Abrir menu principal

Batalha de Antivari

Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
  • Não tem fontes.
  • Texto necessita de revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa.
Batalha de Antivari
Parte da(o) Primeira Guerra Mundial
SMS Zenta
Cruzador austro-húngaro SMS Zenta
Data 16 de agosto de 1914
Local Antivari, Montenegro
Desfecho Vitória aliada
Combatentes
França Terceira República Francesa
Reino Unido Reino Unido
 Austria-Hungary Áustria-Hungria
Líderes e comandantes
França Augustin Boué de Lapeyrère Flag of Archduchy of Austria (1894 - 1918).svg Paul Pachner
Forças
2 encouraçados dreadnought
10 encouraçados pré-dreadnought
4 cruzadores blindados
1 cruzador protegido
20 destroyers
1 cruzador
1 destroyer
Vítimas
Nenhum 173 mortos
~50 feridos
1 cruzador leve afundado

A Batalha de Antivari ocorreu em 16 de agosto de 1914, na cidade de Antivari em que a frota anglo-francesa combateu dois navios austríacos.

AntecedentesEditar

Logo após o início da Primeira Guerra Mundial, a Áustria-Hungria iniciou a invasão da Sérvia, como Montenegro era aliada dos sérvios, a Marinha Austro-húngara iniciou um bloqueio marítimo no litoral montenegrino e também iniciou uma bombardeio em suas cidades litorâneas.

A BatalhaEditar

Montenegro havia entrado na Tríplice Entente e com isso as potências aliadas enviaram uma grande frota anglo-francesa para socorrer os montenegrinos, iniciar o Bloqueio de Otranto e tentar atrair a Marinha Austro-húngara para uma armadilha, um estreito localizado na entrada do Adriático. Quando o SMS Zenta e o SMS Ulano estavam bombardeando a cidade montenegrina de Antivari foram surpreendidos pela frota aliada. Sem condições para combater, os austríacos tentaram fugir para o Norte, o SMS Ulan conseguiu escapar, mas o SMS Zenta foi bombardeado e logo afundou matando 173 marinheiros e deixando 50 feridos.

ConsequênciasEditar

Apesar do naufrágio do SMS Zenta, a Marinha Austro-húngara não caiu na armadilha francesa que sem apoio logístico para continuar a ofensiva, a marinha aliada decidiu retornar à Malta para reabastecer.