Abrir menu principal
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.


Augusto Moreno
Nascimento 10 de novembro de 1870
Morte 2 de abril de 1955 (84 anos)
Prêmios Oficial da Ordem da Instrução Pública

Augusto Moreno, de nome completo Augusto César Moreno OIP (Freixo de Espada à Cinta, Lagoaça, 10 de Novembro de 1870 - Porto, 2 de Abril de 1955) foi um professor e linguista português.

BiografiaEditar

Nasceu no concelho de Freixo de Espada à Cinta, no Nordeste Transmontano. Cedo demonstrou vocação para os estudos da língua portuguesa o que o levou, por escassez de meios, a frequentar, no Porto, a Escola Normal Primária do Porto[1] (1887-1890), onde se formou, com elevadas classificações e alguns prémios pecuniários, nos ensinos elementar e complementar. Concluídos estes, passou a leccionar na Escola Oficial de Mogadouro, à qual se seguiu a da Aldeia Galega do Ribatejo – actual Montijo – e finalmente a de Miranda do Douro.

Fixou posteriormente residência em Bragança onde foi mestre da Escola Primária Superior, tendo exercido igualmente o cargo de Vice-presidente e Presidente da Câmara Municipal daquela cidade, além do de administrador do concelho aquando do Implantação da República Portuguesa, da qual se mostrou sempre um indefectível apoiante pelo que chegou então a ser preso.

Reformou-se do ensino ao fim de 32 anos de profícua e laboriosa actividade em virtude de uma acentuada surdez que em muito lhe limitou o normal exercício das suas actividades públicas, mas nem por isso deixou de trabalhar e continuar a dedicar-se à grande paixão da sua vida: - a cultura da língua portuguesa da qual, como poucos, conhecia os seus múltiplos e seculares segredos.

Autodidacta e estudioso de grande mérito, entre as múltiplas línguas que estudou, algumas das quais falava, figuravam o francês, o inglês, o alemão, o espanhol, o latim e o hebraico, por exemplo, pelo que era considerado um poliglota prestigiado, tanto na sua Pátria como no Brasil, onde chegou a afirmar ser mais conhecido do que na sua terra![carece de fontes?]

Filólogo, gramático e pedagogo, foi igualmente poeta e prosador sendo bastantes as obras e os textos que ostentam o seu nome tendo colaborado em vários órgãos da imprensa regional e local além de em revistas destacando-se a Gazeta Fiscal de Lisboa, a Arte e a Arte Livre, do Porto, e Nova Alvorada, de Famalicão. Colaborou ainda em várias publicações regulares e avulsas como a Revista Nova, de Trindade Coelho, a Revista Lusitana, de Leite de Vasconcelos, e a Tribuna, de Pires Avelanoso, tendo sido um valioso colaborador de Cândido de Figueiredo na elaboração do seu Novo Dicionário da Língua Portuguesa.

Como autor, publicou o "Glossário Transmontano", que se iniciou na Revista Nova e se concluiu na Revista Lusitana, e "Joio na Seara" com análise crítica a algumas obras do mestre Cândido de Figueiredo. Foi ainda autor dos "Dicionário Popular Elementar" e "Dicionário Complementar da Língua Portuguesa". Publicou "Moral e Educação Cívica", as "Lições de Linguagem" (4 vol.), "Lições de Análise, Fonética e Ortografia" (3 vol.), tendo sido colaborador presente no Jornal diário portuense "O Primeiro de Janeiro" onde tinha uma coluna muito apreciada e denominada "Como Falar – Como Escrever", na qual dava resposta a inúmeras perguntas sobre temas, dúvidas e outras questões de linguagem – prosódia, ortografia e sintaxe – as quais lhe eram copiosamente formuladas e tinham as mais diversificadas origens, muitas delas oriundas do próprio Brasil. Publicou ainda vários livros escolares: "Gramática Elementar", "Redacção, Geometria e Ciências Naturais" da colecção "Série Escolar de Educação". Além disso e em colaboração com António Figueirinhas, orientou e dirigiu o "Português Popular" sendo dois os volumes publicados sob este título.

Como tradutor verteu as obras: "Como se Llega a Milionário", do espanhol Climet Ferrer, e "Voces de Aliento", de Orison Swett Marden, "Le Reve de Suzy", da francesa Henri Ardel, "La Femme dans la Famille", de Marie-Dominique Philippe, baronesa de Staffe, "La Grande Amie", de Pierre L’Ermite, "La Neige sur les Pas", de Henri Bordeaux e "Tache", de E. Saint Galles.

"Por proposta do Dr. Bernardino Machado foi eleito sócio do Instituto de Coimbra, e, por iniciativa de António Leal e da "Educação Nacional", a que se seguiu proposta do Governo Civil de Bragança, foi agraciado com o título e grau de oficial da Ordem da Instrução Pública, por serviços distintos prestados à mesma instrução. Publicada a mercê, foi-lhe, em Outubro de 1933, prestada em Bragança pública homenagem, a que se associaram todas as corporações, autoridades e povo da cidade, os então Ministro da Educação Nacional e director geral do Ensino Primário, diversos professores, à frente dos quais Cardoso Júnior e Romeu Pimenta, e vários jornais, nomeadamente Novidades, Educação Nacional, Escola Primária, Diário de Notícias, Diário de Lisboa, O Século e O Primeiro de Janeiro. Tendo em 1935 fixado residência no Porto, Augusto Moreno ali continua estudando dedicada e proficientemente os problemas mais interessantes da língua pátria. Colaborou na sua velha tribuna da Educação Nacional, em O Primeiro de Janeiro e nas revistas Ocidente e Revista de Portugal, de Lisboa, e, de colaboração com Cardoso Júnior e José Pedro Machado, publicou o Grande Vocabulário Ortográfico Luso-Brasileiro. Trabalhou, com os mesmos cooperadores, na revisão e actualização do "Dicionário de Morais", Augusto Moreno é legitimamente considerado um dos mais competentes mestres contemporâneos da Filologia e dos mais eminentes cultores da língua portuguesa, cuja pureza defendeu com brilho e vigor notáveis.".[2]

Em 5 de Outubro de 1933 foi feito Oficial da Ordem da Instrução Pública.[3]

Em sua homenagem e como reconhecimento do seu trabalho e dedicação ao ensino, foi atribuído o seu nome à Escola Preparatória da sua cidade do coração e onde passou a maior parte da sua vida.

Referências

  1. «Escola Normal do Porto». SAPO. Educar.no.sapo.pt. Consultado em 10 de outubro de 2010 
  2. «Figuras Ilustres, Augusto Moreno». Bragancanet.pt. Consultado em 10 de outubro de 2010 
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Augusto César Moreno". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
Bibliográficas
  • Augusto Moreno. In Diciopédia 2006 [CD-ROM]. Porto: Porto Editora, 2005. ISBN 972-0-65259-4

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Júlio Soares da Rocha Pereira
Presidente da Câmara Municipal de Bragança
4 de Janeiro de 1912 - 7 de Agosto de 1913
Sucedido por
Carlos Alberto de Lima e Almeida