entrou em conflito com os sacerdotes de Rá. Abandonam-se os símbolos solares funerários. Construiu uma grande mastaba no sul de Sacara.
Djedefptah
(Thamphthis[8])
? a.C. c.2500 a.C.? ? ? a.C. Apesar de presente na lista de Manetão, não se encontraram menções contemporâneas deste faraó.

Dinastia VEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Userquerés
(wsr-k3-f)
(Usercherés[8])
  ? a.C. 2498-2491 a.C. ou
2498-2487 a.C.[37]
Quentecaus I
sem filhos?

Neferhetepes
dois filhos
c.2491 ou 2487 a.C. Chegou ao poder com a ajuda dos sacerdotes de Heliópolis, e ordenou doar muitas terras e bens ao clero. Construiu uma pirâmide em Sacara, e ainda o primeiro templo solar em Abusir. Estabeleceu as primeiras relações com os povos do Mar Egeu.
Sefrés
(S3ḥ w Rˁ)
(Sephrés[8])
  ? a.C.
Filho de Userquerés e Neferetepés
2491-2477 a.C.[38] ou
2487-2475 a.C.[39]
Meretnebti
seis filhos
c.2477 ou 2475 a.C. Manteve uma ativa relação comercial e diplomática com o Próximo Oriente. Trasladou a necrópole real para Abusir, onde construiu a sua pirâmide.
Neferircaré
(Nfr-jr(.w)-k3-Rˁ)
(Nephercherés[8])
  ? a.C.
Filho de Sefrés e Meretenebeti
2477-2467 a.C.[38] ou
2475-2455 a.C.[39][40]
Quentecaus II
quatro filhos
c.2467 ou 2455 a.C. Nascido com o nome Ranefer, patrocinou, de forma excludente, o culto solar.
Neferefré
(nfr.f Rˁ)
(Cherés[8])
  ? a.C.
Filho de Neferircaré e Quentecaus II
2460-2453 a.C.[38] ou
2448-2445 a.C.[39][40]
Quentecaus III
dois ou três filhos
c.2453 ou 2445 a.C. Inicia a colonização do Sinai e da Baixa Núbia.
Chepseskaré
(Špss-k3-Rˁ)
(Sisirés[8])
  ? a.C.
Filho de Sefrés e Meretnebti ou Neferircaré e Quentecaus II
Poucos meses Desconhecida
sem filhos
? a.C.
Niuserré Ini
(N.wsr Rˁ In.n j)
(Rathurés[8])
  ? a.C.
Filho de Neferircaré e Quentecaus II
2453-2422 a.C.[38] ou
2445-2421 a.C.[39][40]
Reptinub
quatro filhos
c.2422/21 a.C. O culto solar alcança o seu clímax.
Menkauhor Kaiu
(Mn-k3w-Ḥr Ik3w)
(Mencherés[8])
  ? a.C.
Filho de Neferefré e Quentecaus III
2422-2414 a.C.[38] ou
2421-2414 a.C.[39][40]
Khuit I

Meresankh IV
c.2414 a.C. Período de descentralização administrativa.Foi o último faraó a edificar um Templo do Sol.
Tanquerés
(Ḏd-k3-Rˁ Izzi)
(Tancherés[8])
  ? a.C.
2414-2375 a.C.[38][39][40] Meresankh IV
três filhos
c.2375 a.C. Desconhece-se a sua relação com os faraós anteriores. Provavelmente a ligação reside na esposa, que fora mulher do seu antecessor. Reformou a administração. Foi o faraó da dinastia com o reinado mais longo. Criou o cargo de vizir do Sul para o Alto Egito. Foi o seu vizir Ptaotepe o compositor das Máximas de Ptaotepe.
Unas
(Wnjs)
(Onnus[8])
  ? a.C. 2375-2345 a.C.[38][39][40] Khenut
quatro filhos?
c.2345 a.C. Prosseguiu a política de relações com Biblos e Cuxe. A sua pirâmide contém as primeiras inscrições conhecidas.

Dinastia VIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Teti
(t t i)
(Othoes[8])
  ? a.C. 2345-2333 a.C. Iput I
pelo menos um filho

Khuit
pelo menos dois filhos

Quentecaus IV
c.2333 a.C. Continuou a política de seus antecessores. Os monarcas adquirem prerrogativas próprias do faraó. Segundo Manetão, foi assassinado.
Userkaré
(Wsr-k3-Rˁ)
100px ? a.C.
Filho de Teti? e Khuit?
2333-2332 a.C. Desconhecida c.2332 a.C. Provavelmente usurpador na sequência do assassinato do antecessor.
Meriré Pepi I
(Mry-Rˁ p p y)
(Phius[8])
  ? a.C.
Filho de Teti e Iput I
2332-2287 a.C. Anquessenpepi I
um filho

Anquessenpepi II

Nubuenet

Meritités IV

Inenek-Inti

Meha

Nedjeftet
c.2287 a.C. Soberano enérgico e empreendedor, último grande rei do Antigo Reino, eficaz guerreiro e construtor.
Merenré
Nemtyemsaf I
(Mrj-n-Rˁ Nmtj m s3=f)
(Menthusuphis[8])
  ? a.C.
Filho de Meriré Pepi I e Anquessenpepi I
2287-2278 a.C. Anquessenpepi II
um filho
c.2287 a.C. Continua a política expansionista na Núbia e realiza expedições em Punt.
Neferkaré Pepi II
(nfr k3 rˁ p p y)
(Phiops[8])
  c.2284 a.C.
Filho de Merenré Nemtyemsaf I e Anquessenpepi II
2278-2184 a.C. Neith I
um filho

Iput II

Anquessenpepi III

Anquessenpepi IV
um filho

Udjebten
c.2216 ou 2184 a.C. O seu longo reinado viu a decadência do poder real. O seu reinado, provavelmente de 94 anos, foi tradicionalmente visto como o mais longo da História da Humanidade. Contudo, há especialistas que preferem reduzir a extensão para 64 anos.
Neferka
(nfr kˁ )
? a.C.
Filho de Neferkaré Pepi II?
2200-2199 a.C. Desconhecida c.2199 a.C.? Cogovernante de Pepi II, pode ter sido seu filho, e há quem o identifique com Menkaré ou Neferkaré Pepiseneb, faraós do Primeiro Período Intermediário.
Merenré
Nemtyemsaf II
(Mrj-n-Rˁ Nmtj m s3=f)
(Menthusuphis[8])
  ? a.C.
Filho de Neferkaré Pepi II e Neith I
2184 a.C. Desconhecida c.2287 a.C. Provavelmente ascendeu ao trono com uma idade muito avançada, dado longo reinado do pai comparado ao seu, de pouco mais de um ano.
Netjerkaré Siptah I
(Nt-iḳrti s3-ptḥ)
(Nitócris[8])
  ? a.C. 2184-2181 a.C. Desconhecida c.2181 a.C. Segundo fontes mais recentes, o nome de Nitócris (uma suposta rainha-faraó) seria uma forma corrompida de Netjerkare, que seria um faraó masculino. Nasceria assim uma lenda em torno de uma rainha-faraó deste período que provavelmente não existiu.

Primeiro Período Intermediário (2181–2015 a.C.)Editar

O Primeiro Período Intermediário consistiu num período de turbulência, cujo início marcou o final do Império Antigo, e após o qual se fundou o designado Império Médio.

O Império colapsou rapidamente após a morte de Pepi II, que reinara entre 64 e 94 anos, provavelmente, neste último caso, mais que qualquer outro monarca na História. A sua idade avançada nos seus últimos anos de reinado e vida levou a uma grande ineficiência administrativa que acabou por ser a causa principal do desabamento da união do Alto e Baixo Egito, que se separariam pela primeira vez neste período de caos: surgiram vários líderes regionais e surgiu uma grande epidemia de fome.

Os reis das dinastias VII e VIII tentaram manter o seu poderio em Mênfis, mas deviam-no muito a poderosos magnates. Após 20 ou 45 anos foram depostos por uma nova linhagem de faraós, sediada em Herakleopolis Magna, que formaram as dinastias IX e X. Pouco tempo após, uma outra linhagem rival ascendia em Tebas, revoltada com os suseranos nortenhos, unindo o Alto Egito, a dinastia XI. Por volta de 2055 a.C., Mentuotepe II, desta última dinastia, derrotou a rival e reuniu as duas Terras, dando início ao Império Médio.

As Dinastias VII e VIII: sede em MênfisEditar

Governando por 20 ou 45 anos, estes monarcas detinham um poder muito limitado, dada a divisão dos Reinos e a evolução administrativa para um sistema feudal. Referente à dinastia VII, Manetão refere a existência de setenta reis em setenta dias, o que pretende aludir à instabilidade política. Conhece-se pouco sobre os reis desta dinastia.

O mesmo para a dinastia VIII. Muitos tomam o nome Neferircaré, possivelmente em referência ao rei Pepi II.

Dinastia VIIEditar

Nome Imagem Governo Notas
Menkaré
(Mn k3 Rˁ)
  (c.2181 a.C.?) Teve um reinado curto. A sua existência está provada num relevo fragmentado de Netjerkare Siptah.
Neferkaré II
(Nfr-k3 rˁ)
  ???? a.C. (c.2171 a.C.?) Citado pela Lista Real de Abydos.
Neferkaré III Nebi
(Nfr-k3-rˁ nbjj)
  ???? a.C. Possivelmente filho de Pepi II ( VI Dinastia) e da rainha Anquessenpepi III. Atestado e inscrições da tumba da mãe. Iniciou a construção de uma pirâmide em Sacará.
Djedkaré Shemai
(Ḏd k3 rˁ šm3j)
  ???? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos.
Neferkaré IV Khendu
(nfr k3 rˁ ḫndw)
100px ???? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos.
Merenhor
(Mr n Ḥr)
  ???? a.C.
Neferkamin I
(nfr k3 mnw)
  ???? a.C. Também designado Sneferka.
Nikaré I
(N-k3-rˁ)
  ???? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos e num cilindro real.
Neferkaré V Tereru
(nfr k3 rˁ tr(r)rw)
  ???? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos.
Neferkahor
(Nfr-k3-Ḥr)
  ???? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos e num cilindro real.

Dinastia VIIIEditar

Nome Imagem Governo Notas
Neferkaré VI Pepiseneb
(Nfr-k3-Rˁ pjpj snb)
  ???? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos e no Cânon de Turim.
Neferkamin II Anu
(Nfr-k3-Mn ˁnw)
  ?-2169? a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos e no Cânon de Turim.
Qakare Ibi
(Q3j-k3-Rˁ jbj)
  2169-2167 a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos, no Cânon de Turim e em grafitos na Núbia. Foi enterrado em Sacará, onde construiu uma pirâmide com inscrições, os últimos Textos das Pirâmides conhecidos.
Neferkauré
(Nfr k3.w Rˁ)
  2167-2163 a.C. Mencionado na Lista Real de Abydos.
Neferkauhor Khwiwihepu
(Nfr-k3.w Ḥr Ḫw-w-ḥpw)
100px 2163-2161 a.C. A filha mais velha de Neferkauhor casa-se com o vizir do Alto Egito, Xemai. Encontra-se atestado na tuba deste vizir e também no templo de Min.
Neferircaré II
(Nfr-jrj k3 Rˁ)
  2161-2160 a.C. Se se identificar com Hórus-Demedjibtawy, poderá estar atestado no templo de Mim.

As Dinastias IX e X: sede em Heracleópolis MagnaEditar

Sediadas nesta cidade, a dinastia X foi a herdeira da sede da dinastia IX, uma vez que após a queda da IX, um grupo local tomou o poder e fundou a X. Com 18 reis somados entre as duas, segundo o Papiro de Turim (ao qual faltam, destes 18, 12 nomes), governaram num período que se estendeu de 2160 a.C. a 2040 a.C., tendo a mudança de dinastia ocorrido por volta de 2130 a.C.. Desconhece-se qual o último rei da dinastia X, mas conhece-se o primeiro da dinastia X.

Dinastia IXEditar

Nome Imagem Governo Notas
Meribré Queti I
(mr.j-j-jb-rˁ ẖtj(j))
(Acthoes I)
  ???? (c.2160-2150 a.C.?) Segundo Manetão, foi Queti quem fundou a Dinastia IX.
? (Merikaré?) ???? a.C.
Neferkaré VII
(nfr-k3-rˁ)
???? (c.2140 a.C.?)
Setut ???? a.C.
? ???? a.C.
Mery... ???? a.C.
Shed... ???? a.C.
H... ???? a.C.
Queti II
(ẖtj(j))
???? a.C. Faraós mencionados no Papiro de Turim. Posição cronológica incerta e existência ainda não assegurada.
Queti III
(ẖtj(j))
???? a.C.
Queti IV
(ẖtj(j))
???? a.C.

Dinastia XEditar

Nome Imagem Governo Notas
Merihathor
(mr.j-j-ḥwt-ḥr)
  2130-? a.C.
(Queti V?)
(ẖtj(j))
???? a.C. Mencionado no Papiro de Turim. Posição cronológica incerta e existência ainda não assegurada.
Neferkaré VIII
(nfr-k3-rˁ)
???? a.C.
Nebkauré Queti II (VI)
(ẖtj(j))
(Acthoes II)
  ???? a.C. Pode pertencer tanto à dinastia IX como à X. Posição incerta
Wahkaré Queti III (VII)
(ẖtj(j))
(Acthoes III)
  ?- c.2075 a.C.?
Merikaré (II) (Queti?)[41]
(mr.j-k3-rˁ)
  c.2075?-2040 a.C.

Dinastia XI: sede em TebasEditar

Tendo Antefe, o Velho, por fundador, a família constituiu-se na Dinastia XI a partir de 2130 a.C., e eventualmente acabaria por reunir todo o Egito sob Mentuotepe II. Desta forma, a dinastia divide-se entre o fim do Primeiro Período Intermediário e o começo do Império Médio.

Nome Imagem Governo Notas
Iri-pat Antefe (I) O Velho
(Iry-pˁt ḥ3t in-it.f)
  ???? a.C. Nomarca (governador) em Tebas, que servia um rei de outra dinastia. Os seus descendentes opor-se-iam à dinastia que serviam.
Mentuotepe I O Grande, Tepi-a
(mnṯw-ḥtp(w)ˁ3)
  ?-2134 a.C. Apesar de ser apenas faraó nominalmente, poderia governar com plenos poderes.
Sehertawy Antefe I
(Shr-tȝ.wy In-it.f)
  2134-2117 a.C. Primeiro governante da família que ostentou o título de faraó.
Wahankh Antefe II
(W3ḥ-ˁnḫ Jnj (j)t.f)
  2117-2069 a.C. Conquistou Abidos.
Nakhtnebtepnefer
Antefe III
(Nḫt-nb-tp-nfr In-it.f)
  2069-2060 a.C. Conquistou Assiute, e expandiu-se para Norte.[42]
Nebhepetré
Mentuotepe II
((Nb-ḥ3pt-Rˁ Mn-ṯw-ḥtp))
  2060-2040 a.C. Por volta de 2040 a.C. reuniu todo o Egito.

Império Médio Tebano (2060-1803 a.C.)Editar

Dinastia XIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Nehebpetré Mentuotepe II
(Nb-ḥ3pt-Rˁ Mn-ṯw-ḥtp)
  ? a.C.
Tebas
Filho de Nakhtnebtepnefer Antefe III e Iah
c.2040-2010 a.C. Tem
um filho

Neferu II
(em bigamia?)
sem filhos

Ashait
sem filhos

Henhenet
sem filhos

Kauit
sem filhos

Kemsit
sem filhos

Sadeh
sem filhos
2010 a.C.? Reúne o Egito, derrubando as dinastias rivais.
Sankaré
Mentuotepe III
(s ˁnḫ k3 rˁ - Mn-ṯw-ḥtp)
  ? a.C.
Tebas
Filho de Nebepetré Mentuotepe II e Tem
c.2010-1998 a.C. Imi (?)
um filho
1998 a.C.? Reúne o Egito, derrubando as dinastias rivais.
Nebtauiré Mentuotepe IV
(Nb-t3.w(j)-Rˁ Mn-ṯw-ḥtp)
  ? a.C.
Tebas
Filho de Sancaré Mentuotepe III? e Imi
c.1998-1991 a.C. Desconhecida 1991 a.C.? Faraó obscuro, do qual pouco se sabe, estando inclusive ausente de várias listas de reis. Desconhece-se a localização da sua tumba. Pode ter sido deposto pelo seu vizir, que fundaria uma nova dinastia.
Nome Imagem Governo Notas
Menkaré Segerseni[43]
(Mnḫ-k3-Rˁ Sgrsnj)
  ? a.C.() Faraós obscuros ausentes das listas de reis. Desconhecem-se os locais das suas tumbas. Atestados somente na Baixa Núbia, tratam-se provavalmente de chefes núbios que usurparam o trono egípcio por um período muito curto, que coincidiu com o final da Dinastia XI e/ou o início da Dinastia XII.
Qakare Ini[43]
(Q3j-k3-rˁ S3-rˁ Jni)
  ? a.C.
Iyibkhentré[43]
(Jj jb ḫnt Rˁ)
  ? a.C.

Dinastia XIIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Sehetepibré Amenemhat I
(S.htp-jb-Rˁ Jmn-m-ḥ3.t)
(Ammenemés[8])
100px ? a.C.
Tebas
Filho de Sesóstris e Neferete
1991-1962 a.C. Neferitatenen
quatro filhos
1962 a.C. Vizir de Mentuotepe IV, provavelmente foi o instigador da sua deposição, assumindo de seguida o faraonato. Foi assassinado.
Kheperkaré
Sesóstris I
(Ḫpr-k3-Rˁ S(j)-n-Wsrt)
(Sesonchosis[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Sehetepibré Amenemhat I e Neferitatenen
1971-1962 a.C. (sob Amenemhat I)

1962-1926 a.C.
Neferu III
seis filhos
1926 a.C.
Nubkauré Amenemhat II
(Nbw-k3w-Rˁ Jmn-m-ḥ3.t)
(Ammenemés[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Sesóstris I e Neferu III
1929-1926 a.C. (sob Sesóstris I)

1926-1895 a.C.
Desconhecida
sete filhos?
1895 a.C.
Khakheperré Sesóstris II
(Ḫˁ-ḫpr-Rˁ[44] S(j)-n-Wsrt)
(Sesóstris[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Nubkauré Amenemhat II
1897-1895 a.C. (sob Amenemhat II)

1895-1878 a.C.
Khenemetneferhedjet I
pelo menos um filho

Nofret II
quatro filhos?

Itaweret (?)

Khnemet (?)
1991 a.C.?
Khakauré
Sesóstris III
(Ḫˁj-k3w-Rˁ S(j)-n-Wsrt)
(Sesóstris[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Sesóstris II e Khenemetneferhedjet I
1878-1839 a.C. Nefertenut

Khenemetneferhedjet II

Itakait

Meretseguer

Sithathoriunet
1839 a.C. No seu reinado, o Império Médio egípcio atingiu o zénite.
Nimaetré
Amenemhat III
(Nj-mˁ3t-Rˁ Jmn-m-ḥ3.t)
(Lamarés[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Sesóstris III
1860-1839 a.C. (sob Sesóstris III)

1839-1815 a.C.
Aat

Khenemetneferhedjet III
1815 a.C. Foi responsável pela Bahr Yussef, e identificado com o faraó de Gênesis 12 as vezes também e identificado com o faraó do relato de José.
Maakheruré Amenemhat IV
(M3ˁ-ḫrw-Rˁ Jmn-m-ḥ3.t)
(Ammenemés[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho (adotivo?) de Nimaetré Amenemhat III e Hetepi (mãe biológica)
1815 a.C. (sob Amenemhat III)

1815-1806 a.C.
Desconhecida
dois filhos?
1806 a.C. Teve uma co-regência de um ano, baseada numa inscrição em Knossos.
Sobecaré Neferusobeque
(sbk ka rˁ- sbk nfr (w) rˁ)
(Skemiophris[8])
  ? a.C.
Tebas
Filha de Nimaetré Amenemhat III
1806-1802 a.C. Desconhecido, provavelmente não casou 1802 a.C. A sua morte encerra o período designado de Império Médio.

Segundo Período Intermediário: O Domínio Hicso (1785-1550 a.C.)Editar

Com a queda da Dinastia XII, iniciou-se um novo período de turbulência que levou a mais uma divisão do Egito. A Dinastia XIII, que sucedera após a queda da XII, era muito mais fraca e não soube defender bem o Egito dos numerosos ataques estrangeiros. Devido a isto, de uma família nobre residente em Xois (no Delta do Leste) emergiu a Dinastia XIV, que governou a área em simultâneo com a XIII no resto do país.

Os Hicsos apareceram pela primeira vez no reinado de Sebecotepe IV, e por volta de 1720 a.C. tomaram a cidade de Aváris para si, tomando grande parte das terras da Dinastia XIV. Deste território agora hicso emergiu a Dinastia XV. Em 1650 a.C. estes invasores conquistavam Mênfis e punham fim à XIII dinastia. A confusão política que então se instalou deu azo à subida de uma Dinastia XVI, que declarou a sua independência possuindo algumas terras e instalando a capital em Tebas. Também esta dinastia foi derrubada pelos estrangeiros. Os Hicsos foram derrubados pela recém-proclamada Dinastia XVII, e só Taá II e seus descendentes foram capazes de os afastar até à Ásia. Surgiria assim um novo período de paz e prosperidade sob a Dinastia XVIII.

A ordem dos reis e as datas dos reinados dos faraós deste período variam conforme os especialistas. A maior parte destas datas são desconhecidas e/ou incertas.

Dinastia XIII: sede em MênfisEditar

Esta dinastia é talvez uma das mais debatidas pelos egiptólogos, já que vários deles apresentam soluções diferentes para a ordem de reinado dos faraós.[45][falta página][46][47][48][49] A posição dominante tomada nesta lista é a de Kim Ryholt, embora não se descartem outras hipóteses.

Nome Imagem Governo Notas
Sekhemré Khutawy Amenemhat
Sebecotepe I
  1802-1800 a.C.[45][falta página](1)
1724-1718 a.C.[49] (20)
Provavelmente filho de Amenemhat IV.[45][falta página] Com um reinado bem documentado, terá sido o fundador da dinastia, segundo estudos mais recentes. Contudo, perante outros egiptólogos, cabia a Wegaf este papel fundador.[49] A primeira hipótese parece ser no entanto a dominante.[47]
Mehibtawy Sekhemkaré Amenemhat Sonbef   1800-1796 a.C.[45][falta página][49](2) Provavelmente irmão de Sebecotepe I.[45][falta página] Há quem defenda que seria a mesma pessoa que Amenemhat V.[50][51]
Nerikaré   1796 a.C.[45][falta página] (3)
 ? [49] (23)
Sekhemkaré Amenemhat V   1796-1793 a.C.[45][falta página][49](4)
1746-1743 a.C.
Sabe-se que governou cerca de três ou quatro anos.[45][falta página]
Ameny Qemau   1795-1792 a.C. (5) Foi sepultado na pirâmide que construiu, em Dachur. Provavelmente, pelas datas, governou com o seu irmão, Amenemés V.
Hotepibré Qemau Siharnedjheritef   1791-1788 a.C.[45][falta página] (6) Também designado Sehetepibre.
Iufni 1788 a.C. (6 (ou 7);[45][falta página] 7[49])
1741 a.C.[50]
Também designado Jewefni. Atestado apenas pelo Papiro de Turim. Teve um reinado muito curto.
Seankhibré
Amenemhat VI
  1788-1785 a.C.[45][falta página] (8)
c.1740 a.C.[46] (7)
Semenkaré Nubni   1785-1783 a.C.[45][falta página] (9)
1739 a.C.[50] (8)
Sehetepibré (I/II) Sewesekhtawy   1783-1781 a.C. (10;[45][falta página] 5[46])
Sewadjkaré c.1781-1780 a.C.[45][falta página]
1736 a.C.[46]
Conhecidos apenas através do Papiro de Turim.
Nedjemibré (c. 7 meses)
c.1780 a.C.[45][falta página] ou 1736 a.C.[46]
Khaankhré
Sebecotepe II
  1780-1777 a.C. (13;[45][falta página] 16[49])
Renseneb Amenemhat (c. 4 meses)
1777 a.C.(14;[45][falta página] 13;[50] 16[49])
Também designado Ranisonb
Awibré Hor I   (c. 1 ano e 6 meses)
1777-1775 a.C.[45][falta página] ou uns meses em c.1732 a.C.[46]
Famoso pelo seu rico túmulo praticamente intacto.
Sekhemrekhutawy Khabaw   1775-1772 a.C.[45][falta página] (16)
1752-1746 a.C.[46]
? (3)[49]
Possivelmente filho de Hor I.
Djedkheperew   1772-1770 a.C.[45][falta página]
uns meses em c.1732 a.C.[46]
Possivelmanete filho de Hor I e irmão de Khabaw. Já foi identificado (não com muito sucesso) com Khendjer.
Sebkay   ???? a.C. Possivelmente este faraó corresponde a dois: Seb e o seu filho Kay.
Sedjefakaré Kay Amenemhat VII   c.1770-1765 a.C.[45][falta página] Um rei bem documentado em estelas e outros documentos.
Khutawyré Wegaf   c.1767 a.C.[45][falta página]
c.1794-1757 a.C.[46] (1)
Também designado Ugaf. Tradicionalmente o fundador da dinastia, estudos recentes demonstram que não o foi.
Userkareé Khendjer   c.1764-1759 a.C.[45][falta página]
c.1718-1712 a.C.[46]
Provavelmente o primeiro faraó semita.
Smenkhkaré Imyremeshaw   (Menos de 10 anos)
c.1764-1759 a.C.[45][falta página] ou c.1711 a.C.[46]
Atestado por dois colossos.
Sehetepkaré Antefe IV   (Menos de 10 anos)
c.1759-1749 a.C.[45][falta página] ou c.1710 a.C.[46]
Set Meribre   ?-1749 a.C.[45][falta página]
?-1710 a.C.[46]
Sekhemresewdjtawy Sebecotepe III   (4 anos e 2 meses)
(c.1749-1744 a.C.?)[45][falta página]
Khasekhemré Neferhotep I   (c.11 anos)
1742-1731 a.C.[45][falta página]
1705-1694 a.C.[46]
Um dos reis mais bem documentados da dinastia.
Menwadjré Sihathor   1739 a.C.? Governou com o irmão, Neferhotep I.
Khaneferré
Sebecotepe IV
  (c. 10 anos)
1732-1720 a.C.[45][falta página]
1694-1685 a.C.[46]
Irmão de Neferhotep e Sihathor.
Merhotepré
Sebecotepe V
  (c. 3 anos)
1720-1717 a.C.?[45][falta página] (30;[45][falta página]29[47])
Filho de Sebecotepe IV. Alguns autores consideram que é o mesmo que Merhotepre Ini,[49][50] mas não há certezas.
Khahotepré
Sebecotepe VI
  (4 anos, 8 meses e 29 dias)
c.1719-1715 a.C. (31;[45][falta página]30;[47]25[49][50])
Irmão provável de Sebecotepe V.
Wahibré Ibiau   (10 anos, 8 meses e 29 dias)
1712-1701 a.C.[45][falta página] ou 1725-1719 a.C.
Merneferré Ay I   (23 anos, 8 meses e 18 dias)
1710-1687 a.C.[45][falta página]
Foi o governante que mais tempo se manteve no trono, em toda a dinastia.
Merhotepr´r Ini   (2 anos e 2 meses)
1677-1675 a.C.[45][falta página] ou 1691-1689 a.C.
Possivelmente filho de Ay I.
Sankhenré Sewadjtu (3 anos, 2-4 meses)
1675-1672 a.C.[45][falta página] ou 1694/1654 a.C.[46]
Governa durante c.3 anos e 2-4 meses.
Mersekhemré Ined (Neferhotep II)   (3 anos, 1-4 meses e 1 dia)
1672-1669 a.C.[45][falta página] ou 1651-1648 a.C.[46]
Ined e Neferhotep, dois faraós tradicionalmente distintos, podem ser na verdade a mesma pessoa.
Sewadjkaré Hor II (5 anos, ? meses e 8 dias)
1669-1664 a.C.[45][falta página] ou 1648-1643 a.C.[46]
Merkauré
Sebecotepe VII
  (2 anos, ? meses e 3-4 dias, 2 anos e meio[45][falta página])
1664-1663 a.C.[45][falta página] ou 1646-1644 a.C.[46]
(sete reis) ???? a.C.
Mer[…]re ???? a.C.
Merkheperré   entre 1663 e 1649 a.C.
Merkaré Atestado somente no Papiro de Turim.
??? (nome perdido) ??? a.C.
Sewadjaré Mentuotepe V   c.1655 a.C.[45][falta página]
[…]mosré ???? a.C.
Ibi […]maatré ???? a.C.
Hor[…] […]webenré ???? a.C.
Se...karé ???? a.C.
Seheqenré Sankhptahi   ???? a.C. (54;[47] 55[45][falta página]) Provavelmente filho de Se...karé.
...ré ???? a.C.
Se...enré ?-1649 a.C.[45][falta página]
Djedhotepré Dedumés I   c.1654 a.C. Posição incerta. Provavelmente pertencentes à Dinastia XVI.[45][falta página]
Djedneferré Dedumés II   ???? a.C.
Sewahenré Senebmiu   Depois de 1660 a.C.[45][falta página] Serão provavelmente dos últimos reis da Dinastia XIII, embora se desconheça a sua colocação exata.
Mershepsesré Ini II 100px ???? a.C.
Menkauré Snaaib   ???? a.C. Provavelmente um rei da Dinastia de Abidos.

Dinastias XIV e XV: invasores com sede em AvárisEditar

A dinastia XIV nasceu por volta de 1805 ou 1710 a.C., como oponente da Dinastia XIII, e teve por capital Aváris, a leste do Delta. Incluiu vários faraós de origem semita. Tal como a sua concorrente, a dinastia XIV é também muito debatida pelos egiptólogos[45][falta página][46][47][52][49] A posição dominante tomada nesta lista é a de Kim Ryholt, embora não se descartem outras hipóteses. Segundo este egiptólogo, a dinastia ascendeu ao poder ainda no reinado da rainha Neferusebeque.

Por seu lado, a dinastia XV, de origem hicsa, ascendeu na consequência da sua invasão no Egito e da turbulência política que na época assolava o Império. Estes reis hicsos governaram entre aproximadamente 1650 - 1550 a.C.. Os reis desta dinastia terão ascendido apos conquistarem a acpital da DInastia XIV, Aváris. Mais tarde derrubariam a Dinastia XIII e também a Dinastia XVI. A ordem dos reis apresentada pode não corresponder à real ordem de sucessão, difícil de estabelecer.

Dinastia XIVEditar

Nome Imagem Governo Notas
Sekhaenré Yakbim   1805-1780 a.C.[45][falta página] Posições incertas, dadas aqui segundo Ryholt.
Nubwoserré Ya'ammu   1780-1770 a.C.[45][falta página]
Khawoserré Qareh   1770-1760 a.C.[45][falta página]
Aahotepré 'Ammu   1760-1745 a.C.[45][falta página] Provavelmente hicso.[53]Posição incerta, dada aqui segundo Ryholt.
Maahibré Sheshi   1745-1705 a.C.[45][falta página] Posição incerta, dada aqui segundo Ryholt. Pode ter sido, em alternativa, um hicso que ascendeu precocemente a rei, ou então pertencente à Dinastia XV.
Aasehré Nehesi   c.1705 a.C.[45][falta página] Um curto reinado, provavelmente filho de Sheshi. É um dos faraós do qual não há duvidas de que tenha pertencido à Dinastia XIV.
Khakherewré ???? a.C.
Nebefawré c.1704 a.C.[45][falta página]
Sehebré ???? a.C. Provavelmente poderá ser a mesma pessoa que Wazad ou Sheneh [45][falta página]
Merdjefaré   c.1699 a.C.[45][falta página] É um dos faraós do qual não há duvidas de que tenha pertencido à Dinastia XIV.
Sewadjikaré III c.1699 a.C.[45][falta página]
Nebdjefaré (12-24 meses)
c.1694-1693 a.C.[45][falta página]
É um dos faraós do qual não há duvidas de que tenha pertencido à Dinastia XIV.
Webenré ???? a.C. (c.1690 a.C.?)
???? (nome perdido) ???? a.C.
Djefaré? ???? a.C.
Nebsenré   ???? a.C. Também designado Ranebsen. Está atestado por um vaso onde o seu nome está inscrito.
Sekheperenré   (2 meses, entre 1690 e 1649 a.C.) É um dos faraós do qual não há duvidas de que tenha pertencido à Dinastia XIV. Está atestado num selo.
Anati Djedkaré ???? a.C. Atestados apenas pelo Papiro de Turim.
Bebnum ???? a.C.
Apepi I   ???? a.C. Atestado como filho de rei por cinco selos.
Nuya   ???? a.C. Não há certezas sobre a sua posição ou pertença à dinastia. Atestado apenas por um selo de proveniência desconhecida.
Wazad   (c.1700) a.C. Também designado Uazed, Wadjed, Wasa ou Uatched. Poderá ter pertencido à Dinastia XV, ou em caso de ter pertencido à XIV, ser a mesma pessoa que Merdjefaré ou Sehebré.[45][falta página]
Sheneh   ???? a.C. Em caso de ter pertencido à dinastia XIV, pode ser a mesma pessoa que Merdjefaré ou Sehebré.[45][falta página]
Shenshek   ???? a.C. Atestado por um selo.
Khamuré   ???? a.C. Atestao como filho de rei por cinco selos.
Yakareb   ???? a.C. Também designado Yak'reb, Yekeb-Baal, Yakba'al, Yekeb-Bor ou Ykb-l.
Meruserré Yaqub-Har 100px ???? a.C. Também designado Yakubher, Yakubhar, ou Yak-Baal.[54] Sabe-se que governou surante o Segundo Período Intermedíario, embora se desconheça se viveu no século XVII ou XVI a.C., ou se governou na dinastia XIV ou XV. Poder ter sido inclusive vassalo dos hicsos.

Dinastia XVEditar

Nome Imagem Governo Notas
Sekhaenré Charek
(sḫˁ.n rˁ š3 r k)
(Salitis, Saïtês, Silites)
???? a.C. Segundo Manetão, foi o fundador da dinastia.
Heka-chasut[55] Semqen
(Ḥq3-ḫ3swt-smqn)
  1649-??? a.C. Também designado Šamuqēnu. Provável fundador da dinastia. Posição cronológica incerta, pois pode ter pertencido também à Dinastia XVI.
Heka-chasut 'Aper-'Anat
(Ḥq3-ḫ3swt ˁpr-ˁnti)
  ???? a.C. Posição cronológica incerta.
Heka-chasut Sakir-Har
(Ḥq3 ḫ3swt Skr Hr)
???? a.C.
Seuserenré Khyan
(s wsr n r՚ ḫj3n )
(Staan, Sethos, Iannas[8])
  (30–40 anos)
(1610-1580 a.C.?)
O poder dos Hicsos atinge o seu apogeu, com a conquista de Tebas no fim do seu reinado.
Nebkhepeshré Aqenenré Auserré
Apopi I
(Nb-ḫpš-Rˁ ˁ3-qnj-n-Rˁ ˁ3-wsr-Rˁ i-p-p(i))
(Aphophis, Aiofis, Apofis[8])
  (c.40 anos)
1575-1544 a.C.[46]
Aasehré Khamudi
(ḫ3mwdi)
(Archlés, Assis[8])
  1534–1522 a.C.[50][46]
1541–1540 a.C.[45][falta página])
Foi derrotado e expulso do Egito por Amósis I.

Dinastia de AbidosEditar

O Segundo Período Intermediário pode-se incluir uma nova dinasta que terá governado a partir de Abidos, entre c.1650 e c.1600 a.C.[56][57][58] Pelo menos quatro monarcas podem ser encaixados nesta dinastia, dado o desconhecimento da sua posição cronológica.

Nome Imagem Governo Notas
Sekhemraneferkau Upuautemsaf   ???? a.C. Podem pertencer à Dinastia XVI.[59]
Sekhemrekhutawy Pantjeni   ???? a.C.
Menkauré Snaaib   ???? a.C. Pode pertencer à Dinastia XIII.[60][49][61]
Woseribré Senebkay   ???? a.C. Tumba descoberta em 2014.[62][63][64][65] Provavelmente identifcado com um Woser[...]reno Cânone de Turim.

As Dinastias XVI e XVII: nativos com sede em TebasEditar

A dinastia XVI, com origem tebana, ascendeu na consequência do colapso da Dinastia XIII, cuja sede em Mênfis acabaria anexada aos Hicsos da Dinastia XV por volta de 1650 a.C.. A Dinastia XVI acabaria também por sucumbir ao então apogeu hicso, por volta de 1580 a.C.

Já a dinastia XVII parece ter reconquistado aos Hicsos a capital da dinastia XVI, já que volta a sediar-se em Tebas. Fundada por volta de 1580 a.C., aquando da extinção da dinastia XVI, foi a que de facto expulsou os invasores hicsos, por volta de 1540 a.C.

Dinastia XVIEditar

Nome Imagem Governo Notas
???? (nome perdido)
Sekhemresementawy Djehuti   (3 anos)
c.1650 a.C.?
Sekhemreseusertawy Sebecotepe VIII
 
(16 anos)
1645-1629 a.C.[45][falta página]
Sekhemré Sankhtawy Neferhotep III Iykhernofret
 
(1 ano)
1629-1628 a.C.[45][falta página]
Seankhenré Mentuotepi
 
(1 ano)
1628-1627 a.C.[45][falta página]
Por vezes numerado Mentuotepe VI ou VII. Pode ser também um rei da dinastia XVII.[49]
Sewadjenré Nebiriau I
 
(26 anos)
1627-1601 a.C.[45][falta página]
Também designado Nebiryerawet I
Neferkaré(?) Nebiriau II   c.1600 a.C.[45][falta página] Também designado Nebiryerawet II. Um rei de que ainda não se conhecem fontes arqueológicas contemporâneas.
Semenré   1601-1600 a.C.[45][falta página]
Seuserenré Bebiankh
 
(12 anos)
1600-1588 a.C.[45][falta página]ou 1602-1591 a.C.
Sekhemré Shedwast[45][falta página] ???? a.C.
Seneferankhré
Pepi III[66]
  ???? a.C. Pode ter sucedido a Bebiankh. Posição incerta.
Djedhotepré Dedumés I   c.1654 a.C. Posição incerta. Provavelmente pertencentes à Dinastia XIII.[49]
Djedneferé Dedumés II   ???? a.C.
Djedankhré Montemsaf
 
c.1590 a.C.[45][falta página]
Merankhré
Mentuotepe VI
 
c.1585 a.C.[45][falta página] Pode ter pertencido também à dinastia XIII.[49]
Seneferibré
Sesóstris IV
(Sesóstris)
 
???? a.C. Pode ter pertencido também à dinastia XIII.[49]
Nebmaetré
 
???? a.C. Posição incerta.

Dinastia XVIIEditar

Nome Imagem Governo Consorte Notas
Sekhemrewahkhaw Rahotep
(sḫm-rˁ w3ḥ-ḫaw Rˁ ḥtp)
 
1580-1576 a.C.[45][falta página]
Desconhecida
Segundo Kim Ryholt, foi o fundador da dinastia.
Sekhemre Wadjkhaw Sobekemsaf I
(Sḫm-Rˁ-w3ḏ-ḫˁw
Sbk m s3=f)
 
(Pelo menos 7 anos)
Desconhecida
Sekhemré Shedtawy Sobekemsaf II
(Sḫm-Rˁ-šd-t3.w(j)
Sbk m s3=f)
 
c. 1570 a.C.
Nubkaés
pelo menos dois filhos
Filho de Sobekemsaf I. O seu túmulo foi roubado no reinado de Ramessés IX.
Sekhemré-Wepmaet Antefe V O Grande
(Sḫm-Rˁ-wp-m3ˁt
Jnj jt=f ˁ3)
 
1573?-1571 a.C.[45][falta página]
Desconhecida
Filho de Sobekemsaf II.
Nubkheperré Antefe VI
(Nbw-ḫpr-R՚ Jnj it=f)
 
1571-c.1565 a.C.[45][falta página]
Sobekemsaf
pelo menos um filho?
Filho de Sobekemsaf II, e irmão de Sekhemre-Wepmaat Antefe.
Sekhemré-Heruhirmaet Antefe VII
(Sḫm-Rˁ-hrw-ḥr-M3ˁ.t
Jnj-it.f)
 
c.1565-1560? a.C.[45][falta página]
Haankhes
pelo menos um filho
-
Senakhtenré Amósis I
(Snḫt.n-Rˁ Jˁḥ-ms)
 
c.1560-1558 a.C.?[45][falta página]
Teticheri
cinco filhos
Até 2012 sempre se considerou que este faraó se chamava Taá O Antigo. Porém, descobertas neste ano revelaram que o verdadeiro nome do faraó era Amósis, como o seu neto fundador da Dinastia XVIII.
Sekenenré Taá
(Sqnj-n-rˁ T3-ˁ3)
 
1558–1554 a.C.?[45][falta página]
Aotepe I
oito filhos
Faleceu em batalha contra os Hicsos.
Wadjkheperré Camés
(W3ḏ-ḫpr-Rˁ Kȝ ms(=w))
 
1558–1554 a.C.?[45][falta página]
Aotepe II
um filho
Continuou a política paterna de combate aos Hicsos, que seriam expulsos definitivamente no reinado do seu irmão e sucessor, Amósis.

Império Novo Tebano (1550-1069 a.C.)Editar

Dinastia XVIIIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Nehebpetiré
Amósis I (II)
(nb phty rˁ - Jˁḥ ms(j.w))
(Iahmés, Amos, Amoses[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Taá II e Aotepe I
c.1550-1525 a.C. Amósis-Nefertari
sete filhos?

Amósis-Sitcamés
(em bigamia)
sem filhos

Amósis-Henuttamehu
(em trigamia)
sem filhos
1525 a.C. Reconquistou o Egito, expulsando os Hicsos. Fundou a Dinastia XVIII, que inaugurou o período designado Império Novo.
Djeserkaré Amenhotep I
(Ḏsr-k3-Rˁ jmn-ḥtp, yamānuḥātap)
(Amenophis, Amenophthis, Amophis[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho de Nehebpetiré Amósis e Amósis-Nefertari
1525-1506/4 a.C. Amósis-Meritamon
sem filhos
1506/4 a.C.
Aakheperkaré
Tutemés I
(ˁ3-ḫpr-k3-Rˁ ḏḥwty.ms, Djehutymes)
(Mephrés, Misaphris[8])
  ? a.C.
Tebas
Filho (ilegítimo?) de Djeserkaré Amenhotep I (provavelmente) e Senseneb
1506/4-1493 a.C. Amósis
dois filhos

Mutnofret
(em bigamia)
três filhos
1493 a.C. No seu reinado o Egito conheceu um período de expansão territorial.
Aakheperenré
Tutemés II
(ˁ3-ḫpr-n-Rˁ ḏḥwty.ms, Djehutymes)
(Chebron, Chebros[8])
  c.1510 a.C.
Tebas
Filho de Aakheperkaré Tutemés I e Mutnofret
1493-1479 a.C. Hatchepsut I
um filho

Iset I
(em bigamia)
três filhos
24 de abril de
1479 a.C.
Tebas
30-31 anos
Iniciou a construção de templos e comandou expedições que se revelaram de reduzida importância.
Maetkaré
Hatchepsut I
(m3ˁt k3 rˁ ḥ3.t-šps.wt)
(Amessis, Amensis[8])
  c.1507 a.C.
Tebas
Filha de Aakheperkaré Tutemés I e Amósis
1479-1458 a.C. Aakheperenré Tutemés II
um filho
16 de janeiro[67]de 1458 a.C.
Tebas
48-49 anos
A segunda mulher-faraó do Egito seguramente atestada (depois de Sobekneferu), governou com o sobrinho-enteado, Tutemés III. Presenciou o zénite do poder egípcio. Célebre pela expedição a Punt, construiu ainda vários templos e monumentos.
Menkheperré
Tutemés III
(mn ḫpr rˁ ḏḥwty.ms, Djehutymes)
(Mephramuthosis, Misphragmuthosis, Mispharmutosis[8])
  c.1481 a.C.
Tebas
Filha de Aakheperkaré Tutemés II e Iset
1479-1425 a.C. Satiah
antes de 1455 a.C.
um filho

Hatchepsut II Meritré
c. 1455 a.C.
seis filhos

Nebtu
sem filhos

Menwi
sem filhos

Merti
sem filhos

Menhet
sem filhos

Nebsemi
sem filhos
11 de março de
1425 a.C.
Tebas
55-56 anos
Governou em conjunto com a tia-madrasta, Hatchepsut. Após a morte desta, prolongou o zénite do poder egípcio, liderando mais de 17 campanhas que alargaram de forma proeminente o Egito, desde Niya, na Síria do Norte, até à Quarta Catarata do rio Nilo, na Núbia. É possível que tenha tentado apagar o nome de Hatchepsut dos seus monumentos e templos.
Akheperuré Amenhotep II
(՚3 ḫprw r՚ jmn-ḥtp, yamānuḥātap)
(Mephramuthosis, Misphragmuthosis, Mispharmutosis[8])
  c.1455? a.C.
Tebas
Filho de Menkheperré Tutemés III e Hatchepsut-Meritré
1425-1401 a.C. Tiaa
dez filhos
1401 a.C.
Tebas
53-54 anos
O seu reinado viu uma pacificação do Egito com os reinos Mitani.
Menkheperré
Tutemés IV
(mn ḫpr w r՚ ḏḥwty.ms, Djehutymes)
(Thmosis, Tuthmosis[8])
  c.1455? a.C.
Tebas
Filho de Menkheperré Amenhotep II e Tiaa
1401-1391 a.C. Nefertari I
sem filhos

Iaret
c.1394 a.C.
sem filhos

Mutemuia
(em bigamia)
um filho
c.1391 a.C.
Tebas
55-56 anos
Nebmaetré
Amenhotep III O Magnífico
(nb m3ˁt rˁ - jmn-ḥtp, yamānuḥātap)
(Amenophis[8])
  c.1400 a.C.
Tebas
Filho de Menkheperré Amenhotep II e Tiaa
1391-1353 a.C. Tiye I
nove filhos

Gilukhipa
sem filhos

Tadukhipa
sem filhos

Sitamon
sem filhos

Iset II
sem filhos

Nebetnehat
sem filhos
c.1353 a.C.
Malcata
c.46-47 anos?
Presenciou um novo zénite do poder egípcio. Construiu vários palácios e monumentos.
Neferkheperuré-waenré
Amenhotep IV - Akhenaton
(jmn-ḥtp, yamānuḥātap)
(Orus[8])
  c.1375 a.C.
Tebas
Filho de Nebmaetré Amenhotep III e Tiye
1353-1336 a.C. Nefertiti
seis filhos

Kiya (de Mitani?)
um filho

Meritaton
sem filhos

Anchesenamon
sem filhos

Desconhecida
um filho
c.1336 a.C.
Akhetaton
c.38-39 anos
Fundador do Período de Amarna, substituindo o culto egípcio tradicionalmente politeísta pelo atonismo monoteísta, que se baseava na veneração de Aton, o Sol, como único deus. Trasladou a capital do Império para Akhetaton, cidade depois conhecida como Amarna. A alteração na religião oficial chegou ao ponto de o monarca alterar o seu nome de Amenhotep (Amon está satisfeito) para Akhenaton (o espírito atuante de Aton).
Ankhkheperuré
Semenkharé
Djeser Kheperu
(ˁnḫ ḫprw rˁ smnḫ k3 rˁ ḏsr ḫprw)
(Acencherés, Acherrés, Achencherés[8])
  c.1355 a.C.? 1336-1334 a.C. Meritaton?
um filho?
c.1334 a.C.
Akhetaton
c.20-21 anos?
Faraó misterioso que governou no final do Período de Amarna. O debate é grande: pode ter sido filho ou irmão de Akhenaton, ou mesmo uma mulher. Neste caso poderia tratar-se de Nefertiti ou da sua filha Meritaton.
Ankhkheperuré-meri-Neferkheperuré/ -meri-Waenré/ -meri-Aton
Neferneferuaton
(՚nḫ.t ḫprw r՚ mri w՚ n r՚ nfr nfr w itn)
  ? 1334-1332 a.C. ? c.1332 a.C.
Akhetaton
Rainha-faraó misteriosa que governou no final do Período de Amarna, sendo provavelmente idêntica a Semencaré, o que consequentemente faria dela idêntica a Nefertiti ou a sua filha Meritaton.
Nebkhepruré
Tutankhaton - Tutankhamon
(nb-ḫprw-rꜥ twt-ꜥnḫ-ỉmn ḥqꜣ-ỉwnw-šmꜥ)
(Rathotis[8])
  c.1345 a.C.
Akhetaton
Filho de Neferkheperuré-waenré Amenhotep IV - Akhenaton e Desconhecida
1332-1323 a.C. Anchesenamon
dois filhos
c.1323 a.C.
Tebas
c.21-22 anos
No seu reinado, termina o Período de Amarna, substituindo-se o atonismo monoteísta pelo culto egípcio tradicionalmente politeísta. A capital voltou para Tebas e alterou o seu nome de Tutankhaton (Imagem viva de Aton) para Tutankhamon (Imagem viva de Amon).
Kheperkheperuré Irimaet
Ay
(ḫpr ḫprw rˁ ỉrỉ mȝˁt ỉy)
(Acencherés II, Acherrés, Ocherés[8])
  c.1390 a.C.
Panópolis
1323-1320 a.C. Desconhecida
um filho

Tey
um filho

Anchesenamon
sem filhos
c.1320 a.C.
Tebas
c.69-70 anos
Nasceu na nobreza, mas não na realeza. Provavelmente o pai de Nefertiti. Foi grão-vizir de Tutankhamon e sucedeu-o no trono após a sua morte sem descendência.
Djeserkheperuré-setpenré
Horemebe-meriamon
(Ḏsr-ḫprw-Rˁ-stp-n-Rˁ Ḥr-m-ḥb-mrj-Jmn)
(Harmaïs, Armessis, Armaïs[8])
  ? 1320-1292 a.C. Amenia
sem filhos

Mutnodjmet
sem filhos
1292 a.C.
Tebas
General no Período de Amarna, quando subiu ao trono em 1320 a.C. (apesar de o herdeiro, vivo, ser um outro militar, Nactemim), vandalizou várias imagens e construções dos faraós do Período de Amarna.

Dinastia XIXEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Menpehtiré Ramessés I
(Mn pḥtj rˁ rˁ ms sw )
(Menophrés[8])
  c.1345 a.C.?
Aváris?
Filho de Seti
1292-1290 a.C. Sitré
pelo menos um filho
junho de 1290 a.C.
Tebas
54-55 anos
Vizir de Horemheb, sucedeu-lhe no trono, inaugurando a Dinastia XIX.
Menmaetré Seti I
(mn m3ˁt rˁ stḫy)
(Sethòs[8])
  c.1324 a.C.
Filho de Menpehtiré Ramessés I e Sitré
1290-1279 a.C. Tuya
quatro filhos
30 de maio de
1279 a.C.[68][69]
Tebas
44-45 anos
Recuperou uma boa parte do território perdido durante o Período de Amarna.
Usermaetré-setpenré Ramessés II O Grande
(wsr-mAat-ra-stp-n-ra
Ra-ms-sw)
(Ozimandias, Rapsaces[8])
  c.1303 a.C.
Filho de Menmaetré Seti I e Tuya
1279-1213 a.C. Nefertari II Meritmut
c.1279 a.C.?
nove filhos

Isetnefert I
depois de 1255 a.C.
cinco filhos

Maathorneferuré (dos Hititas)
fevereiro de 1245 a.C.
Pi-Ramessés
um filho

Meritamon
c.1245 a.C.
sem filhos

Bintanath I
c.1245 a.C.
um filho

Nebetaui
sem filhos

Henutmire
sem filhos

julho ou agosto de
1213 a.C.
Pi-Ramessés
c.89-90 anos
Organizou várias expedições ao Levante, reafirmando a supremacia egípcia na região de Canaã, e continuando a expansão do Império Egípcio, que culminou na Batalha de Kadesh contra os Hititas em 1275 a.C., e no consequente Tratado de Kadesh tratado de paz entre as duas potências.
Banenré-meriamon Merneptah
(b3 n r՚ mri imn mri n pht)
(Ammenephthés[8])
  c.1273 a.C.
Filho de Usermaetré-setpenré Ramessés II e Isetnefert I
1213-1203 a.C. Isetnefert II
cinco filhos

Takhat
sem filhos
2 de maio de
1203 a.C.
Pi-Ramessés
c.69-70 anos
Defendeu o Império de ataques líbios e dos Povos do Mar.
Menmiré-setpenré Amenmesés
(Mn mj r՚ stp.n r՚ imn ms sw)
(Ammenemnés[8])
  ?
Filho de Usermaetré-setpenré Ramessés II ou de Banenré Merneptah e Takhat ou Desconhecido
1203-1200 a.C. Tiye II
sem filhos
c.1200 a.C.
Tebas?
Identidade incerta. Pode ter sido um usurpador.
Userkheperuré Seti II
(wsr ḫprw r՚ stp.n r՚ sthy)
(Ramessés[8])
  ?
Filho de de Banenré Merneptah e Isetnefert II
1203-1193 a.C. Tauseret
sem filhos

Takhat
sem filhos

Tiaa
sem filhos
c.1193 a.C.
Tebas?
Lutou pelo trono com Amenmesés.
Sakhenré-meriamon Merneptah Siptah
(sḫ՚.n r՚ mr imn s3 pth)
  ?
Filho de de Banenré-meriamon Merneptah? e Sutailija
1193-1191 a.C. Não casou c.1191 a.C.
Tebas?
Provavelmente filho de Merneptah, dado que adotou o seu nome quando subiu ao trono, fazendo dele portanto meio-irmão do antecessor.
Sitré-merenamon Tauseret
(s3.t r՚ mry imn t3 wsr.t)
(Thuoris[8])
  ?
Filha de Banenré-meriamon Merneptah e Takhat
1191-1189 a.C. Userkheperuré Seti II
sem filhos
c.1189 a.C.
Tebas?
Meia-irmã e esposa de Seti II, sucede ao também seu meio-irmão, Siptah. Provavelmente incapaz de manter a ordem, foi deposta por uma revolta popular chefiada por Setnakht.

Dinastia XXEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Userkhauré-setepenré-meriamon Setnakht
(wsr ḫ՚w r՚ stp.n r՚ mr imn sth nḫt)
  ? 1189-1186 a.C. Tiye-Mereniset
pelo menos um filho
1186 a.C.
Pi-Ramessés?
Apesar de não estar relacionado com Seti II, Siptah ou Tausret, e não reconhecer a legitimidade dos dois últimos, poderá ser descendente de Ramessés II.
Usermaetré-meriamon Ramessés III
(wsr m3՚t r՚ mr imn
r՚ ms sw)
  1217 a.C.
Pi-Ramessés?
Filho de Userkhauré-setepenré-meriamon Setnakht e Tiye-Mereniset
1186-1156 a.C. Titi
quatro filhos

Iset Ta-Hemdjert
um ou dois filhos

Tiye III
um filho
7 de abril de 1156 a.C.
Pi-Ramessés?
60-61 anos
Lutou contra os Povos do Mar em 1175 a.C.. Foi provavelmente assasinado na sequência de uma conspiração no seu harém.
Heqamaetré-setpenamon
Ramessés IV
(hq3 m3՚t r՚ stp.n imn
r՚ ms sw)
  c.1200 a.C.
Pi-Ramessés?
Filho de Usermaetré-meriamon Ramessés III e Titi
1156-1149 a.C. Duatentopet
um filho
1149 a.C.
Tebas?
c.50-51 anos
No seu reinado começa o declínio do prestígio egípcio.
Usermaetré-sekheperenré Ramessés V
(wsr m3՚t r՚ sḫpr.n r՚
r՚ ms sw)
  c.1175 a.C.
Pi-Ramessés?
Filho de Heqamaetré-setpenamon Ramessés IV e Duatentopet
1149-1145 a.C. Henutuati
sem filhos

Taueretenru
sem filhos
1145 a.C.
Tebas?
c.29-30 anos
Não teve descendência.
Nebmaetré-meriamon Ramessés VI
(nb m3՚t r՚ mr imn
r՚ ms sw)
  c.1180 a.C.
Pi-Ramessés?
Filho de Filho de Usermaetré-meriamon Ramessés III e Iset Ta-Hemdjert
1145-1137 a.C. Nubkhesbed
quatro filhos
2 de novembro de 1137 a.C.
Pi-Ramessés?
c.42-43 anos
No seu reinado, apesar de manter o controlo da Núbia, o Egito perdeu a maior parte das suas posses na Síria-Palestina.
Usermaetré-setpenré-meriamon Ramessés VII
(wsr m3՚t r՚ stp.n r՚ mr imn
r՚ ms sw)
  ?
Pi-Ramessés?
Filho de Nebmaetré-meriamon Ramessés VI e Nubkhesbed
1137-1130 a.C. Desconhecida
um filho
1130 a.C.
Pi-Ramessés?
Não deixou descendência.
Usermaetré-akhenamon
Ramessés VIII
(wsr m3՚t r՚ 3ḫ n imn
r՚ ms sw)
  c.1180 a.C.?
Pi-Ramessés?
Filho de Usermaetré.meriamon Ramessés III e Iset Ta-Hemdjert
1130-1129 a.C. Não casou 1129 a.C.
Pi-Ramessés?
c.48-49 anos
Não deixou descendência.
Neferkaré-setpenré Ramessés IX
(nfr k3 r՚ stp.n r՚
r՚ ms sw)
  Antes de 1164 a.C.?
Pi-Ramessés?
Filho de Montuherkhopshef e Takhat
1129-1111 a.C. Baketuernel
três filhos
1111 a.C.
Pi-Ramessés?
mais de 52-53 anos
Neto de Ramessés III. A presença do seu nome em Canaã pode sugerir que o domínio egípcio na região do Levante ainda não tinha terminado completamente.
Khepermaetré-setpenré Ramessés X
(ḫpr m3՚t r՚ stp.n r՚
r՚ ms sw)
  ?
Pi-Ramessés?
Filho de Neferkaré-setepenré Ramessés IX e Takhat
1111-1107 a.C. Desconhecida
pelo menos um filho
1107 a.C.
Pi-Ramessés?
Um monarca pouco documentado, é o último monarca com domínio atestado na Núbia.
Menmaetré-setpenptah Ramessés XI
(mn m3՚t r՚ stp.n pth
r՚ ms sw)
  ?
Pi-Ramessés?
Filho de Khepermaetré-setpenptah Ramessés X e Desconhecida
1107-1077 a.C. Tentamon
três filhos
c.1078 a.C.
Pi-Ramessés?
Durante o seu reinado, o Egito divide-se novamente, dando início a uma nova fase de problemas internos: os sacerdotes de Amon estabelecem, a partir de 1080 a.C. uma capital em Tebas, onde governam como monarcas.

Terceiro Período Intermediário (1069-715 a.C.)Editar

Após novo colapso do Império Egípcio, por volta de 1080 a.C., emergiu em Tânis a nativa dinastia XXI, que fez frente aos Sumos Sacerdotes de Amon, que, na consequência de uma revolta, haviam ascendido ao poder, fundando uma dinastia sacerdotal em Tebas. Embora não se considerando faraós, foram encontrados os seus nomes em cartuchos e eram enterrados em túmulos reais. Pareciam estar ligados aos faraós da dinastia sua opositora, já que existem alguns faraós da Dinastia XXI que se poderão identificar como sacerdotes ou filhos destes. Esta prerrogativa do clero durou até 943 a.C, coincidindo sensivelmente com a extinção da Dinastia XXI.

Por essa altura o Egito foi invadido pelos Líbios, que fundaram duas dinastias: a XXII e a XXIII, que foram marcadas pelo conflito e repletas de usurpações de poder.

Surgiu mais tarde, uma dinastia nativa, a XXIV, no Delta Oeste. Por volta dessa altura, no entanto, o Egito sofre novo impacto: a chegada dos Núbios, que haviam fundado um reino a sul, com capital em Napata (656–590 a.C.) (e depois em Meroé (590 a.C. – séc. IV d.C.).). Os ocupantes instalaram-e também em Tebas e fundaram a Dinastia XXV, mas acabariam expulsos pelos saítas da Dinastia XXVI, em 653 a.C.

Dinastia XXI: sede em TânisEditar

Nome Imagem Governo Notas
Hedjkheperré-setpenré Esmendes I[70]
 
1077–1051 a.C. Também designado Nesbanebdjed I. Casou com Tentamon, provável filha de Ramessés XI.
Neferkare Heqawaset Amenemnisu
 
1051–1047 a.C. Um reinado obscuro.
Aakheperré Psusennes I
 
(40-51 anos)
1047–1001 a.C.
Também designado Pasebakhenniut I. Filho de Pinedjem I,sumo-sacerdote de Amon. É famoso pelo seu túmulo intacto em Tânis, em prata, que o tornou conhecido como O Faraó de Prata. Foi dos faraós mais poderosos da dinastia.
Usermaetré Amenemope
 
1001–992 a.C. Filho de Psusennes I.
Aakheperré Setepenré Osocor o Velho
 
992–986 a.C. Também designado Osokor. Filho de Sisaque, o Velho, grande chefe dos Meshwesh, na Líbia.
Netjerikheperré-setpenamon
Siamon-meriamon
 
986–967 a.C. De origens desconhecidas, foi no entanto, um dos mais poderosos faraós da dinastia.
Titkheperuré
Psusennes II
 
967–943 a.C. Também designado Pasebakhenniut II.Filho de Pinedjem II, Sacerdote de Amon.

Dinastia Sacerdotal de Amon: sede em TebasEditar

Nome Imagem Governo Notas
Herihor   1080–1074 a.C. Primeiro Sacerdote a reclamar dignidade régia. Governou a partir de Tebas, ainda nos últimos anos do reinado de Ramessés XI, que governava em Pi-Ramessés.
Pianque
 
1074–1070 a.C.
Pinedjem I
 
1070–1032 a.C. Filho de Pianque e pai de Psusennes I.
Masaharta
 
1054–1045 a.C. Filho de Pinedjem I.
Djedkhonsuefankh 1046–1045 a.C. Filho de Pinedjem I.
Menkheperré
 
1045–992 a.C. Filho de Pinedjem I.
Esmendes II
 
992–990 a.C. Também designado Nesbanebdjed II. Filho de Menkheperre.
Pinedjem II
990–976 a.C. Filho de Menkheperre e pai de Psusennes II.
Psusennes III 976–943 a.C. Também designado Pasebakhaennuit III. Possivelmente a mesma pessoa que Psusennes II. Ele ou Pinedjem II são considerados os últimos sacerdotes a considerarem-se faraós.

Dinastia XXII: sede em BubástisEditar

Esta dinastia é de origem líbia, tendo governado o Egipto em paralelo com a XXIII, XXIV e XXV dinastias.

Nome Imagem Governo Notas
Hedjkheperré-setepenré Sisaque I
 
943–922 a.C. Filho de Ninlote, irmão de Osocor o Velho, e Grande Chefe dos Meshwesh, na Líbia
Sekhemkheperré Osocor I
 
922–887 a.C. Filho de Sisaque I.
Heqakheperré Sisaque II (a)
 
887–885 a.C. Provavelmente usurpador.
Tutkheperré
Sisaque II (b)
c.880 a.C.? Faraó de origem desconhecida e posição incerta.
Hedjkheperré Harsiese
 
880–860 a.C. Rebelde em Tebas
Taquelote I
 
885–872 a.C. Filho de Osocor I.
Usermaetré-setepenamon Osocor II
 
872–837 a.C. Filho de Taquelote I.
Usermaetré-setepenré Sisaque III
 
837–798 a.C.
Sisaque IV 798–785 a.C.
Usermaetré-setepenré Pami
100px
785–778 a.C.
Aakheperré Sisaque V
 
- 778–740 a.C.
Usermaetré Osocor IV
 
- 740–720 a.C.

Dinastia XXIII: sede entre Heracleópolis Magna, Hermópolis Magna e TebasEditar

Também de origem líbia, assentaram-se em Heracleópolis Magna, podendo ter, em algum momento trasladado a sua capital para Hermópolis Magna e/ou Tebas.

Nome Imagem Governo Notas
Hedjkheperré-setpenré Taquelote II
 
837–813 a.C. Se antes se pensava pertencer à Dinastia XXII, estudos recentes provaram que poderia ser o fundador da Dinastia XXIII.
Usermaetré-setepenamon Pedubast
 
826–813 a.C. (como rebelde)
813-801 a.C. (como faraó)
Rebelde, tomou Tebas a Taquelote II, proclamando-se depois faraó.
Usermaetré-setepenamon Iuput 812–811 a.C. Governou com Pedubast.
Usermaetré
Sisaque VI
801–795 a.C. Sucedeu a Pedubast. Foi derrubado por Osocor III.
Usermaetré-setepenamon
Osocor III
 
795–767 a.C. Filho de Taquelote II, recuperou Tebas e proclamou-se faraó.
Usermaetré-setepenamon Taquelote III
 
773–767 a.C. (sob Osocor III)

767-765 a.C.
Associado ao governo do pai nos últimos anos de vida deste.
Usermaetré-setepenamon Rudamon
 
765–762 a.C. Filho de Osocor III e irmão de Taquelote III.
Menkheperré Ini
 
Sucedeu a Rudamon em Tebas. 762–? a.C.

Dinastia XXIV: sede em SaísEditar

Nome Imagem Governo Notas
Shepsesre Tefnacte
 
732–725 a.C.
Wahkaré Bócoris
(Bóchoris)
 
725–720 a.C.

Dinastia XXV: sede em Tebas e NapataEditar

Dinastia de reis de Napata de origem cuxita.

Nome Imagem Governo Notas
Usermaetré Piiê
 
744–714 a.C.[71] Rei da Núbia, conquistou o Egito no vigésimo ano de reinado.
Djedkauré Xabataca
 
714–705 a.C.[71] Até à década de 2010 pensava-se que era o sucessor de Xacaba.
Neferkaré Xabaca
 
705–690 a.C.[71] Até à década de 2010 pensava-se que era o antecessor de Xabataca.
Khuinefertemré Taraca
 
690–664 a.C.
Bakaré Tantamani
 
664–653 a.C. Perdeu o controlo do Alto Egito em 656 a.C., quando Psamético I estendeu a sua autoridade a Tebas nesse ano.

Dinastia XXVI: sede em SaísEditar

Nome Imagem Governo Notas
Tefnacte II
(Stephinates)
685–678 a.C. Dada a origem, pode ser descendente da Dinastia XXIV. Pai de Necao I.
Nekauba
(Nechepsos)
678–672 a.C. A sua existência é debatida.
Menkheperré Necao I
 
672–664 a.C. Morto por uma força invasora cuxita em 664 a.C., liderada por Tantamani. Pai de Psamético I.
Wahibré Psamético I
 
664–653 a.C. Reunificou o Egito em 653 a.C. Filho de Necao I e pai de Necao II.

Época Baixa (664-332 a.C.)Editar

Apesar da expulsão de Líbios e Núbios, que marcaram o final do Terceiro Período Intermediário, o Egito nunca mais se livrou de investidas estrangeiras: por duas vezes ainda se viu ocupado pelo Império Aqueménida antes de se integrar no mundo greco-romano.

Dinastia XXVIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Wahibré Psamético I
(w3ḥ jb rˤ psmṯ(j)k)
  ?
Saís?
Filho de Menkheperré Necao I e Istemabet
653-610 a.C. Mehytenweskhet
dois filhos
610 a.C.
Saís?
Reuniu o Egito em 653 a.C..
Wehemibré Necao II
(wḥm ib rˁ nk3w)
  ?
Saís?
Filho de Wahibré Psamético I e Mehytenweskhet
610-595 a.C. Khedebneithirbinet I
quatro filhos
595 a.C.
Saís?
Provavelmente o faraó egípcio que surge como o mais mencionado na Bíblia, dado que interferiu diversas vezes na política de Judá.
Neferibré Psamético II
(nfr ib ra p s m tj k)
  ?
Saís?
Filho de Wehemibré Necao II e Khedebneithirbinet I
595-589 a.C. Takhuit
dois filhos
9 de fevereiro de 589 a.C.
Saís?
Continuou a interferência na política judaica.
Haaibré Wahibré
(ḥˀˀ jb Rˀ w3ḥ jb Rˀ)
(Apriés, Waphres, Hophra)
  ?
Saís?
Filho de Neferibré Psamético II e Takhuit
589-570 a.C. Não casou 567 a.C. Continuou a interferência na política judaica. Fugiu do Egito em 570 a.C., após a proclamação do general Amósis como faraó na sequência de uma guerra civil.
Henemibré Amósis II (III)
(ẖn m jb rˁ jˁḥ ms)
  ?
Saís
Filho de ? e Tashereniset I
570-526 a.C. Tentkheta
um filho

Nakhtubasterau
dois filhos

Ladice de Cirene

Tadiasir?
5826 a.C.
Saís
Usurpador, o seu reinado foi o último de glória egípcia antes da invasão persa.
Ankhkaenré Psamético II
(՚nḫ k3 r՚ psmtk)
  ?
Saís?
Filho de Henemibré Amósis II (III) e Tentkheta
526-525 a.C. Desconhecida
um filho
525 a.C.
Susa
Governou apenas seis meses antes de enfrentar a invasão persa, que culminou na Batalha de Pelúsio, na qual foi capturado por Cambises II da Pérsia, e levado acorrentado para Susa, onde acabou executado.

Dinastia XXVII (Aqueménida)Editar

O Egito foi conquistado pelo Império Persa em 525 a.C., constituindo uma satrapia que integrou o Império até 404 a.C.. Os Xás Aqueménidas do período de dominação foram reconhecidos como faraós, formando-se assim a Dinastia XXVII. A dominação foi pontuada por várias revoltas egípcias.

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Mesutré Cambises
(𐎣𐎲𐎢𐎪𐎡𐎹)
(mswt-rꜤ… kmbyḏt)
  ?
Filho de Ciro II da Pérsia e Cassandana
525-522 a.C. Atossa
sem filhos[72]

Upandush
sem filhos[73]

Faidima
sem filhos[74]

Nitétis do Egito
sem filhos[75]
julho de 522 a.C.
Ecbátana
Imperador Persa como Cambises II, conquistou o Egito após derrotar Psamético III na Batalha de Pelúsio (525 a.C.).
Bardiya
(𐎲𐎼𐎮𐎡𐎹)
(Smerdis)
?
Filho de Ciro II da Pérsia e Cassandana
522 a.C. Phaedima
sem filhos
522 a.C. Irmão de Cambises, usurpador.
Setutré Dário I O Grande
(       , Dārayava(h)uš)
(rꜤ-sttw drjwš)
  c.550 a.C.
Filho de Histaspes da Pérsia e Rodogune
522-486 a.C. Atossa
pelo menso três filhos[72]

Artístone
pelo menos um filho

Parmis
sem filhos

Phratagone
sem filhos

Faidime
sem filhos

Filha desconhecida de Gobrias
pelo menos um filho
outubro de 486 a.C.
c.64 anos
Primo de Ciro II da Pérsia, dado que o bisavô de Dário, Ariaramnes, era irmão de Ciro I, avô de Ciro II. Governou o Império no seu auge, numa extensão que incluía, para além da Pérsia em si (Sudoeste Asiático) e o Egito (Nordeste e outras porções no norte de África), o Cáucaso, partes dos Balcãs (Trácia-Macedónia e Peónia), uma boa parte das costas do Mar Negro, Ásia Central até ao Vale do Indo[76]. Dário organizou e dividiu o seu império em regiões administrativas (ou satrapias), introduziu um sistema monetário uniformizado, reformou estradas, introduziu medidas padrão de pesos e medidas e fez do aramaico a língua oficial do Império, contribuindo para a centralização e unificação do mesmo, que se verificou ainda no seu reinado.[77]
Seheruibré Pedubast III
(shrw ib r՚ P3-dj-B3stt)
  ? 522/21-520 a.C. Provavelmente não casou c.520 a.C. Faraós rebeldes do Egito, nativos. Sem relação com os Aqueménidas.
Nebkaenré/Amósis Psamético IV
(Nb-k3-n-Rˁ psmṯ(j)k)
? c.480 a.C. Provavelmente não casou c.480 a.C.
Xerxes I O Grande
(𐎧𐏁𐎹𐎠𐎼𐏁𐎠, Xšayaṛša)
  c.519 a.C.
Filho de 'Setutré Dário I e Atossa
486-465 a.C. Amástris
c.486 a.C.
cinco filhos
agosto de 465 a.C.
c.53/54 anos
Governou o Império no seu auge. Apesar de falhar as suas investidas na Grécia, em 480 a.C., conseguiu temporariamente uma pequena porção territorial a norte do Istmo de Corinto.[78][79] Contudo, o ganho foi revertido nas batalhas perdidas de Salamina e Plateia. Esmagou ainda revoltas na Babilónia e no Egito. Foi assassinado pelo chefe da guarda imperial.
Artabano O Hircano ? 465-464 a.C. Provavelmente não casou 464 a.C. Chefe da guarda imperial e assassino de Xerxes I. Provavelmente regente.
Artaxerxes I Braço-Longo
(𐎠𐎼𐎫𐎧𐏁𐏂, Artaxšaça)
  ?
Filho de Xerxes I e Amástris
464-424 a.C. Damaspia
um filho

Alogina da Babilónia
um filho

Cosmartidena da Babilónia
um filho

Andia da Babilónia
dois filhos
424 a.C. Esmagou mais um revolta no Egito. Para derrotar os atenienses, na Grécia, apoiou os seus inimigos, estratégia que levou a uma nova batalha, e posteriormente à Paz de Cálias (449 a.C.), entre a Pérsia e as cidades gregas de Argos e Atenas.
Xerxes II
(𐎧𐏁𐎹𐎠𐎼𐏁𐎠, Xšayaṛša)
?
Filho de Artaxerxes I e Damaspia
425-424 a.C. Provavelmente não casou 424 a.C. Reivindicou o trono persa.
Sogdiano
(Sogdyậna)
?
Filho de Artaxerxes I e Alogina da Babilónia
424-423 a.C. Provavelmente não casou 424 a.C. Filho de Artaxerxes I. Não deixou descendência.
Dário II
(       , Dārayava(h)uš)
  ?
Filho de Artaxerxes I e Cosmartidena da Babilónia
423-404 a.C. Filha desconhecida de Gobrias
pelo menos um filho
quatro filhos

Parisátide
treze filhos
404 a.C. Instruiu os seus sátrapas a fazerem uma aliança com Esparta contra Atenas. Esmagou uma rebelião dos Medos. Após a sua morte, o Egito libertou-se do controlo persa.

Dinastia XXVIIIEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Amenirdisu
(ỉmn-ỉr-dỉ-s<w>)
(Amirtaeus)
  ? 404-399 a.C. Não casou outubro de 399 a.C.
Mênfis
Descendente da Dinastia XXVI. Após uma primeira tentativa frustrada em 411 a.C., levou a cabo nova insurreição que libertou o EGito da invasão persa. Contudo não deixou descendência.

Dinastia XXIXEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Baenré Merineteru Nefaarud I
(b3 n r՚ mr ntrw
n3i.f ՚3w rd )
(Nepherites)
  ? 399-393 a.C. Desconhecida
pelo menos um filho
393 a.C. Derrotou Amenirdisu, e fundou uma nova dinastia.
Khenmaetré Hakor
(ẖnm-m3ˁ.t-Rˁ hkr)
(Acoris)
  ?
Filho de Baenré Merineteru Nefaarud I
392-391 a.C.

390-379 a.C.
Desconhecida
pelo menos um filho
393 a.C. Deposto por Psamutes, destronou-o e iniciou um brilhante reinado que constituiu o ponto mais alto da dinastia.
Pasherienmut
(n3i.f ՚3w rd )
(Psammuthis)
  ? c.391-390 a.C. Provavelmente não casou c.379 a.C. Provavelmente usurpador, depôs Hakor, mas foi deposto por este, que regressou ao trono.
Nefaarud II
(n3i.f ՚3w rd )
(Nepherites)
?
Filho de Khenmaetré Hakor
c.379 a.C. Provavelmente não casou c.379 a.C. Após governar por quatro meses, foi deposto e morto por Nectanebo I.

Dinastia XXXEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Kheperkharé Nekhtnebef I
(Ḫpr-k3-Rˁ Nḫt nb.f)
(Nectanebes)
  ?
Filho de Theos
379 - 361/60 a.C. Desconhecida
dois filhos
361/60 a.C. Depôs Nefaarud II.
Irimaetenré Djedhor
(Jrj-m3ˁt-n-Rˁ Ḏd Ḥr)
(Teos, Tachos)
  ?
Kheperkharé Nekhtnebef I
1361/60 - 1358/59 a.C.[80][81] Desconhecida
pelo menos um filho
Depois de 358/59 a.C. Governou provavelmente com o pai por três anos, antes de ascender ao trono. Durante uma campanha contra os Persas, deixou o Egito a cargo do seu irmão, o príncipe Tjahapimu, que, aproveitando-se da impopularidade do irmão, orquestrou a sua deposição, e a aclamação do seu próprio filho, Nekhtnebef.
Nekhtnebef II
(n3i.f ՚3w rd )
(Nectanebes)
  c.380 a.C.[82]
Filho de Tjahapimu
358/59 - 343 a.C. Provavelmente não casou c.340 a.C
c.39/40 anos?
Neto de Nekhtnebef I. No seu reinado, o Egito sofreu uma nova invasão persa, durante a qual foi deposto, Faleceu pouco depois. Nekhtnebef II ficou conhecido por ter sido o último monarca nativo do Egito.

Dinastia XXXI (Aqueménida)Editar

Esta dinastia é constituída por reis persas que governaram o Egipto no segundo período de dominação persa.

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Artaxerxes II
(𐎠𐎼𐎫𐎧𐏁𐏂, Artaxšaça)
  c.425 a.C.
Filho de Artaxerxes II da Pérsia e Estatira
343-338 a.C. Desconhecida
pelo menos dois filhos
entre 26 de agosto e 25 de setembro de 338 a.C
c.87 anos
Imperador Persa como Artaxerxes III, reconquistou o Egito após derrotar Nectanebo II.
Artaxerxes III (Arses)
(𐎠𐎼𐎫𐎧𐏁𐏂, Artaxšaça)
? a.C.
Filho de Artaxerxes II
338-336 a.C. Provavelmente não casou 336 a.C. Imperador Persa como Artaxerxes IV. Reinado marcado por hostilidades com o Reino da Macedónia.
Dário III
(       , Dārayava(h)uš)
  c.425 a.C.
Filho de Artaxerxes II da Pérsia e Estatira
336-332 a.C. Estatira
pelo menos dois filhos
julho de 330 a.C. Neto materno de Artaxerxes II da Pérsia. Perdeu o Egito para a Macedónia em 332 a.C.. Acabou derrotado na Batalha de Gaugamela (331 a.C.) da qual conseguiu fugir. Não sobreviveu porém muito mais tempo.

Período helenístico (332–30 a.C.)Editar

Dinastia MacedónicaEditar

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Setepenré meriamon Alexandre I O Grande
(Ἀλέξανδρος ὁ Μέγας)
(Ꜥlwksjndrs, Aluxsindres)
  20 de julho de 356 a.C.
Pela, Macedónia
Filho de Filipe II da Macedónia e Olímpia do Epiro
332-323 a.C. Roxana da Báctria
um filho

Estatira da Pérsia
324 a.C.
(em bigamia)
sem filhos

Parisátide da Pérsia
324 a.C.
(em trigamia)
sem filhos
10 de junho de 323 a.C.
Babilónia
32 anos
Após conquistar a Pérsia, Alexandre conquistou também o Egito faraónico.
Filipe Arrideu
(Φίλιππος Γ΄ ὁ Ἀρριδαῖος)
(Ꜥplwypwsꜣ, Peluypusa)
  359 a.C.
Filho de Filipe II da Macedónia e Filina de Larissa
323-317 a.C. Eurídice da Macedónia
c.320 a.C.?
sem filhos
25 de dezembro de 317 a.C.
Anfípolis
41-42 anos
Meio-irmão de Alexandre O Grande. Proclamado rei após a morte deste, na verdade os vários reinos de Alexandre foram governados por generais.
Khaibre setepenamon Alexandre II
(Ἀλέξανδρος Δ΄)
(Ꜥlwksjndrs, Aluxsindres)
  agosto de 323 a.C.
Filho de Alexandre I e Roxana da Báctria
317-309 a.C. Não casou agosto/setembro de 309 a.C.
Macedónia
13-14 anos
Não deixou descendência. Com a sua morte o Império formado pelo pai divide-se pelos seus generais: o Egito coube a Ptolemeu.

Dinastia PtolemaicaEditar

(Nota: Numerar os faraós desta dinastia é uma invenção moderna: os gregos distinguiam-nos pelo epíteto ("Filopátor") ou cognome ("Auleta"). A numeração mostrada abaixo é consensual no momento. Contudo, já foi bastante debatida, sobretudo no século XIX, sobre quais dos monarcas deveriam ser contados como reinantes. Como as fontes mais antigas poderem dar numerações mais altas ou mais baixas, os epítetos tornam-se, na verdade, a forma mais confiável para determinar o monarca a que se referem as fontes. Os epítetos gregos estão na sua forma original.)

Nome Imagem Nascimento Governo Consorte Morte Notas
Setepenré meriamon Ptolemeu I Soter
(Πτολεμαῖος Σωτήρ)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  367 a.C.
Macedónia
Filho de Lago (ou Filipe II da Macedónia) e Arsínoe da Macedónia
305-282 a.C. Artakama
324 a.C.
sem filhos

Eurídice da Macedónia
321 a.C.
cinco filhos

Berenice I (da Macedónia)
317 a.C.
(em bigamia?)
três filhos
282 a.C.
Alexandria, Egito
83-84 anos
General de Alexandre O Grande, fundou uma dinastia própria no Egito. Após a morte de Antígono Monoftalmo, reconquistou a Síria e o Chipre. Ficou conhecido como Sóter, ou Salvador
Berenice I
(Βερενίκη A')
(bjrnjkt, Bereniket)
  340 a.C.
Macedónia
Filha de Magas da Macedónia e Antígona da Macedónia
Ptolemeu I Soter
317 a.C.
três filhos
c. 270 a.C.
Egito
c.69-70 anos
Governou o Egito em conjunto com o esposo.
Userkaré meriamon Ptolemeu II Filadelfos
(Πτολεμαῖος Φιλάδελφος)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  309 a.C.
Cós[83]
Filho de Ptolemeu I Soter e Berenice I
285-282 a.C. (sob Ptolemeu I e Berenice I)

282-246 a.C.
Arsínoe I (da Trácia)
c.280 a.C.
três filhos

Arsínoe II Filadelfos (do Egito)
c.274 a.C.
sem filhos
29 de janeiro de 246 a.C.[84]
Alexandria, Egito
83-84 anos
Período áureo da dinastia, com a corte de Alexandria no seu esplendor material e literário. Por ter desposado a irmã, ficou conhecido como Philadelphos, Amado pelo (a) Irmã (o).
Arsínoe I
(Αρσινόη Α’)
(ir-si-nꜢt, Irsinat)
  305 a.C.
Macedónia
Filha de Magas da Macedónia e Antígona da Macedónia
c.280-274 a.C. Ptolemeu II Filadelfos
c.280 a.C.
três filhos
247 a.C.
Copto
c.69-70 anos
Governou o Egito em conjunto com o esposo. Provavelmente por instigação da cunhada, Arsínoe, foi acusada pelo marido de conspirar contra ele, e acabou exilada.
Khnenmetibenmaet Netjeru
Arsínoe II Filadelfos
(Αρσινόη B’ Φιλάδελφος)
(ir-si-nꜢt, Irsinate)
  316 a.C.
Mênfis
Filha de Ptolemeu I Soter e Berenice I
274-268 a.C. Lisímaco I da Trácia
c.300 a.C.
três filhos

Ptolemeu I Cerauno da Trácia
c.281 a.C.
sem filhos

Ptolemeu II Filadelfos
c.274 a.C.
sem filhos
julho de 268 a.C.
Alexandria
c.69-70 anos
Depois de conspirar contra a cunhada, casou com o próprio irmão e governou o Egito com ele. O seu papel como rainha inspérou as suas sucessoras: surgia ãom o irmão em atos públicos, paòtilhava todos os títulos com ele e contribuía para a política eøterna. Por ter desposado o irmãï, ficou conhecida como Philadelphos, Amado pelo (a) Irmã (o).
Iwaensenwinetjerwy setepenré sekhemankhenamïn Ptolemeu III Euergetes
(Πτολεμαῖος Εὐεργέτης)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  284/1 a.C.
Cós[85]
Filho de Ptolemeu II Filadelfos å Arsínoe I
246-222 a.C. Berenice II (de Cirene)
244/3 a.C.
seis filhos
entre ïutubro e dezembro de 222 a.C.[86]
Alexandria, Egéto
83-84 anos
O seu casamento possibilitou a anexação de Cirene. Ficou conhecido como Evérgeta, ou Benfeitor.
Meritnetjerou
Berenice II Euergetes
(Βερενίκη B' Εὐεργέτις)
¼small>(bjrnjkt, Bereniket)
  267/6 a.C.
Filha de Magas de Cirene e Apama II (da Síria)
244-222 a.C. Demétrio I de Cirene
c.250 a.C.
sem filhos

Ptolemeu III Euergetes
244/3 a.C.
seis filhos
221 a.C.
Egito
c.45-46 anos
Governou o Egito em conjunto com o esposo. Além de uma notável administradora, era conhecida como excelente amazona, tendo mesmo entrado em batalhas. Participou nas Olimpíadas por volta de 243 a.C., onde venceu uma corrida de quadrigas. Foi assassinada pelo filho e sucessor, Ptolemeu IV. Ficou conhecida como Evérgeta, ou Benfeitora.
Iwaennetjerwymenekhwy Setepenptah Userkaré Sekhemankhamon Ptolemeu IV Filopator
(Πτολεμαῖος Φιλοπάτωρ)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  maio ou junho de 244 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu III Euergetes e Berenice II Euergetes
222-204 a.C. outubro ou novembro de 220 a.C.
um filho
julho ou agosto de 204 a.C.
Alexandria
40 anos
No seu reinado começou a decadência do Egito Ptolemaico. Assassinou a sua mãe para evitar a sua influência, e diz-se que poderá também ter morto o pai, ficando-lhe o epíteto Filópator (Amado (a) pelo pai) como um sinal irónico do seu ato. Ao longo do seu reinado deixou-se influenciar por vários cortesãos que tomaram as rédeas do poder.
Arsínoe III Téa Filopator
(Ἀρσινόη ἡ Θεά Φιλοπάτωρ)
(ir-si-nꜢt, Irsinat)
  246 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu III Euergetes e Berenice II Euergetes.
220-204 a.C. 204 a.C.
Alexandria
41-42 anos
Governou o Egito em conjunto com o esposo. Foi a primeira rainha da dinastia a conceber um filho do próprio irmão. Ficou conhecida como Téa Filópator (Deus (a) amado (a) pelo pai).
Agátocles ? 204-202 a.C. Desconhecida 202 a.C. Cortesãos de Ptolemeu IV, assassinaram Arsínoe III para que esta não tomasse a regência. Em 202 a.C. foram expulsos do poder pelo general Tlepólemo.
Sosíbio ? Desconhecida depois de 202 a.C.?
Tlepólemo ? 202-201 a.C. Desconhecida 202 a.C. A sua conduta e gastos frívolos levou a que fosse retirado do poder.
Aristómenes de Alizeia ? 201-197 a.C. Desconhecida depois de 196 a.C. Governou durante o último período de regência do faraó. Permaneceu no poder como chefe dos ministros quando o monarca atingiu a maioridade.
Horwennefer antes de 205 a.C. 205-197 a.C. Desconhecida
pelo menos um filho
depois de 197 a.C. Faraó rebelde a sul.
Iwaennetjerwymer(wy)it Setepenptah Userkaré Sekhemankhamon Ptolemeu V Epifanes Eucaristos[87]
(Πτολεμαῖος Ἐπιφανής)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  9 de outubro de 210 a.C.[88]
Alexandria
Filho de Ptolemeu IV Filopator e Arsínoe III Filopator
197-180 a.C. 193 a.C.
Rafa
três filhos
180 a.C.
Alexandria
29-30 anos
Reinado marcado por guerras externas com a Macedónia e a Síria, e também internas, com faraós rebeldes a contestarem o seu poder no Egito. Conhecido como Epifanes (O Ilustre).
Cleópatra I Téa Epifanes Sira
(Κλεοπάτρα A' Θεά Ἐπιφανής Σύρα)
(Kluapadrat)
  204 a.C.
Filha de Antíoco III da Síria e Laódice III (de Ponto)
193-180 a.C. abril ou maio de 176 a.C.[89]
Alexandria
27-28 anos
Governou o Egito em conjunto com o esposo, e depois sozinha, como regente, sendo a primeira rainha a fazê-lo. Parou a preparação de uma invasão à Síria que o seu esposo planeava fazer antes de falecer.
180-176 a.C.
Ankhwennefer antes de 197 a.C.
Filho de Horwennefer
197-185 a.C. Desconhecida depois de 185 a.C. Faraó rebelde a sul.
Iwaennetjerwyperu Setepenptahkheperi Irimaetamonré Ptolemeu VI Filometor
(Πτολεμαῖος Φιλομήτωρ)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  entre 7 de maio e 5 de junho de 186 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu V Epifanes Eucaristos e Cleópatra I Téa Epifanes Sira
176-164 a.C.

163-145 a.C.
Cleópatra II Filometor Soteira
173 a.C.
Alexandria
cinco filhos
145 a.C.
Antioquia
40-41 anos
Reinado marcado pelo conflito com a Síria pela posse da Cele-Síria, que o Egito reclamava como sua através de um suposto dote de Cleópatra I. Este conflito impopularizou Ptolemeu, que, durante uma viagem a Roma para pedir auxílio para os seus propósitos, viu o seu trono tomado pelo seu irmão homónimo. Contudo, após depor o irmão e regressar ao trono, e pouco antes de falecer, conseguiu ocupar a Síria, conquistar Selêucia e coroar-se Rei da Ásia. O seu epíteto, Filometor (Amado (a) pela mãe) poderá estar relacionado com a regência da mãe nos primeiros anos de reinado.
Cleópatra II Filometor Soteira
(Κλεοπάτρα Φιλομήτωρ Σωτήιρα)
(Kluapadrat)
  185 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu V Epifanes Eucaristos e Cleópatra I Téa Epifanes Sira
173-164 a.C.

163-127 a.C.

124-116 a.C.
Ptolemeu VI Filometor
173 a.C.
Alexandria
cinco filhos

Ptolemeu VII Euergetes Fiscon
145 a.C.
Alexandria
um filho
116 a.C.
Alexandria
68-69 anos
Governou o Egito em conjunto com Ptolemeu VI; seguidamente foi regente do filho, Ptolemeu VIII até ao seu assassinato no ano seguinte; e por fim governou com Ptolemeu VII, com quem teve várias divergências: em 131 a.C. depôs o novo esposo (e também irmão), e governou o Egito sozinha. Em 127 foi deposta e em 124 reconciliou-se com o esposo, com quem governou até à morte, em 116 a.C.. Conhecida como Filometor (Amado (a) pela mãe) e Soteira (Salvadora).
Antíoco IV Epifanes da Síria
(Ἀντίοχος Δ΄ ὁ Ἐπιφανής)
  215 a.C.
Filho de Antíoco III da Síria e Laódice III (de Ponto)
168 a.C. Laódice IV
c.170 a.C.
cinco filhos
novembro ou dezembro de 164 a.C. Rei da Síria, invadiu o Egito em c. 168 a.C. COnhecido como Epifanes (Ilustre ou Manifestação Divina).
Iwaennetjerwyperwy setepenptah irimaetré sekhemankhenamon Ptolemeu VII (VIII) Euergetes Fiscon[90]
(Πτολεμαῖος Εὐεργέτης)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  182 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu V Epifanes Eucaristos e Cleópatra I Téa Epifanes Sira
164-163 a.C.

145-132 a.C.

126-116 a.C.
Cleópatra II Filometor Soteira
145 a.C.
Alexandria
um filho

Cleópatra III Euergetes Filometor Soteira Kokke
139 a.C.
Alexandria
cinco filhos
26 de junho de 116 a.C.
Alexandria
65-66 anos
Reinado marcado pelo conflito familiar: consegue depor os irmãos, Ptolemeu VI e Cleópatra II, em 164, para ser deposto pelos mesmos no ano seguinte; regressa em 145, após a morte do irmão, para casar com a irmã viúva. Casa-se simultaneamente com a filha desta (e sobrinha), Cleópatra III. Contudo, ambos acabam depostos por Cleópatra II em 132, governando ela o Egito sozinha, até nova investida dele e de Cleópatra III, que recuperam o trono em 126. Em 124 reconcilia-se com Cleópatra II e os três governam novamente em conjunto até 116 a.C., data da sua morte.
Ptolemeu VIII (VII) Neos Filopator[91]
(Πτολεμαῖος Νέος Φιλοπάτωρ)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  152 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu VI Filometor e Cleópatra II Filometor Soteira
145-144 a.C. Não casou 144 a.C.
Alexandria
7-8 anos
Proclamado faraó pela mãe, mas é assassinado pelo tio-padrasto, Ptolemeu VII. Conhecido como Neos Filopator (Novo (a) amado (a) pelo pai). Há hipóteses de nem sequer ter acedido ao poder e ter-lhe sido concedida dignidade régia apenas postumamente.
Cleópatra III Euergetes Filometor Soteira Kokke
(Κλεοπάτρα Εὐεργέτις Φιλομήτωρ Σωτήιρα)
(Kluapadrat)
  c.160 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu VI Filometor e Cleópatra II Filometor Soteira
139-132 a.C.

126-101 a.C.
Ptolemeu VII Euergetes Fiscon
139 a.C.
Alexandria
cinco filhos
101 a.C.
Alexandria
c.58-59 anos
Governou o Egito em conjunto com Ptolemeu VII; deposta pela mãe em 132, recupera, com o esposo e tio, o trono em 127. Em 124 o esposo e a mãe reconciliaram-se, e governaram os três em conjunto até à morte daqueles em 116 a.C.. A partir daí, governando com os filhos, Ptolemeu IX e Ptolemeu X, teve de gerir o seu poder no conflito que cedo minou a relação entre os irmãos. Acabou assassinada pelo filho, Ptolemeu X, em 101 a.C. Conhecida como Euergetes (Benfeitor (a)), Filometor (Amado (a) pela mãe) e Soteira (Salvadora). Também terá usado o epíteto Kokke, segundo Estrabão.
Ptolemeu Menfites
(Πτολεμαῖος Μεμφίτης)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
144 a.C.
Mênfis
Filho de Ptolemeu VII Euergetes Fiscon e Cleópatra II Filometor Soteira
131 a.C. Não casou 131 a.C.
Alexandria
12-13 anos
Proclamado faraó pela mãe, em rebeldia contra o pai, mas é assassinado por este.
Harsiesi antes de 131 a.C. 131-130 a.C. Desconhecida setembro de 130 a.C. Faraó rebelde a sul.
Iwanetjermeneknetjeret Meretmutesnedjet Setepenptah Irimaetré Sekhemankhamon Ptolemeu IX Soter Latiros[92]
(Πτολεμαῖος Σωτήρ Λάθυρος)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  18 de fevereiro de 142 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu VII Euergetes Fiscon e Cleópatra III Euergetes Filometor Soteira Kokke
116-110 a.C.

110-109 a.C.

88-80 a.C.
Cleópatra IV
c.119/18 a.C.
Alexandria
(anulado em 115 a.C.)
provavelmente dois filhos

Cleópatra Selene I
115 a.C.
Alexandria
(anulado em 107 a.C.)
pelo menos um filho
março de 80 a.C.
Alexandria
62 anos
Reinado marcado pelo conflito familiar: deposto peal mãe e pelo irmão, foge para o Chipre, de onde consegue regressar em 88 a.C..
Cleópatra IV
(Κλεοπάτρα)
(Kluapadrat)
138 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu VII Euergetes Fiscon e Cleópatra III Euergetes Filometor Soteira Kokke
116-115 a.C. Ptolemeu IX Soter Latiros
c.119/18 a.C.
Alexandria
(anulado em 115 a.C.)
provavelmente dois filhos

Antíoco IX Eusebes Cisicenos da Síria
113/12 a.C.
Chipre
provavelmente um filho
112 a.C.
Antioquia
25-26 anos
Governou em conjunto com o esposo-irmão, mas cedo acabou expulsa pela mãe, que casou Ptolemeu com outra irmã, Cleópatra Selene. Casando novamente na Síria, acabou por constituir uma ameaça para a sua irmã Trifena, que ordenou o seu assassinato, em Antioquia.
Cleópatra Selene I
(Κλεοπάτρα Σελήνη)
(Kluapadrat)
135 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu VII Euergetes Fiscon e Cleópatra III Euergetes Filometor Soteira Kokke
115-110 a.C.

110-109 a.C.

107-103 a.C.
Ptolemeu IX Soter Latiros
115 a.C.
Alexandria
pelo menos um filho

Ptolemeu X Alexandre I
107 a.C.
Alexandria
(anulado em 103 a.C.)
um filho

Antíoco VIII Epifanes Calinicos Filometor Gripos da Síria
102 a.C.
sem filhos

Antíoco IX Eusebes Cisicenos da Síria
96 a.C.
sem filhos

Antíoco X Eusebes Filopator da Síria
95 a.C.
três filhos
69 a.C.
Selêucia
25-26 anos
Favorecida pela mãe em detrimento de Cleópatra IV, acabou um peão no jogo político da mãe, oque explica o seu elevado número de casamentos.Casando com os seus dois irmãos, conseguiu estabelecer por algum tempo o seu poder no Egito. O divórcio de Ptolemeu X, em 103, fez com que a mãe a conduzisse para a Síria, conde desposou mais três monarcas desse reino. Acabaria inclusive por chegar a rainha reinante da Síria, a partir de 82 a.C..
Iwanetjermenekhenetjeret Menkhetré Setepenptah Irimaetré Senenankhenamon Ptolemeu X Alexandre I
(Πτολεμαίος Αλέξανδρος)
(ptwꜢlwmys Ꜥlksntrs, Petualumys Aleksentres)
  140 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu VII Euergetes Fiscon e Cleópatra III Euergetes Filometor Soteira Kokke
110 a.C.

109-88 a.C.
Cleópatra Selene I
107 a.C.
Alexandria
(anulado em 103 a.C.)
um filho

Cleópatra Berenice III Téa Filopator
101 a.C.
Alexandria
um filho
março de 88 a.C.
51-52 anos
Reinado marcado pelo conflito familiar: consegue depor o irmão por duas vezes, antes de assassinar a mãe, em 101 a.C.. O povo, revoltado contra ele, força-o a exilar-se, uma primeira vez na Síria e depois no Chipre, e a caminho desta ilha acabou assassinado.
Iripatet Wer(et)hesu(t) Cleópatra Berenice III Téa Filopator
(Κλεοπάτρα Βερενίκη Θεά Φιλοπάτωρ)
(bjrnjkt, Kluapadrat Bereniket))
  120 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu IX Soter Latiros e Cleópatra Selene I
101-88 a.C.

81-80 a.C.
Ptolemeu X Alexandre I
101 a.C.
Alexandria
um filho

Ptolemeu XI Alexandre II
80 a.C.
Alexandria
sem filhos
80 a.C.
Alexandria
39-40 anos
Reinado marcado pelo conflito familiar: casada com o tio, Ptolemeu X, herda o trono do pai, Ptolemeu IX. Contudo, é forçada a casar com o primo, Ptolemeu XI, que 19 dias depois a manda asssassinar.
Ptolemeu XI Alexandre II
(Πτολεμαίος Αλέξανδρος)
(ptwꜢlwmys Ꜥlksntrs, Petualumys Aleksentres)
105 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu X Alexandre I e Cleópatra Selene I
80 a.C. Cleópatra Berenice III Téa Filopator
80 a.C.
Alexandria
sem filhos
80 a.C.
Alexandria
24-25 anos
Reinado marcado pelo conflito familiar: ordena o assassinato da sua esposa, Berenice III, 19 dias depois de casarem. O povo de Alexandria, revoltado contra ele, invade o palácio e assassina-o.
Iwa'enpanetjernehem Setepenptah Irimaetenré Sekhemankhimen Pa Netjermery It Senet Usiri Hunu Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes
(Πτολεμαῖος Νέος Διόνυσος Θεός Φιλοπάτωρ Θεός Φιλάδελφος Αὐλητής)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  117 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu IX Soter Latiros e (provavelmente) Cleópatra IV
80-58 a.C.

55-51 a.C.
79 a.C.
Alexandria
seis filhos?
51 a.C.
Alexandria
65-66 anos
Em 58 a.C. foi forçado a exilar-se, e nessa altura as suas filhas mais velhas tomaram o controlo. Consegue expulsar a sua filha Berenice em 55 a.C., regressando então ao trono. Ficou conhecido como Neos Dionisos (O Novo Dioniso), Téos Filopator (Deus amado pelo pai), Téos Filadelfos (Deus amado pelo irmão), e ainda Auletes (O Flautista). A designação alternativa de Nothos (O Bastardo) põe em causa a sua filiação, já que não é certa a sua filiação em Cleópatra IV.
Cleópatra V Trifena
(Κλεοπάτρα Τρύφαινα)
(Kluapadrat)
95 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu IX Soter Latiros e de mulher desconhecida (ou Ptolemeu X Alexandre I e Cleópatra Berenice III Téa Filopator)
79-69/57 a.C. 69 (ou 57?) a.C.
Alexandria
26-27 (ou 37-38 anos)
Tradicionalmente terá falecido em 69, ano em que desaparece da documentação. Contudo parece surgir ao lado de Ptolemeu XII, mais tarde, uma Cleópatra Trifena, que não parece ser sua filha, mas ela própria. Para os defensores da teoria que ela continuou a viver após 69, terá sido ela a governar junto a sua filha Berencie IV durante o exílio do marido.
Cleópatra VI Trifena
(Κλεοπάτρα Τρύφαινα)
(Kluapadrat)
75 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes e Cleópatra V Trifena)
58-57 a.C. Não casou 57 a.C.
Alexandria
21-22 anos
Tradicionalmente filha mais velha de Ptolemeu XII,[93] governou com a sua irmã Berenice IV, pelo menos por um ano. Surgiu, mais recentemente uma nova teoria, na qual esta Cleópatra seria uma duplicação de Cleópatra V, que teria sobrevivido a 69 a.C., e governado com a sua filha Berenice. A comprovar esta teoria, Estrabão refere que Ptolemeu teve três filhas: Berenice, Cleóptara e Arsínoe, das quais Berenice seria a mais velha e a única legítima, não havendo espaço para uma outra Cleópatra.[94]
Cleópatra Berenice IV Epifaneia
(Κλεοπάτρα Βερενίκη Επιφανεία)
(Kluapadrat)
77 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes e Cleópatra V Trifena
58-55 a.C. Seleuco (I) Filometor Cibiosactes
c.58 a.C.
sem filhos

Arquelau
56 a.C.
sem filhos
abril de 55 a.C.
Alexandria
21-22 anos
Provavelmente a filha mais velha e a única legítima, segundo Estrabão.[95] Governou com a irmã, ou com a mãe, sabendo-se que provavelmente terá envenenado esta sua co-governante. Casou por duas vezes: envenenou o primeiro esposo, e o pai assassinou o segundo.
Seleuco Filometor Cibiosactes
(Σέλευκος Φιλομήτωρ Κυβιοσάκτης)
c.95 a.C.
Filho de Antíoco X Eusebes Filopator da Síria e Cleópatra Selene I
58 a.C. Cleópatra Berenice IV Epifaneia
c.57 a.C.
sem filhos
57 a.C.
Alexandria
21-22 anos
Também rei da Síria. Governou com a esposa, até ser assassinado por esta.
Arquelau
(Ἀρχέλαος)
? a.C.
Filho de Arquelau
56-55 a.C. Desconhecida
antes de 56 a.C.
dois filhos

Cleópatra Berenice IV Epifaneia
c.56 a.C.
sem filhos
janeiro ou fevereiro de 55 a.C.
Alexandria
Governou com a segunda esposa, até ser assassinado pelo pai de Berenice, aquando do regresso deste.
Cleópatra VII Filopator
(Κλεοπάτρα Φιλοπάτωρ)
(Kluapadrat)
  69 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes e Cleópatra V Trifena
51-30 a.C. Ptolemeu XIII Téo Filopator
c.51 a.C.
sem filhos

Ptolemeu XIV
c.47 a.C.
sem filhos

Marco António
32 a.C.
três filhos
10/12 de agosto de 30 a.C.
Alexandria
38-39 anos
Ascendeu ao trono após a morte do pai, em 51 a.C.. Governou com os irmãos-esposos, Ptolemeu XIII e Ptolemeu XIV, e mais tarde viria associar o filho, Ptolemeu XV. Conseguiu equilibrar as crescentes influências romanas com as suas alianças com o ditador Júlio César e mais tarde o general Marco António. O seu governo pró-romano contou, no entanto, com a oposição da irmã, Arsínoe IV, que mandaria assassinar em 47 a.C..
Ptolemeu XIII Téo Filopator
(Πτολεμαῖος Θεός Φιλοπάτωρ)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
62 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes e Cleópatra V Trifena
51-47 a.C. Cleópatra VII Filopator
c.51 a.C.
sem filhos
13 de janeiro de 47 a.C.
Alexandria
14-15 anos
Ascendeu ao trono após a morte do pai, em 51 a.C.. Governou com a irmã-esposa, Cleópatra VII, mas viria a contestar a sua autoridade.
Arsínoe IV
(Ἀρσινόη)
(ir-si-nꜢt, Irsinat)
  c.60 a.C.
Alexandria
Filha de Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes e Cleópatra V Trifena
48-47 a.C. Não casou 41 a.C.
Éfeso
18-19 anos
Contestou o governo da irmã, que, após a expulsar, viria a ordenar o seu assassinato
Ptolemeu XIV
(Πτολεμαῖος)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  60 a.C.
Alexandria
Filho de Ptolemeu XII Neos Dionisos Téos Filopator Téos Filadelfos Auletes e Cleópatra V Trifena
47-44 a.C. Cleópatra VII Filopator
c.47 a.C.
sem filhos
entre 26 de julho e 2 de setembro de 44 a.C.
Alexandria
15-16 anos
Ascendeu ao trono após casar com a irmã, Cleópatra, que, após a morte de Júlio César, poderá ter ordenado o seu assassinato para associar mais cedo o filho que teve daquele ditador, Ptolemeu XV.
Ptolemeu XV Filopator Filometor Caesarion
(Πτολεμαῖος Φιλοπάτωρ Φιλομήτωρ Καισαρίων)
(ptwꜢlwmys, Petualumys)
  23 de junho de 47 a.C.
Alexandria
Filho (ilegítimo) de Júlio César e Cleópatra VII Filopator
44-30 a.C. Não casou 23 de agosto de 30 a.C.
Alexandria
17 anos
Foi associado ao poder pela mãe. Governou sozinho por onze dias, desde a morte da mãe, a 12 de agosto, até 23 de agosto, quando o Imperador Octaviano ordenou a sua morte.

Referências

  1. Thomas Schneider: Lexikon der Pharaonen. Albatros, Düsseldorf 2002, ISBN 3-491-96053-3, p. 259.
  2. Morenz 2004, p. 114; 118.
  3. Dreyer 1998, p. 177-179.
  4. P. Tallet, D. Laisnay: Iry-Hor et Narmer au Sud-Sinaï (Ouadi 'Ameyra), un complément à la chronologie des expéditios minière égyptiene. In: Bulletin de L'Institute Français D'Archéologie Orientale (BIFAO) 112. Ausgabe 2012, S. 381–395
  5. Günter Dreyer: Horus Krokodil, ein Gegenkönig der Dynastie 0. In: Renee Friedman and Barbara Adams (Hrsg.): The Followers of Horus, Studies dedicated to Michael Allen Hoffman, 1949–1990 (= Egyptian Studies Association Publication, vol. 2). Oxbow Publications, Bloomington (IN) 1992, ISBN 0-946897-44-1, p. 259–263.
  6. Jürgen von Beckerath: Handbuch der ägyptischen Königsnamen (= Münchner ägyptologische Studien, vol. 49. von Zabern, Mainz 1999, ISBN 3-8053-2591-6, p. 36–37.
  7. Wilkinson 1999, p. 38, 56 & 57.
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl bm bn bo bp bq br bs bt bu bv bw bx Chronologie de Manéthon
  9. Wilkinson 1999, p. 5 & 174.
  10. Owen Jarus: Name of queen Neith-hotep found at Wadj Ameyra. In: Live Science, 19. January 2016 (online). (Englisch)
  11. Wolfgang Helck: Untersuchungen zur Thinitenzeit (= Ägyptologische Abhandlungen (ÄA), Vol. 45). Harrassowitz, Wiesbaden 1987, ISBN 3-447-02677-4, p. 124.
  12. a b c Wolfgang Helck: Untersuchungen zur Thinitenzeit (Agyptologische Abhandlungen), ISBN 3-447-02677-4, O. Harrassowitz (1987), p. 124
  13. Teeter, Emily (ed.). Before the Pyramids, The Origins of Egyptian Civilization. The Oriental Institute of the University of Chicago, 2011, p. 207
  14. William Matthew Flinders Petrie: The Royal Tombs of the Earliest Dynasties. Cambridge University Press, New York 2013 (reprint of 1901), ISBN 1-108-06612-7, p. 49.
  15. Nicolas-Christophe Grimal: A History of Ancient Egypt. Blackwell, Oxford UK/ Cambridge USA 1992, ISBN 978-0-631-19396-8, p. 53.
  16. Peter Clayton: Chronicle of the Pharaohs. Thames & Hudson Ltd, 1994. p.25
  17. Wolfgang Helck: Untersuchungen zur Thinitenzeit. In: Ägyptologische Abhandlungen Band 35, Harrassowitz, Wiesbaden 1987, ISBN 3-447-02677-4, page 124.
  18. Wilkinson 1999, p. 83-84.
  19. Dietrich Wildung: Die Rolle ägyptischer Könige im Bewußtsein ihrer Nachwelt. Teil I. Posthume Quellen über die Könige der ersten vier Dynastien. In: Münchener Ägyptologische Studien, vol. 17. Deutscher Kunstverlag, Munich/Berlin 1969, p. 31–33.
  20. a b Wilkinson 1999, p. 79.
  21. Pascal Vernus, Jean Yoyotte, The Book of the Pharaohs, Cornell University Press 2003, p.27
  22. Jürgen von Beckerath: Handbuch der ägyptischen Königsnamen. 2. verbesserte und erweiterte Auflage. von Zabern, Mainz 1999, S. 44–45
  23. Wilkinson 1999, p. 75–76.
  24. Jürgen von Beckerath: Handbuch der ägyptischen Königsnamen. 2. verbesserte und erweiterte Auflage. von Zabern, Mainz 1999, S. 44–45
  25. [1] King Khasekhem
  26. [2] King Khasekhemwy
  27. Wilkinson 1999, p. 79; 258.
  28. Clayton (1994) p.32
  29. Mark Lehner: Geheimnis der Pyramiden. Econ, Düsseldorf 1997, ISBN 3-572-01039-X, S. 94–96.
  30. Joyce Tyldesley. Chronicle of the Queens of Egypt. Thames & Hudson. 2006. ISBN 0-500-05145-3
  31. Gundacker: Genealogie. S. 24–26
  32. Gizapyramids website Arquivado em 2008-10-11 no Wayback Machine., page for G 7650
  33. Joyce Tyldesley. Chronicle of the Queens of Egypt. Thames & Hudson. 2006. ISBN 0-500-05145-3
  34. Grimal 1992, p. 72.
  35. Gundacker: Genealogie. S. 24–26
  36. Jürgen von Beckerath: Chronologie des pharaonischen Ägypten. Die Zeitbestimmung der ägyptischen Geschichte von der Vorzeit bis 332 v. Chr. (= Münchner ägyptologische Studien, vol. 46). von Zabern, Mainz 1997, ISBN 3-8053-2310-7, p. 158.
  37. Shaw 2000, p. 480.
  38. a b c d e f g Clayton 1994, pp. 60–63.
  39. a b c d e f g Rice 1999, p. 173.
  40. a b c d e f Málek 2000a, p. 100.
  41. William C. Hayes, in The Cambridge Ancient History, vol 1, part 2, 1971 (2008), Cambridge University Press, ISBN 0-521-077915, pp. 467–78.
  42. Margaret Bunson: Encyclopedia of Ancient Egypt, Infobase Publishing, 2009, ISBN 978-1-4381-0997-8, available online, see p. 181
  43. a b c Wolfram Grajetzki (2006) pp. 27–28
  44. Leprohon 2013, p. 59.
  45. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl bm bn bo bp bq br bs bt bu bv bw bx by Ryholt 1997.
  46. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Thomas Schneider: Lexikon der Pharaonen, Albatros, Düsseldorf 2002, ISBN 3-491-96053-3
  47. a b c d e f Darrell D. Baker: The Encyclopedia of the Pharaohs: Volume I - Predynastic to the Twentieth Dynasty 3300–1069 BC, Stacey International, ISBN 978-1-905299-37-9, 2008, p. 245
  48. Jürgen von Beckerath: Untersuchungen zur politischen Geschichte der Zweiten Zwischenzeit in Ägypten, Glückstadt, 1964
  49. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Jürgen von Beckerath: Chronologie des pharaonischen Ägyptens, Münchner Ägyptologische Studien 46, Mainz am Rhein, 1997
  50. a b c d e f g Detlef Franke: Zur Chronologie des Mittleren Reiches (12.-18. Dynastie) Teil 1 : Die 12. Dynastie, in Orientalia 57 (1988)
  51. New arrangement of the 13th dynasty, on digital Egypt.
  52. Jürgen von Beckerath: Untersuchungen zur politischen Geschichte der Zweiten Zwischenzeit in Ägypten, Glückstadt, 1964
  53. Hayes, William C. (1973). "Egypt: From the death of Ammenemes III to Seqenenre II". The Cambridge Ancient History. 2. Cambridge: Cambridge University Press.
  54. Iorwerth Eiddon Stephen Edwards, ed. (1970). Cambridge Ancient History. Cambridge: Cambridge University Press. p. 59. ISBN 0-521-08230-7 
  55. A forma Hicso, como comummente se designa o povo invasor da Dinastia XV, provém do egípcio Heka-chasut, que somente significa estrangeiro. Assim, Hicso não era o povo invasor em si, mas apenas o nome dado à sua condição externa à sociedade egípcia.
  56. Detlef Franke: Zur Chronologie des Mittleren Reiches. Teil II: Die sogenannte Zweite Zwischenzeit Altägyptens, In Orientalia 57 (1988), p. 259
  57. Ryholt 1997, p. 164.
  58. «Giant Sarcophagus Leads Penn Museum Team in Egypt To the Tomb of a Previously Unknown Pharaoh». Penn Museum. Janeiro de 2014. Consultado em 16 de janeiro de 2014 
  59. Marcel Marée: A sculpture workshop at Abydos from the late Sixteenth or early Seventeenth Dynasty, in: Marcel Marée (editor): The Second Intermediate period (Thirteenth-Seventeenth Dynasties), Current Research, Future Prospects, Leuven, Paris, Walpole, MA. 2010 ISBN 978-90-429-2228-0. p. 247, 268
  60. Jürgen von Beckerath: Untersuchungen zur politischen Geschichte der Zweiten Zwischenzeit in Ägypten, Glückstadt, 1964
  61. Jürgen von Beckerath: Handbuch der ägyptischen Königsnamen, Münchner ägyptologische Studien 49, Mainz 1999.
  62. Seneb Kay, el faraón perdido Publico.es - em Espanhol
  63. Tumba de faraó desconhecido é descoberta no Egito Arquivado em 16 de janeiro de 2014, no Wayback Machine. Eco Finanças com fonte da agencia Estado - em Português
  64. The tomb of a previously unknown Egyptian pharaoh has been discovered by Egyptian archaeologists. Internacional Business Times - em Inglês
  65. New Pharaonic Tomb Discovered in Egypt ABC News em Inglês
  66. Wolfgang Helck, Eberhard Otto, Wolfhart Westendorf, Stele - Zypresse: Volume 6 of Lexikon der Ägyptologie, Otto Harrassowitz Verlag, 1986, Page 1383
  67. James P. Allen, "The Military Campaign of Thutmose III" in Hatshepsut: From Queen to Pharaoh, ed. Catherine Roehrig, The Metropolitan Museum of Art New York, Yale University Press, 2005, p. 261.
  68. Jürgen von Beckerath, Chronologie des Pharaonischen Ägypten, Magonza, Philipp von Zabern, 1997, ISBN 3-8053-2310-7. pp. 108, 190.
  69. Brand, Peter J. (2000). The Monuments of Seti I: Epigraphic, Historical and Art Historical Analysis. NV Leiden: Brill. ISBN 90-04-11770-9. pp. 302-5
  70. Cerny 1980, p. 645.
  71. a b c F. Payraudeau, Retour sur la succession Shabaqo-Shabataqo, Nehet 1, 2014, p. 115-127
  72. a b Boyce, Mary (1982). A History of Zoroastrianism: Volume II: Under the Achaemenians (em inglês). [S.l.]: BRILL. p. 78. ISBN 9004065067. Consultado em 12 de julho de 2018 
  73. Kurht, A. (2003). «The šumar of Cambyses and Hystaspes». In: Henkelman, W.F.M. Achaemenid history XIII: A Persian Perspective: Essays in Memory of Heleen Sancisi-Weerdenburg. Leiden: [s.n.] pp. 101–172. OCLC 889217300 
  74. Herodotus; Beloe, William (1830). Herodotus: Translated from the Greek, with Notes and Life of the Author. [S.l.]: Jones Publishing. p. 159 
  75. Herodotus. History of Herodotus. [S.l.: s.n.] 
  76. The Behistun Inscription
  77. Pollard, Elizabeth (2015). Worlds Together, Worlds Apart concise edition vol.1. New York: W.W. Norton & Company, Inc. 132 páginas. ISBN 978-0-393-25093-0 
  78. Lazenby, J.F. (1993). The Defence of Greece, 490-479 B.C. [S.l.]: Aris & Phillips. ISBN 9780856685910. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  79. Brian Todd Carey, Joshua Allfree, John Cairns. Warfare in the Ancient World Pen and Sword, 19 jan. 2006 ISBN 1848846304
  80. Lloyd 1994, p. 358.
  81. Depuydt 2006, p. 270.
  82. Emmanuel K. Akyeampong and Henry Louis Gates, Jr (2012). «"Dictionary of African Biographies - Gooogle Books». Oxford University Press. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  83. Teócrito, Encomio di Tolomeo, v. 64; Clayman 2014, p. 67; Hölbl 2001, p. 24
  84. Bierbrier 2008, p. 184; Whitehorne 2002, p. 204
  85. Bierbrier 2008, p. 184; Van Oppen de Ruiter 2016, p. 146; Whitehorne 2002, p. 204
  86. Bierbrier 2008, p.184; Whitehïrne 2002, p.204.
  87. Hölbl 2001, p. 133
  88. A data de nascimento do monarca está na Pedra de Roseta. Hölbl 2001, p. 133; Whitehorne, p. 205
  89. Werner Huß, Ägypten in hellenistischer Zeit (Egypt in Hellenistic times). Munich 2001, p. 540
  90. Geralmente numerado VIII, mas segundo as nomenclaturas mais antigas era numerado VII, o que dado a cronologia apresentada parece mais coerente, dado que foi o governante que se seguiu a Ptolemeu VI, mesmo que como usurpador e inicialmente por somente um ano.
  91. Geralmente numerado VII, mas segundo as nomenclaturas mais antigas era numerado VIII, o que dado a cronologia apresentada parece mais coerente, dado que, apesar de ter sucedido ao seu pai Ptolemeu VI, este teve um interregno em 164-163 durante o qual governou um outro Ptolemeu, seu tio, fazendo dele, não o sétimo, mas o oitaao Ptolemeu a ascender ao poder.
  92. Geralmente numerado IX, mas segundo as nomenclaturas mais antigas era numerado VIII, provavelmente não contando o reinado de Ptolemeu Neos Filopator.
  93. Porfírio, citado por Felix Jacoby, Fragmente der griechischen Historiker, no. 260 F 2, 14
  94. Estrabão,Geographica, Universidade de Chicago, pág. 17.1.11. [3].
  95. Estrabão,Geographica, Universidade de Chicago, pág. 17.1.11. [4].

BibliografiaEditar

  • Cerny, J. «Egypt from the Death of Ramesses III to the End of the Twenty-First Dynasty». In: Edwards, I. E. S. The Middle East and the Aegean Region c.1380–1000 BC. Cambrígia: Cambridge University Press. ISBN 0-521-08691-4 
  • Clayton, Peter A. (1995). Chronicle of the Pharaohs: The Reign-by-Reign Record of the Rulers and Dynasties of Ancient Egypt Reimpressa ed. Londres: Thames and Hudson. ISBN 978-0-500-05074-3 
  • Dreyer, Günter (1998). Umm el-Qaab I. Das prädynastische Königsgrab U-j und seine fruhen Schrifzeugnisse. Mogúncia: Philipp von Zabern 
  • Grimal, Nicolas (1992). A History of Ancient Egypt. Oxônia: Blackwell Books 
  • Morenz, Ludwig David (2004). «Bild-Buchstaben und symbolische Zeichen. Die Herausbildung der Schrift der hohen Kultur Altägyptens». Friburgo. Orbis Biblicus et Orientalis. 205. ISBN 3-7278-1486-1 
  • Rice, Michael (1999). Who's Who in Ancient Egypt. Londres e Nova Iorque: Routledge 
  • Ryholt, K. S. B. (1997). The Political Situation in Egypt During the Second Intermediate Period, C. 1800–1550 B.C. Copenhague: Museum Tusculanum Press. ISBN 87-7289-421-0 
  • Shaw, Ian (2003). The Oxford History of Ancient Egypt. Oxônia: Oxford University Press 
  • Wilkinson, Toby A. H. (1999). Early Dynastic Egypt. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 0415186331 

Ligações externasEditar